Sem contrato

27.11.20

Uma auditoria interna na J&F, a holding da JBS, descobriu que a companhia pagou 1,3 milhão de reais ao escritório do advogado petista Marco Aurélio de Carvalho sem que houvesse qualquer processo interno para a contratação ou mesmo documentos que demonstrassem que ele prestou de fato qualquer tipo de serviço. A constatação converge com o testemunho de Ricardo Saud, um dos principais personagens da polêmica delação premiada do grupo. Em um dos capítulos de sua colaboração, o delator afirmou que a empresa dos irmãos Joesley e Wesley Batista fez pagamentos a Carvalho em troca de uma boa relação com o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, de quem ele é muito próximo.

Câmara dos DeputadosCâmara dos DeputadosCardozo: um amigo do ex-ministro recebeu da JBS para facilitar acesso a ele

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Em 2022 SÉRGIO MORO será nosso “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Triunfaremos!

    1. Quanta ingenuidade...! Se fosse fácil, Bolsonaro já teria desmontado os oligopólios, monopólios, teria diminuído em 50% a quantidade de funcionários públicos, reduzindo salários, privatizando...mas o “poder” de anos das organizações dos poderes legislativo, judiciário e até mesmo do executivo, impedem um desmonte rápido da máquina pública!

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO