Alô, PF

14.02.20

Quase seis anos após a primeira fase da Lava Jato, o câmbio negro de dólar e euro voltou a dar as caras de fininho no entorno do célebre Posto da Torre, na região central de Brasília. O posto, onde funcionava uma casa de câmbio operada pelo doleiro Carlos Habib Chater, foi o ponto de partida da megainvestigação que levou à cadeia a cúpula nacional da política e da empreita. Discretamente, comerciantes que atuam ao redor do estabelecimento vendem e compram moedas estrangeiras à margem do sistema oficial. A área, que também abriga hotéis conhecidos da cidade, costuma ser frequentada por políticos e empresários.

ReproduçãoReproduçãoO posto que deu origem à Lava Jato: vendedores de dólar operam ali perto

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Os criminosos sabem que a justiça brasileira é lenta, isto significa INJUSTIÇA. E sabem que somente serão presos após 4 instâncias. Por isso reincidem nos delitos.

    1. Interessante seu comentário. Começo a concordar por um motivo bem simplório: Quando vejo todo mundo jogando lixo na rua. Eu não faço isso. Mas tenho a impressão de que apenas eu não jogo lixo na rua

  2. Um câncer, quando mal tratado, com tantas Garantias que aí se colocaram, no final sempre ressurge... Ainda bem que o mau se consome por si próprio...

Mais notícias
Assine
TOPO