Foto: Marcos Corrêa/PR

Dois pesos, duas medidas: nos estados, bolsonaristas barram CPIs

18.04.21 10:10

Desde que a CPI da Covid virou uma ameaça real ao seu governo, o presidente Jair Bolsonaro não tem medido esforços para que a comissão investigue também a atuação dos governadores e prefeitos durante a pandemia, como forma de equilibrar o jogo e evitar maiores desgastes para ele.

O discurso, no entanto, contrasta com a atuação de deputados e vereadores bolsonaristas nas assembleias legislativas e nas câmaras municipais. Contrariando a narrativa de Bolsonaro, os parlamentares ligados ao presidente têm tido papel preponderante para barrar as comissões parlamentares de inquérito.

Há dois casos ilustrativos. No Amazonas, estado governado pelo aliado do Planalto Wilson Lima, do PSC, parlamentares de oposição tentam emplacar uma CPI justamente para apurar o uso da verba federal enviada ao estado. Porém, a bancada governista, composta principalmente por apoiadores do presidente da República, tem conseguido brecar a investigação.

“O governador tem se empenhado muito contra a CPI porque quer evitar desgastes. Para isso, está distribuindo cargos e secretarias com o objetivo de barrar a investigação”, conta o deputado estadual Dermilson Chagas, do Podemos, um dos autores do requerimento para investigar as suspeitas de desvio.

No Distrito Federal, a base que apoia o governador Ibaneis Rocha e o presidente Jair Bolsonaro manobra para impedir a instalação de uma versão local da CPI da Pandemia. Apesar de ter assinaturas suficientes, a comissão não foi instalada.

Autor do pedido, o deputado distrital Leandro Grass, da Rede, afirma que a atuação dos bolsonaristas da Câmara Legislativa foi fundamental para impedir a abertura da investigação. “Parlamentares alinhados ao presidente sequer assinaram o requerimento. Além disso, o presidente da Câmara Legislativa, do partido do governador, mesmo com os requisitos preenchidos, insiste em não instalar a CPI”, diz Grass.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Como bem disse a Berenice baixo, ele foi escalado para dar a $$$ que os ladrões autorizados pelo STF roubaram. Que país é este ?

  2. Crusoé (ou Helena), vc devia ter dito que, em um país respeitador das leis, o PR não poderia ter sido excluído do Combate ao virus chines pelo STF. Como assim o fizeram, como podem agora culpá-lo do que foi proibido de fazer ???

  3. Onde estão os muares bozistas para explicar este paradoxo? Kkkkkkkkkkkk. Já sei, já sei, o dono deles os proibiu de dar explicações sobre os aliados sob pena de perderem o colonião diário. Bozistas são seres decrépitos e delinquentes.

  4. Cara Helena, Com muito respeito gostaria de colocar que o ditado usado no título é: “Um peso e duas medidas “. Significa que uma mesma coisa, uma mesma atitude, é tratada de maneira diferente, dependendo do interesse do momento.

  5. Assim como soltaram o bandido e querem prender o mocinho , agora querem investigar quem mandou o dinheiro ao invés de quem roubou ! Surreal

  6. Se fosse mais inteligente, o sr. presidente não enquadraria os governadores, porque serão aqueles mais próximos de sua agenda que terão pecado na resposta à epidemia e no uso de recursos federais.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO