ReproduçãoO cartel exibe seu poderio: blindados, armas pesadas e uniforme militar

Estado paralelo

O Cartel Jalisco Nova Geração exibe seu poderio militar, desafia as forças oficiais mexicanas e serve de alerta para os riscos da inação no combate ao crime organizado
24.07.20

Por mais de dois minutos, uma câmera percorre um comboio com dezenove veículos blindados com pinturas camufladas e luzes piscantes coloridas. Estacionados em uma estrada rural do México, alguns desses carros, apelidados de “monstros”, têm aberturas no teto para metralhadoras. No vídeo postado nas redes sociais, aparecem cerca de oitenta soldados fardados e com coletes, joelheiras, botas, máscaras e fuzis. Entre as armas expostas, metralhadoras antiaéreas e lança-granadas.

O vídeo foi produzido pelo grupo de elite do Cartel Jalisco Nova Geração, o CJNG, e publicado nas redes sociais em 17 de julho — dia do aniversário de seu líder Nemesio Oseguera Ramos, conhecido por El Mencho. A função do pelotão provavelmente é a de proteger o chefão, que vive em um rancho na fronteira entre os estados mexicanos de Jalisco e Michoacán.

Com presença em todos os 32 estados do México, o CJNG já é considerado a organização criminosa mais poderosa do país. Sua expansão territorial nos últimos anos deflagrou conflitos com outros grupos armados e elevou a taxa de homicídios nacional para 34 mil no ano passado, o mais alto índice desde 1997, quando os assassinatos começaram a ser contabilizados.

ReproduçãoReproduçãoEl Mencho: escondido nas montanhas, ele comanda o CJNG
O sucesso do CJNG se deve às particularidades do grupo. Apesar de estar envolvido em vários tipos de crimes, como roubo de gasolina e extorsão de produtores de abacate, sua principal fonte de renda são as drogas sintéticas, como a metanfetamina e o fentanil, substância responsável pela crise de opioides nos Estados Unidos. Por serem artificiais, essas drogas não dependem de negociações duras com colombianos ou bolivianos. Os componentes são enviados da Índia e da China para dois portos na costa mexicana, depois processados em laboratórios nas montanhas e enviados por caminhões ou barcos a diversos países, principalmente os Estados Unidos.

Na comparação com a cocaína e a maconha, as drogas sintéticas têm uma margem de lucro muito maior. Isso permitiu ao CJNG construir um poderio militar incomparável. Enquanto outros cartéis compram armas nos Estados Unidos, o CJNG já teve uma fábrica própria de fuzis AR-15 em Guadalajara. Também já foram confiscados drones com explosivos que pertenciam à organização. O armamento poderoso permitiu satisfazer ambições grandiosas. O primeiro objetivo estratégico foi matar membros do cartel Zetas, o mais sanguinário de todos porque tinha entre seus integrantes diversos ex-militares de grupos de elite das Forças Armadas. Os zetas eram conhecidos principalmente por seus métodos cruéis, como decapitações e mutilações. Sem deixar se intimidar, os integrantes do Jalisco passaram a se propagandear como os “matazetas”. Em 2011, 35 corpos de zetas foram encontrados no estado de Veracruz. Outros 30 seriam descobertos um mês depois.

Outra vantagem do CJNG é a capacidade de El Mencho de não chamar atenção. Praticamente não há fotos disponíveis dele. Tampouco é fácil encontrar alguém que já esteve com ele. Dessa maneira, o chefão do cartel passou ileso à perseguição aos cabeças dos cartéis de drogas nos últimos anos. Enquanto a concorrência se fragmentava em grupos menores porque seus chefes foram detidos ou mortos, El Mencho resistiu em seu esconderijo. Em 2015, paraquedistas e policiais federais viajaram em dois helicópteros Super Cougar até o sudeste do estado de Jalisco. Desceram em cordas com o objetivo de capturá-lo. Os criminosos já estavam à espera e abriram fogo. Um helicóptero foi abatido. Oito soldados e um policial morreram. El Mencho, então, pôde seguir unificando seu grupo e fazendo associações com diversas organizações que tinham se distanciado dos demais cartéis.

“O CJNG tem sido muito eficiente em adotar células de traficantes e assassinos que ficaram órfãs depois que os líderes dos grandes cartéis foram pegos pelo governo”, diz o cientista político Nathan Jones, especialista em violência no México e professor da Universidade Estadual Sam Houston, no Texas. Em um atentado contra o secretário de Segurança Pública da Cidade do México, Omar García Harfuch, no final de junho, diversos grupos criminosos participaram da ação, que foi atribuída ao CJNG. Duas pessoas morreram. Harfuch levou três tiros e sobreviveu.

ReproduçãoReproduçãoPara o presidente López Obrador, o crime vem da pobreza
Para se embrenhar em todos os estados do México, o CJNG se aproveitou da inação do governo de Andrés Manuel López Obrador, que assumiu no final de 2018. No ano seguinte, o número de homicídios explodiu. O estado que mais teve assassinatos foi o de Guanajuato. Trata-se de um dos estados em melhor situação econômica do país, com fábricas de automóveis, de aviões e com os setores de turismo e agrícola bem desenvolvidos. Nessa região, o CJNG tem enfrentado o Cartel Santa Rosa de Lima, especializado em roubar combustíveis diretamente dos dutos das distribuidoras.

Após assistir ao vídeo do comboio de monstros do CJNG, o presidente López Obrador menosprezou as imagens. “Eu continuo convidando as pessoas para abraços, e não para os tiros. Não estou de acordo com a Lei de Talião, de olho por olho. Se for assim, vamos acabar todos caolhos. Temos de nos convencer que o melhor é a paz, que a violência não se combate com violência”, disse ele. Obrador assumiu o governo prometendo não fazer uma guerra ao narcotráfico e não perseguir os líderes dos cartéis. Também tem falado em atacar o que ele considera a raiz do problema: a pobreza e o abandono do povo pelas elites.

“Obrador relaciona o crime à pobreza, mas a realidade em Guanajuato, um dos estados mais ricos do país, quebra essa lógica”, diz o especialista em relações internacionais Alan Zamayoa, pesquisador da consultoria Control Risks, na Cidade do México. “O que o vídeo do comboio de carros mostra é que há áreas em que um chefão pode enviar blindados com soldados de um lado a outro sem qualquer constrangimento, porque a presença do estado é praticamente zero.” O caso mexicano, em que os pelotões bem armados do crime organizado parecem desafiar cada vez mais as forças oficiais, embute um alerta importante para o Brasil.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Em 1994, os liberais ficaram todos assanhadinhos com o início do NAFTA. O México, diziam, tinha tirado a sorte grande. Hoje vemos que o buraco é mais embaixo. Onde há corrupção, nada funciona.

  2. Esse Obrador é para o México o que o Brizola foi para o Rio de Janeiro... Um insensato. Espero que não seja espelho para essa esquerda que temos, que passa a mão no bandido. Nem espelho para o atual governo, que para proteger os amigos, deixa os milicianos soltos... O Brasil tem tudo para caminhar no mesmo sentido...

    1. É exatamente o contrário do qe vc disse. A demanda existirá sempre. Cabe ao Estado organizar a oferta por dentro da lei. A criminalização é a fonte do problema. Não o consumo.

  3. A esquerda e o banditismo sempre andaram de mãos dadas, Lula, Maduro, Obrador, Ortega, os Kirchner, os Castro e outros mais, a América Latrina está cheia deles.

  4. "armas compradas nos Estados Unidos". Quem fabrica estas armas? quem são seus acionistas? de seu conjunto de acionistas não fazem parte também velhinhas aposentadas? Parece que a própria sociedade que abomina e lamenta as ações criminosas são as suas alimentadoras.

  5. Com certeza, uma parcela da renda mensal do Obrador é proveniente dos valores repassados pelos cartéis. Com efeito, impressiona os cidadãos latinos, ainda, encamparem essa narrativa pueril gramicista, voltariana, marxista, Luckaciana bem como demais filósofos cuja contribuição foi, apenas, dividir as sociedades e sabotar as raízes dos povos.

  6. Os mexicanos apoiaram o candidato que pregou fazer vistas grossas à bandidagem; agora, vão amargar essa situação; assim, agem os "progressistas". Até nisso, usam os pobres. Se bem que os pobres de espírito adoram receber as coisas de mão beijada, seja de onde vierem essas coisas.

  7. Pena que essa situação, vivida pelo México, não tenha sensibilizado Fachin, Toffoli nem o PSB. Estão favorecendo o surgimento de algo semelhante no Rio de Janeiro.

    1. O Rio de Janeiro já é um estado paralelo no Brasil, com a complacência da Justiça e dos partidos políticos corruptos, principalmente o PSOL.

  8. Estamos no mesmo caminho. Poder e crime de mãos dadas. STF a soltar criminosos. Políticos a proteger seus pares. A sub-raça do 3 mundo e toda igual.

    1. Só que aqui morre o dobro de pessoas ao ano e ninguém diz nada!!

  9. Este “Status Quo” entre o governo do México e a bandidagem é o mesmo q os governos “petralhas”, tentaram implantar no Brasil.

    1. Como bom esquerdista LATRINO-AMERICANO ele deve adorar o narcotráfico.

  10. Estamos caminhando para isso, dá forma que as coisas aqui são tratadas. O Brasil é um exemplo de irresponsabilidade nada funciona. Aonde o estado põe a mão a inoperância aparece.

  11. Tem gente por aqui que deve babar na qualidade dessa milicia, mas com um trabalho sério a gente pode perfeitamente chegar nesse padrão classe A

  12. Qualquer semelhança com a série Pablo Escobar o patrão do mal da Netflix é mera coincidência, mas é assim mesmo se você não acaba com isso no início vai crescendo e toma proporções que depois ninguém segura. É o caso das milícias em todos os Estados do Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Governo fraco ou conivente, fortalecem esses grupos. O resultado é devastador.

  13. o mundo tá fudido. todo mundo quer dinheiro a forma como conseguir o intento é mero detalhe. coloque essa observação em qualquer atividade.

  14. PC. Enquanto alguns querem manter uma guerra fria requentada no Brasil por interesses politiqueiros, a criminalidade organizada cresce na esteira das decisões do Estado brasileiro que dificulta sobremaneira o combate às quadrilhas encasteladas nos palácios e nas favelas.

    1. Hummmmmm, por que será???? Esquerdista latrino americano adora um narcotráfico né?

  15. Como diz o articulista, a situação do México é um alerta. Ululante. É preciso acabar com o tráfico aqui no Brasil. Ou chegaremos a isso. Mas não acabará com políticas como a do presidente do México. Com bandidos não se conversa. É preciso submete-los à lei. Custe o que custar.

  16. Mais um coração bondoso, provavelmente associado ao cartel, a bondade desse homem é comovente deveria ganhar o Nobel da Paz. Me engana que eu gosto. Estamos cercados de bandidos da pior espécie

  17. Jacques Lambert , Eduardo Galeano e Darcy Ribeiro nos mostram porque o Povo latino americano envereda cada vez mais pelo caminho do crime. Estes escritores deviam ter obras em forma de " Gibís " para que a população começasse a lê-las desde a infância. Nelas estão os " ovos " da pobreza e da violência que assolam nossa gente. " Como quebrá-los sem conhecê-los " ?

  18. Dai para chegar ao estado em que a Venezuela esta não demora muito. As empresas começam a ir embora, os que podem saem do País .....É O QUE O PT, PCdoB, REDE, e demais partidos da esquerda idealizam para o nosso Brasil. FORA ESQUERDISTAS. SE DEUS QUISER NUNCA MAIS.

    1. Que Venezuela!!!!!! Brasil tá muito mais próximo. Só.entrar o próximo governo petista ou qq um esquerda.

  19. A esquerda alia a ingenuidade (de alguns esquerdistas) aos interesses escusos de outros esquerdistas, que lucram direta ou indiretamente com o tráfico. E o povo que a esquerda supostamente defende, que se dane...

    1. Ingênuo. A esquerda não é inocente. É esse o método para dopar e dominar a sociedade.

  20. Muito boa matéria. No RJ foi igual: Brizola tirou a polícia das favelas cariocas, os traficantes tomaram posse e depois os milicianos se juntaram à gosma bandida.

    1. Não fosse o Brizola os traficantes poderiam até ter sido eliminados, ou, no mínimo, não chegariam a ter o poder que têm hoje. só isso.

    2. Sim. Não fosse o Brizola, hoje, os traficantes seriam médicos, engenheiros. ..

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO