Home office eterno

07.08.20

Enquanto uma parte expressiva da população sofre com crescente desemprego em razão da pandemia, o conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, completa neste mês seis anos de “férias remuneradas”. O ex-chefe da Casa Civil do governo Mario Covas foi afastado do cargo pela Justiça paulista em agosto de 2014 sob a acusação de ter recebido 2,7 milhões de dólares de propina da multinacional francesa Alstom. Réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ele já tentou duas vezes retomar a cadeira no TCE. Não conseguiu e segue em casa recebendo integralmente seus subsídios de conselheiro. Desde o afastamento, Marinho já amealhou 2,5 milhões de reais.

DivulgaçãoDivulgaçãoDa data do afastamento até hoje, Marinho já recebeu 2,5 milhões em salários

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Que humilhante para os que ainda estão na ativa. Não descobriram ainda que é só dar uma roubadinha e todos tirarão férias eternas? Que burrice hein? Kkkkkkk

    1. Pera lá. Tem que dar a roubadinha e ser descoberto e ser condenado. Não é assim tão fácil não. Precisa ser caprichado!

  2. Alberto (Belém-Pa). Este é o Estado Democrático de Direito Brasileiro, a democracia brasileira. Parafraseando Cazuza : "Nossas instituições estão cheias de ratos". E ainda tem cidadão q se bate por essas nossas "otoridades" que ocupam cargos no Executivo, no Legislativo, no Judiciário, no Ministério Público, nos Tribunais de Contas e nas forças militares. Gente, pessoas que ocupam cargos públicos não devem ser blindadas e nem endeusadas, mas sim investigadas e, se for o caso, punidas com rigor.

  3. Eu me lembro do episódio. Comentei acima, em outro artigo, que de nada adianta afastar o prevaricador se ele continua a receber, sem sair de casa, como se nada houvesse ocorrido! É premiar a gatunagem.

  4. Enquanto isso corre-se atrás de 72 mil reais, porque o que é importante é derrubar o presidente da república. Repito, qualquer roubo é roubo seja qual for o valor, mas o objetivo não é combater corrupção, o afã é outro, qual seria?

  5. Há dois tipos de leis e normas nesse país. Uma para o funcionalismo público especialmente do Judiciário e Legislativo outra p os demais brasileiros.

    1. Quem pode nos orientar sobre qual atitude tomar para brecar tais pagamentos e pedir a devolução do já pago? Parecemos hienas que se riem da desgraça mas nada fazemos para mudar os fatos. Chega!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO