Luis Miranda diz que também alertou Pazuello sobre irregularidades em contrato da Covaxin

23.06.21 12:02

O deputado federal Luis Miranda (foto), do DEM do DF, afirmou em entrevista a Crusoé que também alertou o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello sobre os indícios de irregularidades no acerto para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin, vacina indiana contra o novo coronavírus. A conversa ocorreu quase um mês após a assinatura do contrato.

O parlamentar é irmão de Luis Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde que, em depoimento ao Ministério Público Federal, relatou que foi pressionado de forma atípica por seus superiores para viabilizar o imunizante desenvolvido pela Bharat Biotech, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos.

Luis Ricardo disse que a suposta ingerência partiu do tenente-coronel Alex Lial Marinho, que ocupou o posto de coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos para Saúde na gestão Pazuello.

Crusoé, o deputado Luis Miranda confirmou o que já havia antecipado mais cedo a O Antagonista: que, acompanhado do irmão, procurou Bolsonaro em 20 de março, no Palácio da Alvorada, quando o alertou sobre as irregularidades. Durante a conversa, o presidente da República disse que acionaria o diretor-geral da Polícia Federal.

O presidente, na hora, entendeu a gravidade. E usou a seguinte expressão: ‘Estou acionando neste momento o DG [diretor-geral] da Polícia Federal“, narrou. Questionado se o chefe do Planalto, de fato, o fez, Miranda respondeu não saber. “A mim, ninguém procurou“, disse.

Em 20 de março, procurei o presidente, porque fui procurado pelo meu irmão, funcionário do Ministério da Saúde. Ele é concursado desde 2011, uma pessoa que não depende de política para nada. Quando eu cheguei na política em 2018, ele já estava no cargo, então, me procurou porque minha plataforma é em defesa da segurança pública e do combate à corrupção”, contou.

É um caso de bilhões, com documentos que escancaravam indícios de corrupção. Ele me procura e fala: ‘Já avisei chefe, já avisei todo mundo do setor e, ao invés de cancelarem isso, estão me pressionando para levar à frente’. Quando chegou no limite, de, às 23 horas, o coronel Pires manda mensagem falando que está com a empresa lá com ele. E ele falou: ‘A empresa pressionando?’ Levei para o presidente e falei isso”.

No dia seguinte, o deputado assegurou ter repassado informações sobre as possíveis ilicitudes a Pazuello.No dia seguinte, um domingo, viajei com ele para buscar vacinas em São Paulo. Dentro da aeronave, falei para ele que levei ao presidente um caso gravíssimo. Ele falou para mim: ‘O Delog [Departamento de Logística em Saúde] é um problema que nem eu dei conta. Mas já sei que vou ser exonerado na semana que vem mesmo. Então, essa bola já não é mais comigo”.

Indagado por Crusoé se procurou diretamente a PF ou o Ministério Público Federal, Miranda disse que não. “Por que? Eu falei com a autoridade máxima do Executivo”, disse, lembrando que, em 31 de março, o irmão prestou depoimento a procuradores. “Quem tinha a possibilidade de cancelar, suspender o contrato, era o presidente da República. O presidente fala: ‘Cancele este contrato’ e acabou o problema. Não aceite este contrato. Ele não fez assim com as outras vacinas? Em outros casos, ele falou: ‘Só vou importar com o aval da Anvisa’. Por que essa não precisava da Anvisa? Essa era mais cara, a mais sem ética, a única com intermediária no meio. Estava tudo errado”. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Conhecereis a verdade e ela vos libertará, será esse o último embuste que elegemos através de mentiras da campanha onde dizia que iria combater a corrupção e atos e fatos demonstraram o contrário.

  2. Desculpa da gadolandia, no PT tbm roubava , quando a gente perguntava para a ptzada o FHC e AECiO tbm rouba , problema que alguns brasileiros conseguem ter ladrao e miliciano de estimação , se esquecendo que o Brasil vai indo para as cucuias !!!!

  3. Por onde anda a gadolândia esquizofrênica com a sua frase de bolso: "No governo bolsonaro não existe corrupção!". Manada de seres dementados adoradores e defensores de bandidos e irmãos gêmeos dos mortadelas lulistas!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO