Divulgação"A decisão parece uma questão de corporativismo do Judiciário"

Em defesa dos próprios interesses

O uruguaio Edison Lanza, relator especial para a liberdade de expressão na Corte Interamericana de Direitos Humanos, diz que o Judiciário costuma ser corporativista e que funcionários públicos devem saber responder a críticas
19.04.19
Mais notícias
TOPO