Apesar de confessar crimes nos EUA, ex-presidente da Braskem não vai delatar

17.04.21 18:36

Embora tenha admitido esta semana sua participação em esquemas de suborno nos EUA estimados em 250 milhões de dólares, o ex-presidente da Braskem José Carlos Grubisich não pretende delatar ninguém.

Segundo disseram a Crusoé pessoas próximas do executivo, seu acordo nos Estados Unidos funciona como uma espécie de transação penal ou plea bargain, em que o acusado concorda em confessar a culpa em troca de uma pena menor do que a que poderia pegar se fosse a julgamento.

Na negociação com a Justiça americana, Grubisich, que está em prisão domiciliar em Nova York, topou pagar uma multa de 2,2 milhões de dólares. Para obter os benefícios do acerto, no entanto, o executivo não precisou entregar ninguém.

Apesar de ter sido citado em delações da Odebrecht, o executivo nunca foi denunciado no Brasil. Grubisich foi preso em novembro de 2020, no aeroporto de Nova York, por crimes cometidos nos Estados Unidos, onde a Braskem também operava. Ele reconhece ter conspirado para violar as disposições antissuborno da Lei de Práticas de Corrupção no Exterior, além de ter falsificado os registros e relatórios financeiros da empresa.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. País sem lei, crime é agenda para alimentar decisão de STF... Anularam todas medidas anti corrupção...este Brasil não tem mais jeito...não é país sério, de Gaulle jà dizia...

  2. multa de 2,2 milhões de dólares e prisão domiciliar provavelmente num apartamento de cobertura de frente para o central park não me parece uma penalidade pra quem desviou 250 milhões de dólares

  3. A única chance de um brasileiro graúdo ser preso DE VERDADE, é em algum aeroporto internacional. No Brasil, com Gilmar e cia no STF, só pobre precisa se preocupar em ser preso.

    1. Por isso prisão em 2ª instância ser TÃO IMPORTANTE!! PS- vamos fazendo a lista para quando pudermos IR PARA AS RUAS!!

  4. É uma pena. Conheci Grubisih quando era diretor da Rhodia era uma pessoa extremamente competente e impoluta! Isto foi na Rhodia, agora na Brasken, as coisas mudam!!! E

    1. Impoluta? Hum 🧐 não me parece que quem faça tal acordo seja alguém a ter uma carreira a preservar! Ficou com muita grana no final para não delatar ninguém

  5. Provavelmente NÃO deve ter um " Gilmar Mendes", um "Lewandowski", um "Fachin", na Corte Americana...então os criminosos NÃO se sentem à vontade por lá...

    1. Zezinho tem saudades do Lulopetismo,mas não consegue disfarçar ... É o recalque personificado!!

    2. Ouvi dois muares bozistas zurrarem. Huuum, não podia ser diferente, a dupla de jumentos bozistas que mais zurra em todo o planeta. Zurrem dupla bozista, zurrem. Está é a sina de vocês, seres decrépitos, delinquentes e cúmplices de genocida.

  6. Já acabou esse negócio de delação , aqui no Brasil com um STF desses , o judiciário já virou só piada , ninguém se importa mais com delação , corrupção , ladrão , extorsão , pra isso nós temos 11 servidores sem concurso que custa dezenas de bilhões de reais ao sofrido povo brasileiro , que se colocaram a serviço de inventar gambiarras jurídicas pra livrar os grandes marginais , e pra isso mudam de entendimento a cada julgamento que acharem conveniência, é como se fossem a constituição.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO