Marcos Corrêa/PR

Novo chanceler tenta evitar corte de salários de diplomatas no exterior

18.04.21 12:00

No final de fevereiro, Crusoé mostrou que um problema administrativo não resolvido por Ernesto Araújo estava tirando o sono – e dinheiro – de diplomatas brasileiros no exterior. Com os salários calculados em dólar e convertidos em reais em seus contracheques, em um cenário de forte desvalorização da moeda nacional, diplomatas de primeiro escalão passaram a sofrer cortes na remuneração para se adequarem ao teto salarial do serviço público.

Como eles pagam suas contas nos países onde trabalham, esses funcionários argumentam que é injusto submetê-los às mesmas regras vigentes para os servidores em atuação no Brasil. Os que servem em países com moedas com forte valorização em relação ao real, como euro, libra esterlina e dólar, alegam que a conversão reduz de 20% a 30% o seu poder aquisitivo.

O Itamaraty, no entanto, está próximo de criar, sob a coordenação do Tribunal de Contas da União, um mecanismo para adotar a “paridade do poder de compra”, o que corrigiria essas distorções. A equipe do novo ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França (foto), deu prioridade ao tema e a solução deve ser anunciada em breve.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Kkkkkkkkkkkkkkk. Não são somente os diplomatas que estão sofrendo com a enorme perda do poder aquisitivo devido ao desastre da política econômica do Bozo. Toda a população está sofrendo também. Até onde eu sei, ninguém no governo está trabalhando para resolver este problema. O real é uma das moedas mais desvalorizadas no mundo. Ela foi derretida pelos bozistas para gerar mais lucros para aqueles que pagaram a campanha do genocida. Podem conferir!

  2. Complexo. No Brasil, servidores estão com salários congelados a mais de 5 anos. É ja foi aprovado mais um congelamento. No Poder Executivo, kda servidor DEVE pagar seu plano de Saud. Acontece o mesmo no Itamaraty? Caso, de uma hora pra outra, o dólar recue, como ficam os vencimentos dos diplomatas. Atualmente a PETROBRÁS tem aumentado ou reduzido os preços dos combustíveis de acordo com oscilações de mercado. E o povo tem sofrido. É justo? Alguém vai reembolsar o povo brasileiro?

    1. deveria cortar pela metade. esses funcionarios publicos são o cancer do brasil! se fossem competentes nao estaria no governo! estao lá para levar vantagens. aposentar cedo! tudo porcaria

    2. sim. Ademais o custo de vida difere nas cidades oelo Brasil e nem por isso salariis federais ou estaduais são "adaptados" . Sempre por aqui 3 pesos e 2 medidas!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO