MarioSabino

Pazuello é a desordem nos quartéis

04.06.21

Nesta semana que chega ao fim, Eduardo Pazuello ganhou dois presentes. Jair Bolsonaro lhe deu o cargo de secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos, uma redundância atroz vinculada à Presidência da República, como recompensa pelo general ter sido seu capacho e, consequentemente, o pior ministro da Saúde da história do Brasil. Não fosse o bastante, dois dias depois, o Exército presenteou Eduardo Pazuello com o arquivamento do processo por transgressão disciplinar contra ele, como reconhecimento pela transgressão disciplinar que o general efetivamente cometeu, ao participar de um ato político no Rio de Janeiro, aquela “motociata” organizada para apoiar o sociopata que despreza as mais de 460 mil mortes por Covid. O comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, rasgou o regulamento que proíbe militares da ativa de participar de atos políticos e “acolheu os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo referido oficial-generalEm consequência, arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado“, segundo diz a nota divulgada por quem deveria ter punido Eduardo Pazuello.

Os, digamos, argumentos do general bolsonarista são de um cinismo que deveria ter resultado em mais rigor na sua punição. Eduardo Pazuello disse que estava participando apenas de um passeio motociclístico com o presidente e, assim do nada, foi chamado por Jair Bolsonaro para subir no trio elétrico de onde o chefão do Planalto discursou para a patuleia. Como mantém laços com Jair Bolsonaro, ele não poderia recusar o convite. E ademais — atenção para a cereja do bolo cínico–, já que o presidente não tem filiação partidária, ele não pode ser considerado político. O general bolsonarista embrulhou esses, digamos, argumentos num artigo do mesmo regulamento que ele infringiu, segundo o qual a “honra pessoal” do militar deve ser considerada — a saber, “o sentimento de dignidade própria, como o apreço e o respeito de que é objeto ou se torna merecedor o militar, perante seus superiores, pares e subordinados”.

Depois do “passeio motociclístico” de Eduardo Pazuello com Jair Bolsonaro, escrevi em O Antagonista que, se o general bolsonarista não fosse objeto de punição, o Exército sairia enfraquecido institucionalmente do episódio, “em outro capítulo da desmoralização que vem sendo perpetrada, para não dizer construída, por Jair Bolsonaro. O presidente da República tenta completar como presidente o serviço que iniciou ainda como militar da ativa, quando incitou a soldadesca à sublevação”. Afirmei que Jair Bolsonaro “tenta fazer terra arrasada da hierarquia das Forças Armadas, interferindo politicamente no seu comando e fazendo proselitismo com as baixas patentes” e que o fato de Eduardo Pazuello ser um general complicava ainda mais esse quadro.

Completei:

“A permanência do ex-ministro nos quadros da ativa, mesmo depois de ter infringido o regulamento do Exército, transmitirá a impressão de que não há mais disciplina nos quartéis — ou que ela é seletiva, aplicando-se apenas a alguns, o que dá na mesma. A ida de Eduardo Pazuello à manifestação de ontem constitui fato gravíssimo, com implicações que podem ser desastrosas para a manutenção do respeito estrito à hierarquia, princípio básico das Forças Armadas como um todo. Um general é, antes de tudo, um soldado que ascendeu na carreira porque, antes de tudo, soube acatar o regulamento. Sem regulamento, não há ordem a ser cumprida, mas desordem a ser instalada. E, na desordem, não há hierarquia, mas aventureirismo.

A cúpula do Exército não tem de ficar preocupada com as consequências políticas de uma punição a Eduardo Pazuello. Aliás, como comandante supremo das Forças Armadas, o presidente da República deveria ser o primeiro a observar regras. A cúpula do Exército deve preocupar-se é com a instituição, que já sofreu imensos danos de imagem durante a permanência do aloprado bolsonarista à frente do Ministério da Saúde. Passar Eduardo Pazuello à reserva é o mínimo a ser feito. O máximo seria o necessário.”

Reafirmo cada vírgula do que escrevi.  Acrescento que o fato de o general bolsonarista ter se safado de punição, e de maneira tão cínica, deixa em situação bastante delicada o alto oficialato que deveria zelar pela manutenção da disciplina dentro dos quartéis. A decisão do comandante Paulo Sérgio Nogueira, acuado pelo pedido do presidente para não punir o infrator, escancara o portão para que o proselitismo se alastre entre o pessoal da farda. Ganham Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello; perdem o Exército, também afrontado pela decisão do presidente de dar um cargo ao ex-ministro da Saúde enquanto o processo disciplinar contra ele ainda estava em aberto, e as Forças Armadas em geral, aquelas que permanecem imunes a tentações golpistas. Espera-se, ao menos, que o general bolsonarista passe logo à reserva, numa solução de compromisso. Se isso não ocorrer, é porque realmente há algo de muito podre no Reino da Dinamarca. Eu ia escrever sobre William Shakespeare, mas outra vez fui bruscamente interrompido pelo Brasil.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. E a justiça militar colocou um sigilo de 100 anos no processo! Igual ao do assassinato do presidente Kennedy! Imagino os podres que acharam lá e que precisam ficar escondidos por tantos anos!! Tá para imaginar um pouco de tudo!!!!!!! Não acham??? Essa ogeriza pelos gays!!! Hummmm!!!!!

  2. quero te odiar pelos motivos certos, como já sou assinante, (desde o começo) o que devo fazer para comprar o seu livro?

  3. Impressionante como bozistas gostam de gastar dinheiro assinando Crusoé, só para dar opiniões bisonhas e alopradas… chô chô bolsominions!!! Vão procurar sua turma!!!

  4. Já passou da hora de retirar membros das FA do governo, exceto do ministério da defesa. Quem quer ser governo, que vá pra reserva. Separar estado de governo nós fará muito bem. Aliás, passou da hora de considerarmos o parlamentarismo como forma de governo. Assim reduziriamos o populismo e passariamos o protagonismo ao parlamento, que hj convenientemente se esconde atrás do executivo. Mas o centrão não quer aparecer, ficar na vidraça. No escuro se rouba mais facilmente.

    1. ... Crusoé não é "isenta". ...Tem lado; é parcial. ... O da decência e da busca pela civilidade. ... Assine outra(s) com matérias feitas sob medida pra você, JOÃO. ... Ah, o Mario preza pelo português decente.

    2. Eu assinei esta revista pensando em ter uma reportagem isentar e agora o que tenho são reportagem medíocre.

  5. Engraçado é perder uma energia enorme desenvolvendo um texto desse, muito bem desenvolvido por sinal, enquanto que no STF as tratativas correram soltas em defesa de Toffoli às delações recentes de Cabral. Isso sim gera impacto a vida das pessaos. Desvio de conduta por parte de um membro da mais alta corre do país, isso sim, merece atenção. Ignóbil!!!

  6. O ministro Paulo Sergio se ve como uma garantia para evitar um mal maior, mas desse jeito reforça o "um manda o outro obedece" e envia um péssimo sinal para a base e o povo. A conta para acertar as coisas aumenta mais a cada dia, o impeachment se torna cada vez mais necessário, cada dia a mais no poder, mais aumenta o aparelhamento e possibilidade real de um golpe.

  7. Quase 13 anos de sindicalismo e mais dois da vitória de um militar sem caráter acabou transformando os militares, o último bastião da moralidade, num vasto sindicato de gente sem noção e sem vergonha. O país como instituição acabou. Hoje vi uma reportagem do Economist (em inglês, perguntando se o país sobrevirá ao bolsonarismo) dando a exata dimensão de como o país é visto no exterior. Um verdadeiro teatro de horrores. O país só se reerguerá por esforço dos cidadãos, se é que desejam isso...

    1. Quaqua de novo.. o referido "cidadão", ou "cidadãos" brasileiros só pensam agora numa coisa: a esbórnia de final de ano, e o "carná" do ano que vem.. 0,3% de cidadãos brazukas, apenas, pensam além disso..pronto, falei..

  8. Temos uma democracia fragilizada devido a uma classe politica infestada de nefastos, a unica esperança que resta pra moralizar este pais seria as forças armadas e com episodios desta natureza só piora nossa expectativa e esperança de um país melhor. Triste Brasil mergulhado na escuridão, existe uma luz no fim do tunel?????

    1. Quaquaqua..a ingenuidade de certa gente.. é incomodativa.. putzgrillo..

  9. Congresso bagunçado, STF bagunçado, Executivo uma bagunça só. Soçobraram as Forças Armadas para se mostrarem bagunçadas. O mal exemplo vem dos outros poderes.

  10. O Exército brasileiro não pode se submeter aos "caprichos" de cunho político eleitoral. Estamos em "pré campanha presidencial". Não podemos retroceder a democracia duramente conquistada e preservada inclusive pelo "alto escalão" das forças armadas. A impunidade dos maiores líderes da nação gera insegurança e descredibilidade ao Brasil; quando será que seremos reconhecidos como um país verdadeiramente sério?

  11. Diante dessa sua descrição dos fatos precisa e objetiva Mário,como resolvemos nosso futuro?? Penso que uma democracia claudicante e corroída como a nossa ainda têm chances de recuperação,pois ainda estarão lá vigentes , os preceitos de uma democracia.Basta arrumá-la, conduzi-la novamente ao caminho certo. Mas com um fascichavismo de ocasião sendo implantado por Bolsonaro e que será seguido pelos seus filhos , não teremos saída. O exército tomou sua posição,vamos aceitar? Temos de unir forças!

  12. O tema é de relevância gravíssima. Esse fato acomoda agora Oficiais, graduados e praças que se sintam agora- com justiça- no direito de ,por exemplo, subir no carro de som do PT ou do PSOL ou do PSDB ou dos outros trinta e tantos partidos de todas as colorações para apoiar este ou aquele candidato. Desde a década de 1960 os militares haviam - pós regime militar- se afastado de posições político-partidárias. Bolsonaro reabre essa ferida e vai perder o poder que queria para o autogolpe.

  13. Vamos combinar mestre Mário: o Br é sim pra amadores. Os únicos profissionais aqui são, sem nenhuma dúvida, os políticos. A tropa de hoje não parece ser nem uma reles sombra da tropa dos anos 60. Os generais de hoje "amarelam" fácil,fácil. Nesse ínterim, Bolsonaro está tão somente criando o clima pra ir pra cima em 2022. Vai ter golpe. Tá escrito nas estrelas.. dos seus "generais" preferidos.

  14. Respeitosamente, a esperança é que o Alto Comando do Exército e das FFAA no momento certo ou seja no ápice do voluntarismo do presidente, se este realizar ato que configure quebra da ordem democrática, como por exemplo, um auto-golpe de Estado apoiado pelos áulicos que o bajulam ou não aceitar o resultado das eleições em 2022, respondam com a sua prisão e a convocação do vice-presidente para concluir o mandato.

  15. SE OS FATOS FUTUROS SOMBRIOS SE CONFIRMAREM E A VENEZUELA É LOGO ALI . MUITA GENTE AINDA VAI DIZER : QUE SAUDADES DE 64!

  16. Que Coronaro vai perder a eleição é fato. Está ficando, cada vez mais, provável que sequer vá ao 2o turno. A cooptação do exército lança prognóstico sombrio sobre como ele e os seus minions aloprados reagirão à derrota acachapante.

  17. Como confiar em um sistema onde a diferença entre quem manda e quem obedece é o tempo de patente? É a desordem unida!

  18. Infelizmente, esta revista está se transformando em uma revista de oposição e não uma de informação. É a imprensa militante em ação.

    1. E vc está no lugar errado, o chiqueiro é na live de quinta do capetão.

  19. Mario, acabei de assistir o documentário. Compartilhei com amigos. Registro seu firme e didático depoimento. Registro também o comovente depoimento do Mainard : " A Crosue sobreviver a mim". Parabéns a ambos e a toda competente e obstinada equipe.

    1. Se acha que tem algo mais importante do que as consequências desse fato, você deve estar em alguma realidade paralela, procure voltar para a real antes que seja tarde.

    2. Essa revista é a melhor e a mais completa do Brasil. Se todos os jornalistas fizessem o que eles fazem o país seria outro!!

    1. Toma, Álvaro papudo! Para criticar, tem que fazer melhor...

  20. Ótimo Mario, estou de acordo e digo que os motivos todos, aqui como na Venezuela é money, dinheiro, compra de opiniões, de silêncios. Sinceramente, agora, eu quero mais é que o parquinho do exército pegue fogo.

  21. kkķkkkk tudi Teatro mesmo era melhor assistir um romeube julieta mesmo estamos de novo no BBBrasília espero que a sanidade supere a loucura mas se nao der ao menos eu me divirto

  22. O que vale mais para um brasileiro, mais investimento na educação, ou nas Forças Armadas? O que vale mais para o brasileiro, o professor ou o militar? Podemos afirmar que parte dos militares e das polícias, se transformaram em milícias bolsonaristas? Milicianos são piores que bandidos. Um militar miliciano recebe o soldo, graças ao suor do trabalhador civil. Um policial miliciano recebe, graças ao pobre que compra arroz e feijão, para alimentar a sua família. Alimentamos cobras esse tempo todo.

    1. Pois é. Inacreditável o que estamos tolerando!! Mas Artur Lira está adorando.

  23. Mario, Dê-nos, por favor, uma "palavra de otimismo" sobre nossas instituições mesmo que seja impossível. Como sempre, excelente análise!

    1. Em meio a sua relativização hipócrita do ocorrido é sempre bom lembrar que quase 500 mil vidas foram ceifadas por essa incompetência ideológica porca e desumana.

  24. Bom, ruim .....Nessa Sindemia, esses adjetivos significam ? OMS recebe notificação de ditadura em novembro . Estratégias? Mandetta, ministro da Saúde brasileiro na época. Carnaval em fevereiro? Dória e seus super secretários da saúde no poder. O maior carnaval da história de SP? Países de diferentes culturas e realidades. As agências internacionais liberam vendas de vacinas de tecnologias diferentes, quando não se tem para um terço da população mundial. Ética? Gestão mundial é o grande mico!!

    1. Mas nenhum país tem um palhaço assassino no poder. Essa nos ganhamos!

  25. Bom dia Mario. Pois é, mesmo depois de tão difamados por aderirem ao golpe, até os generais da ditadura se mostraram mais honrados no respeito às Forças Armadas.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO