Um substituto para Lula

Com o chefe petista na cadeia e seus velhos companheiros da região metidos em enrascadas, Andrés Manuel López Obrador, o novo presidente do México, tornou-se o xodó da esquerda na América Latina
07.12.18

As reuniões ministeriais começam pontualmente às 6 horas da manhã e, logo depois, o recém-empossado presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, conhecido pela sigla AMLO, já surge à frente de um grupo de jornalistas sonolentos para uma coletiva de imprensa. A rotina se repete todos os dias, de segunda a sexta. Os repórteres que se sentam ao lado esquerdo do mandatário sempre têm prioridade para formular as primeiras perguntas. “Começamos pela esquerda, como sempre”, diz Obrador. Para seu primeiro evento oficial, o presidente chegou em seu Volkswagen Jetta branco, sem seguranças. Nada de luxo ou ostentação. Nos percursos longos, viajará em voos comerciais. O avião presidencial, um Boeing 787, foi enviado para a Califórnia, nos Estados Unidos, onde será colocado à venda. A pedido do novo presidente, a residência oficial de Los Pinos, pela primeira vez, foi aberta ao público. No primeiro dia, milhares de pessoas entraram no prédio gravando tudo com seus celulares, como se estivessem invadindo um palácio czarista da Petrogrado revolucionária. O local foi transformado em centro cultural. Obrador seguirá morando em sua casa de 170 metros quadrados, na capital.

Todos esses gestos são manifestações de traços pessoais, mas obviamente também são usados como propaganda política. “Obrador cultiva uma imagem de ser muito trabalhador e austero, e ele tem sido muito consistente em assumi-las”, diz Francisco Abundis, diretor do instituto de pesquisas Parametría, da Cidade do México. Desse ponto de vista, AMLO pode ser considerado uma espécie de José Mujica do México. É carismático e tem muitos jovens entre seus seguidores. Mas, se o ex-presidente uruguaio abandonou a política alegando cansaço, Obrador está em pleno vigor aos 65 anos. Após disputar três eleições presidenciais, ele se tornou, entre os esquerdistas da América Latina, o que comanda a maior economia da região. Caminhou, assim, na contramão do resto do continente, em que eleitores de Brasil, Argentina, Paraguai, Chile e Colômbia moveram-se para a direita. As atuais circunstâncias o colocam como o mais capacitado para preencher o vácuo político que se abriu na esquerda regional. O ditador Nicolás Maduro está isolado, o cubano Raúl Castro está atuando apenas nas coxias do poder, Cristina Kirchner responde a sete processos na Justiça e Lula está preso.

ReproduçãoReproduçãoA venda do luxuoso avião que servia ao presidente do México virou peça de propaganda para o novo governo
Logo após a posse, o jornal Reforma anunciou que Obrador estaria em negociação com a ditadura cubana para recrutar cerca de 3 mil profissionais que estavam no programa Mais Médicos do Brasil. A mensagem implícita era a de que o México passaria a sustentar o regime cubano. A exportação de serviços é a principal fonte de receitas do governo da ilha e os recursos da Venezuela e do Brasil estão secando. Em sua terceira coletiva de imprensa, Obrador desmentiu a informação. “Ele não dá um tratamento preferencial para os governos de Cuba ou da Venezuela. Isso foi propaganda que seus rivais usaram para atacá-lo”, diz o sociólogo mexicano Adrián Galindo, da Universidade Nacional Autônoma Mexicana (UNAM). “Obrador é um nacionalista que só considera como estratégica a relação com os Estados Unidos.”

Para um latino-americano curtido no antiamericanismo, pode ser constrangedor ver como Obrador se refere ao americano Donald Trump. Na renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte, o Nafta, que foi recauchutado e ganhou um nome anódino, o mexicano não fez qualquer oposição. É para os Estados Unidos, afinal, que vão 74% dos produtos fabricados ao sul da fronteira. O Canadá compra outros 6%. Para alívio de Obrador, as disputas com o vizinho do norte já foram resolvidas. Mais urgente do que se meter em novas enrascadas com ditaduras problemáticas, ainda que do mesmo lado ideológico, o mexicano está preocupado em resolver os próprios problemas – e em não decepcionar os que votaram nele.

Num assunto, o novo presidente mexicano entrou com o pé esquerdo. Cancelou a construção de um aeroporto em Texcoco, que tinha levantado um investimento de 13 bilhões de dólares. A obra prometia desafogar o da Cidade do México, mas foi suspensa em pleno andamento. Do valor total, 6 bilhões de dólares foram obtidos com a venda de bônus. Seus detentores sentiram-se enganados. Nos primeiros dias após a posse, Obrador teve de se contorcer para dar alguma solução factível para o problema que ele mesmo criou. Com medo de mais intervencionismo estatal, investidores compraram dólares, o peso caiu e a bolsa mexicana passou por um leve solavanco. “Desde que anunciou o cancelamento da construção do aeroporto, há mais ceticismo com AMLO. O medo é o de que ele decida avançar em medidas que lhe deem algum benefício político, mas que sejam prejudiciais para os mercados”, diz Eduardo Arcos, da consultoria Control Risks.

Felipe Rau/EstadãoFelipe Rau/EstadãoLula a caminho de Curitiba: a cadeia deixou um vácuo na liderança da esquerda latino-americana
Se Obrador já foi comparado ao ex-presidente Lula porque estava conseguindo acalmar os investidores e o mercado, que passaram meses preocupados com possíveis turbulências vindas da “mudança de regime”, o mais recomendável agora é esperar para ver no que vai dar. A partir de suas falas, não é possível fazer qualquer previsão. Primeiro esquerdista a chegar ao poder máximo no México depois do fim da hegemonia do Partido Revolucionário Institucional (PRI), em 2000, ele ataca frequentemente o neoliberalismo, mas também ressalta que é preciso deixar as contas do governo em ordem e não gerar incertezas.

Algumas das suas propostas são tão simples de entender quanto complicadas de serem executadas. Para solucionar a questão dos milhares de migrantes de El Salvador, Honduras e Guatemala que cruzam o seu território a caminho dos EUA, Obrador ressaltou que o importante é respeitar os direitos humanos. Prometeu dar vistos de trabalho e falou em programas de desenvolvimento econômico. “É uma ideia um tanto romântica achar que, com boas opções no México, será possível conter a migração para os Estados Unidos. Sem que as causas estruturais e históricas da onda migratória sejam levadas em conta, é difícil que isso leve a algum lugar”, diz o sociólogo mexicano Ricardo de La Peña. Para reduzir a criminalidade, AMLO falou em militarizar a polícia, uma abordagem não muito diferente daqueles que defendem o uso das forças armadas. No combate à corrupção, sua principal bandeira junto à classe média, não se sabe ainda qual será a estratégia. “Todos devem se comportar bem, os cidadãos e as autoridades”, disse. A fim de dar exemplo, enviou ao parlamento a proposta de acabar com o foro privilegiado para presidente da República.

O novo presidente mexicano não advoga em favor de muitas das pautas da esquerda moderna, aquela que defende, por exemplo, o casamento gay e o direito das mulheres ao aborto. Nessas searas, ele prefere se omitir ou jogar para as calendas, dizendo que pode convocar algum referendo no futuro. O motivo da relutância em segurar tais bandeiras é que Obrador se diz cristão, admirador de Jesus Cristo e foi eleito com o voto evangélico. Seu lema, “não mentir, não roubar, não trair” é quase uma lista de mandamentos religiosos. Vamos ver se o Lula mexicano não pecará como o Lula brasileiro.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Lula nunca passou de um líder regional. Teve importância no Brasil, mas no exterior sempre foi ofuscado por personalidades mais fortes, como Chaves... Lula é um sindicalista que virou político. Corrupto, acabou preso. É só um criminoso comum que foi chefe de estado. A esquerda latino-americana, que só produziu ditadores, terroristas e corruptos, vive hoje o seu crepúsculo, felizmente.

  2. O nosso obrador está preso. Não podia ser mais adequado o nome do novo presidente do México para liderar a esquerda Latino Americana. Continuaremos obrando latinoamericanicamente.

  3. O AMLO vai ficar "pianinho". A eventual tomada de qualquer medida heterodoxa pode acabar com o seu prestígio junto ao eleitorado. Maduro que o diga. Dilma e Lula seguiram a receita comunizante do guru Dirceu e do Foro de São Paulo e deram com os " burros na água ".

  4. Se não mente, vende o jato, anda em vôo comercial e é honesto, ja não se parece em nada com o Lula. Se não se aliar com o narcotrafico, ja em nada se parece com seus pares esquerdistas da AL. Agora, com o mais médicos e as falácias dos direitos humanos, ja da sinais de que mesmo melhorzinho, vai levar o México pra onde todo esquerdista leva seu pais cedo ou tarde. para a MERDA!

  5. A direita mexicana era famosa pela corrupção mas pena que a turma da Nutela direitista brasileira não tinha nascido ainda para ver e saber disto...

  6. Discursinho manjado esse. A esquerda até tenta parecer diferente, mas usam o velho engodo para chegar ao poder e iniciar a destruição de um país.

  7. Gozado, falam que o Lula é um líder. Mas, líder de quem cara pálida? Meu é que esse pilantra presidiário não é. Pode ser que seja líder do pessoal do pão com mortadela, da petralhada com lavagem cerebral ou dos amiguinhos que gozavam das boquinhas. Tomara que esse presidente do México não siga os passos do molusco e não vá terminar na Papuda deles,

  8. Mais um vagabundo enganador. TRUMP tem que mandar fuzilar qualquer um que atravessar a fronteira. Nova opção mais tentadora para a camarilha do PT abraçar. Podem ir já se mudando.

  9. Ele é de esquerda, e qualquer elogio que se faça, tem que ser com um olho no gato! Mentir, ludibriar, manipular é a arte da esquerda.

    1. Verdade, um cidadão de bem, não pode ser migo de maduro, que já era para ter caído de maduro, para o bem venezuela.

    1. Há esquerdistas sinceros e do bem. Bem poucos no Brasil, e nenhum no PT, é verdade, mas existem. O mal da esquerda, mas que outros ideários políticos, é aglutinar num mesmo lugar almas honestas da social-democracia ou mesmo do socialismo utópico a uma maioria adepta do comunismo populista e ditatorial e de tudo o que de pior há na área...

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO