Divulgação/Favaro ArquitetosSob o argumento da geração de empregos e da arrecadação de tributos, o lobby do jogo de azar avança no Congresso

Jogo explícito

Antes moderado, o lobby no Congresso Nacional para liberar cassinos no Brasil é cada vez mais escancarado, e desta vez deve funcionar
14.02.20

Os olhos da deputada federal Magda Mofatto cintilam quando ela fala sobre cassinos no Brasil. “O país precisa disso. É o maior gerador de empregos, pois não para, precisa de gente trabalhando o tempo inteiro.” Dona de doze hotéis que somam 15.500 leitos em Caldas Novas, município goiano famoso por suas águas quentes, a parlamentar do PL tem um terreno do tamanho de 20 campos de futebol na entrada da cidade destinado a um resort com cassino. Contando com investimento estrangeiro e a disposição dos colegas parlamentares, ela mantém contato com empresários de Las Vegas, onde esteve com congressistas brasileiros favoráveis à legalização dos jogos de azar. O grupo aposta que um projeto de lei sobre o tema será colocado em votação em breve, conforme prometido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Unidos no notório Centrão, dono de pouco mais de 200 votos na Câmara, os defensores da legalização dos jogos nunca falaram tão abertamente sobre o tema. Eles jogam juntos e, em geral, afinados. Argumentam que, com a medida, podem ser criados até 700 mil empregos e arrecadados 30 bilhões de reais em tributos em todo o país por ano. Só não há consenso sobre o alcance da lei. O grupo se divide entre os que querem a liberação de várias modalidades — incluindo bingos eletrônicos e o popular jogo do bicho — e aqueles que defendem apenas a volta dos cassinos, por considerar que um texto mais restritivo enfrentaria menor resistência.

O sempre investigado Paulinho da Força é um dos representantes do lobby dos jogos na Câmara. Deputado por São Paulo e presidente nacional do Solidariedade, ele implorou ao presidente Jair Bolsonaro, em um almoço no fim do ano passado, para regulamentar a atividade. Paulinho jura pensar apenas na geração de emprego e renda. Ele, que joga no time dos que pedem a liberação total, também veste a camisa de grupos espanhóis que dominam o comércio de máquinas caça-níqueis — os bingos eletrônicos — na Europa e no México e lucraram com o jogo no Brasil nos anos 1990 e 2000, quando o negócio não era criminalizado. “Já conversei muito com eles. Têm total interesse em investir no Brasil de novo”, afirmou o deputado a Crusoé. À frente de um desses grupos com os quais Paulinho fala, está a família Ortiz, que saiu do Brasil quando o STF tornou ilegais todos os bingos, em 2007. Alejandro Ortiz e seu irmão Johnny fundaram duas companhias no exterior, a Ortiz e a Zitro, líderes do setor na Europa. “Tenho meu interesse próprio como jogador. Sim, eu jogo nas maquininhas toda vez que vou a São Paulo, antes das peladas de futebol com amigos. Lá tem maquininha em todo botequim. Todo mundo sabe disso. Só quem não ganha é o Estado”, afirma Paulinho. Ele diz ganhar com as apostas “o suficiente para pagar a cerveja depois da pelada”.

Partido SolidariedadePartido SolidariedadePaulinho da Força veste a camisa de empresários das máquinas caça-níquel
O líder do PP na Câmara, deputado Arthur Lira, é outro defensor do libera-geral. Ele emula o pai, Benedito de Lira, que, em 2017, quando era dono de uma cadeira no Senado, assinou um relatório favorável à legalização do jogo do bicho, do bingo, do videobingo, de apostas esportivas e não esportivas e de cassinos. Pai e filho também estão unidos pela Lava Jato — aliás, se há algo em comum entre os mais proeminentes apoiadores dos cassinos no Brasil é o fato de eles serem encalacrados com a Justiça. Arthur é réu em dois processos no Supremo, além de ser acusado pela ex-mulher de ocultar um patrimônio de 40 milhões de reais construído, segundo ela, por meio de propina. Benedito foi alvo de duas denúncias, uma arquivada e a outra, a do chamado “quadrilhão do PP”, ainda não julgada.

Arthur e Benedito de Lira, que representam Alagoas, argumentam que os jogos aqueceriam o turismo a ponto de acabar com o desemprego no Nordeste do país. É a mesma pregação do deputado Newton Cardoso Jr., do MDB mineiro, só que em favor de Minas Gerais. Presidente da Comissão de Turismo, ele foi um dos principais responsáveis por convencer Rodrigo Maia a colocar o projeto de legalização em votação ainda no primeiro semestre. Newtinho, como é conhecido por ser filho do lendário Newtão — Newton Cardoso, o enrolado ex-governador de Minas — abraçou os planos ambiciosos e milionários de investidores asiáticos, como a Shun Tak Holdings, dona de alguns dos maiores cassinos da Ásia e da Europa. Newtão e Newtinho entendem de negócios. A família tem uma fortuna estimada em 3 bilhões de reais — grande parte em terras à espera de investimentos –, conquistada por meio de transações escusas, conforme uma série de investigações do Ministério Público.

Do mesmo MDB de Newton Cardoso Jr., o paulista Herculano Passos exalta os modelos de Las Vegas, Macau e Singapura, em consonância com o projeto que o Centrão quer logo aprovar. Um deles seria instalado, de preferência, em Itu, da qual Passos foi prefeito por dois mandatos e onde tem restaurantes, casas, prédios e lotes. Ele, assim como os outros integrantes da bancada do jogo no Congresso, também tem contas a prestar à Justiça. No ano passado, o Superior Tribunal de Justiça manteve a sua condenação por suposto direcionamento na compra de cestas básicas quando era prefeito de Itu, em 2005. Ele foi sentenciado à suspensão dos direitos políticos por cinco anos, além de multa, mas não foi afastado do mandato porque a sentença ainda não transitou em julgado.

Reprodução/TwitterReprodução/TwitterNewton Cardoso Jr. com o pai: deputado joga pela liberação dos cassinos
Liberados no governo de Getúlio Vargas, os cassinos fizeram parte do cotidiano de brasileiros endinheirados nas décadas de 1930 e 1940, até que um decreto presidencial fechou os 70 estabelecimentos existentes no país. Desde o fim da ditadura militar, a ideia de legalizar os jogos de azar vai e volta, com mais ou menos força, a cada governo. Em 1993, a Lei Zico legalizou os bingos eletrônicos, sob a justificativa de recolher impostos e estimular os esportes olímpicos. No entanto, em 2004, em meio a denúncias de corrupção, com máfias comandando a jogatina e entidades que seriam beneficiadas com percentual do lucro das casas sem ver a cor do dinheiro, Lula decretou o fechamento de mais de 1.100 bingos. Em 2007, o STF jogou a atividade na ilegalidade de vez — algumas casas ainda funcionavam protegidas por liminares. O próprio Lula mudou de ideia poucos anos depois, ao cunhar o termo “desbanditizar”, para embalar a proposta de legalização não só de bingos como de todos os jogos no país. Embora tenha recebido o apoio do governo Dilma Rousseff, o projeto ficou em banho-maria até este ano. Durante a tentativa de obter o libera-geral nos anos em que o PT esteve no poder, petistas de proa, como Waldomiro Diniz, ex-auxiliar de José Dirceu na Casa Civil, foram pilhados em relações heterodoxas com o submundo da jogatina.

Agora, os parlamentares do Centrão enxergam uma nova oportunidade com a mudança de postura do presidente Jair Bolsonaro. Durante a campanha de 2018, o então candidato nem sequer admitia discutir o assunto. “Nós sabemos que o cassino aqui no Brasil, se tivesse, seria uma grande lavanderia, serviria para lavar dinheiro. E também para destruir famílias. Muita gente iria se entregar ao jogo e casos se fariam presentes no seio das famílias aqui no Brasil”, afirmou Bolsonaro em uma das suas lives no Facebook. Hoje, o presidente demonstra flexibilidade ao abordar o tema. Ele já defende, por exemplo, que cada estado possa estabelecer suas regras. De acordo com auxiliares, Bolsonaro se rendeu aos argumentos de que bingos e cassinos legalizados são potenciais geradores de emprego e renda, além de contribuir para o turismo nacional. Rodrigo Maia estuda levar ao plenário um projeto de lei de 1991, que recebeu alterações até 2015, quando ficou pronto para ser votado. Pela proposta, apenas os cassinos estariam liberados.

O senador Flávio Bolsonaro, filho 01 do presidente, esteve em Las Vegas em janeiro, com dinheiro do Senado, para se encontrar com representantes de casas de jogos. Entre eles, o empresário salvadorenho Mario Guardado, diretor de um cassino na cidade e um dos maiores lobistas pela legalização dos jogos de azar no Brasil. Flávio também se reuniu com diretores da Las Vegas Sand Corporation, de propriedade de Sheldon Adelson, o bilionário que contribuiu com 25 milhões de dólares para a campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos — o maior doador individual do republicano. “Resorts integrados, como os existentes em Singapura, por exemplo, geram milhares de empregos e alimentam toda uma cadeia produtiva, num curto espaço de tempo. Fizemos mais uma importante reunião, em que grandes empresas reforçaram a disposição de investir bilhões no Brasil, desde que regulemos o assunto para que tenham transparência e segurança jurídica”, disse Flávio, em vídeo gravado em um dos corredores do cassino Venetian e publicado no Instagram. Em março do ano passado, os cassinos em território brasileiro já haviam sido tema de conversa entre Jair Bolsonaro e Trump, em Washington. Para convencer seu eleitorado, principalmente o evangélico, os Bolsonaro citam o potencial da Costa Verde — no litoral sul do Rio de Janeiro, onde a família presidencial tem casa — como um lugar para receber cassinos à beira-mar.

Presidência da RepúblicaPresidência da RepúblicaCrivella convenceu parte da bancada evangélica a dizer “amém” à jogatina
Parte da bancada evangélica já diz amém à proposta, graças ao lobby iniciado pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e abençoado pelo deputado Marcos Pereira, vice-presidente da Câmara, seu colega de Republicanos. Sob alegação de que os cassinos podem ajudar a alavancar a economia do Rio e contribuir para que a cidade e o estado saiam do atoleiro, Pereira, que assim como Crivella é bispo licenciado da Igreja Universal, agora tenta convencer o restante da bancada. A equipe do prefeito carioca propaga que, com os cassinos, o turismo injetaria 27 bilhões de reais por ano apenas no estado do Rio.

Os números, no entanto, não encantam o líder da frente evangélica na Câmara, o deputado Silas Câmara, do Republicanos. “Presidente, partido, bancada, nada nos fará mudar de opinião. Isso é uma questão de princípio, é um tema sem discussão. Jogo está relacionado a vício, destruição de família, exploração infantil, corrupção, consumo de drogas, tudo de ruim contra o que lutamos”, afirma o pastor da Igreja Assembleia de Deus, que é apadrinhado por Silas Malafaia. Outros deputados membros da Assembleia de Deus na Câmara, como Sóstenes Cavalcante, do DEM, e Marco Feliciano, do Podemos, engrossam o coro. Para o grupo, além de alimentar o vício, as casas estão ligadas a máfias internacionais e servem para lavar dinheiro de atividades criminosas e enviar irregularmente divisas para paraísos fiscais. Nesse front, eles têm como aliada a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB, mas a disputa nunca esteve tão desequilibrada como agora. O lobby dos cassinos joga pesado.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vê-se bem que esses parlamentares que apoiam a liberação dos cassinos no país estão muito preocupados com geração de empregos. Estão, isso sim, interessados nos próprios bolsos, enxergando longe a possibilidade de lucros com investimentos que têm já planejados. Como sempre. Não há uma atitude sequer que esse pessoal tome que não vise seus próprios interesses. Pobre país que continua elegendo gente desse tipo.

  2. Esse enorme e caríssimo Congresso Nacional poderia ser mantido com o dinheiro dos cassinos. Assim o seu sustento absurdamente dispendioso não sairia mais do orçamento da União e sobraria muito para Saúde, Educação e Segurança Publica. Ao invés de bancar um deputado e um senador ( que teriam seus salários pagos com uma parte da renda do jogo) bancávamos hospitais, escolas, presídios e etc... Será que eles topam?!

  3. Mais do que cassinos, deveriam liberar apostas esportivas online. Atrairiam muitas empresas privadas estrangeiras. Aí é que está o filão.

  4. Os cassinos devem se tornar uma realidade. A única restrição que entendo ser acertada é a de serem instalados a mais de 150 km de cidades com mais de 500 mil habitantes e afastadas do litoral. E neles não se deve cobrar nenhum imposto, exceto o IPTU. O livre mercado se encarregará de atrair e fazer os investimentos.

  5. Não me consta que um país melhora seus índices de bem estar, cultura e desenvolvimento, incentivando jogos de azar. Claro, para os donos das casas, que sempre há uma, pouco importa se a desigualdade social piore muito, com os menos abastados jogando fora, no vício, o pouco do que ganham. Acorda Brasil❗

  6. Se tem o apoio do famigerado Centrão, então é péssimo para o Brasil e ótimo para polticos tramposos,corruptos e desonestos. O Centrão não apoia nada que favoreça os brasileiros. So votam em causa própria. Se tem tanto pilutico apoiando, é sinal de que eles encontraram mais uma forna de nos roubar,lydibriar, lavar dinheiro públuco e d3 se dar bem rm cima dos brasileiros. Essaa raça não apoia nada que não seja ótimo oara seus interesses escusos e espúrios.

  7. Devem liberar sim os cassinos, irá fomentar em muito a geração de empregos e renda. O Brasil é muito atrasado perante o mundo, perdendo muita receita. Que possamos nos desgrudar do fanatismo religioso.

    1. Uma constatação impossível de ser negada: fumantes, apostadores do jogo do bicho, bingos clandestinos, loterias (todas as modalidades) é coisa de gente pobre/humilde e de baixa escolaridade e cultura. Então a abertura de casinos no BR será a pá de cal que falta.

    2. Patrick, nos explique como os cassinos de jogos de azar (azar para o jogador) podem melhorar o índice Pisa do Brasil, e assim evoluir⁉️

    3. Patrick, sugiro que leia o depoimento do *Lauro*, alguns comentários abaixo.

  8. Os cassinos no Brasil serão um novo palco de lavagem de dinheiro. Simples assim. O Brasil tem território e belezas naturais para serem visitadas, para melhorar nosso turismo. Cassinos e jogos de azar são coisas do tempo do Império Romano.

  9. O pessoal da fé é engraçado... O jogo de azar vai acabar com as famílias... É mesmo? E o dízimo desenfreado como existe, que hoje é aceito até via maquininha? Vai ajudar a quem? E a LOTO, MEGA, LOTECA, RASPADINHA e outras tantas geridas pela CEF? Somos uma sociedade de hipócritas... Vamos avançar e principalmente fiscalizar....

    1. Tem que erradicar essa história de "dízimos" e loterias. Esses milhões arrecadados passarão a circular em benefícios mais diretos e objetivamente úteis, movimentando o mercado. O que não se deve fazer, é incentivar, induzir e promover mais vias de escoamento dos rendimentos das populações.

  10. Servirá como lavagem de dinheiro e a milícia fará a segurança, ou seja, crime organizado legalizado. É só verificar os nomes dos entusiastas pra saber que não vai prestar.

    1. Desde quando "jogatina" é "avanço:??? Avanço é pesquisa científica, é educação, é bom serviço de saúde, é população com bom padrão de vida, etc...etc....etc....

    2. Acredito que o problema seja somente de fiscalização, monitoramento e investigação Um estado que criou uma Lava JATO, não pode achar ser incapaz de monitorar os cassinos... Crime organizado já está aí de qualquer forma. Corrupção pior do que as instituições políticas que temos, já é uma realidade, talvez até muito mais danosa. Assim, que se fiscalize e monitore através de forças tarefas de fiscalização e investigação, tal como existe na lava jato!!! Temos que avançar ...

    3. Exatamente, Chris. "Gerará muitos "bons" e "garantidos" "empregos" sobretudo pra toda essa ""gente boa"": "milicianos", "corruptos", "cáftens", "trapaceiros", "traficantes", "politicalha", enfim, a marginalha em geral. Alguns empregados e artistas de fato, serão explorados, isso se houver algum, porque conforme depoimento aqui mesmo, com a informatização, a tecnologia em geral e a contenção de gastos, esses se tornam a cada dia mais raros nesses "salutares" e "edificantes" ""ambientes"".

  11. Parabéns Cruzoé e Renato! Os jogos, vícios, drogas e lavagens estão aí, então, que venha os cassinos, pelo menos legalizado.

  12. Não gosto dos jogos do azar, porem se analisarmos do ponto de vista da ilegalidade, estes jogos já estão na cara da gente há séculos e ninguem critica. É uma safadeza velada tão grande que inclusive participam alucinadamente em Megasena, loterias, jogos do bicho e assim vai. Se isto é aceito pela sociedade que mal fará o Cassino ???

    1. Querem pior jogo de azar do que a bandalheira política corrupta que temos? E nem por isso, se quer acabar com o políticos... É a mesma coisa.... que junto com os cassinos, seja criada a "Lava Roleta" e sigamos em frente.... Devemos avançar!!!!

  13. Quem ja esteve em las vegas podem ver como a droga e prostituição correm solto por la...sou liberal mais o brasil não esta preparado para isto

    1. Já estive em Las Vegas mais de 5 vezes... Ninguém empurra maconha na boca de ninguém ( o que aliás eh caríssimo e paga muito imposto) e a prostituição é crime, mas as moças são encontradas em qualquer bar. Quem quer fazer essas coisas “ilegais” é do sair em algum evento de carnaval. O que falta para o brasileiro médio é ter a liberdade de escolher o que é melhor para ele.

    2. Carioca , conheço Las Vegas e não vi evidências de drogas e prostituição maiores que em quaisquer cidades do mundo incluindo a sua .

    3. Quem ja esteve em Las Vegas “PÔDE” ver que há riqueza e diversāo em abundância, “MAS”, a maioria nao enxerga desse jeito.

  14. Pela qualidade dos defensores da legalização dos jogos de azar, teremos mais uma quadrilha organizada e institucionalizada! Aqui tudo caminha para o descaminho, nada é o que parece!

  15. Sou a favor da liberação do jogo. Em 2002 tive oportunidade de ir ao Urugaui, presenciei brasileiros que la vão só para jogar . O nosso dinheiro sai do Brasil e sustenta o outro país. Já aqui nada acontece.

    1. Exatamente. Temos que parar com a hipocrisia. Aqui não pode mas no navio, em Vegas e nos países vizinhos tudo bem.

    1. O vocabulário e a gramática sāo condizentes com os comentários.

  16. Já passou da hora desde sempre... é muita hipocrisia... muitos deputados e senadores que votam contra devem jogar qdo viajam onde é permitido. Nos navios de cruzeiro têm cassino. o maior jogo de azar são as loterias oficiais. joga quem quer...

    1. Parte de nós reparou muito bem sim, JOAO. E não gostou nem um pouco do que viu.

  17. Não tenho nada contra a liberação dos jogos, por princípio, pois sou liberal. Mas quando vejo essa lista de apoiadores, a coisa muda de figura

    1. Exato. Os políticos vão cobrar um pedagio para aprovar essa legislação. Ela irá atrair mais corrupção, lavagem de dinheiro e crimes correlacionados.

    2. Esta ai o grande problema os apoiadores me assusta e muito

  18. Paulinho da força e outros estão à serviço de interesses muito maiores do que a reportagem foi capaz de revelar. Jogos e bingos servem para lavar dinheiro e camuflar caixa 2 de clubes, partidos políticos, empresários desonestos e o crime organizado.

  19. E os mineiros ainda votando nos Newtons. O problema do Brasil não é cassino nem igreja: é o povo que não tem vergonha na cara.

  20. Muito $$ envolvido, principalmente de bandidos disfarçados que estão no congresso. Existem outras formas, LÍCITAS, de gerar emprego. Criando indústrias, fomentando pesquisa, inovação. Por que esses ladroes não defendem isso?

  21. O mais importante: antes de qualquer hipótese de ABERTURA DE CASSINOS em nosso pais, DEVERÃO ser CONSULTADOS os especialistas em SAÚDE PÚBLICA em todo o país que CONVIVERAM com os graves problemas de VICIADOS durante a existência do BINGO. De perda da família, falência financeira, doenças físicas e mentais a convivência com muitos marginais desse meio. Somente pela opinião dos POLÍTICOS aqui mencionados, que não valem nada, dá pra perceber o tamanho da encrenca. SÓ TEM GATUNAGEM EM JOGO!

    1. Paulão, viciado joga até hoje... Não acho que regulando e produzindo impostos piore isso.

    2. Concordo. E um fator importante de fomento ao turismo é a diminuição da criminalidade, não seu favorecimento. Ou alguém imagina que cassinos vão diminuir o consumo de drogas?

  22. Sou a favor da liberação de cassinos e bingos, a proibição é uma grande hipocrisia, inclusive o jogo do bicho deve ser liberado, é claro com um controle e cobrança de impostos, a arrecadação deve ser destinada a saude, educação e segurança, a prestação de contas deve ser pública, o problema é: Quem vai fiscalizar?

    1. Não precisamos parasitar a desgraça de uns pra salvar outros.

  23. Tudo desculpa para lavar dinheiro dos políticos criminosos! Claro que gera emprego, traz dinheiro de turista, mas o custo social da falta de combate ao crime rastreando o dinheiro e o incentivo ao vício pesam mais.

    1. Exato rafael veja so a lista dos politicos apoiadores todos safados corruptos

  24. Chega de hipocrisia, libera logo o jogo clandestino pro dinheiro oculto pela corrupção aparecer e pagar imposto para aliviar as costas das pessoas físicas massacradas pelo fisco

    1. Não pode ter cassino, mas você vai pagar uma conta nas lotéricas e sempre lhe oferecem um jogo pra fazer. É a aposta oficializada.

  25. Ainda vejo comentários contrários aos cassinos. É de uma mentalidade retrógrada e infâme julgar que a abertura de Cassinos seriam prejudiciais ao país. Vivemos um mar de flores aqui, nao é mesmo??? Nossa qualidade de vida esta infinitamente além de Las Vegas, Miami, Tampa, Atlantic City, Macau, Lima, Punta del Este, Punta Cana, Buenos aires (nesse caso temos a esquerda para destruir), Hipocrisia BARATA de quem é contra

    1. Carlos, não seja grosso. Você está errado de tantos modos! Fico na dúvida se é um robot provocador da alt-right ou um demente fanático bolsonarista! Deixe de tolices. Baixe a bola pelo bem do Brasil! " A Pátria somos nós! Nosso povo, nossa voz!"

    2. Pelo "teor" de forma, conteúdo, limitações e analfabetismo funcional tão absolutamente grotescos que lhe caracterizam, deduz-se o "gênero" de apoiadores dessa "atividade" predatória e nociva à sociedade, 0,2.

    3. Odete, voce é esquerdista e burra. Mas bora la....ANTA

    4. Esse "treco" de ficar corrigindo erros dos outros sem ter a mínima noção de como fazê-lo, é o fim da picada.. sinceramente..

    5. Suas informações são excelentes contribuições para que os 'totalmente sem noção' tenham um mínimo de noção da realidade, Lauro. Agradecimentos.

    6. ...."a abertura de cassinos seria "prejudicial" ao país"..... "Buenos Aires" se escreve com ambas as iniciais maiúsculas e "hipocrisia" deve ser com minúscula depois da vírgula, "Canas"....etc...etc...etc... É que eram tantos que achei cansativo!..... Por nada, 0,2...de nada.

    7. Trabalhei por mais de 6 anos para Gila River que é a maior empresa de Casinos do Arizona. Quando entrei no Casino eramos 5.800 empregados quando sai eram 2.600. Várias funções foram eliminadas e continuam sendo, foi quase tudo informatizado. Os Casino que tem shows par atrair o publico estão encurtando os shows pois eles só dão despesas e tiram o jogador do "floor" que é como eles chamam o local onde estão as máquinas. Gastam muito com treinamento para tentar controlar a lavagem de dinheiro.

    8. Vai ser ótimo, basta ver a turma que apoia, com certeza o dominio vai ser de gente barra pesadíssima, como ocorre na fronteira com o Paraguai. Melhor eu ficar quieto, para não correr o risco de amanhecer com a boca cheia de formiga. Fui.

    9. Odete, obrigado pelo correçāo, Prestarei maior atençāo numa próxima oportunidade. Mas o erro gramatical que de fato existe, vc nao foi capaz de identificar. Da proxima, pode corrigir...mas faça com conhecimento.

    1. Pois é isso, Maria e Cátia, eles já são facções criminosas e, a liberação dessa abjeta atividade de "cassinos" as institucionalizará definitivamente.

    2. Isso mesmo. Ô turma da pesada essa que quer o libera geral pros cassinos...boa coisa não vai dar aí....

  26. C/ certeza gerará empregos e LAVAGEM de dinheiro, crimes, + tráfico de armas e drogas, prostituição etc. Eu consigo enojar + ainda o Centrão( como se fosse possível ), do que a esquerda. NENHUM político está interessado em geração de empregos, e sim no DINHEIRO que ganharão c/ o LOBBY. Um dos meus sonhos seria 1 bomba nuclear cair sobre todo DESONESTO entre os políticos, ministros do stf, stj etc

  27. Num país como o Brasil, com sua estrutura política e social, poderes corrompidos, frágil legislação, infelizmente (ou felizmente) não dá para se pensar nisso. Por enquanto com razão quem luta contra...

  28. Só podia ser idéia do patetóide fora da lei 0,1!!! Aliás, é pra investigar, "quem pagamos" os périplos desse traste pelo submundo dos cassinos estrangeiros, não é mesmo????....

  29. O Brasil simplesmente não pode continuar a ser o único país relevante sem regular legalmente cassinos e afins. Chega de hipocrisia! Bicho é bingo por todo lado, sem falar nos cassinos clandestinos.

  30. Em resumo: os apoiadores do jogo encalacrados na Lavajato escancaram um erro estratégico do governo: não apostar todas as sua fichas na lavagem de roupa suja. Leves e soltos atuam com desenvoltura no que mais entendem e os desentendimentos no governo torna difícil retomar a caça desses papa-níquel.

    1. São sim marginais disfarçados de políticos, compatriota Mércia Nascimento. Aproveitam-se desses cargos para operarem o crime organizado e, se já "não prestam" nessa condição, imagine com "a "institucionalização" e "legalização"" de mais uma "atividade" criminosa e predatória!!!

  31. Todos conhecemos o perfil destes defensores dos jogos e seus objetivos. Nesta lógica de que gera emprego, podem também sugerir a liberação do tráfico de drogas, plantação e produção de drogas, transformar o país num paraíso fiscal, entre outras ideias geniais dos senhores parlamentares que só estão preocupados com o bem estar do povo.

    1. Disse tudo. Aliás, só “ gente boa” apoiando a legalização do jogo

  32. Quando havia cassino na Pampulha em Belo Horizonte, a polícia sempre achava suicidas boiando na Lagoa. O próximo poderá ser um irmão, filho ou amigo seu. Valerá os tais empregos criados?

    1. Exatamente, Alexandre. Essa "atividade" horrorosa é fonte de tragédias inomináveis!!! E esse governo "inspirado" por aquele patetóide bandidóide ainda vem com essa falsa e cínica conversa de "família", "religiosidade", etc...etc...etc...

  33. A liberação do jogo no Brasil deve ser precedida de muito estudo e discussão. Não pode ser feita com base em achismo e conversa fiada de oportunista. A experiência internacional deve ser bem estudada.

  34. A merda toda é que se fosse realmente livre você abrir um cassino estaria tudo bem, pois teríamos concorrência. O problema, é que o estado faz tanta regulação que só grandes grupos financeiros e grupos internacionais poderão ganhar com essa boquinha que dilacera o bolso de trouxas!

  35. Temos que reagir determinada, forte e fiememente contra essa praga geradora de desgraças pessoais, familiares e de núcleos criminosos diversos! Apenas os maus elementos da vida pública e privada se esforçam em prol da legalização dessa praga sócio-patológica, como o 0,1, os corruptos cardoso, os seiteiros, a politicalha, os traficantes, os gananciosos sem escrúpulos, enfim, a marginalha em geral!!!! Fora do NOSSO PAÍS, FORA DO BRASIL, jogatina!!!!!

    1. "Marginalha" significa a contração de 2 palavras: "marginal + petralha" ou, "marginal + gentalha" (no caso, corrupta) . Isso se chama 'neologismo'. Captou agora, Alvaro?

    2. Significa a contração de 2 palavras: marginal + petralha. Captou agora, Alvaro?

    3. Que "diabo" significa "marginalha",Sra. corretora oficial dos erros gramaticais, ou de acentuação e pontuação dos outros?

    4. Para o Sindicato de Criminosos e Milicianos, a liberação dos cassinos é mais um instrumento para facilitar a lavagem de dinheiro. Sempre vai haver uma válvula de escape, os empregos que serão gerados, seguramente, não vão compensar as esbórnias dos corruptos.

    5. (corretor...) .......reagir determinada, forte e firmemente contra.........

    6. Pelas fotos da reportagem já dá pra ver "o "teor" da "iniciativa"": só tem marginal!!!!!

    7. ÓTIMAS ESCOLAS, ÓTIMOS HOSPITAIS, ÓTIMA SEGURANÇA PÚBLICA, ÓTIMA INFRA-ESTRUTURA, ÓTIMO SANEAMENTO BÁSICO, ÓTIMAMENTE CUIDADO MEIO AMBIENTE e outras ÓTIMAS INICIATIVAS DECENTES E DO BEM, é que GERAM MUITOS BONS EMPREGOS E ATRAEM MUITOS E MUITOS BONS INVESTIDORES DO BEM!!!!! ENTENDEU MARGINALHA DA JOGATINA????????????? PORQUE NÓS CIDADÃOS DO BEM SABEMOS DISSO DESDE QUE NASCEMOS!!!!!!!

  36. Jogo feito. Preto 38. Podem pagar. O jogo existe, legalizado ou não. Cassinos existem na maioria absoluta dos países. Milhares de brasileiros viajam para jogar em cassinos, principalmente na Argentina e no Uruguai e em navios. No Brasil existem alguns cassinos clandestinos. Vai gerar MUITO emprego sim, e muita oportunidade para artistas. MUITO TURISMO. PÁTRIA AMADA BRASIL.

    1. MAIS DESGRAÇAS PARA A PÁTRIA VILIPENDIADA BRASIL!!!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO