MarioSabino

Curta nas mangas

12.11.21

Em 1987, fui a trabalho à Feira de Frankfurt, a maior feira literária do mundo, que acontece anualmente. Lá se reúnem editores, agentes literários e, com alguma sorte, bons autores. A lembrança mais viva dessa viagem é a de um editor português. Não recordo o nome, mas a sua figura permanece indelével. Ele não usava um pince-nez, mas era como se usasse. Aos meus olhos, era — e permanece como tal — uma figura empoeirada. A poeira assentou-se de vez sobre ele quando começamos a conversar.

Portugal aderira havia pouco à hoje União Europeia, e me pareceu natural abordar o assunto em nosso diálogo até então amigável.

— Imagino que os portugueses estejam muito com contentes com a entrada do país na Comunidade Europeia.

— O senhor deve estar a brincar.

— …

— Trata-se de uma desgraça.

— Como assim?

— Nos tornaremos definitivamente um balneário de alemães, ingleses e franceses. Seremos colonizados.

— Quisera eu que o Brasil tivesse a mesma sorte.

— O senhor não vê que é uma parvoíce?

— Portugal vai receber bilhões em investimentos.

— O que são bilhões diante da perda de soberania e identidade?

Como estava perdendo meu tempo, embora muito tempo me sobrasse naquele tempo, inventei uma desculpa e caí fora.

Na época, Portugal não tinha nem autoestrada digna desse nome que ligasse Lisboa a O Porto, a segunda maior cidade do país. Era um país que exportava mão de obra barata para os vizinhos ricos da Europa, principalmente para a França. Pobrezinho, coitado, mas pródigo em figuras empoeiradas como o editor de pince-nez sem pince-nez, naquele tipo de relação em que não se sabe ao certo o que é causa e consequência. Ainda lhe cabia a definição do João da Ega, o personagem memorável de Eça de Queiros, do romance Os Maias, a quem o autor descreveu como “o maior ateu, o maior demagogo que jamais aparecera nas sociedades humanas”. Em determinado momento do livro, João da Ega diz:

“Enfim, se não aparecerem mulheres, importam-se, que é em Portugal para tudo o recurso natural. Aqui importa-se tudo. Leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciência, estilo, indústrias, modas, maneiras, pilhérias, tudo nos vem em caixotes pelo paquete. A civilização custa-nos caríssima, com os direitos de alfândega, e é em segunda mão, não foi feita para nós, fica-nos curta nas mangas…”

Quase 35 anos depois, temos aí um Portugal rico — de uma riqueza discreta, mas sempre riqueza —, que é mais do que destino de alemães, ingleses e franceses. É polo tecnológico dos mais inovadores da Europa. A televisão continua ruinzinha, é verdade, abaixo da média já bem baixa de outros países, mas isso está longe de ser marcador significativo de progresso. Talvez seja até o contrário, pensando bem.

Agora, cabe aos brasileiros que os visitam relembrar aos portugueses os tempos nos quais a civilização lhes ficava curta nas mangas. Estão a importar eventos com figuras empoeiradas que nos mantêm no atraso em leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciência, estilo, indústrias, modas, maneiras, pilhérias.

Preciso comprar um pince-nez.

PS: a editora Topbooks acaba de lançar Me Odeie pelos Motivos Certos, em versão impressa. Quem quiser adquirir o livro, com desconto, pode clicar neste link. Obrigado aos que já compraram e agradeço antecipadamente aos que vierem a comprar. Garanto que estou longe de ser o maior demagogo que jamais apareceu nas sociedades humanas.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Já comprei o livro, e estou nas últimas páginas. Escreva mais outros, admiro seus trabalhos, tanto nos comentários na Crusoé, no O Antagonista e agora neste livro. Parabéns

  2. É muito prazeiroso ler seus artigos, Mário! Como sempre vc é muito certeiro. Tive a sorte de conhecer um pouco de Portugal e ver o progresso ali, nos tempos do PT, quando se dizia que o Brasil estava bombando. Coitados dos portugueses que se juntam a essas figuras execráveis que o Brasil exporta! E parabéns pelo seu “Me odeie pelos motivos certos”. Nós te amamos!

  3. Portugal não é um país rico. Quase 25% da população vive abaixo do limiar da pobreza, muito por causa dos baixos salários praticados, já que a maior parte da população pobre está empregada. Também não sei onde o autor foi buscar a ideia de que é um polo tecnológico.A tecnologia de ponta é aplicada em setores pontuais da produção nacional, nomeadamente na indústria da cortiça ou vinícola, padecendo o resto do setor produtivo de fraco acesso a tecnologia de ponta e mão de obra qualificada.

  4. Em 2019, o valor de mercado do BTG Pactual subiu 396%. Coincidiu com a posse do Guedes e também com as conversas, “lícitas”, segundo o Steves, com o presidente do Bacen. Enquanto isso, grandes, médios, pequenos e micro-empresários tiveram que se adaptar, sumir ou ficar com a situação econômica mais que curta nas mangas.

    1. Hoje, o valor do BTGPactual ou BPAC3, oscila, nos humores da bovespa, entre R$ 163 a 170 bi. O que é o dobro do BBAS3, na casa dos R$ 85 bi. E, embora o BB tenha um lucro anual mais que o dobro do lucro do BTG, este último está valendo muito mais. Sinal que o “mercado” está doido ou tem informações de cocheira? O BTG vai comprar o BB? Isto é, parece manipulação: enquanto hipervalorizam o BTG, sub-precificam o BB, facilitando sua venda, aviltada, ao aviltador? Teoria da conspiração?

  5. atenção portugueses, exportamos cupins togados ! se bem que nossos patrícios cruzmaltinos, deverão me ignorar, pois se nossos honrados iluministas juristas republicanos estão pagando bem, que mal tem... ora pois gajo, arrebita, arrebita, arrebita !!! até !

  6. Portugal é ótimo pra se viver, seguro, barato, belíssimo, apesar do excesso de burocracia, imodéstia dos melhores do mundo e baixa empatia com os brasileiros. Onde comprar o seu livro em Portugal?

  7. Me veio à mente a figura misturada de um cachaceiro , dito progressista, com um psicopata que se diz conservador e de direita, mas ambos ignorantes e iletrados. Mas exímios manipuladores e exploradores da estupidez humana

  8. Como sempre, preciso, com um bisturi você vai tesourando o que não tem a menor importância. Estou adorando o seu livro “me odeie pelos motivos certos”. Quero ler os demais. Obrigada.

  9. Li todos os comentários apenas para checar as observações do Mario. Gosto de ver os autores se manifestando (e me solidarizo no enfado frente ao que devem encontrar de lixo nos comentários). Parabéns pela revista, publisher!

  10. Só confirmando o q Mário escreveu. Há 15 anos fomos de carro da Alemanha ao Algarve depois q as novas estradas portuguesas foram construídas com $$ da UE. No mínimo 10 vezes melhores q as famosas Autobahnen alemãs. Perfeitas. Nos padrões mais modernos. Como na época os portugueses ainda ñ tinham muito $$ p/ comprar carros mais novos (exigência da UE), as estradas estavam praticamente à disposição dos visitantes "mais ricos". É egoísmo, mas foi maravilhoso viajar em estradas "zero" e vazias.

  11. Mario, brilhante como sempre. Nem precisou ser explícito em relação ao evento que deve tê-lo inspirado a escrever este excelente artigo. Na mosca.

  12. Nenhuma palavra sobre uma semana tão importante para o Brasil. A chegada de Moro a política. Talvez seja o início da derrocada dos corruptos brasileiros que vivem dando festa em Portugal a custa do povo brasileiro. Todos podemos sonhar com um país melhor. E sempre devemos ajudar aqueles que com coragem dão um passo a frente para esta conquista. É a obrigação de todo brasileiro neste momento deveria ter em mente. Depois não adianta reclamar. Parabenizo Diogo que está contribuído como pode

    1. Não é patrulha. Mas estamos em um momento crucial. Sabemos como a grande imprensa tem tratado Moro. A guerra que teremos de enfrentar é gigante. Até agora os bandidos estão ganhando. Todo esforço para que o país avance é crucial. Assino antagonista pela independência e visão do futuro.

    2. Recuso a patrulha, Rogério. Este é um espaço de liberdade. E lembre-se: sou o publisher desta revista.

    3. Não misture as coisas, Crusoé é uma revista e não um panfleto político. Ler Mario é um deleite, aproveite.

  13. Devolvendo e dando sequência aos dadivosos agrados dos tempos empoeirados do pince-nez. Lição bem aprendida. Seguimos firmes.

  14. Triste ver essa Portugal progressista abraçada à união europeia iluminista e desafiadora, ser emporcalhada com fezes festivas emanadas pelos podres poderes via Brasília .

  15. Além do seu texto preguiçoso, adoro ler os comentários dos companheiros assinantes e, desta vez, a preguiça me poupa de nomear a turma do convescote político/jurídico patrocinado pelo empoeirado vaidoso, sempre vitorioso contra o Brasil 🇧🇷 devidamente identificada anteriormente…

  16. KKKKK, Portugal cuidado, a fina estampa brasileira está fazendo congressos nestas lindas terras, gente da melhor qualidade.

  17. Excelente texto! Dispense o pince-nez pq vc nao está empoeirado. Mas se puder, fuja pra Portugal enqto lá ainda está bom... Logo eles estragam tudo ...

    1. Não! Precisamos do Mario aqui. Sem os Antagonistas não teremos salvação!

  18. Chegou seu livro, Mário. Vou degusta-lo nas minhas folgas. Adoro suas analogias tão elegantes. Parabéns por esse texto. Pince-nez foi ótimo. Nossos empoeirados também kkk

  19. Ironia fina! Um trem da alegria cheio de figuras escusas da política brasileira nos faz pensar em Portugal como um pais dúbio...

  20. Sabino muito boa crônica. Só faltou dizer que a europa acaba nos pirineus. E a situação portuguesa é bem complicada no combate a corrupção, e a riqueza bem está é só para alguns os outros recebem migalhas desta riqueza.

  21. Gosto muito das suas colunas Mário, mas essa me pareceu meio preguiçosa. Acho que a Crusoé como um todo está assim. Vocês precisam evoluir nos textos e abrir mais frentes na revista. E não cai bem colocar texto de colunista em férias e deixar em branco... Desculpe falar sobre esses temas aqui na sua coluna, mas tb estou com preguiça de procurar outro lugar! Abraços!

    1. Ontem, trabalhei 12 horas. Certamente não sou preguiçoso.

  22. Toda semana uma nova delícia!!! Você é imperdível, Mario. A propósito, este senhor empoeirado me lembrou outros empoeirados aqui no Brasil.

    1. Embotoxado, no caso é o dono do trem da alegria dos empoeirados. Trem pago por nós.

    2. Esse aí, é empoeirado e preenchido de botox e outros ao que me parece.

  23. Delícia de coluna! As vezes dá muita tristeza em pensar que todos os países evoluem, enriquecem, ficam melhores, e o Brasil continua pobre, jeca, detentor das mentes mais atrasadas das civilizações. MS

  24. Amei a história!!! Sobre seu livro, o sr realmente está longe de ser o maior demagogo q jamais apareceu nas sociedades humanas (🤭🤭🤭), o livro é muito bom! PS: não que importe, mas eu tive que procurar no Google o que é um pince-nez😬😒). Bom fim de semana🤗!

  25. Figuras empoeiradas, muitas ESCOLHiDAS por outras poeirentas que, por sua vez, foram ELEITAS por milhões de jacús cheios de poeira e barro na cabeça. É isso A DEMOCRACIA⁉️ Não, obrigado‼️ O brazil é um destino cruel, é a negação do dharma.

  26. Essa figura empoeirada despertou-me a memória de outra figura empoeirada o Gilmar Mendes, Artur Lira,Rodrigo Pacheco,Temer e ai vai...

    1. São tantos que nem caberiam nesse espaço exíguo!

  27. Essa figura empoeirada despertou-me a memória de outra figura empoeirada: o Sr. José do livro Todos os Nomes de Saramago. O Sr. José é um modesto escriturário da Conservatória Geral do Registo Civil que coleciona recortes de jornal sobre pessoas famosas.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO