Adriano Machado/Crusoé

Nise Yamaguchi viajou ao menos 13 vezes a Brasília durante pandemia

18.06.21 21:37

Suspeita de fazer parte de um “gabinete paralelo” para aconselhamento de Jair Bolsonaro durante a pandemia, a médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi viajou ao menos 13 vezes a Brasília desde maio do ano passado até maio deste ano.

A informação consta de um documento entregue pela companhia aérea Latam à CPI da Covid, a pedido do senador Omar Aziz, presidente da comissão de inquérito. No começo do mês, Aziz oficiou as empresas Azul, Gol e Latam questionando-as sobre os voos de Nise entre Brasília e São Paulo. Aziz pediu também as mesmas informações sobre Naomi Yamaguchi e Charles Takahito, irmãos da médica.

Conforme revelou O Antagonista, em uma das visitas à capital federal a convite do Ministério da Saúde, em setembro de 2020, Nise teve sua passagem bancada pela Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, chefiada pela médica Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”. A secretária, também investigada pela CPI, é uma das defensoras do tratamento precoce como política pública – foi em sua secretaria que surgiu o aplicativo TrateCov, que receitava cloroquina para praticamente qualquer paciente.

Em seu depoimento à CPI da Covid, no começo do mês, Nise afirmou que esteve em Brasília por “inúmeras vezes”, mas que a viagem ocorrida em setembro a convite de Mayra Pinheiro foi a única custeada com recursos públicos.

Na planilha entregue pela Latam à CPI, há ainda registros de passagens que coincidem com compromissos de Yamaguchi em Brasília. No dia 14 de maio, por exemplo, a médica embarcou para o Distrito Federal e, no dia seguinte, se reuniu com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.

O mesmo se repetiu em setembro, quando, no dia 8, a médica participou de reunião da associação “Médicos pela Vida” – defensora do tratamento precoce – com o presidente. Foi nessa oportunidade que o virologista Paolo Zanotto sugeriu a Arthur Weintraub, então assessor especial de Jair Bolsonaro, a formação de um “gabinete das sombras”.

As empresas Azul e Gol ainda não responderam ao requerimento de Omar Aziz. Parlamentares da comissão apostam que o número de visitas de Nise à capital federal pode ser ainda maior. “Primeiro ela disse que teve quatro reuniões, agora já foram mais de dez, pela contagem nossa aqui. E agora, com a quebra e o pedido de informações das linhas aéreas que vêm de São Paulo para cá, nós vamos saber quantas vezes ela realmente veio a Brasília e fazer o quê”, disse Aziz.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A Musa da Mentira na CPI ainda quer processar os senadores e com certeza vai sobrar M para todos os lados (dela) .... mais fácil voltar a cursar a faculdade de medicina

  2. Nota-se que essa polarização está dando margem a alguns comentários rasos, ocos, ricos em velhos jargões, vazios de argumentos consistentes...

  3. Ela pode ter ido 50, 100 vezes em Brasília. O que isso importa? Ela pode ter aconselhado o presidente a disseminar tratamentos alternativos para tratamento da Covid e ainda assim não tem nenhuma responsabilidade pela condução da pandemia. A responsabilidade é 200% do governo. O resto é cortina de fumaça.

    1. A Mercia deveria estar envergonhada de apoiar um presidente genocida que tanto fez de mal para o Brasil. Não sei como consegues dormir com a consciência tão pesada!

    2. Jether, Nise se colocou nesta posição q se encontra hoje. Ela ñ tem capacidade técnica, e pelo que constatei, também ñ tem capacidade intelectual, para se posicionar, como se posicionou, no enfrentamento de uma pandemia. Hiltler ñ fez o trabalho sozinho no Holocausto. Todos os demais nazistas responderam pelos seus crimes. Nise na minha análise, tem responsabilidade moral pela situação do país, agora com 500 mil mortos. Mas fico com a sensação que a sua responsabilidade, transcende a moral.

    3. Olá Jether, prazer lhe encontrar nessa revista. somos poucos afinal vc sabe quem bancou os vôos da colega? Estou estupefata com a condução da CPI vergonha de ser brasileira.

  4. O "Gabinete das Sombras", foi uma armação dos aloprados com interesses espúrios de todas as espécies. Os componentes de tal Gabinete devem pagar por isso!

  5. Qual é o problema em ser aconselhado por medicos renomados? Se essa medica desde o começo da pandemia vem se especializando no tratamento do virus nada mais natural do que ouvir suas opinioes tecnicas. O resto é conversa pra boi dormir dessa turma maluca do psol, pt e crusoé.

    1. Pedrinho Bozista, para de zurrar. Você quer que eu faça uma lobotomia para curar a tua esquizofrenia?

    2. Pedro, seu comentário é digno de pena. Deve ter escrito ele, olhando para o espelho. Aqui vc tem a oportunidade de se posicionar. Criticar sem substância, é como um peido no vento.

    3. Os dois desqualificados abaixo nunca leram um manual de primeiros socorros e já são especialistas médicos. Louvor à ignorância.

    4. Se especializou tanto em vírus, que ñ sabia a # desse para 1 protozoário. Qual médico renomado participava do GS, além daqueles interessados numa boquinha, diante de um PR fraco na tomada de decisões?

    5. Ela é oncologista. Sem nenhum treino ou publicação em epidemiologia ou saúde pública. Portanto, seu argumento não é apenas furado, mas risível!

  6. Um bando de médicos charlatães se une, e afrontam a sociedade, denominando o grupo de Médicos pela Vida. Chegamos a 500 mil mortos, grande parte de responsabilidade desses médicos pela morte. Propagandear medicamentos ineficazes para uma doença que mata, é coisa de monstro. Nise é uma mentirosa. Ela que não abre o olho, com aquela sua cara de sonsa, fez muito mal ao nosso país. Na hora que tiver que ver o sol nascer quadrado, vai ficar esperta, de olhos bem abertos.

    1. Quanto a permissão dada pelo paciente, ela nunca é absoluta. O médico estuda medicina, sendo assim, ele tem poder nessa área sobre o paciente. E com o poder, vêm uma maior responsabilidade. Saindo da questão clínica individual, o Brasil adotou a estratégia da imunidade de rebanho pela contaminação e o uso de medicamentos ineficazes, como política pública, sem um respaldo científico. Isso é criminoso.

    2. Mércia, minha linha de raciocínio quanto aos olhos da Nise foi infeliz, e por isso peço desculpas.

    3. Ah vc tem o que contra os olhos rasgados, típico dos orientais? Já pensou os Chineses com olhos mais abertos para criarem mais vírus? me poupe

    4. Esta japonesa e bandida , foi atrás de uma boquinha , se acreditasse na tese dela não precisava ir na mansão do miliciano 01 fazer aula para depor , cambada de assassino , vagabundagem , sem escrúpulo , outro bilionário tá fugindo com rabo entre as perna , o Osmar trevas, pediu arrego para o lira , que tese boa !!!!!!

  7. Ela é oncologista. Infelizmente não usou sua habilidade para extirpar o Bozismo, o pior tipo de câncer que corrói o Brasil. Ao contrário, fez parte de um grupo de apoio às ações genocidas do ser decrépito.

    1. Ouvi um zurro por aqui? Deve ser algum fantasma de bozista. RIP muar!

    2. Zezinho,é bom JAIR se acostumando com opiniões como as da Dra. Nice ,pois nem todos são idiotas como você….

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO