MarioSabino

Somos um país de loucos

09.08.19

Numa conversa muito simpática em Brasília, ouvi que o Estado deveria cuidar apenas da Justiça e Segurança Pública, todo o resto ficando a cargo do mercado. Valeria para o mundo inteiro. Quando se examina de perto a paisagem brasiliense, dá mais vontade de reduzir o Estado a quase nada. Mas sou um fatalista: acho que as nações, assim como os indivíduos, fazem escolhas próprias nem sempre coincidentes. Algumas conscientes, outras inconscientes. A Europa Ocidental escolheu ser mais estatista, e não se pode dizer que não tenha dado certo. Os Estados Unidos escolheram ser menos estatistas, e deram muito certo. Evidentemente, da mesma forma que ocorre com cada pessoa, as escolhas nacionais podem ser objeto de dúvida. Quando as incertezas são grandes, os indivíduos tendem a dar um tempo, se essa parada lhes é permitida, ou apenas a angustiar-se, na falta de outro caminho. As nações democráticas, por sua vez, promovem eleições regularmente. Elas servem para ajustar ou até mesmo alterar completamente as opções nacionais por vontade da maioria. Há sempre um componente existencial em cada eleição.

O Brasil fez uma escolha por um governo declaradamente de direita na última eleição presidencial. Milhões estão surpresos, até entre os eleitores de Bolsonaro, porque achavam que certa agenda da esquerda, inculcada há décadas nas escolas e nos meios de comunicação, parecia natural como o ar que se respira. Não é. Desculpe a tautologia, mas a direita costuma ser mais conservadora nos costumes e liberal na economia. As grosserias e provocações de Jair Bolsonaro são apenas uma má moldura para o quadro. O que a esquerda tenta fazer é fundir moldura e quadro. Está no seu papel, e o presidente contribui enormemente para que a fusão ocorra.

Meu ponto, contudo, é outro, não Bolsonaro. Ou melhor, inclui Bolsonaro, Lula e os demais presidentes eleitos na história da nossa triste república. Ao passar e repassar pela Esplanada dos Ministérios, perguntei-me com insistência: até que ponto as escolhas do Brasil são suficientemente conscientes? De fato sabemos o que estamos fazendo ao seguir nesta ou naquela direção? Como eu disse, algumas escolhas podem ser inconscientes, mas não todas, do contrário seria loucura. Numa farsa teatral escrita pelo inglês Thomas Brandon, autor popular no século XIX, uma personagem diz: “I’m Charley’s aunt from Brazil, where the nuts come from”. A graça está no trocadilho “nuts”, que tanto pode significar “castanhas” como “maluco”. Na verdade, estou mais propenso a crer que somos um país de loucos, de alto a baixo, à maneira de Simão Bacamarte, protagonista de O Alienista, de Machado de Assis, publicado dez anos antes de a peça de Brandon ser encenada (teria o inglês ouvido falar da obra do brasileiro?).

No alto, temos o exemplo do Supremo Tribunal Federal. Os sintomas são consistentes: inquérito sigiloso e inconstitucional que censura jornalistas, habeas corpus de ofício para malandros, investigações do Coaf e da Receita Federal suspensas, usurpação do papel da segunda instância para impedir que o condenado Lula seja enviado para um presídio de verdade, aceitação de provas criminosas para incriminar os mocinhos e soltar os bandidos da Lava Jato… Sim, eu sei que cálculos privados e partidários movem alguns ministros, mas ainda assim é loucura, e cada vez mais sem método. Inclusive porque significa rasgar dinheiro, ao causar insegurança jurídica e afugentar investidores.

No Dicionário de Psicanálise, Elizabeth Roudinesco e Michel Plon escrevem no verbete dedicado à loucura: “Extravagância, perda do sentido, transtorno do pensamento, divagação do espírito, domínio da paixão: tais são as figuras desse mal que afeta os homens desde a noite dos tempos, e cuja origem se buscou às vezes na magia (possessão diabólica ou divina), outras vezes no cérebro ou humores (medicina hipocrática), e outras nos movimentos da alma (psicologia)”. Eles também citam René Descartes, o do “penso logo existo”, que fez um paralelo entre a dúvida filosófica a respeito da existência e certa loucura interna ao pensamento: “E como eu poderia negar que estas mãos e este corpo são meus, a menos que me compare com certos insensatos cujo cérebro está a tal ponto turvado e ofuscado pelos negros vapores da bílis, que constantemente asseguram que são reis quando são muito pobres, que estão vestidos de ouro e púrpura quando estão totalmente desnudos, ou que imaginam que são de cântaro ou têm um corpo de vidro”. Quando se verifica que a Constituição Federal foi reduzida, na prática, a um artigo inexistente — “Ministros do STF podem tudo”—, como não definir tal extravagância como “domínio da paixão” ou coisa de “cérebros turvados e ofuscados” de gente que pensa estar “vestida de ouro e púrpura quando estão totalmente desnudos”?

Na base da pirâmide, a loucura se manifesta por meio da ignorância — ou por meio da manutenção de tantos cidadãos na ignorância e, portanto, sem capacidade para fazer escolhas racionais (e nacionais) em sentido mais amplo, premidos que são por necessidades imediatas. No aeroporto de Brasília, antes de passar pelo detector de metais para embarcar no voo de volta a São Paulo, perguntei à funcionária se eu precisava mesmo tirar os sapatos. Dependendo da regulagem,  a máquina apita ou não para determinados itens. Deu-se o seguinte diálogo:

“Não tire, não, vamos torcer para não apitar, pensamento positivo”, ela disse.

“Mas não está regulada para apitar?”

“Vá em frente, tem de ter fé. Passe bem no meio, andando rapidinho.”

Obedeci. A máquina não apitou e fiz o sinal de positivo.

“Está vendo, é preciso ter esse pensamento”, ela respondeu, com ares de pitonisa que viu sua profecia ser cumprida.

A funcionária, é óbvio, não sabe para que serve exatamente o detector de metais, mas aprendeu como driblá-lo. E provavelmente não conectaria os pontos se eu tivesse explodido o avião. Decerto está longe de ser exceção. A ignorância, mesmo quando é adorável como no episódio da funcionária, tem contornos da loucura porque leva a que se viva alienado dos motivos que produzem a realidade concreta (nada a ver com o conceito de alienação marxista, por favor). Dito de maneira mais simples, a ignorância, assim como a loucura, não estabelece relações de causa e efeito — ou estabelece falsas relações de causa e efeito. Eu diria que, não raro, é um descolamento comparável ao dos malucos não furiosos. Como é possível esperar escolhas suficientemente conscientes nesse universo?

A minha reflexão não terá nenhuma serventia, no caso de a nossa loucura ser insanável (sobre o diagnóstico em si, já não tenho mais suspeitas). Continuaremos a passar rapidinho pelo detector de metais, bem no meio, para que ele não apite. Como ministros do STF podem tudo, talvez um dia eles até decidam abolir de ofício os detectores nos aeroportos. Consta que um dos ministros já se irritou ao ter de passar por essa medida de segurança. Compreende-se. O que é explodir um avião perto de implodir um país?  I’m Mario Bacamarte from Brazil, where the nuts come from.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O que mais me surpreende - ou será estarrece? - é pensar que 11 pessoas, algumas malucas mesmo! - controlam um país com 210 milhões de pessoas que, paralisadas, assistem a tudo imbecilmente. É como se víssemos terroristas tomar nosso avião e ninguém tentasse paralisá-los, preferindo cair junto com eles. Só temos uma chance, paralisá-los antes que seja tarde demais!

  2. Sua análise é perfeita! Como a psicanálise nos permite entender, os mediadores de informação tem um poder enorme - da mãe à mídia - tanto para levar a pessoa a lidar com a realidade fazendo nexos de causa e efeito como para uma leitura da realidade dogmatizada, onde a compreensão passa muito distante do real! "O neurótico constrói castelos no ar, o psicótico mora neles e o profissional da saúde cobra o aluguel" e assim moramos em castelos construídos no ar e somos apenas teimosos iludidos.

  3. Mário Sabino se superando nos artigos... O melhor - de autoria dele - já publicado na Crusoé. Parabéns ao jornalista e à revista.

  4. A coluna do Mário Sabino é como um oásis para o viajante que, do lombo de um dromedário, apeia para beber água fresca do poço e estirar-se por uma hora à sombra das palmeiras. Longa vida ao talentoso antagonista.

  5. Acredito que isso explica os eleitores elegeram candidatos ladrões, esquerdopatas rapinadores de cofres públicos, pilantras e outros criminosos mais, vai gostar de ser sacaneado lá na baixa da égua.

  6. Mario, se me permite afirmar, a ignorância é o estado sublime da felicidade. Não há crise na ignorância, simplesmente porque nela não prospera a dúvida. É um estado letárgico de tranquilidade. Talvez seja por isso que o Brasil é um país feliz....

  7. Mario Sabino, tu és um nut... A opção para tudo é rir, talvez pra não chorar. Obrigada, diverti-me horrores. Vc é um sábio! Mas doido...

  8. O detestável jeitinho brasileiro de “passar rapidinho bem no meio” ( soou engraçado) quase sempre nos rouba a consciência... O segredo para ir de encontro às determinações do sr. Bacamarte, eu acredito, é fazer boas e conscientes escolhas. Pena que as opções para tal sejam cada vez mais raras. Daí... Sabino, você é mestre na intertextualidade!

  9. Parabéns Mário. Ainda bem que existe a Crusoé. Ainda bem que temos Mário Sabino. Difícil discernir o inconsciente coletivo. Nossos ministros do STF estão contando muito com a passividade (e a tolerância) do povo brasileiro.

  10. Sem querer despenquei nas profundezas da sua reflexão. Minha mãe tem Alzheimer em estágio avançado e por isso sei um pouco sobre perda de sentido, transtorno do pensamento. Uma nação com maioria da população ignorante fica muito parecida com uma pessoa demente. Vê-se pelos comentários que os assinantes de Crusoé constituem uma das poucas ilhas de sanidade e equilíbrio. Parabéns pelo texto.

  11. Artigo com relexões bem pertinentes. Somos um país de loucos, sim, Mario. - Só que "loucos varridos" mesmo. Conhece essa expressão popular?

  12. citação de Jung - Até se tornar consciente, o inconsciente toma conta de sua vida e você chama de destino.(sic) O brasileiro segue seu destino por falta de consciência...

  13. Mário Sabino, só pensando o Brasil dessa forma dá para entender a realidade. Por outro lado, precisamos andar bem acordados para não perdermos o rumo das coisas. No momento busco foco em criticar o Senado Federal em sua omissão ou covardia, na figura de seu presidente, por não permitir que se leve à frente a discussão sobre o impeachment de ministros do supremo tribunal Federal, talvez a única saída imediata para frear as loucuras comentadas.

  14. Divagar entre o certo e o errado, para mim é embromação. Sou Conservadora e desde os dez anos sei distinguir entre o certo e o errado.

  15. "Juro obedecer a Constituição", diz todo Presidente eleito. Pergunto, ela é obedecida pelos seus principais guardiães?. Quem deveria ter o maior zelo não a obedece descaradamente. O Direito Processual acima da Justiça faz deste País um País de loucos. A maior prova da desigualdade é a própria Justiça.

  16. Estamos ao nível da pocilga que era Cingapura em 1965. Eles se separaram da Malásia- e implementaram um modelo de país com absoluto respeito às leis e excepcional nível de educação, saúde e segurança. Ou rompemos agora com o JB lenhador, muito parecido com Lee Kuan Yew inclusive nas polêmicas em que se involve - e criamos um país de verdade, ou viramos uma Malaysia, recentemente roubada em 1B de dólares pelo último 1o ministro, agora preso, como vários ex-presidentes do Brasil deveriam estar.

  17. Excelente comentário. Infelizmente, uma boa parte dos brasileiros, mesmo consegindo ler, não entendem seu raciocínio, o que me leva a pensar, que o maior problema no Brasil é a falta de uma educação decente para TODOS, mesmo cívica. O restante dos problemas do país se resolverá automáticamente.

  18. Parabéns pelo belo texto. Torço pela aprovação do pacote Anticrime, mas os corruptos ja o desidratam e não acredito que aprovem pois colocarão a corda no pescoço e são covardes. Quanto AO STF revogar a PEC da bengala para colocarem o pijama mais cedo e deixar o país em paz, com menos insegurança jurídica.

  19. Mário, se vc der uma olhada no verbete sobre Mesmer nesse mesmo dicionário que menciona, vai perceber que não é grande a distância entre a psicanálise e o conselho da moça do aeroporto, baseado na " sugestão".

  20. Para mim é muito importante o destino do pacote anti crime do ministro Sergio Moro. Esse pacote vai nos mostrar o norte do governo Bolsonaro.

  21. Vivemos num país em que grande parte das normas é elaborada com desvio de finalidade (beneficiar grupos, arrecadar taxas...). A descrença sobre a finalidade das normas causou uma cultura de descrença em relação ao cumprimento de normas em geral. Nesse cenário, os critérios pessoais determinam se a norma será cumprida ou não. A moça do detector sabe que a finalidade da inspeção é prevenir a entrada de produtos perigosos, mas substituiu o cumprimento da norma pelo seu julgamento pessoal.

    1. ... esse descrédito às normas ocorre em praticamente todas as áreas: impostos, transito, meio ambiente... Pode até ser chamado de loucura, mas a causa não deixa de ser racional.

  22. tsc, tsc, tsc...Mário Sabino: aquele que saiu da Veja mas a Veja não saiu dele. Estilinho pedante e exibido (citações de obras literárias são flagrantes em vaidade) na escrita. Bem "Veja" mesmo.

    1. Ben, tsc, tsc, tsc. quem é você para criticar o Sabino? Um João Ninguém?

    2. A citação de obras literárias só pode ser considerada pedantismo por aqueles que não possuem lastro para tal e invejam quem o tem. Sabino, além de inteligente é culto. Por isso escreve primorosamente! ADORO lê-lo e aprender com seu "pedantismo"! Parabéns, Mario!

  23. Parabéns, Mário Sabino! Seu trabalho jornalístico está um primor. Além de expor a desfaçatez, nos fez uma pintura rabiscada do Poder Judiciário (STF) brasileiro. Também me fez lembrar de leituras, de há muito realizadas, como O Alienista (MA) e o Dicionário de Psicanálise (ER e MP). Grata!

  24. Excelente! Sendo (um pouco) menos pessimista, há algo de novo no ar (literalmente) . Com a Internet, há uma consciência crescente das causas e seus efeitos.

  25. Sabino tem razão. Somente um país de nuts conseguiria a proeza de eleger um nut com a esperança de que ele lideraria um processo de reconstrução e pacificação nacional após um período de roubo generalizado causado por outros nuts.

  26. Sabino, três cimentarios: 1. Muito eloquente e virtuoso no linguajar, 2. Certo e aterrador no Judiciario e, 3. Sem efeito pratico neste hospicio nacional; todos -locos- vao rir babar e seguir em frente (ou de lado? ou pra tras? ou ficar parado onde tem estado nos ultimos 40 anos?)

  27. Excelente artigo Mário. O que acha do sistema de voto distrital com recall? Não seria perfeito para o Brasil? Não seria o poder de fato nas mãos do povo acabando com os disparates das imposições das vontades próprias das autoridades mais impositoras?

  28. "Loucos..eu ñ sei. Tolos, ignorantes e até um pouco inocentes, talvez. Conscientes..eu duvido. Sem opção e esperança?..caminhando. Com um bando de 11 Urubus, dos quais com certeza pelo menos 4 fazem questão de arrasar com a nossa vida, certeza absoluta.

  29. A democracia não resiste a promiscuidade entre os poderes. É como um cartel, em que os acordos são feito as escuras para a manutenção da impunidade. E no final é sempre a população, obrigada a manter o sistema corrupto com seus impostos, quem paga a conta.

  30. Algo remete aos tempos da França antes da revolução, onde o povo custeava a mordomia da nobreza. se isso não for mudado de forma legal e pacífica, seria necessário uma nova revolução, só espero que aqueles que a promova sejam mais censatos na sua condução.

  31. Depois de tantas viagens pelo país, com e sem detectores de metais e de reviver, de tempos em tempos, a arrogância de nossos supremos funcionários públicos, me parece que, infelizmente, sua excelente reflexão tão cedo não terá serventia.

  32. Como pode quatro ou cinco senhores mais incontáveis de outras esferas do Judiciário terem tanto poder? Será que é porque quem poderia modificar isso, para se proteger, permite o poder absoluto a esses magistrados que, abusando dele, ao mesmo tempo se revestem com essa blindagem que enoja o povo, exceto os bandidos? Autocracia do Judiciário parece ser a mais difícil de tolerar. A que mais revolta.

  33. Mario vc fez a analise mais verdadeira e certa da atual vida que levavos neste pais das bananas. Deveria ser escrito num grande mural e esplalhar por todo o pais .Muito obrigado e que bom que vc existe.

  34. De médicos e de loucos todos temos um pouco. Mas tem uns poucos que têm muito, de loucos, de justiceiros, de inconsequentes.

  35. Muito bom!! Num português bem rudimentar, o STF é a maior vergonha nacional, equivale ao PT. Seus "deuses" não aceitam que sequer sejam submetidos à análise de regularidade tributária. Alguns ministros são repugnantes.

  36. Perfeito como sempre, mas coloco que a distância de entender qual a melhor realidade seria a escolhida, está chegando à pele, a insistência de continuar lutando para sobreviver, tanto pela violência como pela produção, mostra que acima de todas as suposições e jogadas, quem está sofrendo começou a olhar com mais cuidado e consciência para se definir.... e definiu. Pelo menos para esse tempo de informações rápidas e transparentes, o jogo ficou mais justo.

  37. Sempre foi assim historicamente (reveja a Idade Média). Como temo no DNA as consequências, ou seja, herdamos as maldades e bondades sem termos um filtro capaz de escolher o melhor, o destino nos prepara para sempre estarmos combatendo. Por isto a existência de heróis, guerreiros, estadistas, etc. Somos obrigados a escolher um lado? Para os terroristas o certo e a melhor proposta bondosa é atacar com unhas e dentes o inimigo. Outros acham que o jogo democrático é melhor.

  38. Vamos continuar lutando lucidamente para que o Brasil seja respeitado como um país de onde são as castanhas e não os loucos.

  39. Caro Mário, pra variar você arrasa nas suas análises críticas e metáforas . Sei bravissimo, Auguri, mai arrenderti, avanti, come sempre hai fatto benissimo! Forse, un giorno, ce la faremo ...

  40. É sinistro o vermos hoje o que é o STF, onde até os ignorantes conseguem ver as absurdas decisões do “eu sou tudo, eu posso tudo” , então que prazer foi ler este artigo, com muito bom humor para tentar representar esta tragédia ! Parabéns!

  41. Não vou mentir, sou um realista esperançoso e aguardo as sextas ou sábados, quando consigo ler a nova edição, principalmente, para ler a coluna do Mario. Somente para acreditar que eu não estou ficando louco quando assisto essa palhaçada por uma live do picadeiro. Ótimo, parabéns!!!

  42. Uma loucura chama outra.Ao perguntar da necessidade de tirar os sapatos, Sabino queria a facilidade para se livrar de um incômodo.Deste modo funciona a vida dos nobres da corte brasiliense. Não importa se a sola do sapato de alguém pode ter perigos explosivos, importa a minha facilidade, eu aceito me submeter a elas desde que eu não seja histérico louco.

    1. Mário, concordo contigo.... o raciocínio está confuso. Outro raciocínio que foi ignorado e que a necessidade de se tirar os sapatos não é constante em todos os aeroportos... devido a conexões você tem no aeroporto pessoas que tiraram os sapatos e outras que não. De novo entra seu comentário de causa e efeito, e o único ponto que concordo com o comentário dele: os loucos das Agências reguladoras não querem o incomodo de regular e ficam com a facilidade da prevaricação ou do deixa que eu deixo.

    2. Há uma falha lógica no seu raciocínio: eu sabia que não havia explosivos nos meus sapatos; a funcionária, não.

  43. Oh, Mário, faltou falar da loucura do Bolsonaro, não? Acredito que se trate de bipolaridade e que tenha que ser medicado com urgência. Suas declarações estão criando polēmicas desnecessárias e tirando a visibilidade de uma série de medidas acertadas do governo.

  44. Excelente texto, como já nos acostumamos... Na tangente da loucura com a ignorância, a falha apontada da CF/88 omitindo o artigo que daria poderes plenipotenciários ao supremo, é a cereja do bolo que nos ofereceu, Mário Sabino! Valeu!

  45. "O que é explodir um avião perto de implodir um país?" A melhor síntese sobre o STF já escrita até hoje. O imoral STF do Brasil. Parabéns, Mário!

  46. A rotina do STL pode suscitar um ensaio sobre a loucura. Mas na verdade o certo seria um ensaio sobre a canalhic.e, sobre como ser velhaco e mal caráter . Ótimo texto. Pena que seja só na sexta .

    1. Concordo, Ozzy. A questão da canalhice me parece mais importante para a comprrensão das ações de alguns dos ministros. A loucura mesmo acaba por limitar-se ao MAM..

  47. Um adendo ao ponto da relação causal entre a ignorância e a alienação. Com um universo de 25 milhões de desempregados, mais desalentados, mais subempregados, os brasileiros estão em estado de desinformação. Ou seja, com a informação manipulada ou viciada. Os meios de informação, salvo raras exceções, prestam um serviço muito ruim. Triste.

    1. Ao que parece, a teoria da hegemonia cultural elaborada por António Gramsci teve implementação bem sucedida no Brasil de pouca ou má escolaridade. Resta a fé em Deus que nunca nos abandona.

  48. Puxa, Mário!!! Você não disse o nome do "ministro"que se irritou! Mas ao menos diga se está frio, morno, quente ou fervendo: Gilmar, Toffoli, Lewando (que pena que não é no roskofi!), Marco Aurélio ou Alexandre?

  49. Não li o artigo todo, cansei... mas concordo tá todo mundo louco e cansado de tanta safadeza escancarada. Não se preocupam nem mais em esconder. Teremos uma luz no fim do túnel?

  50. Genial. Do STF, vale mencionar ainda a recente proibição da Polícia Federal, do Coaf e qualquer outros órgãos de investigar Gleen Greenwald pelo recebimento de mensagens de origem criminosa. Blindaram ele.... Há momentos em que eu gostaria de ser ignorante (do tipo que não entende o propósito de um detector de metais), só pra não ter ciência de tantos horrores...

  51. Muito bom... Pensei que só eu achava... Esqueceu de falar da dificuldade para abrir uma empresa no país de desempregado... É meu Brasil vc tem muitas caras...

  52. Eu faço e ando para as cacas que Bolsonaro fala. Obviamente, o que importa é o que faz. Estou particularmente atento à indicação para a PGR, que fim vai tomar i COAF e em que grau vai se empenhar na aprovação do pacote anticrime de Moro. Isso vai me dizer muito sobre suas reais intenções.

  53. „A loucura se manifesta por meio da ignorância - ou por meio da manutenção de tantos cidadãos na ignorância e, portanto , sem fazer escolhas racionais, em sentido mais amplo“. Não precisa se dizer mais nada.

  54. Discordo em parte. Acho que a maioria é sadia. Tentamos eleger o que nos parece melhor. O que nos falta é a consciência da nossa força para mudar aquilo que escolhemos de boa fé e que nos desapontou.

  55. Estava com saudades de ler o Mario Sabino.Disse tudo o que eu teria dito se tivesse essa lucidez e inteligencia.Que bom que temos vc novamente nos brindando com seus posts!!!E que bom que o Antagonista voltou a ser o que era....

  56. Simplesmente brilhante! Aquilo que eu gostaria de haver escrito ou dito, mas não tenho essa luz/cidez. Perambulo, como tantos. Mas penso. O que é melhor do que a alienação.

  57. Descrição perfeita da loucura que permeia os meios da política e do judiciário, principalmente. Principalmente. mas não só, porque no convívio social o fenômeno é o mesmo. A loucura está cada vez mais... louca. E há quem aposte na loucura para nos levar para situações ainda piores... mais loucas.

  58. Realmente, Mário, estamos assim em um beco sem saída neste nosso Brasil! Mas de qualquer forma aprendemos como passar pelo detector de metais. Brincadeiras a parte, infelizmente a ignorância é que permite que essas loucuras que estão acontecendo estejam muito longe de um fim. O autoritarismo daquela turminha do STF está nos deixando malucos e impotentes.

  59. Supimpa! Alguns menos loucos já perderam ou estão perdendo a paciência e aguardam um líder ou líderes que encaminhe o povo a colocar o "loucos de sem vergonha" no seu devido lugar.

    1. A funcionária É ignorante- ignora pto importante de seu trabalho. Precisa de treinamento, bem como muitos outros funcionários de aeroportos brasileiros.

  60. Sabino, não raciocine como se estivesse num Universo Newtoniano. Pense relativisticamente ou quanticamente. Não há um determinismo inescapável. Na mecânica quântica prefere-se ignorar o estado inicial e aceitar que há um emaranhado entre causalidade e indeterminismo. Na relatividade, a velocidade e a gravidade distorcem o tempo fazendo com que não se estabeleçam causalidades Newtonianas. Talvez a funcionária do detector e o STF, pela experiência, soubessem disso, sem saber. Vai saber?

  61. Excelente, Mario: "Ministros do STF podem tudo! Mas como não definir essa extravagância como gente que pensa estar vestida de ouro e púrpura quando na realidade estao desnudos?" Yes, the nuts came from Brazil!

  62. Excelente !!! Eu apenas mudaria o conjunto malucos-ignorantes para malandros-ignorantes. Somos isso: uma massa de ignorantes tocada por malandros usurpadores da "república". Um inglês mais recente diria que o Brasil é a terra do non sense. Eu diria que ainda não saímos das Capitanias Hereditárias. A Casa Grande e a Senzala mudaram para a área urbana, apenas. O resto continua igual.

  63. Mário, que texto maravilhosos! Já pelo começo quando citou O Alienista, depois quando fala que” O rei está nu” . Realmente o país está nu. É questão de saber olhar. Adorei!

  64. A indicação para o STF precisa ser modificado, política e Justiça não se combinam, muito menos no Brasil onde ética é só dicionário. As violações que o STF nos impõe por vontade monocrática e fica tudo como está, sem que ninguém esperneie, mostra bem o quão insignificantes somos nós para esses senhores. O Brasil é as avessas, policial não pode balear bandido porém, bandido pode matar policial; juízes condenam com provas porém, estas não podem ser usadas para condenar, etc. O país louco

  65. assim como a funcionária do aeroporto indicou uma forma de driblar os equipamentos de detecção de metal, diariamente me deparo com pessoas que parecem se achar o máximo por instruir ir outros a cometer erros ou burlar regras. Fico pensando qual será o problema desse pessoal, porque eles acabam prejudicando a eles mesmos.

  66. O Bolsonaro deputado, candidato e presidente é a mesmíssima pessoa, autêntico. Diferentemente de todos os presidentes pós Figueiredo.

  67. Brilhante texto Mário Sabino. O grande problema é que poucos enxergam o novo código da constituição - ministros do STF podem fazer o que quiserem, já virou rotina, vale lembrar o julgamento do impedimento da Dilma onde Lewandowisk rasgou a constituição. A capivara dos congressistas e enorme e eles ficaram à mercê do STF. A OAB, é outra carniça mal cheirosa. Só nos resta ir para as ruas para tentar desinfectar o STF.

    1. e o momento não está longe, aí vai ser um pega pra capar. Eles não perdem por esperar.....

  68. Congratulações Sabino, férias benfazejas.Se seus textos já eram bons, este demonstra, tornaram-se memoráveis.Brasil, loucos produzindo o caos.

  69. Talvez as reações da cúpula do poder judiciário, aparentemente insanas, é apenas a expressão das pressões dos operadores do direito, concursados, legitimados pela Constituição e população, e a cúpula que depende do poder político, ora ameaçado pela Lava Jato. Alguém achava q iam cair sem reagir? O tipo de reação apenas mostra quem são: perigosos, muito perigosos. Somente uma reação popular poderá dissuadi-los.

  70. Maravilha Mário!! VC conseguiu sintetizar preciosamente,como eu e muitos brasileiros nos sentimos neste País !???????.I'm João Bacamarte from Brazil

  71. A ignorância pode ser uma benção...a Lava-jato mostrou os crimes da ORCRIM e muita gente não vê ou finge não ver. Sabino como sempre imprescindível!

  72. Bravíssimo, Mário Sabino! Ler tua coluna e assistir a live semanal do Marcelo Gleiser são os meus exercícios cerebrais semanais para liberar endorfinas!

  73. Se ministros podem tudo, incluso proteger amigos, estamos próximos a implodir ou explodir ou talvez recorrermos ao Olimpo: Zeus nos ajude.

  74. Excelente! Pessoalmente gosto de lembrar que nossa origem está aferrada aos propósitos do Descobrimento, à exploração predatória das riquezas para usufruto no conforto europeu. Transpondo aos dias atuais, vemos a velha bandidagem reencarnada na cidade mais rica do país, sem produzir riqueza alguma. Tiram dos outros. Embora não usufruam do conforto europeu, ali passam suas férias de profundo saudosismo na alma. “I am Mario B (just a coincidence), one of those who swallow nuts every single day”

  75. Infelizmente a coisa, na minha opinião, é um pouco pior. A loucura, quando acompanhada de caráter obscuro, deixa de ser loucura para ser desvio de caráter puro. No caso do STF, a motivação de alguns ministros passa bem longe de fazer algo bom para a nação. A adoração do próprio umbigo impossibilita um juiz de julgar corretamente. Alguns julgam com o fígado, o que é tão ruim como julgar com o umbigo. A loucura pura ainda pode permear um maluco "beleza", mas mau caratismo é fatal.

  76. Deve ser levado em linha de raciocínio o princípio da incerteza proposto por Werner Heisenberg. O enunciado da mecânica quântica estabelece um limite na precisão, como o shakespeariano “ser ou não ser”: “não existo, mas penso”; “estou aqui, mas também lá”. Os brasileiros não são só loucos, são também bósons. Obrigado pelo texto, foi ótimo para estimular as variáveis da minha loucura.

  77. Acrescento um ditado "de minha lavra e autoria": "O quê se pode esperar de um país que foi descoberto porque faltou vento?"

    1. Pensar que o início de tudo terá sido um transtornado antepassado da Dilma, ensacador de vento, dá até falta de ar.

  78. A mais perfeita definição do STF desses tempos de justiça macabra. Parabéns pelo texto e pela erudição. É, realmente, um grande prazer ler a sua coluna semanal e admirar a sua inteligência, artigo escasso no doce país maluco.

  79. Mario Sabino justificou suas férias, texto perfeito com exposição de pensamento excelente que escancara nossa realidade tupiniquim. Considerando sua reflexão, acho que estamos mais para possessão demoníaca do que para psicanálise. Só não quero viajar contigo de avião

  80. Tudo isso é consequência da falta de investimentos em educação, escolas de verdade que não é de interesse dos políticos. Imaginem como seria difícil manipular um povo com capaz de fazer boas escolhas, discernir. Imaginem que loucura seria levar esse texto brilhante, do Mario Sabino, para estudantes do segundo grau, em escolas públicas interpretarem. Muitas gerações de "nuts from Brasil".

  81. Este é para ser guardado e reverberado em um futuro não tão distante. Triste Brasil se não for entendido pelos que conduzem esta nação!

    1. Lamento, mas não terá fim. Ainda somos, no máximo, 20%!

  82. Sensacional, Mario! Como sempre, vc vai "na veia". Parabéns pelo texto e que um dia tenhamos condições de sarar a abrir os olhos para tanta loucura!

  83. Parabéns!!! Os Antagonistas são uma luz na imensa escuridão dos infernos de Brasília. Socorro! Queremos recall para todos os Poderes.

  84. Grande Sabino, só mesmo com muita competência e bagagem se pode reunir num mesmo texto Brandon, Descartes e a pobre funcionária terceirizada do aeroporto de Brasília ! Parabéns, como sempre ! Sobre a CF totófollitsta-gilmarista, penso que foi proclamada no dia do impeachment da mulher-sapiens, quando o gênio da raça levandowski criou a nova gramática constitucional, separando as punições políticas... quanto ao artigo único - genial - cabe ainda um inciso: quem reclamar, vai preso em flagrante!

  85. Talvez o senhor se surpreenda com a conclusão que chego de seu comentário. Aliás, principalmente, mas não somente de se comentário, mas também de outros fatos que ocorreram esta semana. Bolsonaro, que era e ainda é considerado como um louco, parece ser a pessoa mais sensata deste país.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO