Divulgação"É como um antidepressivo de baixo custo. A esmola ajuda a apaziguar algum vazio interior"

Contra o mito do bom mendigo

Depois de passar um ano na pele de um morador de rua, o pastor batista Yago Martins diz que o que mantém as pessoas na sarjeta não é a miséria
08.11.19

De calça de sarja e camisa social azul-marinho, o pastor batista Yago Martins, de 27 anos, prega nos cultos de domingo em uma igreja na Vila Peri, na periferia de Fortaleza. Nos outros dias da semana, prepara sermões e visita fiéis. Teólogo e professor de economia, ele também dá palestras pelo país e aulas de pós-graduação em uma faculdade de São Paulo. Seu canal no Youtube tem quase 500 mil inscritos.

No dia 2 de janeiro de 2017, Martins iniciou uma vida paralela, a de mendigo. Ao longo de um ano, com camiseta velha e short vermelho, ele conviveu com moradores de rua no Ceará. Nesse período, interagiu com os mendigos como se fosse um deles. O resultado de sua experiência está em um livro recém-lançado sob o título A máfia dos mendigos: como a caridade aumenta a miséria.

Ao lado dos relatos das situações que presenciou, Martins expõe conclusões de estudos acadêmicos e análises que, para além da abordagem religiosa, tentam explicar a vida na rua e o comportamento dos mendigos à luz da ciência. Para o pastor, a distribuição abundante de comida nos grandes centros criou uma cultura de pessoas que escolheram viver da bondade alheia. Esses indivíduos acabam drenando os recursos que deveriam ir aos que realmente necessitam, os miseráveis de verdade. Segue a conversa.

No período em que conviveu com os mendigos, o sr. viu gente morrendo de fome?
Não, de forma alguma. Há um consenso acadêmico no Brasil, o qual pode ser constatado em dissertações de mestrado e doutorado, de que ninguém hoje passa fome nas ruas dos grandes centros urbanos do país. É verdade que a rua não oferece segurança nutricional. O que isso quer dizer é que os mendigos não encontram comida na hora que querem, como se tivessem uma geladeira cheia por perto. Mas, nas grandes cidades, há acesso fácil a alimentos todos os dias. Há uma distribuição gratuita muito intensa de comida. Os moradores podem até sentir fome de vez em quando, mas não é certo dizer que eles passam fome, como se essa fosse uma condição perene.

Por que os mendigos não passam fome?
Porque há muita gente disposta a dar mantimentos, geralmente sem perguntar muito e de uma forma muito bondosa. Se uma ou outra pessoa nega dar algo aqui, uma terceira dá acolá. Pequenos comerciantes que trabalham com alimentos, membros de ONGs ou religiosos das mais variadas correntes costumam ajudar quem tem fome. Muitas igrejas evangélicas pentecostais, grupos evangélicos mais tradicionais, espíritas e católicos, inundam as ruas com comida. Dependendo do ponto em que o mendigo se coloca, ele pode até escolher, com certo grau de abundância, o que vai mastigar. Nas “bocas de rango”, como são conhecidos esses locais em Fortaleza, ele pode dispensar um prato para esperar por outro, que pode ser a sopa do grupo espírita, o cachorro-quente da Igreja Batista ou o caldo da ONG. É um fenômeno que nos devolve a fé na humanidade. Um mendigo de uma cidade pequena confessou para mim que migrou para a capital porque as pessoas são mais generosas. “Fortaleza é uma mãe”, explicou ele para mim.

O que aconteceria se, de uma hora para a outra, essa distribuição de comida fosse interrompida?
Uma minoria ficaria sem opção e poderia até morrer. São indivíduos que estão na rua por necessidade. Sofreram alguma desgraça não calculada e caíram na miséria. Mas a maioria simplesmente voltaria para casa ou arrumaria alguma coisa para fazer. É o grupo dos parasitas da miséria. Eles fizeram um exercício de vontade para estar na rua. Muitos têm casa, família e emprego, mas foram morar na rua após fazerem um cálculo. Eles acham que o cotidiano nas ruas é mais fácil do que a vida ordinária, em que é preciso trabalhar e conviver com os outros. Mais da metade dos mendigos não precisaria pedir esmolas, mas tomaram essa decisão. São os miseráveis de ocasião. O problema é que essa massa de aproveitadores acaba drenando os recursos que deveriam ir para os que realmente têm necessidade.

O que mais costuma empurrar as pessoas para a rua?
As respostas para essa pergunta costumam ter um viés econômico. Acredita-se que as pessoas deixaram suas casas porque ficaram pobres, perderam todos os seus recursos. Mas geralmente não é isso o que acontece. Imagine que uma pessoa conhecida, de repente, fique sem nada. Quantas ligações ela precisaria fazer para não ir para a rua? No mundo que conhecemos, sempre há algum conhecido, um amigo, um familiar que pode dar um jeito. O problema é que as pessoas que vão para a sarjeta costumam ter um abismo de sociabilidade. Não têm para quem pedir socorro. Os laços familiares foram destruídos por algum motivo. São casamentos que deram errado, moças que brigaram com seus pais por causa de seus namorados. São pessoas muito sozinhas, sem estrutura social e familiar. Muitos têm dificuldade de se colocar dentro da vida em sociedade. Não têm um propósito, um senso de realização, de progresso. Acreditam que foram deixados para trás e que nunca conquistarão coisa alguma. Às vezes são pessoas com renda, formação, trabalho, mas que acabam nas ruas por causa de abismos emocionais, psicológicos ou espirituais.

“Os refugiados não são parasitas da miséria”
E os drogados? Os viciados em crack?
A droga que mais empurra as pessoas para a calçada não é o crack, mas o álcool. A bebida tem um poder viciante imenso e pode ser facilmente comprada. O álcool tira o senso de propósito da vida com muita força. Quem é alcoólatra vive em um estado de embriaguez frequente, constante, por vários dias. Tem muito morador de rua que usa crack e se vangloria de nunca colocar uma gota de álcool na boca.

Nos últimos cinco anos, o Brasil recebeu muitos refugiados, principalmente do Haiti e da Venezuela. O sr. viu muitos estrangeiros dormindo ao ar livre?
No Nordeste, isso não acontece tanto. Mas os refugiados não são parasitas da miséria. Ninguém foge do próprio país como um exercício de vontade. Essas pessoas foram obrigadas a emigrar para não ficar na miséria absoluta, em um país mergulhado numa crise política, como a Venezuela. Mais do que comida, eles precisam de ajuda para obter documentos, um visto que os permita trabalhar. Eles querem um emprego. Almejam se restabelecer na vida. Não eram mendigos em seus países. Eram pessoas comuns, que tocavam suas próprias vidas e, infelizmente, tiveram de fugir.

Por que as pessoas dão tanta esmola?
A primeira explicação é religiosa. Os que ajudam os moradores de rua são, em geral, integrantes de grupos religiosos. A mensagem de Jesus Cristo convida para o cuidado com o pobre e para o amor ao próximo. Além disso, os mendigos funcionam como um entretenimento moral. Ao ajudá-los, as pessoas se sentem moralmente superiores, mais cristãs, mais bondosas. É como um antidepressivo de baixo custo. A esmola ajuda a apaziguar algum vazio interior. Numa sociedade de livre-mercado, em que há muita abundância, as pessoas se sentem um pouco culpadas. Há muita gente rica que não entende muito bem de onde vem a miséria. As notas e a marmita dadas ao sujismundo ajudam a afagar a consciência de quem dá. Mas não necessariamente elas estão ajudando quem recebe essas coisas. Sem querer, essas pessoas criaram um grupo que depende da bondade dos outros e que não enfrenta seus próprios problemas.

“O que tem tornado as ruas atrativas é a iniciativa privada”
A visão que temos dos mendigos é estereotipada?
O erro começa quando falamos em “os mendigos”, como se eles fossem um grupo uniforme. É como falar em “os contadores” ou “os repórteres”. Eles podem até ter algo que os une, que é a atuação, mas são seres individuais. Esse coletivismo, muitas vezes, é outro nome para preconceito. Então, é muito difícil ter uma característica que se aplique a todos eles. Alguns estão na rua porque são vítimas. Outros são vilões. Alguns ameaçaram matar ou efetivamente mataram alguém. Tem mendigo que vende a marmita que ganhou para comprar droga. Alguns têm celular. Não é iPhone, mas é um smartphone baratinho. Tem analfabeto, tem gente com formação universitária. Tem poeta, tem gente com livro publicado. Tem viciado, tem alcoólatra. Tem gente louca da cabeça que não sabe o próprio nome. Tem senhora que pega emprestado o sobrinho da amiga para pedir esmola. Essa simplificação dos mendigos como um grupo harmônico é um erro que tanto a esquerda quanto a direita cometem. Por um lado, a esquerda só consegue enxergar o mendigo em seu papel de classe. São miseráveis, manifestações físicas da pobreza. A direita só consegue ver o mendigo como um vilão, alguém que não agrega valor para a sociedade e que está ali porque quer.

O que o sr. recomenda?
Precisamos olhar para eles como indivíduos. Temos de parar de coletivizar aquilo que é particular. Para isso, é fundamental escutá-los e se engajar mais. Se temos compaixão de fato pelo outro, então devemos nos doar mais. Nos dedicar mais. É preciso ajudá-los a alcançar algum desenvolvimento humano. Algo que possa tirá-los dessa situação de paternalismo. Algumas ONGs e igrejas têm feito um trabalho maravilhoso. Em João Pessoa, na Paraíba, uma ONG faz um acampamento de mendigo, uma espécie de retiro. Eles ficam um tempo morando em um sítio. Tomam banho e assistem a palestras. São atendidos por uma equipe multidisciplinar, com psicólogos, dentistas, pastores e advogados.

E aos governos, o que cabe fazer?
O que tem tornado as ruas atrativas é a iniciativa privada, que é muito eficiente. Da mesma maneira, é a iniciativa privada que mais pode ajudar da forma correta. O governo só pode ajudar fornecendo documentos ou criando centros em que possam tomar banho. O Ministério Público também pode atuar para coibir e punir os crimes que são cometidos entre eles ou contra outras pessoas. Mas o estado não pode fazer muita coisa uma vez que se trata de um problema humano, emocional, espiritual, de sentido para a vida. É de ordem muito mais metafísica do que material. Não há muito o que uma estrutura cheia de burocratas seja capaz de realizar. Quem pode alcançar os mendigos são os seres humanos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. "o auto aperfeiçoamento é a maior caridade que alguém pode fazer" Cada um dá o que pode.

  1. "Sem o seu trabalho o homem não tem honra... e sem sem a sua honra se morre e se mata. Não dá pra ser feliz." Humanidade e compaixão é que falta... também com os péssimos exemplos vindo de cima.

  2. Tai um cara q viveu uma experiencia q deveria ser ouvida pelos politicos e ate pelas organizacoes q ajudam pessoas carentes. E'uma visao de quem viveu o problema. Tem muita gente la q pode ser resgatado, voltar a ter uma vida normal.

    1. Procure o canal no youtube, se chama "dois dedos de teologia".

  3. Elucidativa a reportagem. Muito interessante o estudo do Pastor. Ocorre que, num país com tantos problemas como o nosso, realmente, é muito difícil o Estado dar melhor assistência. À medida que o crescimento econômico possibilite a todos uma ocupação digna, aí sim, é hora de o Estado entrar e não permitir a mendicância, como ocorre em alguns países. Mas... o caminho é longo!

  4. Em Londres, alguns anos atrás, uma mulher paquistanesa pegou um dos filhos nos braços e foi pedir esmolas numa esquina. Logo depois foi interpelada por dois policiais (polícia londrina, super educada), foi informada que não podia mendigar, e encaminhada à um centro de assistência social, onde teria refeição, abrigo se necessário, algum auxílio enquanto lhe arrumariam um trabalho. Mendigar não era opção. O Estado pode fazer muito se os governantes tiverem algum interesse.

  5. Excelente entrevista. Cresci vivendo em São Paulo e via mendigos na rua. O pastor está certo qdo diz q não devemos generalizar. Cada um tem sua história e motivo para estar lá. O q acredito tb é que embora muitos precisem de ajuda (nem sempre a material), outros estão lá e se sentem felizes, e somos nós q nos sentimos mal de vê-los nessa situação. É a tal história: fique bem para eu ficar também!

  6. Impressionante! Grandiosa entrevista! Comecei a leitura achando que nao chegaria até o final... Só posso dar Parabéns ao Pastor e a revista

  7. Gostei principalmente onde diz que não é culpa do governo. Porque fica muito fácil sempre culpar governos e não procurar soluções.

    1. E todos governantes que nada fazem para diminuir tal problema, gostaram muito mais.

  8. Muito lúcida a explicação do pastor Yago Martins. Ele mostra verdadeira realidade sobre essa chaga social. Além disso, dá caminhos à sociedade para romper com o "coitadismo" e resolver o problema. Parabéns !

  9. Curioso é ler que "a direita considera o mendigo um vilão". E a esquerda, como considera? Tenho reservas quanto a análises parciais.

    1. De acordo com o autor, enquanto a direita enxerga o mendigo como um ser indisciplinado e pouco afeito ao trabalho, a esquerda o vê como uma vítima do livre mercado, e se utiliza disso para fomentar a disputa de classes sociais.

  10. Como simples leitor, não resisti à minha obrigação de pelo menos cumprimentar ao pastor por todo o seu grandioso. trabalho. Exelente entrevista. Não posso também deixar de reconhecer o valor dos inúmeros comentários com curtidas e sugestões.

  11. Parabéns ao Duda e a revista , sugiro uma coluna semanal que aborde não só os problemas sociais que cansamos de ver e reclamar mas as soluções existentes no Brasil e no mundo e projetos que vem dando certo ... uma dose de otimismo que pode abrir os olhos e os bolsos de que quer realmente ajudar o próximo oferecendo dignidade e repassando os valores morais que nos movem a tanto como uma “corrente do bem “. O ser humano não é só matéria mas também espírito e precisa reaprender a amar o próximo.

    1. Infelizmente, quando damos esmola, não sabemos se ajudamos a melhorar ou piorar a situação da pessoa. Fora que, não raro, pedir é mais fácil do que trabalhar. Ainda pode nos acossar a dúvida de que quem nos pede está nos enganando. Na dúvida, acabamos ajudando. O que fazer ? Omitir-se não nos humaniza. Cada um de nós deve procurar fazer parte da solução. A solidariedade com os necessitados, para mim, é a melhor resposta.

    2. Excelente análise e sugestão para a revista. Seria muito interessante lermos coisas boas que estão acontecendo no nosso país, mas ninguém vê e divulga.

    3. Excelente análise. Conclusão melhor ainda. Essas pessoas precisam mudar individualmente suas formas de pensar. Os governos não farão grande coisa.

  12. Cuidar de uma mãe c alzheimer, de uma sogra com 84 anos, um cunhado vadio, organizar contas de 5 familias, pagar impostos, resolver inúmeros problemas diários e ser a coluna que sustenta tudo... dá uma vontade de largar tudo e ir morara na rua...

  13. Fantástica entrevista. Jamais pensei que era assim, a natureza humana sempre me surpreende. Meus parabéns ao corajoso pastor

  14. Excelente trabalho do pastor, e coerente com o relato do livro 'vida na sarjeta' de T Dalrymple (pseudonimo do medico A Daniels), que relata a vida sob o sistema britânico de assistência social. La, como aqui, muitos entram na assistencia oficial ou privada por ser mais fácil do que trabalhar e merecer o que recebe. E quanto mais recebe de graça, pior é a reação do 'mendigo'. Se o capitalismo absoluto é a barbarie, o socialismo absoluto é a morte da alma.

  15. O que vejo são homens e mulheres que tem casa mas vivem nas ruas, chegam pela manhã, ficam deitados o dia todo, bebendo cachaça ou catando quinquilharias e entulhando as calçadas com estes lixos. Aí se são chamados a ordem urbana, ameaçam e até clamam auxílio a bandidagem. Rua não é moradia, onde falta governo, rua vira o que vemos. Assistência social não resolve nada aqui nesse mundo de rua.

  16. Excelente! Tenho 52 anos e qdo era pequena, minha avó contava que via sempre a vizinha sair p/trabalhar cedo sempre arrumada. Certa vez minha avó pegou o trem e desceu na estação da Lapa-SP. E entre os "mendigos" que faziam ponto na estação, estava a vizinha. Maltrapilha e exibindo uma ferida fake na perna. Quando o caso veio à tona, descobriu-se que ela se trocava no banheiro do mercadão e cumpria carga horária como se trabalhasse em empresa. 🤷‍♀️

  17. Cheguei a escrever um projeto para transformar os moradores de rua em varredores de rua, como passo inicial para recuperar sua autoestima e paulatinamente reintegra-los na vida social. Havia outros passos programados como inscrição no bolsa família e no pico no minha casa, minha vida. O vereador a quem encaminhei o projeto na administração Kassab disse que o lobby das empresas que recolhem o lixo não deixaria o projeto vingar.

    1. Interessantíssima entrevista. Li, reli e repassei. Há vida criativa e iniciativas generosas, individuais, fora da cloaca de Brasília.

  18. Faltava mesmo um estudo deste tipo para mostrar as mentiras das ruas. Aleijados de mentira, gente que ganha mais com a mendicagem do fim de semana que com o emprego da semana, pais que colocam filhos para pedir esmola, agente de mendigos, todos tipo de coisa para explorar o trabalhador de bom coração. Houve um tempo em que mendicagem era crime,não entendia, esta reportagem esclaresse, os que se aproveitam da boa vontade dos que trabalham, isto é exploração. que é errado, mentira e abuso.

  19. Muito interessante as informações adquiridas na pesquisa. O Pastor mostra uma forma inovadora de investigação sociológica. Parabéns, agora é mãos à obra.

  20. excepcional e esclarecedor. Parabéns ao jovem que teve esta idéia e aos jornalistas que trouxeram esta pauta. 👏👏👏

  21. Sensacional a entrevista e quanta lucidez vinda de uma pessoa tão jovem e tão disposta a compreender e apresentar soluções a um problema tão complexo.

  22. "Vida na Sargeta" ,de Theodore Dalrymple, é uma excelente obra que aborda esse e outros temas relativos à pobreza, material e moral. As mesmas conclusōes podem ser observadas.

    1. Nesse livro ele comenta sobre a miséria material e a miséria moral... no Brasil ainda temos as 2 e é mais fácil enxergarmos a material.

  23. "morador de rua" é um termo errado, pois rua não é moradia. deixa-los na rua, usando bem público para fins privados, é comodismo social e governamental. deveriam ser levados compulsoriamente a centros de ressocialização, onde teriam atendimento especializado e atividades educativas para o trabalho, buscando novamente a dignidade de serem cidadãos autossustentáveis e contribuintes à sociedade. isso é investimento público na melhor acepção do termo. o resto é balela.

    1. O primo de uma conhecida, optou por morar na rua. Com família, condições, estrutura, decidiu um dia que aquilo não era pra ele. Vez ou outra batia na casa de algum parente. Tomava banho, se alimentava, vestia roupas limpas. Nunca ficava pra dormir apesar da insistência. Pegava seus pertences e voltava pra rua por tempo indeterminado.

    2. como obrigar alguém a fazer o que não quer? parece simples dizer: Levados compulsoriamente !!!!! Como se fossem cachorros? As vezes somos cegos para os problemas da alma!!!! por que rico se mata???? ja perguntou?????

  24. Qual a novidade? Qualquer texto básico de sociologia diz que nunca devemos classificar as pessoas em grupos estanques, pois eles são artificiais. O que está claro é que há sim pessoas vulneráveis e que cabe ao estado ajudar estas pessoas a sairem do estado na qual se encontram. Afinal de contas, ninguém pode ser deixado para trás. Sobre aproveitadores, eles não existem somente entre os mendigos. Estudem a trajetória de todos os políticos que vocês verão quem são realmente os aproveitadores!

  25. Muito bom o trabalho do pastor, com certeza ajuda a entender a questão do morador de rua. Na verdade, eu já desconfiava da seletividade do morador quanto a comida, pois ví inúmeras vezes ser jogada fora, quando não agradava.

    1. Ótimo comentário. Parabéns pelo poder de síntese. Na mosca!

    1. sim, também ouvi no Pânico! E lendo aqui... excelentes abordagem!

    1. E voltamos ao dilema. Dar o peixe ou ensinar a pescar? A expressão esforço de vontade diz tudo! Os refugiados de hoje serão os empresários do futuro porque querem mudar de vida!

  26. Formidável a experiência e as conclusões apresentadas. Participo de algumas ações sociais em minha cidade e vou considerar as análises apresentadas. Parabéns!

    1. Patrícia, você deve estar confundindo os evangélicos históricos com os neo-pentecostais.

    2. Patrícia, na minha opinião 2 + 2 = 5. Você vai concordar? Deixe de má-fé. Opinião tem que ter fundamento.

    3. Ou seja, mendigo não paga dízimo. Não acredito muito em pastores. Sempre vejo essas pessoas com suspeita. É a minha opinião.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO