LeandroNarloch

A greve dos terraplanistas

14.06.19

Há uma arte e uma ciência no costume de inventar pretextos para faltar ao trabalho.

Detalhes, por exemplo, adicionam verossimilhança à desculpa. Em vez do batido “estou doente”, soa mais convincente dizer: “passei a noite escarrando coisas azuis e malcheirosas; o médico pediu a terceira radiografia para descartar a possibilidade de câncer no pulmão; se tudo der certo volto ao trabalho à tarde”.

Também funciona recorrer ao “tive problemas familiares” seguido de um longo silêncio. Por respeito (ou medo de ter de passar 40 minutos ouvindo o funcionário chorar suas pitangas), o chefe jamais perguntará que problemas familiares são esses.

Agora surgiu outra desculpa, uma desculpa simples e eficiente para faltar ao trabalho. Basta dizer: “estou terrivelmente preocupado com os rumos do país e com o ataque aos direitos sociais garantidos pela Constituição de 1988, por isso decidi aderir à greve geral desta sexta-feira”.

Como várias pessoas estão dando essa desculpa ao mesmo tempo, e as notícias confirmam que haverá mesmo uma greve geral, não há como os chefes desconfiarem.

Greves servem para pressionar os patrões quanto a melhores condições de trabalho. Carregam uma ameaça: se vocês não aumentarem os salários, poderão ficar sem mão de obra. Mas a greve desta sexta-feira tem outros motivos.

No Twitter, Guilherme Boulos listou as milícias, o caixa 2, as mensagens entre Moro e Dallagnol e até mesmo “governo fascista”. Entre as catorze razões, não há nada sobre salários ou condições de trabalho.

Em outras palavras, os grevistas querem derrubar o governo Bolsonaro. Justo: eu por mim derrubaria todos os presidentes após alguns meses de governo. O ministro da Educação não é exatamente uma autoridade inspiradora – e o governo Bolsonaro ainda não mostrou o que pretende com a educação pública.

Mas, se o objetivo é derrubar o governo, não faria mais sentido organizar uma onda de protestos no domingo? Anteontem manifestantes conseguiram derrubar uma presidente – e fizeram isso sem greve, sem paralisação de escolas e ônibus, só com o bom e velho protesto na praça. Por que não se inspirar neles?

Manuela D’Ávila disse que a greve geral é “contra a reforma da Previdência e em defesa da educação pública, contra os cortes do Bolsonaro”. Peraí: não dá pra ser contra a reforma e ao mesmo tempo a favor de mais gastos em educação. O rombo da Previdência já consome metade das despesas do governo e sete vezes o orçamento da Educação. Achar que é possível aumentar os gastos dos dois é puro terraplanismo.

Faz ainda menos sentido cancelar um dia letivo e fechar escolas para protestar em defesa da educação. É como passar o dia comendo paçoquinha com o objetivo de emagrecer.

E olha que os professores serão justamente os mais privilegiados pela reforma da Previdência. Poderão se aposentar cinco anos antes de profissionais de atividades igualmente extenuantes, como faxineiras, caminhoneiros e atendentes do check-in da Avianca.

A esquerda inventou uma greve que não é exatamente greve, mas um feriado camuflado de protesto. Seus seguidores se manifestam contra o governo, contra as reformas – e contra o hábito nefasto de trabalhar às sextas-feiras.

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Manuela nunca trabalhou um dia sequer em sua comunista vida, os outros trabalham por ela. Ah, Manuela, vá para os Estados Unidos passear e comprar roupinhas para os pimpolhos.

    1. Manuela D'Avila: a comunista mais capitalista e a trabalhadora mais ociosa do país. E há quem dê crédito às suas falácias... Como explicar isso pra quem não nasceu nessa Terra de Santa Cruz?

    1. para ilustar: é so ir a um aeroporto na quinta a noite que verão a cambada de politicos chegando para passar o final de semana prolongado em casa...!!!!

  2. Concordo plenamente. Esses vagabundos Promoveram um feriadão disfarçado de greve. Já vi esse filme. Aqui no Rio, os funcionários públicos do Judiciário deixam de trabalhar desde a QUINTA FEIRA que antecede semana do Carnaval. E o Carnaval, que deveria durar 3 dias, dura uma semana inteira - mais os DOIS dias da semana anterior. Vivem no melhor dos mundos possíveis

  3. O cúmulo foi o Boulos que só invade, fazendo greve. Os proprietários de imóveis (do Nordeste, onde ele atua agora) agradeceram.

  4. São apenas inocentes úteis a serviço de eminências pardas do sindicalismo pelego e de políticos sem expressão, sem objetivos lícitos e sem causas relevantes.

    1. só os inocentes úteis há muito deixaram de ser inocentes para coniventes.

  5. Lá na empresa, com 25 funcionários, trabalhamos normalmente na última sexta feira. Organizamos umas caronas, acionamos o Uber, e demos nosso jeito de trabalhar, garantir nossos empregos e produzir.

  6. Parabéns Andreia. Que vc sirva de exemplo para os professores ativistas . Nos últimos 25 anos os professores tornaram - se por demais ativistas. Por que será?

  7. Eu sou professora de Univ Federal e fui das poucas a dar aula pela manhã e dar expediente normal. E os alunos vieram. Difícil romper as ações dos doutrinados e da corja sindical!!

    1. Mas estamos. Os libertando, professora. O fracasso da "greve" é um sinal de que as coisas estão mudando.

    2. pela primeira vez vejo um professor de universidade federal admitir a doutrinação. Parabéns professora. em minha cidade 10 em cada 10 foram doutrinador. parecem o velho has mé mé fé......

  8. Indivíduos que fazem (ôrra meu!) nenhuma, não faltam ao trabalho só se despenduram do cabide por umas horas, ninguém nota.

  9. Realmente, uma análise séria da esquerda brasileira só pode ser feita com uma boa dose de ironia, aliás, como bem fez o articulista. PARABÉNS!

  10. Puro deboche, que é como devem ser tratados os Boulos, as D’Avilas, os Freixos, os Pimentas, todos os quadrilheiros de plantão, nossos velhos conhecidos...

  11. TODOS sabemos que a esquerdalha nunca se preocupou em resolver os problemas da Previdencia ou com EDUCAÇÃO de qualidade, mas sim em manter o aparelhamento de ambas como forma manipular os mais desinformados, MANIFESTAR-SE e direito de todos, sem importar sua corrente partidaria ou ideoligica, mas... MANIFESTAÇÃO e uma coisa e ATOS TERRORISTAS são outra bem diferentes, e devem ser tratados com o rigor da lei, meia duzia de arruaceiros promovendo depredações NÃO SÃO MANIFESTANTES, SÃO TERRORISTAS

  12. É um choque de ingenuidade achar coerência nos petistas e franjinhas deles. Há chavões para todos os motivos. O vocabulário deles é o de sempre.Para compatibilizar com a mesmice de pensamento.São iguais em gênero, número e grau.É uma chatice, pior do que um jogo zero a zero de futebol.Julgam entendedores de tudo. Defendem a pobreza mas são perdulários, defendem o trabalho e educação, mas adoram fazer greve, indústria, comércio....,e salas de aulas vazias. São preguiçosos." NÃODÁMAISPT"

    1. Percebi a mesma coisa. o termo 'terraplanista' usado com conotação negativa, denunciou o colunista.

  13. Seu texto me fez criar coragem e assinar a revista. Venho namorando essa aquisição desde a criação da Crusoé porque me sinto mais segura lendo o que vocês publicam. Dá uma pequena injeção de ânimo porque ler Veja, Folha, Estadão, Exame tem me dado desespero. Obrigada, é exatamente o que penso sobre o governo que ajudei a eleger contra o PT e o que penso dessas greves ridículas. Abraços aos leitores e equipe da Crusoé!

    1. Cristina, sua fala descreve algo idêntico ao que ocorreu comigo. Assinei a Crusoé alguns meses atrás e nem sempre é assim. Mas vale a pena ler o que os jornalistas daqui pensam e continuar lendo o que os outros de outras revistas e jornais pensam( na medida do possível, claro) para depois tirar suas conclusões. Ficar recebendo informações de um lado só pode te tornar míope da coisa toda.

  14. Muito pertinente e lúcido o texto; somente acho que escolheu muito mal o título, que me pareceu de muito mau gosto. Talvez por não estar devidamente informado a respeito do que, para ele, pode parecer o maior dos absurdos.

  15. Greve do pt é sempre às sextas-feiras... tá explicado! Eu achava que era somente pra atazanar a vida dos trabalhadores das grandes cidades. Mas eles unem o útil ao agradável! 😎

  16. Se quiserem de verdade que o PTismo desapareça é só inventarem uma fórmula para que todo mundo, para continuar vivendo, seja obrigado a trabalhar para respirar.

  17. Esta greve, natimorta em vários estados, é só uma boa desculpa para faltar ao trabalho, coisa que esquerdistas não gostam mesmo de fazer!

  18. Excelente! Nota dez com 🌟. Não me contive, fui professora universitária durante 30 anos ( não temos direito a aposentadoria com 25 anos de trabalho) e meus alunos não iam entender a 🌟, mas você além de entender, merece! 🤩

  19. ... E O QUE TEM A VER OS "TERRAPLANISTAS" COM ISTO?... Ou será o título do artigo apenas apelativo, além de debochado e préconceituoso?

    1. Nesse contexto, “terraplanismo” significa acreditar em algo comprovadamente falso.

  20. Desde criança pensei deste jeito: não combina parar os estudos e o trabalho de alunos e professores para pedir mais educação. Mesmo assim, passei por uma universidade de viés esquerdista, esforcei-me para compreender ideologias, exerci a tolerância e a paciência, o que só fez fortalecer a opinião de sempre. Falta, no mínimo, criatividade para esconder os vícios entranhados.

    1. Aplausos, Rafael. Vivi a mesma experiência por 30 anos. Sai da Universidade como professora homenageada pelos alunos e detestada pelos colegas que adoravam uns dias de férias ou feriados não oficiais travestidos de protestos.

  21. Aqui onde eu moro, não haverá greve pelo simples fato de a praia vai ficar cheia de gente para nós ganhar-mos uma graninha extra. PS: Moro em ilhabela.

  22. Isso não passa de chantagem, assim como foi a greve dos caminhoneiros. Greve você faz para pressionar a empresa para a qual trabalha. O que fazem de impedir o deslocamento e o transporte de pessoas é uma forma de criar caos para que outras pessoas pressionem para uma solução que não as interessa, mas que pare de atrapalhar a vida delas. Como o brasileiro é extremamente egoísta, chama isso de greve e depois fala que a pauta que só o beneficia é a pauta "de todos".

  23. Sempre que alguém grita "sou a favor da educação", me lembro que os piores colegas da classe de cálculo I (e que ficaram reprovados) foram os primeiros a entrar para o Diretório Acadêmico do curso... Nunca achei que isso fosse coincidência.

  24. Vomitou pela boca. Políticos fizeram rombo no país, juros consomem grande parte da arrecadação, políticos se forem condenados continuarão ricos depois de poucos anos de cadeia e o povo é quem tem que se apertar sempre? Votei no Bolsonaro, mas não tenho político de estimação p ter q concordar com tudo.

    1. Idiota é não ter senso crítico e só saber aplaudir, só pq votou em alguém.

    2. essa história de não ter político de estimação já deu. Q tal parar de repetir idiotamente o q está na moda e expressar idéias com suas próprias palavras??

Mais notícias
Assine
TOPO