Alan Santos/PRO presidente em uma de suas escalas no Nordeste: ele percebeu que, com dinheiro, pode avançar sobre o "eleitorado lulista"

Não era por amor

O crescente apoio a Bolsonaro no Nordeste depois do auxílio de 600 reais derruba o mito de que a região é um enclave seguro do lulopetismo, mostra que não há fidelidade eleitoral que o assistencialismo à base de dinheiro público não resolva e explica por que o Planalto está tão interessado em gastar mais
07.08.20

Apesar de a história apresentar uma fartura de exemplos de que o coração das classes mais carentes do país sempre bateu em favor dos governos de turno, sobretudo os que colocaram a engrenagem assistencialista para girar, como foi o caso de Collor com os seus “descamisados”, havia uma espécie de consenso segundo o qual o Nordeste teria virado um reduto eminentemente lulista – talvez embalado pelo predomínio do PT na região nas eleições presidenciais de 2002 para cá. O governo Jair Bolsonaro está aí para provar que essa é uma certeza em franca erosão.

Depois que decidiu abrir o cofre e injetar dinheiro na base da pirâmide social, a partir da criação do auxílio emergencial de 600 reais, Bolsonaro viu crescer sua aprovação na região. No início do mês, tornou-se cinco pontos mais popular nos estados nordestinos entre as classes D e E, resultado que fez com que se estagnassem os números nacionais que vinham apontando para a deterioração de sua popularidade em razão da revolta de parte da população com a condução do combate ao coronavírus.

O aparentemente consistente aumento nos índices de aprovação do presidente na região, cujos primeiros sinais apareceram ainda em dezembro, quando o governo liberou o 13º do Bolsa Família, foi suficiente para acender a luz verde no Palácio do Planalto. O presidente e seus auxiliares mais próximos entenderam, a partir de então, que se tratava de uma oportunidade de ouro não só para preservar a popularidade do governo como para aumentá-la, transformando o afago aos nordestinos numa catapulta para o projeto de reeleição de Bolsonaro em 2022. Daí a decisão de intensificar as viagens presidenciais ao Nordeste.

Nas últimas semanas, Bolsonaro experimentou uma espécie de “banho de povo” na região. O Piauí, onde iniciou a caravana antes de seguir para a Bahia, abriu a sequência. Em clima de campanha, Bolsonaro vestiu um chapéu de vaqueiro, desfilou montado no lombo de uma égua, retirou a máscara de proteção e saiu a cumprimentar uma animada claque com apertos de mãos. Ali, a estratégia para 2022 estava mais do que evidente: o presidente pretende se reeleger com uma retórica que se assemelha à adotada por Lula em passado recente — e por meio da injeção de assistencialismo na veia.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéDe olho nos votos, o ministro Marinho é um dos entusiastas da ideia de abrir o cofre
Por trás do plano de abrir a torneira dos gastos a fim de pavimentar o caminho para a reeleição, no entanto, existe uma queda de braço nos bastidores do governo. De um lado estão os ministros Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, e Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura. Do outro, o ministro da Economia, Paulo Guedes. Enquanto o último tenta segurar o ímpeto perdulário do governo, a dupla Marinho-Tarcísio pressiona pelo libera-geral dos recursos. É deles, inclusive, a ideia em gestação no governo de criar a Secretaria Especial do Semiárido, ligada diretamente à Presidência da República, a fim de dar visibilidade às ações do Planalto no Nordeste, o que implicaria, claro, mais gastos.

Bolsonaro, por ora, faz jogo duplo. Enquanto estimula internamente as discussões no sentido de pisar fundo nos gastos públicos, publicamente – provavelmente para acalmar o mercado – diz que “não dá pra continuar muito” com o pagamento do auxílio emergencial por causa do alto custo do benefício. “Não dá para continuar muito porque a economia tem que funcionar”, afirmou Bolsonaro na quarta-feira, 5, no Palácio da Alvorada. No mesmo dia, porém, em entrevista ao jornal O Globo, o filho 01 do presidente, senador Flávio Bolsonaro, não poderia ter sido mais claro sobre as reais intenções do governo. “O Paulo Guedes vai ter que dar um jeito de arrumar mais um dinheirinho para a gente dar continuidade a essas ações que têm impacto social e na infraestrutura”, disse.

Em reuniões no Ministério da Economia, Paulo Guedes tem dito que não vai aceitar uma aventura no populismo fiscal nos moldes do petismo. Afirma que está fora de questão a possibilidade de romper com o teto de gastos, que bem ou mal vinha possibilitando ao governo o enxugamento da máquina pública e a redução das taxas de juros, juntamente com a inflação. Ocorre que, embora integrantes da pasta mencionem preocupação com o impacto sobre as contas públicas, há o entendimento de que pressões políticas podem acabar levando à explosão nos gastos. O primeiro passo nessa direção é garantir a prorrogação até dezembro do auxílio emergencial. O programa, cujo custo mensal é de 50 bilhões de reais, havia sido criado para durar apenas três meses.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CRUSOEGuedes: por enquanto, ele segue resistindo à ampliação dos gastos
O problema é que qualquer “dinheirinho” a mais, como cunhou Flavio Bolsonaro, precisaria vir de algum lugar. É por isso que no seio do governo se discute a elevação da carga tributária por meio da criação da nova CPMF sobre transações financeiras eletrônicas. O imposto digital serviria para financiar não apenas o auxílio emergencial como também para sustentar uma versão turbinada do Bolsa Família, o Renda Brasil. “O Bolsa Família é um ótimo programa, mas isso não significa que ele não pode ser aperfeiçoado”, disse a Crusoé um auxiliar de Paulo Guedes, que afirma ter um plano alternativo para aumentar o orçamento da transferência de renda a famílias carentes em pelo menos 70%.

A ideia é juntar o Bolsa Família, que hoje custa 29,5 bilhões de reais por ano, com o dinheiro do Abono Salarial e do Seguro Defeso, elevando o gasto para 50,5 bilhões. Técnicos da Economia vêm repetindo em diversas reuniões que a pasta não vê problemas em remanejar recursos para incrementar investimentos no orçamento do ano que vem. “Se estivermos falando em 2 ou 3 bilhões por ano, é possível”, analisa um secretário da pasta.

O pessoal de Guedes insiste internamente que a retomada do investimento tem de vir pela revisão de marcos legais, como o do saneamento, e com a desburocratização das regulações brasileiras para facilitar investimentos estrangeiros. A questão é saber se o discurso será aplicado realmente na prática e se Guedes irá resistir à tentação bolsonarista de ampliar os investimentos à custa do aumento ou até criação de novos impostos – projeto que vem sendo articulado desde que auxiliares do Planalto, Rogério Marinho incluído, levaram ao presidente a proposta do Pró-Brasil, uma espécie de PAC de Lula e Dilma com nova roupagem e um incremento substancial de investimentos públicos em obras, fora do teto de gastos, de mais de 180 bilhões.

Consumada a inclinação do governo para o desenvolvimentismo, será a maior guinada econômica de um presidente desde que Dilma Rousseff convidou o liberal Joaquim Levy para assumir o Ministério da Fazenda e promover um até então impensável ajuste fiscal – no que foi boicotado pelo próprio PT. Só que, desta vez, de maneira contrária: um governo eleito sob a bandeira liberal afrouxando o torniquete para a gastança desenfreada. Tudo para conquistar de vez o eleitorado do Nordeste, aquele mesmo que amava Lula, e aplainar o terreno para as eleições de 2022. Qualquer semelhança com governos anteriores não é mera coincidência.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. E ainda perdemos tempo discutindo os conceitos filosóficos de direita e esquerda. Não existe esses dois polos no Brasil. O que existe é uma moeda com dois lados com idêntico modus operandi. De um lado já existe um populista já em ação, do outro existe um engalfinhamento para escolher quem será o oponente. A única diferença é que no lado atual ainda não foi constatada a corrupção institucionalizada (eu disse ainda). Do outro lado já sabemos o que houve. Direita x esquerda é conversa fiada.

    1. O Nordeste precisa de Educação básica de qualidade( p comecar) e não de esmolas! A alforria do Brasil passa pela educação de qualidade e com o aperfeiçoamento do senso crítico popular

    1. Bom, pelo linguajar e ideias dos Srs é possível se entender claramente quem apoiam e quais políticos de estimação preservam.

    2. É isso que os bozistas gostam Arnaldo. Uma caricatura de presidente! Devem ser sadomasoquistas!

  2. o JB vai se revelando o verdadeiro conservador nos costumes só falta filiar se ao PT já que está sem partido. a cartilha já decorou rsss Daniel

    1. Verdade Daniel, verdade. Falo desde fevereiro do ano passado que o Bozismo = Petralhismo. Todas as minhas previsões se confirmaram! Apenas os beócios e o gado acreditam no genocida! Fazer o que? Faltam a eles a arquitetura mental das pessoas do bem!

  3. Ai está o maior expressão de que o modelo de "democracia" do Brasil está falido. A "democracia" se compra com esmola e às custas da ignorância e miséria de um povo. Isso precisa mudar, sem demasia, sem populismo e sem roubalheira, o que é impossível neste país.

    1. Se alguém acha que o populismo não domina a Europa, análise as vantagens eleitorais que eles dizem ser cidadania. O bicho homem é brabo de se lidar. É quando aparece um Bolsonaro para salvar pelo menos em parte, as situações criadas pelo STF e Congresso levam-no obrigatoriamente no sentido contrário.

  4. ONTEM Lula o amava o dinheiro. Lula amava o povo. O povo amava Lula. O povo amava o dinheiro. HOJE Bolsonaro ama o dinheiro ...................... ...................... .................... .....................

  5. Ao invés de emprego e educação dá-se um miserê para a patuleia e tudo fica azeitado para as próximas eleições. É mais do mesmo agora com sinal de direita e nós vamos pagar a conta.

  6. As usual, governos nada produzem, mas gastam como se tivessem o dom da multiplicação dos pães. É o famoso ciclo eleitoral em movimento.

  7. Assistindo ontem o gabinete de crise que logo no início mostrou algumas entrevistas de Bolsonaro dizendo tudo o contrário que ele tem feito e lendo essa reportagem penso 🧐 que a saída para o Brasil é ter um presidente que não é profissional da politicagem, a população está preparada para votar nesse sujeito? Acho difícil nosso “povo” parece que tem atração pelo pior.

  8. Ao visitar o Nordeste, FHC agitou a plebe passeando de jegue. Alguém até sugeriu que os presentes agitassem ramos de oliveira pois ali se via o Salvador reencarnado. Os tucanos previam, então, 20 anos no poder; os Lulistas não fariam por menos. O jumento emprestava um tom religioso à cena mas, mesmo assim, Mario Covas nela enxergou falta de autenticidade. As fotos de JB a cavalo evocam o livro do Prof. Samuel E. Finer, The Man on Horseback, obra ainda relevante sobre os militares na política.

  9. Como diria a cafetina oficial dos políticos em Brasília: dinheiro compra até amor sincero! Ou como vocês acham que o Bozo foi eleito? Sinceramente, vocês acham que os bandidos, incultos e abestalhados votarem nele por causa do sorriso do genocida? Ele prometeu bilhões de reais para estas pessoas. Só de terra públicas que ele quer transferir para os grileiros, o valor será de 600 bilhões de reais.

  10. É fácil fazer bonito com o chapéu dos outros. A classe média que lutou para ter uma vida melhor agora tem que repartir em impostos para que o Presidente ganhe as próximas eleições com mentiras e sacrifício daqueles que deram duro para estudar seus filhos. Este país é meo país de bananas. Políticos que se vendem por um cargo, não representando seus eleitores e sim com objetivo de enriquecimento como temos visto até agora neste país.

  11. Nem vou ler a matéria porque já li iguais centenas de vezes, mas vou vou recordar algo bem oportuno: “desses governadores de paraíba, o do MA é o pior”. Um acesso de sinceridade do Bozo. As coisas são o que são. Paraná e Santa Catarina LIVRES do cabresto. Não tenho medo do carrapato vindo do Ministério Público, apenas repeti as palavras do senhor dele...

  12. Sinceramente, penso que devemos voltar ao conservadorismo fiscal! Caso contrário, os juros, e a inflação farão um estrago imenso na economia

  13. Crusoe perdeu o rumo! Publica ilações e acusa de qualquer modo! Se não houvesse o auxílio emergencial estariam criticando por deixar o povo a míngua...como sempre, é só jogar pedra na vidraça !!

    1. Esta revista se transformou num verdadeiro tablóide. E os jericos derrotados da esquerda seguem urrando!

    1. Cidadães...,André? Em que idioma? A ideia é boa. Mas a ortografia...

  14. A Cruzoé está cometendo um erro primário que só serve para dar feedback aos comentários de seu " gado" fiel. O governo Bolsonaro tem ministros que estão fazendo muito pelo país e são sempre esquecidos, o principal é o Tarcízio de Freitas que esta fazendo uma revolução na infraestrutura brasileira. Honestidade jornalística é o que mais falta e a desonestidade o que mais nos atinge. Quosque tandem?

  15. Relembrando a História, Castelo Branco em 1964 quando criou o BNH (Banco Nacional da Habitação) foi com a justificativa de que, um proletário com uma casa própria era um comunista revoltado a menos. A História dá as suas voltas, o problema é que ela é sempre esquecida.

  16. Lembro-me daquela frase genial do Joãozinho 30 - quem gosta de miséria é intelectual, pobre gosta mesmo é de luxo. Pois ´e, parafraseando: quem gosta de ideologia é esquerdista, pobre gosta mesmo é de grana!

    1. Eu torço e farei tudo a meu alcance para que a única diferença seja a efetivação da perda dos direitos políticos.

  17. Ele pode quebrar a cara. Não lutou pela prisão em segunda instância e deixou o messiânico petista livre. A cascavel petista foi seriamente baleada pela Lavajato, mas aqui no Nordeste ainda está bem viva.

  18. Não é tão semelhante assim!Lula só deu a comida para obter os votos, Bolsonaro com o Marco Legal do Saneamento aprovado pelo CN em seu governo,dará também onde se fazer cocô.Que Deus nos ilumine a todos!

  19. Nada que preste no governo Bolsonaro segundo os "Antas"?? Nem uma linha de qualquer editorial que não houve corrupção nos ministérios.

  20. A cada dia mais igual ao antecessor. O outro se inebriava de cachaça, esse de poder. Só quer se reeleger, não tem outro objetivo.

  21. Pula fora desse barco, Paulo Guedes, pois esse governo já deixou para trás as promessas da campanha. Adeus livre mercado; adeus Estado mínimo; dane-se a classe média! O PT não poderia fazer pior!

  22. Infelizmente Luiz Gonzaga e Zé Dantas se enganaram quan afirmaram em "Vozes da seca" que esmola ou mataria o nordestino de vergonha ou o viciaria. Ficamos viciados pelas esmolas dadas por sucessivos governos, incluídos Lula e Bolsonaro. Triste constatar essa verdade.

  23. E Luiz Gonzaga e Zé Dantas, quem diria!, estavam enganados quando compuseram o "Vozes da Seca" e afirmaram que esmola iria ou matar o nordestino de vergonha ou viciá-lo. Parece que estamos viciados pelas esmolas dadas por sucessivos governos, incluindo Lula e Bolsonaro. É muito triste constatar essa verdade.

  24. Morei na Bahia por quase 12 anos. A experiência in loco me dá a absoluta certeza de que o Nordeste será sempre governista, não importa quem esteja no poder. A Bahia era de Antonio Carlos Magalhães, depois passou para o PT. Este pode esperar que em 2022 não elegerá o governador. O Nordeste inteiro era fechado com o regime militar. Foi só mudar a configuração do poder central para mudar os ventos que sopravam em todos os estados nordestinos. Com nordeste governista, em 22 nada mudará.

  25. Como tem gado nos comentários.Parabéns Crusoé contínua a mostrar os desmandos desses políticos corruptos.Não Tenho político de estimação!!!!

  26. Os articulistas da CRUSOÉ não tem jeito mesmo. Continuam a fazer parte da "Mídia Golpista" do lado que for conveniente. Uma hora um Presidente é irresponsável por ser ladrão, o outro é irresponsável por ser perdulário. Sempre em busca dos erros nunca dos acertos. O Quarto Poder precisa mudar. Acabar com seu Gabinete do Ódio tanto quanto do Planalto, Congresso e STF.

  27. O NE não consegue sair da sua condição de miséria, fome, insalubridade, falta de moradia e trabalho decente pra todos! Por que não pensar em políticas de controle de natalidade ao invés de distribuir bolsa-família e esmolas que nunca resolverão os problemas do povo nordestino? Falta inteligência, coerência e coragem! Os governantes deste país sempre foram tacanhos!!

    1. Imagina! Vão perder o curral eleitoral?afinal,o povo é que paga a conta,com a precariedade em saúde, educação,saneamento,estradas,etc enquanto os manda chuvas de refastelam.Eh Brasil!

    2. Não há interesse em reduzir a pobreza do Nordeste. O necessitado é preza fácil de políticos populistas.

  28. Pois é Paulo Guedes. Está acontecendo com você o que aconteceu com Sergio Moro. Você é só mais um nome para decoração do Governo.

  29. Totalmente a favor que se crie alíquota mínima para fins emergenciais; para quem está de barriga cheia é fácil dizer não, que se dane quem é contra! qualquer governo faria isso!

    1. Lularapio é e sempre será o maior ladrão de todos os tempos.

  30. Vocês da Cruzoé/Antagonista têm ainda uns dois anos para correr atrás do prejuizo e tentar reverter a imagem do Bolsonaro no NE. Afinal de contas, a maior luta da mídia é destruir JB e não colaborar, em nada, para uma causa justa no Brasil; o alcance de suas visões não vai além dos próprios umbigos. Vão à luta, ainda dá tempo de se equiparar ao Globo, Folha, estadão, e outros da velha mídia.

    1. Os nordestinos que já chegaram a ser ridicularizado por esse governo agora serve para futuros votos. O nordeste só serve para encher o bolso de político ladrão.

  31. parece até que o auxílio tá vindo só para o nordeste, né? o que ele deveria fazer então? deixa todo mundo aqui sem nada e "dane-se"? dar atenção ao semi-arido é coisa que vem desde a campanha eleitoral e ngm falava em "estratégia adotada por lula"... primeiro foi o projeto do renda Brasil que segundo o antagonista, é um projeto ruim pq vai trazer um monte de desqualificados para o mercado de trabalho (isso tá lá na matéria) e agora isso... se tá ruim apoiar o bozo, ler as reportagem tá pior.

    1. Concordo totalmente com vc João. Só gostaria de fazer uma pergunta: por que as pessoas ditas inteligentes gostam tanto de distorcer os fatos? Sou Nordestina com muito prazer. Mas não sou nem analfabeta, nem miserável. Como vocês conseguem ver populismo num auxílio emergencial para evitar que as pessoas necessitadas morram de fome? esse auxílio deveria ser negado então? que prazer mórbido é esse? e por acaso só os nordestinos o receberam? Por favor, revisem os seus conceitos.

    1. Não concordo! Políticos corruptos adoram um povo ignorante para poder manipulá-lo. A obrigação de votos (lei antidemocrática) garante a manipulação de m/m 70 % dos votantes. Com isso, os 30 % de votos, daqueles que não se deixam manipular, nunca têm voz e a corja corrupta continua firme no poder. Lutemos por educação decente! Povo educado não tolera corruptos! É dever das FFAA de zelar que a democracia não seja substituída por uma ditadura, já que as mão do PR foram atadas por um STF corrupto.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO