Flickr/Amir AppelProtesto em Israel: após período de calmaria, manifestações tendem a crescer

O que vem depois

Uma pandemia fora de controle deixa marcas na sociedade que se arrastam por gerações. O aumento da desigualdade é uma delas. Mas há um alento: políticos costumam ser mais cobrados após desastres como o que vivemos
04.06.21

Ao longo de dezoito meses, a pandemia de Covid transformou a maneira como vivemos. Apertos de mão hoje são raros, encontros entre várias pessoas são vistos com receio e profissionais se adaptaram para trabalhar de casa. Mas, além das alterações já sentidas, há outras que apenas começaram a ser delineadas e que produzirão efeitos por décadas ou gerações. Analisando os períodos que se seguiram a pandemias do passado, como a peste negra (século XIV), a gripe espanhola (1918 e 1919) e epidemias mais recentes, cientistas e economistas já conseguem traçar as mudanças que estão por vir.

O aumento da religiosidade é uma delas. Em tempos como o atual, a fé auxilia a lidar com a perda de pessoas queridas e com a sensação angustiante da falta de controle sobre o cotidiano. Em janeiro, uma pesquisa da Pew Research revelou que quase um terço dos americanos acreditam que a pandemia reforçou sua fé. Mas a religião pode ter ainda um outro papel, que é o de ajudar a reorganizar a sociedade após uma fase de elevada mortandade. “Em vários países, muitas pessoas não poderão contar mais com seus pais ou avós, pois vários idosos estão sucumbindo à pandemia. Para fazer tarefas do dia a dia, como cuidar das crianças ou conversar nos dias de folga, eles precisarão contar com indivíduos de fora da família”, diz o cientista político Gary Richardson, professor de história da economia na Universidade da Califórnia, em Irvine.

Segundo Richardson, as religiões deverão reunir muitas pessoas que tiveram laços familiares rompidos. Foi isso o que a Igreja Católica fez após a peste negra, no século XIV, quando algumas cidades europeias chegaram a perder 60% da população. Ao pesquisar esse período, Richardson descobriu que a Igreja passou a dar mais ênfase ao Novo Testamento, que traz uma forte mensagem para que as pessoas se juntem em congregações e colaborem entre si, independentemente de grau de parentesco. “Na próxima geração, esse tipo de dinâmica, presente também entre judeus e evangélicos, ficará mais popular em países cuja população idosa foi muito atingida, como a Itália, a Espanha e a Índia”, diz Richardson.

Outro fenômeno que está ganhando força e deve se estender por décadas é, infelizmente, o preconceito contra os asiáticos. Como a pandemia surgiu em Wuhan, na China, os chineses foram responsabilizados pela tragédia global. Além deles, outras pessoas de origem asiática também começaram a ser hostilizadas. Nos Estados Unidos, o número de ataques de ódio contra asiáticos aumentou 189% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2020. Em março, um jovem matou oito pessoas em Atlanta. Seis das vítimas eram asiáticas — duas chinesas e quatro sul-coreanas. Na Itália, quando só tinham sido relatados dois casos de Covid, foram reportados casos de xenofobia contra chineses. Lojas de asiáticos ficaram vazias e chineses foram impedidos de entrar em alguns lugares. Na França, ocorreram incidentes racistas em trens e escolas.

Flickr/John RagaiSeguirFlickr/John RagaiSeguirMissa na Malásia: religião poderá ajudar quem perdeu familiares
Na política, já existe uma bem documentada obra sobre os efeitos negativos para a democracia no longo prazo. Nos países em que a pandemia faz vítimas em demasia e governantes se mostram incapazes de contê-la, ocorre uma queda naquilo que os cientistas chamam de confiança social. Desiludidos, os cidadãos deixam de depositar suas esperanças no sistema. “Nas pandemias, as pessoas deixam de acreditar nas instituições políticas, as quais são cruciais para o bom funcionamento da democracia. Isso pode levar a um aumento na polarização e no surgimento de conflitos políticos”, diz o economista Marco Le Moglie, pesquisador da Universidade Bocconi, em Milão, na Itália.

Em um estudo publicado em fevereiro deste ano, Le Moglie e um grupo de cientistas entrevistou americanos descendentes de imigrantes que se mudaram para os Estados Unidos depois da gripe espanhola, que ocorreu em 1918 e 1919. Eles notaram que os parentes de pessoas que viviam em países onde a pandemia esteve fora de controle e a mortalidade foi elevada tinham uma confiança menor nas instituições e nos demais. O achado surpreendente do estudo é que esse sentimento foi transmitido de pai para filho e pôde ser medido mesmo um século depois da tragédia.

Além da descrença na democracia, governantes de todos os matizes serão mais pressionados pela população. Aqueles que falharam em reduzir os casos e as mortes são os que mais devem se preocupar. Com a pandemia ceifando vidas e gerando uma grave crise econômica, muitos cidadãos passaram a entender que não há mais nada a perder. Os custos geralmente associados a participar de um protesto, como a chance de ser preso, de pagar uma multa ou de perder o emprego, dependendo do país, simplesmente deixam de existir em um cenário de catástrofe. É isso o que acontece após desastres naturais, como enchentes e terremotos.

Flickr/Slpp SpaingroupFlickr/Slpp SpaingroupEnterro de vítima de ebola em Serra Leoa: país teve aumento dos distúrbios
A experiência histórica mostra, contudo, que as ruas não se enchem imediatamente após uma pandemia ou epidemia. Ainda que protestos tenham sido noticiados recentemente na Colômbia, Estados Unidos, Paraguai, Israel, Rússia, Líbano e Brasil, normalmente há um período de tolerância em que os governos conseguem conter com sucesso as queixas populares. Isso ocorre porque as pessoas ainda encontram dificuldades para se locomover e para organizar eventos massivos. Outro fator importante é que, quando a crise está no seu ápice e o vírus ainda está se alastrando, a opinião pública tende a se inclinar a favor da coesão e da solidariedade, segundo um levantamento feito por pesquisadores do FMI em 130 países, com dados coletados desde 1985. Por esse motivo, 2020 foi considerado um ano calmo. Mas essa tranquilidade é provisória. “Se a história serve de guia, é razoável esperar que, uma vez que a pandemia desapareça, protestos sejam retomados nos lugares em que existiam anteriormente”, diz o estudo do FMI.

O agravamento da desigualdade que se verifica nesses momentos é uma consequência direta da queda do PIB e do desemprego. Há, no entanto, ainda  outro elemento que tem sido notado nas últimas duas décadas. Nos surtos de Sars (2003), H1N1 (2009), Mers (2012) e Ebola (2014), empresários sentiram-se compelidos a acelerar a adoção de robôs nas linhas de produção e automatizar funções que antes eram desempenhadas por funcionários pouco qualificados. Com a pandemia de Covid-19 não será diferente. Em 2020, uma enquete do Fórum Econômico Mundial revelou que metade dos diretores das grandes empresas pretende acelerar a substituição de empregos de baixa qualificação por robôs. Como lembra uma reportagem publicada recentemente pela revista Economist, máquinas não ficam doentes – e isso pode ser determinante nas escolhas no pós-pandemia.

Ao elevar a produção, ao mesmo tempo em que geram desemprego entre os menos escolarizados, os robôs aumentam a desigualdade. Políticas inteligentes, como investimentos pesados em educação, podem evitar que esse quadro de insegurança e incertezas se amplie. Os governantes serão para fazer isso.

Já é assinante?
Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Assine a Crusoé

*válido até 30/06/2021

Assine a Crusoé ou nosso combo e ganhe o novo eBook de Mario sabino

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. genial esses estudos. com certeza esses são o caminhos que a humanidade vai percorrer no pós pandemia. que sejam suaves aos nossos filhos e netos

  2. Novos tempos com a pandemia do Covid-19; com pós pandemia prevenção e isolamento social. O mundo vivencia os impactos da pandemia e se prepara para o pós. A religião passa a ser novamente protagonista na sociedade. Tecnonologia é maior forma de controle das massas, para aqueles que conduzem as economias mundiais como se sustentar, sobreviver de acordo com seus interesses. Conforme reportagem protestos virão, mas num mundo cada vez mais virtual, não sabemos das consequências...

  3. Infelizmente o que vejo são políticos focados em si mesmos e em seus próprios bolsos. Chega ser desesperador o anseio por pessoas que tem interesse real no bem-estar do povo, no crescimento do país, em uma sociedade mais justa. A educação é um dos pontapés inicial que desejamos há muito tempo. Parabéns pelo artigo!

    1. Não há políticos preocupados coma população. Há políticos preocupados em como te usar como massa de manobra. No Brasil, a grande maioria quer se dar bem. Quer ganhar o dinheiro fácil. Enriquecer ser o ônus do trabalho de sol a sol. Todos querem a sombra mas pouco plant as árvores.

  4. Infelizmente o que vejo são políticos focados em si mesmos e em seus próprios bolsos. Chega ser desesperador o anseio por pessoas que tem interesse real no bem-estar do povo, no crescimento do país, em uma sociedade mais justa. A educação é um dos pontapés inicial que desejamos há muito tempo. Parabéns pelo artigo!

  5. Acho que aqui isso será aumentado pela péssima condução Dagoberto federal e as eleições de 2022, quando chegará a hora de mais uma faxina.

  6. Fora de controle só as mentiras contadas por essa revista e a roubalheira dos governadores. Fazia 20 anos que a esquerda estava no poder e saúde nunca foi prioridade. Como diz um amigo dessa revista. "Não se faz copa do mundo com hospitais. "

    1. Paulo, que prazer te ter como leitor da melhor revista do Brasil. É UMA HONRA SABER QUE bolsonarista de rés gastam seu rico dinheirinho para sustentar nossa querida revista. kkkkkkkkkkkkkklkkkl

  7. A Sindemia covidica encontrou o Brasil sem saneamento básico, com um SUS caótico, não informatizado e não integrado. A população com índices altíssimos de diabéticos hipertensos e hábitos de automedicaçåo e de medicalização de problemas sociais. O Brasil receberá as próximas Sindemias mais pobre. Mas, vacinado contra Covid-19. Porque ė assim que se pensa saúde nesse país!

  8. Pois é. Temos que ter uma terceira via confiável e com visão estadista. Nada de deixar a situação se arrastar para acontecer apenas mais do mesmo de sempre. Chega! Ótima matéria, Sr. Teixeira! Fundamentada em pesquisas e em pronunciamentos de acadêmicos da ciência política. Obrigado!

  9. Que venham muitos protestos contra, o stf o congresso nacional, a corrupção e o mal caráter da classe política brasileira.

  10. "Aumento da desigualdade", "preconceito contra asiáticos, "opinião do professor de Irvine". Essa é a "independência" da Crusoé? Replicando os pontos da grande imprensa? Para ler isso é melhor ficar com o Globo, Folha de São Paulo, Época. Eles também copiam e traduzem a The Economist. Não acrescentou nada essa matéria tosca

    1. olha que maravilha, mais um bolsonarista ajuda do a manter nossa querida revista. Adoro seus pontos de vista. kkkkkkkkkk

  11. Texto muito bom, esclarecedor, prepara o cidadão para enfrentar o que, certamente, virá. Compreendendo os fatos, é mais fácil escolher caminhos, combater as ideologias que só trabalham em função de interesses próprios ; combater o ódio, a intolerância, qualquer forma de preconceito. Tudo parece tão óbvio, mas exatamente, por isso, devemos chamar a atenção sobre essas questões. Parabéns, Duda! O Brasil precisa de bons jornalistas, como você.

  12. O Brasil enfrenta dois desastres concomitantes que potencializam os estragos, BOLSONARO E PANDEMIA. Então temos que discutir e caminhar para o pós-Bolsonaro e o pós-pandemia.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO