Nelson Jr/SCO/STF

Diretor da Precisa diz que sua mulher está grávida e pede ao STF para faltar à CPI

15.09.21 18:18

A defesa de Danilo Trento pediu que o Supremo Tribunal Federal autorize o diretor da Precisa Medicamentos a faltar à CPI da Covid, se ele desejar. O habeas corpus corre sob a relatoria do ministro Luís Roberto Barroso (foto).

Em princípio, Trento seria ouvido nesta quinta-feira, 16. Porém, como a CPI não conseguiu notificá-lo a tempo, houve uma mudança no cronograma e é o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Batista, quem falará à comissão amanhã.

Os advogados de Trento citam a possibilidade da prática de abuso de autoridade pelos senadores e afirmam que a CPI criou um mecanismo de “opressão” aos depoentes. Reproduzindo uma matéria de O Antagonista, a defesa lembrou que a comissão chegou a ameaçar de prisão o dono da empresa, Francisco Maximiano.

O habeas corpus acrescenta que, como testemunha, Danilo Trento tem o direito de não se autoincriminar. “Não se pode deixar de ressaltar que, submeter testemunha, investigado ou pessoa acusada a situações de menosprezo, com situações desrespeitosas, humilhantes ou, por qualquer forma, atentatórias da
integridade física, psicológica e moral de qualquer depoente, é sem dúvida
uma pressão a autoincriminação“, diz a peça.

Além disso, os advogados argumentam que a a mulher do diretor da Precisa está grávida e pode dar à luz “a qualquer momento“. “Este período é muito delicado em sua vida privada, e que sua presença nesta ocasião é muito importante para sua família“, completam, frisando que os dois moram em São Paulo.

Caso o STF não permita que Danilo Trento escolha se vai ou não à CPI, a defesa requer que a corte determine o adiamento do depoimento. Se este também não for o caso, o pedido é para que o diretor da Precisa possa permanecer em silêncio quando indagado sobre temas que possam levá-lo à autoincriminação e não seja obrigado a assumir o compromisso de dizer a verdade ao falar sobre outras questões.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. eu iria e faria o mesmo que o senador Jorginho Melo fez lavando a alma do povo que diria tudo aquilo e mais alguns elogios.

  2. Eu nunca vi um trabalhador faltar ao serviço por sua mulher estar grávida, mas compra há mutação de vírus talvez estejamos na nova era de homens mutantes

  3. Fora a participação óbvia, o que ele tem com a gravidez da esposa? Gravidez passou a ser doença? Se ela entrar em trabalho de parto tenho certeza que ele será liberado.

  4. Esses homens de negócios geralmente nunca estão presentes num parto,principalmente em negócios milionários ,eles jamais deixaria de comparecer a uma reunião por causa de um episódio desse. Mas a justiça brasileira faz tudo ao seu Bel Prazer 😒

  5. Além de reivindicar privilégios porque sua mulher "está grávida", ele tem a desfaçatez extrema de reivindicar, nada menos, que o direito oficial de MENTIR.

    1. Queria ver o Zezinho depondo,a cada qrito da gazela ia se borrar todo..kkkkk

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO