Adriano Machado/Crusoé

Lewandowski determina que PF instaure inquérito contra Eduardo Pazuello

25.01.21 19:27

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, determinou nesta segunda-feira, 25, que a Polícia Federal abra inquérito para investigar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O ministro do STF deu prazo de 60 dias para que a PF conclua a apuração sobre a conduta do general da ativa do Exército na crise de Manaus e determinou ainda que o ministro de Jair Bolsonaro seja ouvido durante a investigação do caso. Lewandowski permitiu que Pazuello preste depoimento em dia e horário previamente ajustados.

No sábado, o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao STF que determinasse a abertura de uma investigação contra Pazuello. Lewandowski é relator do processo por prevenção – ele já vinha atuando em todas as ações relacionadas ao combate à Covid-19, como a que definiu que a competência para determinar medidas é concorrente, ou seja, de responsabilidade tanto do governo federal, como de estados e municípios.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O ministro Lewandowisk é o relator, mas quem profetizou esse risco para o Exército foi o ministro Gilmar Mendes, ao prever que aquela respeitada instituição estava “entrando numa furada” ao assumir o Ministério da Saúde. Ele classificou “a missão” de genocídio. Teve que se explicar e relativizar a narrativa. Gilmar pode ser “tudo” que dizem dele, mas nesta parece que estava certo. Se o general Pazuello cair, o Exército vai junto e o Jair ficará ainda mais nú.

  2. Homem honesto sério com dever público, deve ser inocentado ainda na fase de inquérito, ação na deva prosseguir depois de serem investigada as alegações do ministério público.

    1. Homem sério? Com dever público? Você só pode estar brincando, José. Se ele fosse sério não teria aceito assumir o comando da área da saúde, cargo para o qual não tinha o mínimo de preparo e de conhecimento, ainda mais durante uma pandemia. E se tivesse um pouco mais de dignidade, já teria entregue o cargo ao Presidente, depois de tantas vezes desautorizado e desrespeitado. Não tenho pena dele, não. É uma vergonha para o País e para o exército e agora vai ter de se explicar à justiça.

    2. Numa investigação, não necessariamente o investigado é culpado, mas com certeza os culpados vão aparecer no curso desta

  3. O boi de piranha está sendo preparado em sacrifício e logo será jogado no rio para saciar as piranhas, enquanto aquele que tem a caneta segue, por enquanto, livre de mais um problema. Haja bois!

  4. E no ""A coisa"" genocida-mor.... não vai nada???? Aliás, esse verdadeiro judas anda tomando algumas providências apenas porque a popularidade despencou e veio o medo da perda da imunidade e com isso a jaula em 2022 pra ele e suas repugnantes crias!!!! Ou seja, providências em prol de si mesmo, não está nem aí para a população!!!! Para o POVO BRASILEIRO apenas a avalanche da mais total e absoluta ignorância, com palhaçadas perversas de ""tratamento precoce"" e outras ignomínias irresponsáveis!!!

  5. Infelizmente o general Pazzuelo avançou demais nas loucuras do Bolsonaro. Acredito que nesses últimos dias, muito provavelmente, ele tenha ponderado algumas atitudes. A questão dos medicamentos sem comprovação científica. Ter voltado atrás na vacina do Butantan. Não avançar nas negociações com a Pfizer. Mas a vida é assim. Se ocorre crime, dá-se o castigo. Quando estamos num ambiente dominado pela loucura e a barbárie, não podemos achar isso normal. Pois achar normal é a banalização do mal

  6. O teatro (ou circo) está armado. O capacho do PT acolhe pedido do capacho do genocida para investigar seu outro capacho pela polícia controlada pelo genocida. Se a Abin colaborar com o inquérito e o congresso abrir uma cpi, será um sucesso. Vem vacina, vem impeachment, vem 2022!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO