Ordem unida

09.11.18

A turma ligada a Jair Bolsonaro que pretende fazer frente a Rodrigo Maia na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados já articula propostas de segurança pública alinhadas ao discurso que deu a vitória ao capitão da reserva nas eleições. Aliado de primeira hora de Bolsonaro, o deputado-pastor João Campos, do PRB de Goiás, já tem um pacote adiantado de medidas, que incluem por exemplo o aumento do prazo máximo em que criminosos podem ficar na cadeia. Hoje, ainda que recebam penas mais altas, os presos não podem passar mais de 30 anos no cárcere. Campos defende a elevação desse teto para 50 anos. Ele tem se articulado com Onyx Lorenzoni, o futuro chefe da Casa Civil, e bate no peito para dizer que é também chegado a Sergio Moro, o titular do Ministério da Justiça do governo que começa em janeiro.

Cleia Viana/Agência CâmaraCleia Viana/Agência CâmaraJoão Campos, do PRB: linha direta com Onyx Lorenzoni

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Primeiro que esse tal de ONIX que para mim conheço como uma " pedra" não irá adiante. Por outro lado, é necessário que se avaliem penalidades , graus, penitenciárias onde cada preso tenha obrigação de fazer algo em prol dele e da coletividade e não pagarmos para eles, e; julgamento justo para presos de " roubos de galinhas" que ficam por muitos anos esperando julgamento!

  2. Aumento da pena e também do tempo para progressão. no minimo 2/3 da pena antes da primeira progressão. E o ideal seria o preso trabalhar para custear sua estadia e indenização da vítima.

  3. Muito bem. Apoiado! Excelente. E tem de aplicar duro!! Para alguns crimes deveria acabar com progressão de penas e ampliar o tempo de prisão; de 30 para 50 ou 60 anos.

    1. Preso condenado tem de trabalhar, ajudar a pagar sua estadia e aprender profissão.

  4. Excelentes ideias; e conforme o tipo de crime e progressão da pirâmide etária (ampliação da expectativa de vida) da população, esse tempo de apenação poderia aumentar. Por que não 60 anos?

  5. Acho pouco 50 anos. Também deve acabar se com visitas íntimas, saídas em datas festivas e outros benefícios. O preso deve trabalhar para pagar parte da despesa.

  6. Não tem necessidade de aumentar as penas. Basta mudar a Lei de Execuções Penais para que.o condenado cumpra a pena integral e não apenas 1/6 dela como em alguns casos. Prisão domiciliar é piada.

  7. Não dá para não concordar com ele. 50 anos é pouco para crimes hediondos; tem q ser como nos EUA prisão perpétua ou melhor ainda, pena de morte lenta e dolorosa. Incluiria tb nos crimes hediondos, fraudes bilionários nos cofres da União (nosso dinheiro dos impostos) o que diretamente incluiria o presidiário de Curitiba e seu bando ainda em atividade!

  8. Concordo com tudo! e mais: porque nao incrementar começando impor ao preso que pague seus custos de preso. Tais como ; alimentação, abrigo e tudo mais ....

    1. Excelente sugestão, deveriam pagar mesmo por suas despesas, não os contribuintes.

  9. Defender rigor punitivo é uma coisa, mas essa proposta já me cheira demagogia, para o sujeito ficar feito galinha quando acaba de botar o ovo.......ufanista

  10. Toda ajuda é sempre bem vinda,ajudar a plainainar o caminho pro Sergio Mouro trilhar esses deputados terão que trabal har coisa que não fazem há muita tempo projeto de mudança não vai faltar.

    1. Corretíssimo, tem que mudar a mamata da bandidagem!

Mais notícias
Assine
TOPO