"Bolsonaro percebeu em segundos o que os outros demoraram anos: a força dos evangélicos"

‘Um projeto para 20 anos’

O deputado Marco Feliciano admite a existência de uma disputa de poder entre militares e evangélicos no governo, critica os generais que não respeitariam a figura do presidente e diz que o bolsonarismo é um projeto para dominar a cena política por duas décadas
27.09.19

O deputado federal Pastor Marco Feliciano, do Podemos de São Paulo, foi recentemente bloqueado no WhatsApp por ninguém menos do que o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, chefe da articulação política do Palácio do Planalto e amigo de longa data do presidente Jair Bolsonaro. O motivo, segundo o próprio Feliciano, foi uma discussão acalorada. Primeiro, o general teria deixado de atender dois pedidos do deputado. Feliciano não gostou e subiu o tom ao reclamar. Ramos, em resposta, cortou relações — ao menos no aplicativo de mensagens.

O ministro-general não é o único que tem sofrido bombardeios do deputado. Nos últimos tempos, Feliciano escalou o tom das críticas à ala militar do governo. Isso, curiosamente, não foi suficiente para que o presidente o deixasse de lado, o que leva os militares a considerarem a hipótese de os ataques serem autorizados. O parlamentar tem frequentado cada vez mais o Planalto. Ele é, hoje, um dos congressistas mais próximos de Jair Bolsonaro.

A relação dos dois é antiga. Vem do tempo em que ambos encampavam juntos pautas conservadoras no Congresso Nacional. Neste ano, porém, depois que Feliciano virou vice-líder do governo e passou a aproximar Bolsonaro dos vários grupos de evangélicos na política, levando-o a eventos pelo país afora e garantindo a fidelidade das igrejas ao presidente, os laços se estreitaram. Nesta semana, Marco Feliciano falou a Crusoé sobre suas rusgas com os militares, incluindo o vice-presidente Hamilton Mourão, e sobre o seu entusiasmo com o projeto bolsonarista — que, diz, é para durar “uns 20 anos”. A seguir, os principais trechos.

O sr. virou um dos principais críticos da ala militar do governo. Por quê?
A minha crítica não é contra a ala militar. Ela é, pontualmente, contra pessoas. Pessoas que deixam de fazer aquilo que deveriam, que é ter interlocução e proteger o governo. Quando um deles não faz o que deve, isso acaba respingando no presidente. E como sou bolsonarista e governista, não aceito que nada atrapalhe o governo, principalmente os palacianos.

O que está errado no Palácio do Planalto, em sua visão?
Tivemos alguns generais que esqueceram que o Palácio não é a caserna. O (ex-ministro da Secretaria de Governo, general) Santos Cruz, por exemplo, foi um dos que critiquei muito. O próprio Mourão, que me recuso a chamar de general, porque sobe para a cabeça dele, é outro. Essas pessoas esqueceram que não estão na caserna, onde o general manda e desmanda no comandante, no capitão. Ali é o palácio. O presidente da República é a maior autoridade.

O general Ramos também passou a ser um dos seus alvos. O que ele fez?   
Ingratidão. Sou pastor e, como pastor, às vezes prego sobre pecados. Todo tipo de pecado tem uma explicação. O ingrato não tem desculpa. Porque o ingrato é aquele para quem você abre as portas, coloca um tapete vermelho, tira da sua boca e dá para ele e, de repente, ele te vira as costas do nada, ou pior, apunhala pelas costas. O general Ramos, para chegar aqui, veio com o carimbo de evangélico. A pedido do presidente, formei um grupo de deputados e fomos lá prestigiar a passagem do comando dele (refere-se ao Comando Militar do Sudeste, onde Ramos era comandante antes de assumir o ministério em Brasília) para outro general. Lá tiramos uma foto, ele disse: sou evangélico, sou isso, sou aquilo, vamos trabalhar juntos. Na posse dele, falou: “Você pode me dar uma mão lá?”. Falei: “Posso”. Chamei o presidente da Frente Parlamentar Evangélica, Silas Câmara. Acho que foi o único ministro que teve, na posse, mais de 100 parlamentares. Desses 100, 80, no mínimo, eram da bancada evangélica, entre senadores e deputados. Porque nós arregimentamos o povo. Então, fizemos esses gestos. Isso fortaleceu muito ele.

E o que ocorreu depois?
O Ramos, infelizmente, ao assumir a pasta, não correspondeu àquilo que prometeu. Recebeu mais de 240 deputados. Mas de que adianta receber e não fazer acontecer, não executar? A função dele é criar uma base governista. E, para criar a base governista, não basta ter lábia, tem que ter caneta. Não basta ter caneta, tem que ter tinta na caneta. E, quando ele se viu acuado, simplesmente parou de responder mensagem, parou de atender. E não só a mim. Parou de atender o próprio Silas Câmara. Como é que você forma uma base? Você forma uma base prestigiando aqueles deputados que trabalham ao lado do governo, aqueles que, na hora do “pega para capar” aqui, vão dar a cara a tapa, que vão dar os votos. Então, nada mais justo do que você atender pedidos dos deputados. Atender pedidos republicanos, pedidos simples.

Que tipo de pedidos ele não atendeu?
Foram dois pedidos. Um para o (ex-assessor da casa Civil demitido neste ano por suspeitas de corrupção) Pablo Tatim. Foi um pedido da frente evangélica.

Mas ele não era suspeito de corrupção?
Foi tudo ilação. Não teve nada. O cara é limpo. Eu queria trazê-lo para cá, para qualquer espaço em Brasília.

E o segundo pedido?
Foi um pedido para o (ex-deputado federal evangélico) Takayama, que foi presidente da frente evangélica por vários mandatos, tem influência aqui dentro do Congresso. Queria colocá-lo lá no estado dele. Não pedi nada para mim. Não tenho cargo, não pedi cargo. Não preciso disso.

“Todas as vezes que os militares assumem qualquer coisa, a estratégia é eliminar qualquer tipo de grupo que possa fazer sombra ao pensamento deles”
E o general Ramos negou esses cargos?
Não negou. Esse é o problema. Se chegasse e falasse que não ia dar certo, tudo bem. A gente parte para outra. O problema é falar “já estou conseguindo, já estou pronto, já está quase lá”. É uma coisa tão insignificante… Se fosse para alocar uma pessoa dentro de uma hiper, uma mega estatal, um cargo de presidente do Banco do Brasil, eu entenderia. O Ramos tem uma estratégia: você vai conversar com ele e ele não deixa ninguém falar. Só ele fala. Isso pode funcionar com qualquer deputado inexperiente. Comigo, não.

Por que não pediu esses cargos ao presidente, já que tem relação direta?
Você tem uma empresa na mão e precisa de cafezinho, você vai pedir para o dono da empresa? Não. Tem pessoas aqui que foram oficializadas para isso. As pessoas são responsáveis para fazer o cafezinho estar pronto na hora.

Esse loteamento de cargos não contraria o discurso de campanha do próprio presidente?
Não. Até porque os postos estratégicos do primeiro e segundo escalões foram ocupados pelo próprio presidente. Então, o presidente já fez um trabalho hercúleo. Em outros governos, isso nem sequer era pensado. O presidente conseguiu fazer o que queria. Ele montou um time com 22 ministros, sem interferência de partido nenhum.

No fundo, não há uma disputa de espaço e poder entre militares e evangélicos?
Hoje começo a pensar que sim. Veja só: os militares não são ideológicos e nem conservadores, eles são positivistas. Uma vez sendo positivistas, todas as vezes que assumem qualquer coisa, parece que a estratégia é eliminar qualquer tipo de grupo que possa fazer sombra ao pensamento deles. A bancada evangélica contribuiu demais para que o presidente fosse eleito e, hoje, a própria mídia diz que é o grupo mais fiel ao presidente. Em todos os grupos bolsonaristas houve debandada. As pessoas deixaram de ser bolsonaristas, começaram a criticar. Os evangélicos, não. São 100% ligados ao presidente. E é a única base que não é atendida. Sinto que os militares têm um pé atrás com os evangélicos. Porque os evangélicos não conseguem espaço. E quando você fala isso, eles vão dizer que a (ministra dos Direitos Humanos) Damares Alves é evangélica, que o (ministro da Advocacia-Geral da União) André Mendonça é evangélico, que o (ministro da Casa Civil) Onyx Lorenzoni é evangélico. Mas não foram indicações da frente evangélica. A frente, como frente evangélica, com mais de 100 deputados e senadores, não indicou ninguém.

Já chegou a levar essa reclamação a respeito dos militares diretamente ao presidente?
Do Mourão, cheguei a levar. Acho que é muito pequeno para levar ao presidente. O presidente tem uma nação para cuidar. Levei a questão do Mourão porque ele é vice-presidente. O restante pode ser mexido a qualquer momento. São peões.

No limite, o que a bancada evangélica pode fazer? Pode romper com o governo?
Não. Deixei bem claro: minha última briga com o Ramos foi porque ele agiu de maneira infantil. Ele é ministro da interlocução do governo com a Câmara. Aí ele tem um vice-líder do Congresso Nacional que representa pelo menos 100 deputados, um quinto do parlamento, e ele não vai me ouvir? Ele é maluco? Além de não me ouvir, ainda age como criança: estou birrento, agora vou te bloquear no WhatsApp. Ele me bloqueou no WhatsApp!

O sr. recebe orientação do presidente ou de alguém do entorno dele para vocalizar essas críticas?
Não.

Nem do (escritor) Olavo de Carvalho ou do (filho do presidente) Carlos Bolsonaro, que são também críticos aos militares?
Não. É que eu, Olavo, Carlos, nós temos o mesmo pensamento. A nossa visão é crítica a um certo setor dos militares. Porque sabemos como eles funcionam. A gente estuda história. Nunca combinamos nada. Parece que é por osmose. Um posta uma coisa nas redes sociais, outro posta outra, daqui a pouco todo mundo está falando a mesma coisa. Tanto que eu fui falar com o professor Olavo uma vez apenas.

Fala com ele frequentemente?
Sim. Fui aluno dele. Fiz o curso de filosofia. Mas nem é ele que fala no WhatsApp, é a esposa dele, porque ele não tem habilidade com WhatsApp, com essas coisas. O Olavo é um senhor de 80 anos de idade.

E com o Mourão, qual foi o problema? O sr. acredita que ele tem ou tinha desejo de derrubar Bolsonaro?
Mourão deu indícios disso nos primeiros seis meses de governo. Até que eu brequei ele. Quem brecou o Mourão fui eu. Ele pode não admitir. Eu pedi o impeachment dele. Quando protocolei (o pedido de impeachment do vice), disse: “Isso daqui não é um tiro para matar, é um tiro para o alto, é um aviso”.

Mas o senhor viu uma ação orquestrada de militares para chegar ao poder?
Ele, com o Santos Cruz, sim. Ele é vice-presidente, e vice-presidente não pode sair por aí dando pitaco, falando a opinião dele, contrariando o presidente. Porque o Mourão é um camaleão, né? Temos um Mourão antes da eleição e outro depois da eleição. Antes, Mourão era um felino. Gritava, queria acabar com o 13º salário, falou de negro, falou de índio, falou de todo mundo. Aí o Mourão vice-presidente agora é paz e amor. A favor do aborto, porque a mulher tem o direito sobre o corpo dela. Como ele diz isso, se durante a campanha presidencial toda, o presidente Jair Bolsonaro falou que era contra o aborto? O presidente falou: vamos transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. Isso é uma pauta que aquece muito o coração da comunidade evangélica nacional. Aí vem o Mourão e diz: “Não, não podemos transferir, porque isso dará um problema”. Tudo que o presidente fala, ele vem e desfala.

“Sinto que os militares têm um pé atrás com os evangélicos”

Avalia que hoje ainda está assim?
Não. O Mourão se converteu. O Mourão agora é paz e amor.

Os evangélicos se consideram hoje parte do poder?
Não. Nós nem temos essa intenção. Isso é fábula, falar que nós queremos chegar ao poder. Primeiro porque o evangélico… Isso é fé, é transcendental, não tem a ver com essa Terra aqui. Jesus disse: “Meu reino não é deste mundo”. Então não existe isso. Tanto que o presidente é católico. Se ele tem três ministros evangélicos, ele tem 19 ministros católicos. Você tem aqui 100 evangélicos e tem 400 e poucos católicos.

Mas agora há um presidente mais alinhado aos evangélicos, não?
É reciprocidade. Ele teve o apoio dos evangélicos na campanha, e os evangélicos são, no mínimo, 30% da população brasileira. E nós somos fiéis. Quando olhamos para um alvo, vamos todos para lá. Claro, temos exceções. Mas a grande maioria vai. Bolsonaro percebeu em segundos o que os outros demoraram anos: a força dos evangélicos. Ele me trouxe para perto e veja o que recebeu em troca. Coloquei neste ano o presidente nos maiores eventos evangélicos do país. Ele percebeu esse universo.

Os evangélicos têm conquistado algumas coisas no governo. Demandas na área tributária, por exemplo.
Conseguimos aí alguma proeza, avançando nas questões tributárias, que são questões caríssimas a nós, antigas, que não beneficiam somente as igrejas evangélicas. Beneficiam a igrejas católica e todas as religiões. O candomblé, se ele tem o templo dele, ele também vai ter imunidade tributária no templo dele. Mas só.

Como vê a aproximação entre Bolsonaro e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli?

No amor e na guerra vale tudo (risos). Não sei. Não posso responder pelo presidente.

Mas qual é a sua avaliação pessoal?

Olha só, o ministro Dias Toffoli se mostrou um político hábil. Embora ele seja apenas ministro do Supremo. Conheci outros presidentes antes dele. Nenhum tem a habilidade que o Dias Toffoli tem. O Dias Toffoli recebeu, por exemplo, a bancada evangélica por duas vezes. Ele já esteve em reuniões nossas, a convite, esteve em dois jantares conosco. Nenhum outro ministro fez isso. Então, ele tem uma habilidade que os outros não têm. Então, talvez, por essa habilidade, ele se revelou para o presidente muito mais do que as pessoas dizem ou pensam.

O projeto de Bolsonaro é de quantos anos no poder?
É um projeto para uns 20 anos. É um projeto de esperança. Sabemos o que o tal do progressismo fez com o Brasil. O socialismo destruiu nosso país. É o pêndulo da política. Tem um milagre em andamento e ninguém está vendo. E nós, cristãos, acreditamos em milagres. Temos um presidente que não era para ser eleito. Para nós isso é um milagre. Esse camarada tem valores cristão que são caros a 88% da população brasileira que são católicos e evangélicos. Esse camarada vem na contramão de tudo. Fala o que queríamos falar e não podemos. Briga com as questões de ideologia de gênero, se declara a favor dos valores de família. Esse camarada é do povo. Com tudo isso, consegue manter um ministério de 22 ministros sem entregar ministério fechado para ninguém. No segundo escalão é a mesma coisa. As pessoas dizem que ele não conversa com o Parlamento e o Parlamento aprova todas as reformas?

O ministro Sergio Moro é um adversário interno de Bolsonaro em 2022?
Não basta você ser um ícone da população se você não sabe conversar com ela. O ministro Moro é técnico, mas não é povão. Ele não é de rua. O político é de rua. O Bolsonaro é um político. Sai carregado nos braços.

O sr. não enxerga Moro como adversário do Bolsonaro em 2022?
De jeito nenhum.

E Bolsonaro depende do Moro?
Não. Bolsonaro depende do povo. Enquanto Bolsonaro tiver a base social dele, pronto, acabou. Ele só pode sofrer impeachment se perder a base social e o povo for para a rua.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Na política e na administração há sempre um guerra entre os que querem implementar a corrupção e os que querem a moralização. Quem é quem nessa disputa entre Militar e religiosos ?

  2. A força real do Cristianismo jamais esteve no Estado, mas na palavra, pois não é do poder que esta necessita para ser pronunciada. Se é para o bolsonarismo ser um projeto, que não seja um de poder, pois vimos o que aconteceu com o PT. Para que a marca do bolsonarismo perdure por 20 anos ou mais não é nem necessário que ele se reeleja ou algo do tipo, basta que o seu governo dê frutos que perdurem por gerações. Eduardo Cunha é um exemplo que não deve ser seguido.

  3. Se nem Cristo ousou fazer isto, pq os outros acham que poderiam? Portanto, a um cristão cabe sempre manter a guarda para evitar as tentações e estas são proporcionais ao poder. Cristão algum deveria ser a favor do aborto, mas muito menos deveria fazer o que Eduardo Cunha fez, de um lado se colocava ferrenhamente contra o aborto e do outro se prostituía em troca de qq trocado. Que favor ele fez à causa cristã, a não ser demonstrar sua hipocrisia?

  4. Ao contrário do que ocorreu com a ala católica, a ala evangélica demonstraria maior bom senso se adotasse um código de conduta elevado, pois fazendo isto iria ao mesmo tempo elevar o Estado e a própria religião. Não fazer como o PT, a esquerda e a própria ala católica que sempre passou pano em nome do "bem" que supostamente estavam fazendo. Como Cristo disse: só Deus é bom. Portanto, um cristão que se ache verdadeiramente bom já está cometendo um pecado.

  5. Sobretudo, a verdadeira fé cristã não é aquela que se carrega nos lábios, mas no coração e na mente, mais importante do que avançar com agendas de cunho evangélico parece ser garantir que os cristão sinceros tenham todas as condições de levarem uma vida digna sem precisarem se desviar nem da lei dos homens nem da de Deus. Portanto, a separação entre Estado e religião não serve para enfraquecer esta, mas fortalecê-la, impedindo que as manchas da corrupção humana sejam atribuídas a ela.

  6. Não quebrar nem uma nem outra. O Bolsonarismo tem tudo para durar 20 anos ou mais, mas um cristão genuíno deveria antes de mais nada condenar à sua própria corrupção e nós sabemos como é difícil condenar a si mesmo. Basta ver que esta semana haverá CORRUPTOS no Vaticano para a canonização de Irmã Dulce, eles honraram a Cristo no exercício de suas funções ou a si mesmos? Se o reino de Cristo não é deste mundo, então se apegar ao poder é só uma forma de se iludir, pq o Estado é deste mundo.

  7. Isto não quer dizer que os evangélicos ou qq outra vertente religiosa, cristã ou não, deveriam se abster de se envolver na política, a questão é simplesmente separar as coisas, se o reino de Cristo não é deste mundo, muito menos o Estado é de Cristo. Deus escolheu um povo e este o rejeitou no dia que escolheu para si um rei, escolheram se sujeitar a um homem ao invés de a Deus. O maior desafio de um cristão certamente está em saber como conciliar a lei de Deus e a lei dos homens.

  8. Os evangélicos cresceram para se tornar uma fatia relevante da população, portanto, nada melhor do que eles terem uma representação. No entanto, sempre que o Cristianismo se imiscui com o Estado, isto é um desserviço que está sendo feito a ele, basta ver os erros que a Igreja Católica cometeu ao longo dos séculos se associando a governantes e tomando lados. É parte do processo histórico e, como tal, inevitável, mas se não é necessário, pq deixar se seduzir pelo poder?

  9. Marco Feliciano é o pastor que tem a maquininha de cartão de crédito no bolso,aceita cheque pré datado e faz tratamento dentário,pago por nós de 140.000,00 reais.Acredito em Deus,sou a Ele temente,mas não acredito em pastor,padre e até em Jorge Bergoglio,o Papa. Vejo neles um oportunismo vergonhoso , Bolsonaro deu muita moral a esses lunáticos.Pois fique o senhor Feliciano sabendo, que se Moro e os Generais abandonarem seus postos ,o governo cai no outro dia,falo sem paixão e me considero bolso

  10. Não é difícil perceber que estamos diante de um fenômeno chamado Bolsonaro. Conservadores, unidos, apostamos numa guinada à direita de forma mais acentuada. Não está sendo fácil. Sabe-se que "por via democrática", como está sendo feito, leva um tempo... Confiemos.

  11. Se a economia melhorar é possível. O PT ficou lá por tanto tempo, mesmo sendo o maior ladrão na história deste país, por isso. Caso contrário, preparem-se para dar um golpe ou para eleições muito acirradas. A economia decidirá.

  12. Sequer há projeto, que dirá para 20 anos. Com esse nível de desorganização demonstrado pelo governo, a reeleição de Bolsonaro já se mostra improvável. E é justamente a atuação ideológica do trio formado por Feliciano, Carluxo e Olavo que está atrapalhando. Uma pena, pois este mandato é essencial para afastar a esquerda do poder de forma estável.

  13. Se querem a "competência militar" também tem que aceitar a sua imparcialidade e senso de responsabilidade com a missão.Não aceitarão "acordos" nem "jeitinhos" e muito menos serão "gratos" por um cargo público ou algo semelhante.O dever e o pundonor militar sempre falarão mais alto.Empenham até a vida nesse processo.Nem melhor,nem pior,apenas diferentes!

  14. Depois dessa entrevista que tenho que admitir, com coragem, ficar explicito que quem continuar apoiando esse projeto de poder que dissemina o ódio, o conflito e se une umbilicalmente com o edirs, valdomiros, malafaias, etc,,,,,pessoas de ilibada índole,,,,realmente é um patriota,,,,,pais de merda esse

    1. Acrescentando, obrigado Crusoe pela entrevista com o sujeito ai, essa é a forma dos fans do capitão, que enxergam comunistas, esquedopatas, cubanos, venezuelanos e outras bobagens mais em todos os lugares, que tipo de gente anda ao lado do inepto no comando do turno,,,,,,,que MERDA

  15. Moro Candidato em 2020 ? Que pergunta ...... O Brasil tem uma dívida impagável com militares e evangélicos . Sem um dos dois , dava PT de novo . Está cedo demais para essa vaidade imbecil . E eu espero que o PT não tenha comprado a Cruzoé também . Gentileza colocarem a bunda na bacia de água fria por enquanto e sejam construtivos . O Brasil precisa .

    1. Alvaro Dias tem expressado sua insatisfação com este deputado, pedindo sua saída do partido, eu como simpatizante do podemos me satisfará vendo este sujeito fora da legenda, não tem o perfil que espero nos membros da legenda que terá meu voto.

  16. Sou evangélico e discordo de muitas pautas de Bolsonaro, entre elas a de colocar arma nas mãos da população. Também suspeito de que o fim do COAF, a troca do Superintendente da PF do Rio de Janeiro tenha interesses escusos (leia-se Flávio Bolsonaro). Duvido que este projeto de poder supere 08 anos. Tenho muitas dúvidas de que Bolsonaro seja reeleito em 2022.

    1. Na minha família têm muitos evangélicos, crentes mesmo, mas não seguem orientações políticas.

  17. Qualquer um que fale (ou planeje em silêncio) sobre um “projeto de poder político de 20 anos” não merece esforço e atenção. Deveria ser rapidamente defenestrado da sua (suposta) proximidade do poder.

  18. Sujeitinho asqueroso, maldoso, com discursos bonito, próximo ao presidente, monta seus joguinhos derrubando os que ficam no caminho com suas estratégias, sendo um dos que trabalha alejando a democracia com manobras monocraticas ,veja nesta reportagem como ele analisa Dias Toffoli, é um covarde sem, compromisso com a nação,o elogia,nenhuma crítica as vergonhosas e escandalosas manobras nas canetadas de Dias Toffoli o presidente doSTF. Este deputado "MORCOS FELICIANO"cleptocrático puro sangue.

  19. A Reforma Protestante pregou a separação entre Estado e Religião. O que esse sujeito e sua turma fazem é o oposto. Portanto, não venha falar em nome dos cristãos. Fale em nome dos interesses do seu grupo. Isso é ser desonesto

  20. Realmente Moro não é moleque de rua. Fala pouco não, fala o que interessa!Fala a lingua de quem não quer mais corrupção,não fala para qquer ou qquer bobagem sobre mulher alheia MUITO MENOS COMENTÁRIOS DESRESPEITOSOS...

  21. O Sr é cego? claro que Bolsonaro depende de Moro!! Moro tem legitimidade e popularidade mundial que Bolsonaro não tem e não subestime as outras religiões.O Sr deve ter a mma virose neurótica de Carlos, contagiosa ou vesga....

  22. Se eu antes tinha um certo desprezo por esse sujeitinho, depois dessa entrevista tenho é asco. É tudo que abomino em um politico, a começar pelo fato de misturar a coisa pública com religião, que é res de foro íntimo e que jamais deveria pautar um governo laico. Arghhhh....

  23. Essa conversa de Projeto já virou obsessão uma vez, o ser humano fica cego com o PODER pela natureza deturpada que tem, todo ser humano..inclusive os falsos evangélicos. Tudo pelo PODER, até matar,roubar,enganar,mentir...isto é o ser humano...

  24. Crusoé por favor, entrevistar alguém que agregue alguma coisa Boa,se é para entrevistar qualquer um que me entrevista,tenho certeza que vou agradar mais que o marquinho 150.000,00

  25. SÃO PAULOOO pelo amor de Deus,vai votar mal assim no inferno,próxima eleição escolham melhor ,tanto evangélico bom escolhe um cara como esse,Marquinho 150.000,00

  26. No Brasil lugar de bandido é na rua...no Congresso Nacional...no STF...ou no palácio do planalto . Esse aí já está no lugar certo para picaretas .

  27. Quanto ataque odioso, sem fundamentação, ao deputado Feliciano só por professar a fé cristã. O que essas pessoas cristofóbicas não percebem, atacando os valores cristãos sem nenhuma base científica, sem compreender, sem respeitar, é que são ateístas militantes, são antiteístas, que no final das contas dá no mesmo: mais uma religião, o Antiteísmo. Eu respeito todas as religiões, afinal todos temos o direito de crer (ou não) em algo. Eu creio em Deus; os ateístas e antiteístas creem em não-Deus.

    1. José, Jesus está vivo!!! vc esqueceu a ressurreição?

    2. TA de Brincadeira você ,defender Marquinho 150.000,00 assimvocê vai para o inferno ,cuidado

    3. Fé cristã? Felíciano? Estás de sacanagem conosco, não estás? Se Jesus estivesse vivo, a primeira coisa que ele faria, mesmo com toda sua imensa bondade, seria expulsar o tal Feliciano do templo de Deus.

  28. Esse deputado é o mesmo que, segundo a imprensa, gastou do nosso dinheirinho R$ 155.000,00 num tratamento dentário, num país de 12 milhões de desempregados? Se diz representante do povo!!!! Me poupe.Temem Mourão porque é uma das poucas pessoas sensatas nesse desgoverno que aí está. MOURO 2022.

    1. É nas atitudes que a gente entende o significado das palavras. É uma crença que "a seita" cheque.

  29. Interessante os governos de esquerda eram cercados por cultos afros (candomblé, macumba, etc), tem relatos que muitos faziam despachos, como também pela turma LGBT, agora que vem um presidente que valoriza-a FAMILIA e o Cristianismo, chamam de retrógados, me poupem. BRASIL ACIMA DE TUDO, DEUS ACIMA DE TODOS. BOLSONARO 2022.

  30. Excelente entrevista, meu caro pastor. Com ela, não há dúvida alguma de que este governo não passa de um bando de fanáticos aloprados que usam a religião como uma estratégia para se manter no poder e roubar o que puder da sociedade. Vocês são a escória da sociedade. Espero que em breve, teremos o Mourão como presidente e gente como o Feliciano na cadeia.

    1. Devem estar mesmo constrangidos Emílio. Muitos deles participaram de missões humanitárias da ONU. Imagina eles tendo que ouvir as sandices desse grupo de apedeutas que hoje domina a política externa brasileira?

    2. E mais: Bolsoetc nomeou os militares pois sabe que em geral militares acatam ordens. O silêncio parece um constrangimento em contrariar o superior hierárquico. Mas assim pagam o preço de ter paciência com as sandices do "comandante".

    3. É pena. Mourão parecia uma voz independente, mas aderiu ao tal discurso de que quando Bolsoetc fala expressa só seu "estilo". Mas afinal não é o presidente do país? Não diz que é ele que manda? As baboseiras que fala e faz não são "governar"? País e cidadãos de difícil entendimento.

    4. Emilio — Você tem razão. Há alguma coisa estranha e podre acontecendo nas entranhas do governo. O silêncio dos militares indicam isso. O que será? Será o acórdão?

    5. Jose, entendo sua esperança, mas veja que agora Mourão está "em paz e amor" com estes fanáticos, como o ilustre deputado vaticina. Para mim era o último bastião de alguma inteligência. Ma vejo que esta inteligência está funcionando diferente do que pensei.

  31. Feliciano!!!!! Perdeu a noção!!!???? "vc. a opinar sobre os Três Poderes".!!!!!, e esqueceu-se do antigo ditado que diz:"em boca fechada não entra mosquito". mas valeu: bem mostrou quem é e pelos comentários se enxergará que " não tem voz e nem tem credibilidade" tanto para cristãos como para incrédulos....vai procurar tuas ovelhas perdidas e escrever tuas pastorais pra elas, se ainda te ouvirem, Feliciano, evangélicos não tem líder humano como Roma tem um Papa!!!!, mas, em resolvendo ter?!!

  32. Como esse país é atrasado, o presidente levando pra frente pautas retrógradas de religião. O Feliciano é o Rasputin brasileiro.

  33. Esta entrevista é jabá? Ou será que temos um novo "Olavo"? De qualquer maneira, serviu para esclarecer: "O Mourão se converteu. O Mourão agora é paz e amor." Quem eu pensava era o mais sensato, mais equilibrado, agora virou pelo jeito mais um adereço.

  34. Pastor. Esse povo está acostumado a tomar o dinheiro dos babacas, vendendo um Deus, que pelo que fazem com o povo, eles tem certeza que não existe.

  35. O estado é LAICO! Misturar religião e política em pleno sec 21 é vergonhoso! Ter uma bancada evangélica é uma anomalia! Se querem teocracia vão para o Irã! Usar da fé como curral eleitoral é muito golpe baixo! É preciso então uma bancada ateia, umbandista, espirita, LGBT, etc

  36. Quanta decepção tivemos,um cara desse ridículo dando pitaco no governo,apoiando o Tofolli,,vá para o inferno ,imbecil,isso decora é a Bíblia,saindo por aí dizendo pura besteira.

  37. Sem o apoio dos militares, policiais, e da tese anti-corrupção defendida por Sérgio Moro, nunca que Bolsonaro vence alguma eleição!!

  38. Politica e religião não se misturam. O governo deve permanecer laico. Vejam a desgraça no mundo afora com religiosos no poder.

    1. Quem disse q eram ateus? E antes fossem, ateus nao tomam decisões baseadas em religião. Quer teocracia? Vá para o Irã!

    2. bom mesmo seria o ateu Haddad. ou os ateus lula E dilma

  39. Eu não votei no PT para fugir do "projeto de governo petista". Agora precisamos ler isso: projeto bolsonarista para 20 anos!! Não tem meu voto em 2022.

    1. Afonso Isso mesmo, que Bolsonaro cumpra seu mandato com dignidade e caia fora, não queremos ninguém perpetuando no poder. Chega o que o PT fez.

    2. Nem o meu é por outros motivos que se somam. Por exemplo, valorização da família ? ótimo. mas, porque só a do presidente???

  40. Moro não é das ruas? kkkkkk , é mesmo um boçal! Entre os militares os evangélicos, a escolha sem sombra de dúvida é pelos militares .

  41. Feliciano encarna o mais do mesmo! Meu grupo, meus irmãos, meus comparsas de religião... Mesma retórica de qualquer grupo corporativista, tal como partido político, somente mascarado pela figura religiosa de Jesus Cristo, usado infelizmente, como escudo, para obter o mesmo que todos os outros sempre quiseram e querem. Privilégios!!!

  42. Sou evangélico e não concordo com imunidade tributária de igrejas que possuem CNPJ, templos faraônicos e arrecadação milionária. Prefiro as igrejinhas dos bairros proletários da periferia, que fazem sua obra de modo silencioso, em santa invisibilidade. Essas é que são o sal da terra, que desaparece nos alimentos, e a luz do mundo, que ilumina de fato sem que sua fonte de brilho intenso possa ser contemplada por olhos humanos acostumados a trevas.

  43. Fraquíssimo esse deputado! E é assim que a grande maioria do congresso brasileiro é composta. Com representantes desse naipe o Brasil não tem jeito. E quem elege é o povão! Então não tem jeito mesmo! Falta educação e cultura para escolher o menos pior e as opções de bons nomes são realmente muito escassas.

  44. Vcs estao sem assunto pra entrevistar uma trolha dessas? De onde tiram 20 anos no poder? Ele pretende fszer uma dentadura nova? Tai se oferecendo pro bozzo como vice futuro. Alguem se lebra do dito popular de q coisa oferecida é podre? Ele q va pastorear e na ausencia de freguesia coma capim q vai lhe fazer bem, assim como para os demais asnos

  45. Ué, por que não colocaram ele na parede sobre o uso de nosso dinheiro em causa própria? Entrevistou ele pra saber do Bolsonaro, como se fosse preciso. Não dá pra entender essa tal ilha do jornalismo.

  46. Crusoé, entrevistar figura desse naipe faz supor falta de criatividade e pobreza de pauta... Poupe seus assinantes de gente tão desagradável!

    1. Discordo. A Crusoé deve mostrar o naipe dos políticos que habitam o poder de nosso país.

  47. Conservador, pastor e usuário de uma boquinha, como tratamento dentário de mais de 150 mil reais, pagos pelo contribuinte... O Brasil 🇧🇷 que trabalha e produz aplaude e reconhece a grandeza dos Militares e apóia com vigor o vice Mourão.

    1. Cacoete de bolsonaristas: não pensa igualzinho a mim? E petista, comunista ou tem parte com o demo! Uma piada esse pessoal.

    2. Ainda bem que você é brincalhão. Brincalhão e esquerdopata. Dá-lhes Capitão!

  48. Esqueci só de comentar uma coisa, G E N E R A L MOURĀO estamos com você em qualquer situação, bem faz você de não se misturar

  49. Esse Marco Feliciano ja devolveu o dinheiro do povo que usou para fazer os dentes? o valor gasto foi mais de 150 mil Reais, quantas obituracoes de pessoas menos afortunadas esses 150 mil poderiam ter pagos? 2,000 pessoas, 3,000 pessoas, para isso nao tem verba no orcamento, PALHACADA? Para mim esse cabra acabou nao vale o que fala, nao vale o que faz e nao vale o sorriso que paguei para ele ter. Chega de hiprocrisia, temos que tirar esses caras que estao la para sugar o dinheiro do povo. Basta!

  50. Esses evangélicos são tudo, ricos, interesseiros, arrogantes, menos religiosos, se escondem atras da religião para obterem poder.

  51. Éeee, mas se Bolsonaro perder Moro ele perde o povo tb. Malafaia do sorriso de ouro, nem muito ao céu, nem muito à terra. O povo ainda quer muito apoiar Bolsonaro, mas sem ser gado.

  52. Bolsonaro pode ter sido católico, um dia, há muito tempo. E não teria sido eleito por isso. Afinal, os católicos pensam, analisam, decidem.

  53. Uau, que cara esclarecido, fiquei até feliz de ter contribuído com meus impostos pra consertar sua boca de 140 mil reais. Numa boa, está faltando gente pra entrevistar?

    1. Lamentável o fato de que o que menos importa para eles são os interesses do país

  54. Quanto mais conheço este sujeito, mais me convenço que os militares deveriam assumir o país. Este deputado não vale nada, é um corrupto safado que vem enganando os crentes e enchendo os bolsos. É um merda. Acorda Brasil!!!🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  55. Por que políticos sempre querem nomear alguém para algum cargo? Pega muito mal, passa a idéia de interesse pessoal. Eles não são pagos pelo contribuinte para isso.

    1. Sabemos que não é questão de passar a ideia de interesse pessoal, hoje a sujeirada está tão escrachada que eles nem ligam mais para isso. Fazem e dizem nas claras mesmo, é puro e simples interesse pessoal em detrimento do povo que paga um alto preço para bancar toda essa escumalha sórdida.

  56. Marco Feliciano usou a reportagem como palanque político. Falar que Bolsonaro não depende de Moro é burrice ou interesse. Bolsonaro sozinho é um burro ignorante, mas mesmo assim é melhor que o PT. O governo hoje tem dois pilares, que são Moro e Paulo Guedes.

    1. brincalhão...quem defende Bolsonaro não é menos fanático que petista. o Lula levou 8 anos pra mostrar a cara....o Bolsonaro nem 8 meses e já mostrou o qto é corrupto em ataques orquestrados em coluio com os outros poderes a lava-jato a coaf ao RF...ele e seus filhos.

    2. Lula também traiu seu eleitorado, já chegou a mais de 80% de aprovação popular e hoje não chega a 20%. Ocorre que quem ainda acredita no larápio é em sua maioria fanático idiotizado que se recusa a enxergar todas as falcatruas do PT, sei disso por ter familiares que o defendem com unhas e dentes e se recusam a aceitar que ele e o partido tenham cometido todos os delitos mostrados pela Lava Jato.

  57. O bolsonarismo se auto-implodiu ao apoiar a corrupção. Vai se arrastar por mais 3 anos no máximo. Duvido que, hoje, Bolsonaro se arriscaria pular nos braços no povo. Cairia no chão com certeza. E Moro só não será presidente se não concorrer...

  58. PARA FELICIANO GRANDE PARTE DOS 57 MILHOES DE ELEITORES DE BOLSONARO DEIXARAM CLARO: ENTRE UMA "DITADURA RELIGIOSA" E A DOS MILITARES .. FICAREMOS , SEM DUVIDA ALGUMA, COM OS MILITARES POR SEREM MAIS COMPETENTES ADMINISTRATIVAMENTE -VEJAM COMO ADMINISTRAM A "CASERNA"-, CULTOS -NOSSOS GENERAIS DÃO SHOWS DE CONHECIMENBTOS EM TODAS AS AREAS - E TEM OS "PÉS NA TERRA"!!!

  59. Só mudou o polo, os anseios sao os mesmos. Este sujeito é mediocre! Cura gay e outras patifarias! Era todo a favor da esquerda, agora se diz bolsonarista. Um evangelico que envergonha Jesus. Rudo pelo poder! Fala o que as pessoas querem ouvir, os bolsominions! Crasso! Devia lavar a boca ao falar de Mourão! Vc não chega nem aos pés dele!

  60. Muito bom Feliciano. Pareceu-me sincero na maior parte das perguntas e não fugiu daquilo que lhe foi perguntado, mesmo em assuntos espinhosos.

    1. O eleitorado dele é de cabresto. Qualquer coisa que ele fale, por mais absurda que seja, não será contestada pelos seus seguidores (eleitores). Daí ele ser até bem sincero nessa entrevista e agir como testa de ferro da turminha JB/Olavista no combate ideológico e de poder nas entranhas do governo federal.

  61. Vinte anos no poder!? Ah, vá tomar banho. É 8 anos no máximo e vão embora, por favor. Os 13 do PT foram um absurdo. Esse jumento bíblicoso não sabe nem a idade de Olavo, kkkkk. O Veio tem 72. O problema não é o evangelismo, o problema é que quem está lá é o rebotalho da revolução de Lutero.

  62. Entrevista reveladora. O projeto bolsonariano é o de uma teocracia evangélica de extrema direita. Os militares são um entrave a isso, eis porque Feliciano, provavelmente acertado com Carluxo, Olavo e o próprio Jair, ataca os militares. Não se poder permitir que essa religião obscurantista assuma o poder no país; o Iluminismo e a Democracia estariam mortas com esses fundamentalistas no poder. Feliciano quer cargos públicos, e não pede a JB, pede aos militares e leva um não, então ataca. ASCO !

    1. Cosme, ser evangélico não é sinônimo de mediocridade e pilantragem.

    2. Nem todo evangélico pensa igual o Feliciano, assim como nem todo evangélico é bolsonarista. Mas sabemos que muitas instituições evangélicas são verdadeiros vendilhões do templo, mais notadamente as que se infiltraram na política, que são as que utilizam os fiéis como gado de manobra nesse governo bolsonarista amalucado.

  63. O povo esta com Moro! Acho bom Feliciano conversar com o parlamento, explique para voltarem atrás em tudo que fizeram, o botão vermelho foi ativado e não vamos defender uma democracia que assassina e aterroriza a população. Acorda que o tempo acabou!

  64. Simplesmente asqueroso! A doutrina bolsonarolavista é um Frankenstein de culto a personalidade do presidente, híbrido de "aiatolaismo evangélico" com "lulopetismo de sinal trocado"! Seus expoentes são notórias nulidades que pretendem impor suas agendas ao país, aproveitando para tirar o máximo de vantagem pessoal possível, valendo-se da mediocridade do presidente e de sua fragilidade provocada pelas "complicações" do Filho 01. Serão longos os próximos três anos...

    1. André, enquanto você cultua o seu messias, colocando-o acima do bem e do mal, nós brasileiros sensatos e racionais continuaremos firmes na luta por um Brasil melhor e livre de qualquer corrupção ou ideologia que tenha como base a divisão e separação das pessoas. Acreditamos no JB para mudar o cenário brasileiro, colocamos nossas fichas nele para acabar com o status quo corrupto no Brasil, quebramos a cara. 2022 buscaremos outra opção, por hora estamos analisando as possibilidades.

    2. E vc “cultua” quem? As instituições democráticas? A personalidade humana é a principal força motora no mundo. E pra mudar algo temos que acreditar e apoiar as pessoas, não em valores abstratos ou instituições. São as pessoas que AGEM no mundo.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO