Anderson Lira/FramePhoto/Folhapress

PIB cresce 7,7% no 3º trimestre e Ministério fala em desarmar ‘escudo das políticas sociais’

03.12.20 10:25

O Produto Interno Bruto do Brasil cresceu 7,7% no 3º trimestre, na comparação com o trimestre anterior, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quinta, 3.

Foi a maior variação de um trimestre para o outro desde o início da série de dados, em 1996. O aumento foi impulsionado pela indústria, que cresceu 14,8% no trimestre, e pelos serviços (foto), que subiram 6,3%.

Em uma nota técnica divulgada nesta quinta, 3, o Ministério da Economia afirmou que é possível desarmar o escudo de políticas sociais. “A forte recuperação da atividade, do emprego formal e do crédito neste semestre pavimentam o caminho para que a economia brasileira continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais. É importante frisar que a retomada da atividade e do emprego, que ocorreu nos últimos meses, compensará a redução dos auxílios”, diz a nota. “O escudo de políticas sociais criado para amenizar o sofrimento econômico e social causados pela pandemia deve ser desarmado, dando espaço para a agenda de reformas estruturais e consolidação fiscal – único meio para que a recuperação se mantenha pujante.”

A atividade econômica, contudo, continua com uma perda acumulada de 5% de janeiro a setembro, em relação a igual período de 2019. No primeiro trimestre, a queda foi de – 1,5%. No segundo, o PIB caiu -9,6%.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. É interessante notar que realmente o ME está perdido. Estão construindo cenários com o olho no retrovisor. A pandemia está mais aguda agora. Não temos um planejamento sério com relação a vacinação. Pazzuelo está totalmente perdido nas tomadas de decisão do MS. Então o que concluo, é que isso é mais uma vontade, do que uma realidade factível. A realidade é que terão que achar uma forma de manter o auxílio, para não fazermos um exército de miseráveis no ano que vem. E cortar gastos.

    1. Kkkkkk. Meu xará zurra quando de frente a realidade. Não adianta, eu não falo a sua língua xará. Ser burro e zurrar são características típicas dos seguidores dos Bozistas alucinados.

    2. Amigos, o Jose tem suas razões. É um crescimento pífio diante da queda constante dos últimos anos e q se intensificou agora com a pandemia. Nossa metragem em relação ao resto do mundo é trágica. Será difícil manter um bom crescimento com o aumento considerável do desemprego e endividamento familiar. O agronegócio salva boa parte, mas isso não se reflete em melhora e qualidade de vida para o brasileiro num geral.

    3. PALHAÇO MOR!!!! Deixe de palhaçadas e faça comentários condizentes!!! Só posta asneiras.... Sempre com viés esquerdista, que pensa ter a receita pra todos os problemas, e ficaram 14 anos no poder, e deixaram o PAÍS, na pior situação possível. Se recicle e pare de sandices!!!!!!! Ou melhor: PARE DE ZURRAR.....

    4. Não! Retomada em V aconteceria se você comparasse o crescimento atual com a linha de base antes da pandemia. Já estávamos em recessão antes da pandemia. A pandemia apenas acelerou-se queda esperada. Com este crescimento minúsculo de 7% ainda não conseguimos sair nem da recessão. Os analistas indicam que o pibinho Bozista continuará até pelo menos o final de 2022, mesmo com o mundo todo crescendo pelo menos 5% ao ano. Em resumo: estamos fritos!

Mais notícias
Assine
TOPO