Breno Esaki/Agência Saúde

Cobrada pelo Butantan, Saúde diz que responderá sobre compra da Coronavac no prazo contratual

27.01.21 18:41

Cobrado pelo Instituto Butantan por uma resposta sobre a intenção de compra do lote adicional de 54 milhões de doses da Coronavac, o Ministério da Saúde afirmou em nota, nesta quarta-feira, 27, “que irá se pronunciar no prazo oficial do contrato“.

Na prática, a pasta sinaliza que pode adiar a palavra final até meados de maio, ignorando a urgência levantada pelo centro de pesquisa, vinculado ao governo de São Paulo.

O contrato firmado entre o ministério e o Butantan prevê a possibilidade de aquisição pelo governo federal de um total de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19. O primeiro lote, já acertado e formado por 46 milhões de doses, será entregue em quatro levas.

De acordo com o documento, a garantia do estoque adicional de 54 milhões de doses depende da manifestação de interesse do ministério chefiado por Eduardo Pazuello. A pasta tem prazo de até 30 dias após a entrega da última leva do lote inicial, prevista para 30 de abril, para responder.

O ministério divulgou a nota horas após o diretor do Butantan, Dimas Covas, relatar que enviou na semana passada um ofício ao órgão para pedir celeridade na palavra final. De acordo com o médico, o posicionamento é necessário para que o instituto planeje a importação de insumos e a produção de novas doses.

Dimas Covas ainda ressaltou que o instituto deve honrar o fornecimento de doses a outros países da América Latina como Argentina, Uruguai e Bolívia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Pois é... Em toda coletividade existem aqueles que empurram o carro e aqueles que gritam oi. A pandemia nos impôs uma série de desafios, mas poucos se puseram a resolve-los, escancarando claramente essa percepção, só os medíocres continuam ignorando. Alguns preferem atrapalhar, afinal qualquer coisa vale para manter os holofotes. Até quando?

  2. Um cabo e um soldado - é o que basta para acabar com o ministério da saúde. Presidente assassino, FA omissas. Triste. Só 2022 salva.

    1. O canalha assassino ainda vai rifar o ministério ao centrão- impeachment já!

  3. 1.0 Quando eu acho que estou com muitos problemas, pego um folha A4 e escrevo todos eles. E o tamanho da letra é de acordo com o tamanho do problema. Se fizermos esse exercício com os problemas do Brasil, sem dúvida, o nosso maior problema é o Bolsonaro. Ele ocuparia metade da folha. Outros problemas também são desafios enormes, mas Bolsonaro é o principal. Nos meu quadro de problemas, eu risco o principal, analisando o impacto nos demais.

    1. 1.1 Nos problemas do Brasil, riscando o Bolsonaro, todos os demais problemas sofrerão impacto positivo. Teremos um planejamento para a vacinação, com um tomada de decisão mais ágil e racional. A economia não sofrerá mais, com às incertezas de ter um louco na presidência. Concluo que riscando o Bolsonaro, resolvendo os gargalos da vacinação e recuperando a economia através disso, os demais problemas podem ser equacionados ao longo do tempo com sucesso.

  4. Deixa o governo protelar a compra das vacinas e o Butantan, antes de tudo como empresa, cumprir as intenções de exportação das vacinas, piorando ainda mais o futuro do ex-capitão e agora presidente falastrão para o pleito de 2022.

  5. O Generaleco Pazzuello que é especialista em logística. está matando os brasileiros. o Bolsonaro já o deixou ele para ser boi de Piranhas. agora resta aos irmãos caminhoneiros mais uma vez trocar o governo e tentar com o Mourão. greve já parem o Brasil e aí sim vamos tentar de novo. Diesel no preço que está, pedagios e falta de palavra do Bolsonaro. Elegemos ele e tiraremos também GREVE JA. LOCKDOW NAS ESTRADAS JA.AI O VIRUS PARA DE CIRCULAR.

  6. Lixos Presidente e seu Ministro marionete - boicotam a vacina dificultam planejamento sério do Butantã, fazem terrorismo, deixam tudo para ultima hora prazo. Ralé do inferno. A inveja é uma merda. E o Conselho Federal de Medicina - cadê? Home office??? Putada omissa - nem se posicionou até hoje sobre a cloroquina e muito menos sobre os fura-fila de jaleco- como as recém formadas de Manaus.

  7. A velha, gasta e manjada tática de provocar incertezas. Fora Eduardo Pazuello. Deixe o Jair Messias fritar mais um em benefício do Centrão. Vendam o excedente pra quem necessitar.

  8. Pode esquecer este novo lote de 54 mi. O Bozo com seu sargento Garcia não comprará mais, visto que a Fiocruz vai começar a fabricar e quanto mais gente morrer melhor pra eles.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO