Agência Brasil

CGU prevê mais dois acordos de leniência até o fim do ano

15.09.19 15:16

A Controladoria-Geral da União quer fechar até o final deste ano mais dois acordos de leniência com empresas que caíram no radar da Lava Jato. A expectativa é de que os acordos sejam firmados em conjunto com outros órgãos, como o Ministério Público Federal, e que tragam nomes de outras empresas que ainda não apareceram nas investigações.

Até o momento, a CGU já fechou nove acordos. A maior parte, com empresas que já tinham sido pegas pela Lava Jato e estavam colaborando também com o MPF. Os valores a serem devolvidos aos cofres públicos nos próximos anos somam mais de 11 bilhões de reais. Até o momento já foram pagos mais de 3,1 bilhões de reais, entre multas e ressarcimentos relativos a danos ao erário e a enriquecimento ilícito. Parte dos valores foi para o cofre da União e parte para as empresas diretamente afetadas, como a Petrobras.

Além disso, foram instaurados onze procedimentos no âmbito da própria CGU, sendo seis para investigar empresas que foram acusadas nos acordos e outros cinco para investigar servidores públicos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Infelizmente muito trabalho para nada. É só chegar alguma defesa dos bandidos no STF que os militantes safados colocam tudo para baixo.

  2. Até que enfim una notícia Boa. Parabéns à CGU e ao MPF bem como à Força Tarefa da Lava Jato. Pena que o STF e i Congresso Nacional não trabalham com a mesma intensidade e Patriotismo.

    1. 11 billhões de reais devolvidos aos cofres públicos. Com perspectiva de mais. E a mídialixo preocupada com o filho do Presidente (policial) portar arma, ou com o carro da firma de advocacia de um ministro possuir multas de trânsito. Isso não é pensar pequeno, é pensar com o intestino.

Mais notícias
Assine
TOPO