Adriano Machado/Crusoé

Plano do governo para prevenir nepotismo e corrupção empaca

02.08.20 08:02

Quase 30 órgãos federais não entregaram à Controladoria-Geral da União seus planos de integridade pública, um documento com diretrizes para a prevenção de corrupção, conflitos de interesse e outras irregularidades. Além disso, 50 repartições do governo não apresentaram um plano para identificar situações de nepotismo, incluindo o Ministério das Relações Exteriores e agências como Anatel e Ancine.

Há, ainda, 44 órgãos federais que não definiram quais medidas serão adotadas para detectar situações de conflito de interesse, o que inclui repartições com diálogo direto com o setor privado, como o Ministério da Economia e a Superintendência dos Seguros Privados, a Susep.

No início do governo Bolsonaro, a CGU regulamentou um decreto presidencial de 2017 estabelecendo procedimentos para “estruturação, execução e monitoramento de programas de integridade em órgãos e entidades do governo federal”. Por meio da portaria, o governo definiu etapas e prazos para que órgãos federais criassem mecanismos para prevenir, detectar, remediar e punir fraudes e atos de corrupção. Os planos de integridade são obrigatórios e deveriam ter sido apresentados até março do ano passado.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A verdade é que os responsáveis em cobrar dos diversos Órgãos o cumprimento desses programas ,parece que não estão muitos empenhados na sua finalização

    1. Já q eles não acabam com reeleição , nos eleitores acabaremos com isso nas urnas , não reelegendo .

  2. Pelo que eu saiba o plano que o governo implementou no combate a corrupção junto com o Centrão foi, acabar com a Lava Jato, acabar com a prisão em 2ª instância, soltar todos que estavam enrolados com a justiça, cortar acesso ao Coaf, ajudar o PT e toda cumpanheirada e o resto dos partidos, aparelhar a PF, enfim foi um combate que teve muito sucesso. Eu até em minha vida nunca vi um combate tão bom como esse. #Lula Livre #Obrigado Bolsonaro.

  3. Se liquidarem o nepotismo e as dinastias, o País dará um passo relevante rumo ao Primeiro Mundo. Elevar substancialmente a renda per capita não basta. Nem erradicar o analfabetismo absoluto e funcional que atola 50% da população adulta, para gáudio de bandidos que posam de políticos. Combater conluio constitui desafio perene. Não ignorem o voleibol sinistro, praticado em alguns setores do Executivo e Judiciário: líbero (cônjuge, filho, parente) levanta a bola; político, então, executa a bomba.

    1. Nepotismo é a negação cínica do mérito, sem o qual se solapa o desenvolvimento. Basta ser filhote de papai-papaizão para cravar os dentes ávidos no suculento melão. Dinastias visam à perpetuação de privilégios odiosos; facilitam o conluio e a corrupção política de natureza sistêmica. Equivocou-se gravemente quem julgou que o País se modernizaria. Não com capitanias hereditárias, feudos indisfarçáveis e o controle dos cidadãos pobres por primitivos capitães-de-assaltos. Será que isso não muda?

Mais notícias
Assine
TOPO