Casa BrancaZelensky com Trump, na Assembleia Geral da ONU: denúncias não trouxeram evidências de pressão com ajuda militar

Uma manobra arriscada

Abertura de processo de impeachment contra Donald Trump não conseguirá depor o presidente e pode fragilizar os democratas
27.09.19

A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, anunciou na terça-feira, 24, que pretende abrir um processo de impeachment contra o presidente americano, Donald Trump. Dois dias depois, sua proposta já tinha votos suficientes na Câmara para ser aprovada. Em breve, um longo processo pode ter início, com a formação de uma comissão para convocar pessoas e colher testemunhos. Uma vez estabelecidas as acusações contra o presidente, o caso subiria para o Senado. Nessa casa, o impeachment precisaria de dois terços dos votos. Mas os republicanos são maioria no Senado e estão fechados com o presidente. A chance de Trump ser tirado da Casa Branca por um processo político no Congresso é ínfima  neste momento.

Além da matemática legislativa, outro fator que reforça a perspectiva de que Trump ficará no cargo é a investigação no Congresso. Nos dois dias que se sucederam ao anúncio de Pelosi, dois documentos que poderiam incriminar Trump vieram à tona. Nenhum deles trouxe evidências cabais para tirá-lo da Casa Branca. Pode mudar? Pode, claro.

Os democratas fundamentam o pedido de impeachment sob o argumento de que Trump abusou de seu cargo para influenciar um governo estrangeiro e, assim, obter uma vantagem pessoal na campanha para as eleições presidenciais do ano que vem. No centro do debate está uma ligação telefônica que ocorreu no dia 25 de julho deste ano. Nela, Trump pede que o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, eleito em abril, investigue por corrupção o pré-candidato democrata Joe Biden e seu filho Hunter, que trabalhou como conselheiro da maior empresa de energia privada da Ucrânia, a Burisma. Os opositores sustentam que Trump teria cancelado uma ajuda militar para os ucranianos no valor de 391 milhões de dólares, a fim de pressionar Zelensky a investigar o rival Joe Biden. Trump teria, assim, direcionado a política externa americana pensando na sua própria reeleição.

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisPelosi, no anúncio do processo de impeachment: votos suficientes na Câmara
A transcrição dessa conversa foi divulgada na quarta-feira, 25, por ordem da Casa Branca. Nela, Trump efetivamente pede uma investigação sobre Biden e seu filho. No dia seguinte, o Congresso publicou uma denúncia anônima protocolada por um agente de inteligência que teve acesso a “mais de meia dúzia de oficiais” que testemunharam o diálogo. Contudo, os dois documentos não falam em troca de favores. Não há citação ao cancelamento da ajuda militar. Na denúncia, o agente diz que os americanos teriam transmitido aos ucranianos a mensagem de que, se eles não investigassem a família Biden, o presidente Zelensky não poderia encontrar-se com Trump ou falar com ele pelo telefone. Apenas isso. As acusações, então, passaram a concentrar-se no esforço da Casa Branca para tentar impedir a divulgação da transcrição, o que de todo modo já era conhecido.

Até o momento, quem pode sair perdendo nessa história são os democratas. Menos de 40% dos americanos são favoráveis a um processo de impeachment. A maioria é contra. “Sem o apoio da opinião pública, a chance de os americanos entenderem que se trata de uma jogada político-partidária dos democratas é grande”, diz o especialista em relações internacionais Carlos Gustavo Poggio. Ao final, Trump poderia emergir do processo ainda mais fortalecido. “Se Richard Nixon tivesse apoio popular, o Congresso o teria poupado e ele provavelmente não renunciaria em 1974”, diz Poggio.

Embaixada americana em KievEmbaixada americana em KievBiden e Poroshenko: procurador-geral demitido por pressão do americano
Para a campanha de Joe Biden, o impeachment trouxe um problema novo, que foi o de expor suas relações promíscuas com o governo ucraniano. Em 2014, quando Biden era o vice-presidente dos Estados Unidos, seu filho Hunter foi contratado para participar do conselho de administração da Burisma. Trata-se de um óbvio conflito de interesses. “Biden era o integrante da administração de Barack Obama que mais tinha contatos no governo do presidente de Petro Poroshenko. Ele falava com todo mundo o tempo todo”, diz o sociólogo ucraniano Vladimir Ishchenko, pesquisador no Instituto de Estudos Eslavos na Universidade Técnica de Dresden.

Em 2016, Biden foi uma das vozes que pediram a demissão de Viktor Shokin, então procurador-geral ucraniano. Shokin era uma das figuras mais impopulares do país por engavetar denúncias de corrupção. “Não há como saber se o procurador estava ou não apurando algo relacionado ao filho de Biden. O problema é que, com essa confusão, fica praticamente inviável que uma investigação sobre isso ocorra”, diz Ishchenko.

Biden já vinha perdendo a preferência dos democratas. Na última pesquisa feita pela Universidade Quinniapac, na semana passada, ele pela primeira vez ficou atrás da senadora Elizabeth Warren. Ela teve 27% das intenções de voto e ele, 25%. Pesam contra Biden seus 76 anos, suas gafes e denúncias de abuso contra mulheres. O caso do filho na Ucrânia deve piorar a sua situação. “Um processo de impeachment não apenas não irá tirar Trump da presidência, como deve unificar os republicanos e dividir os democratas”, acredita o cientista político americano Michael Munger, da Universidade Duke. A ver.

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Os Democratas tem tentado sabotar o governo Trump desde a posse. Enquanto isso Trump fez a economia bombar, acabou com o esdruxulo acordo que o Obama fez com o Irã, os EUA se tornaram autossuficientes de petróleo etc etc etc. Espero que os Democratas não tenham exito com esse impeachment e que o Trump seja re-eleito para o bem dos EUA e do mundo!

  2. Entender pq os eleitores democratas votam neles é fácil, eles fazem um monte de promessas. O mesmo não pode ser dito sobre os eleitores de Trump, mas eles sabem muito bem qual a principal razão para votar nele e não nos democratas, não pagar a conta dos terrenos na lua.

  3. Todos os demais candidatos democratas tentam em maior ou menor grau vender terreno na lua para os eleitores democratas que tb em maior ou menor grau adorariam comprar uma casa para lá viver. Há sempre alguém com um projeto fantástico que ninguém sabe que vai funcionar na realidade, mas que custará na casa dos trilhões de dólares e será pago pelos mais ricos, claro. Até parece que o dinheiro não voaria para fora do país se alguém resolvesse colocar uma taxação maior sobre ele.

  4. Mesmo que Trump tenha segurado a ajuda à Ucrânia, isto dificilmente dá motivo para algo. O fato de ele ter mencionado tal coisa em uma conversa é irrelevante. Se tivesse segurado a ajuda e liberado só depois que fosse aberto um processo para investigar o filho de um adversário, aí seria outra questão. Mas, sobretudo, dentro do cenário político americano, Donald Trump e Joe Biden parecem ser os menos disruptivos em termos de mercados e economia.

  5. Esta é uma verdade absoluta, não admite questionamento. Para os democratas é uma oportunidade de se aparar uma possível aresta envolvendo o filho de Biden que pudesse ser utilizada contra ele e atender à sua base. Para o eleitor-raiz de Trump, o impeachment é só uma confirmação de que eles sempre são os maiores perdedores das ações democratas e quem no fim vai receber a conta. Nações são coisas relativamente novas e carregam uma série de feridas em seu tecido social.

  6. Analisar o eleitor-raiz democrata é muito mais simples, quem não concorda com eles é racista, misógino, homofóbico, ganancioso, egoísta, malvado. Este é o modus operandi, sua opinião só vale se for igual à deles. O impeachment não vai mudar nada, só vai dar paz de espírito ao eleitor-raiz democrata pq Trump é um racista, misógino, homofóbico não (mas não importa), ganancioso, egoísta, o maior MALVADÃO do planeta Terra. Diante de tudo isto, ele não pode ser presidente.

  7. Os eleitores de Trump constituem aqueles que de alguma forma são aqueles que foram alienados pelos democratas. Eles são contra políticas benevolentes de imigração que aumentem os custos sociais e impliquem maior pressão sobre o Estado? Quem se importa? Eles são contra medidas ambientais que irão impactar as operações comerciais deles no curto prazo e gerar uma disrupção na cadeia de produção para atender os amantes da natureza? Quem se importa.

  8. Basta ver o discurso sobre os transgênicos e sobre o aquecimento global, quem é que vai ter que se adequar em primeiro lugar? Os produtores rurais. Alguém da esquerda perguntou o que eles acham? Claro que não, eles são destruidores do planeta e capitalistas gananciosos, não têm direito à opinião. Claro que realmente há gente gananciosa e sem escrúpulos que adora obter lucro às custas dos outros e do planeta, mas transformar isto em regra geral é alienar quem não está nela.

  9. Esta narrativa mais ou menos acurada serve para estabelecer um ponto de contraposição entre o que constituiria um eleitor-raiz de Trump e os liberais democratas. Em qq lugar do planeta há praticamente uma regra muito simples: todas as políticas da esquerda são custeadas pelo Estado. Portanto, se vc cidadão não concorda com algo e não quer bancar aquilo, qual é o pensamento da esquerda? Que se dane, a sua opinião não importa pq vc é racista, misógino, homofóbico e por aí vai.

  10. Se o sujeito acha que é sempre ele que irá pagar a conta pelas "bondades" que os "socialistas" democratas adoram fazer, pq ele não vai ser contra a imigração e as teses que comprovam o aquecimento global? Ele lá no íntimo dele sabe que isto significa que cedo ou tarde algum liberal vai mandar a conta para ele das bondades que ele faz com o dinheiro do Estado que no fim vem em parte dele. Então é o seguinte, além de vc não concordar com algo, ainda tem que pagar por ele?

  11. Após a guerra, quem seria o objeto de descarga da frustração dos sulistas perdedores, os ianques vencedores? Não, provavelmente eles descontariam a raiva em quem estava abaixo deles dentro da escala social. Vindo para os dias de hj, os estados sulistas possuem uma renda menor do que os estados liberais e toda vez que alguma política de cunho afirmativa vai ser realizada e eles se opõem, o que acontece? São ridicularizados por seu patriotismo piegas e o "atraso" civilizatório.

  12. Óbvio que por mais racista que possa ser a visão de um indivíduo hj, ela certamente será muito diferente da de um que estivesse no início do século XIX, as condições naquela época reforçavam e em muito este tipo de visão, incluindo a própria escravidão. Mas independentemente disto, a questão é que vc perdeu a guerra e ninguém estava nem aí para vc, quem já observou crianças certamente já pode ter percebido que não é incomum que elas descontem sua frustração em outros.

  13. Em qq programa com apresentadores liberais nos EUA é possível ver que invariavelmente sempre tem alguém fazendo piada dos sulistas, sobre a religiosidade, a intolerância, a misoginia, o racismo e tudo mais. Eles são a encarnação do que há de mais atrasado e detestável no país. Agora, penso só, seus antepassados entraram em uma guerra para lutar contra indivíduos que eram considerados inferiores a eles e ao perder a guerra passaram a ter que financiar a melhoria de vida destes indivíduos.

  14. Não só os antepassados dele pagaram o maior preço advindo da guerra, pois foram os grandes derrotados, mas tb continuaram ao longo dos anos tendo que arcar com mais custos da derrota que chegam até os dias de hj. Comparado aos estados ianques, os estados confederados em geral tem uma renda per capital inferior a estes estados, mas mesmo assim quem são sempre os grandes malvados de toda a estória? Eles são contra políticas afirmativas pq o dinheiro terá que sair do bolso deles e estão errados?

  15. Imagine um americano sulista cujas raízes americanas datam de um período de cerca de 200 anos pelo menos. Os antepassados deste personagem eram escravagistas e como boa parte do Sul, foram atingidos pelo fim da escravidão e pelos efeitos devastadores da guerra. A fim da guerra, a situação deles havia piorado e muito em relação ao que era antes dela. Dentro desta perspectiva, este personagem ao longo do tempo teve acesso a uma versão da história em que ele era o grande perdedor.

  16. A esquerda só sabe perseguir! Não admite a vitória do adversário.Vivem mawuinando o mal, tentando desestabilizar qualquer governo. O pior que há célula cancerígena dela em todo lugar!Precisamos viver atentos!

  17. É muito interessante observar que os republicanos dos EUA toleraram muito as peripécias ocultas do grupo de democratas de Obama.

  18. Democratas vulgo American Petralhas. Raça maligna. Sua ideologia diabólica jamais aceitará qualquer governo que não seja malignamente socialista mesmo que milhões e milhões de votos manifestem que não os querem nem pintados de ouro. É ser muito burro olhar pra a Venezuela e achar que socialismo é salvação. Cruz credo. Mangalo três vezes.

  19. Ficou fácil para o Duck Donald, os falsos democratas são risíveis, economia de vento em polpa e querem impichar o presidente mais sacudo que já tiveram. O homem ameaça presidentes como se falasse com os próprios filhos, respeitem-no. Parem democratas, quanto mais chafurdam, mais visível se torna sua sujeira. Vai ter Trump novamente e depois dele, aquele médico, adventista, negro, que separou bebês siameses, tem filme com Cuba Goding Jr e bons livros escritos, o Ben Carson. 😉

  20. Os democratas norte americana é uma especie de PT misturado com PSDB, PSB, PSOL, etc, com figuras patéticas como Bernie Sanders, Hillary Clinton, Joe Biden, ou seja a gentalha hipócrita esquerdista.

    1. Você falou em três mulheres patéticas, seriam elas Gleise Hoffman, Maria do Rosário e Erika Kokay ?

    2. Boa descrição, os democratas pegam todos os campos da esquerda, desde os maios ao Centro, que seriam espécies de Ciros Gomes, desde os mais radicais, como Bernie Sanders, que é uma espécie de Boulos.

  21. Tentativa canhestra, imbecil, medíocre e incompetente, típico da esquerdalha, é só para os holofotes, parecem insetos quando veem a luz.

  22. Os Democratas no EEUU é como a esquerda no Brasil: não aceitam que foram derrotados e se o Presidente solta um pum, já pedem seu impeachment. Sabem de nada os inocentes. Se Trump mantiver a economia crescendo e Bolsonaro fizer o Brasil se livrar da maldita herança socialista(corrupção e desemprego), o povo os mantém no poder. É a economia, estúpidos!!

  23. Tomara que os Democratas mais uma vez quebrem a cara. Se radicalizando à esquerda e mostrando, cada vez mais, que não aceitam as regras do jogo democrático (querem tirar Trump da presidência a todo custo, não aceitam que perderam as eleições), os Democratas vão ficando cada vez mais desmoralizados perante os eleitores mais sérios. Bem feito. Só conseguem ir mais ladeira abaixo.

  24. Não tem o apoio popular mas tem o "apoio" em massa da imprensa cnn, "artistas"e intelectuais que manipulam informações . Pricurafor geral ucraniano que combare a corrupção? Estamos vendo esse filme... Tomara que seja um tiro no pé.

Mais notícias
Assine
TOPO