Valter Campanato/Agência Brasil

Uma seita na Esplanada

O consórcio da corrupção instalado no Ministério do Trabalho dá a dimensão da ousadia de seus líderes. Em tempos de Lava Jato, eles preferiam o risco da prisão a deixar de roubar. E o pior: o Planalto avalizava a farra
21.09.18

Em um país de 13 milhões de desempregados, a combinação entre o velho fisiologismo e a burocracia caótica transformou o Ministério do Trabalho em uma máquina de fazer dinheiro. Dentro dela, sindicatos que teoricamente deveriam servir aos interesses de trabalhadores viraram braços para políticos praticarem desvios multimilionários e engordarem, assim, os próprios bolsos e suas estruturas partidárias. As engrenagens dessa máquina foram escancaradas pela Polícia Federal em uma investigação iniciada há mais de um ano. Na última terça-feira, a Operação Registro Espúrio foi a campo com sua quarta fase ostensiva. As provas reunidas até agora mostram que nada mudou na Esplanada dos Ministérios, apesar de a Operação Lava Jato estar há quatro anos colhendo políticos metidos em desvios. O retrato que emerge da operação é desolador. O governo Temer seguiu a cartilha dos governos do PT e loteou o ministério. Saiu o PDT, entraram o PTB e o Solidariedade. Com a caneta na mão, ambos partiram para aquele que ainda parece ser o objetivo maior dos partidos que se digladiam por cargos relevantes: arrecadar.

Chama a atenção o grau de ousadia dos envolvidos no esquema. Primeiro pelas fraudes toscas, incluindo falsificação de documentos, que davam origem aos desvios. Depois, pela coragem e pela desfaçatez com que os corruptos continuaram a agir mesmo após a deflagração da primeira fase da operação. Para a Polícia Federal, o esquema funcionava como uma “seita religiosa”. E a comparação, vale dizer, não é apenas retórica. Em mensagens interceptadas pelos policiais, os chefões eram tratados, em diferentes escalas, como “líderes”. Do alto da cadeia de comando vinha o aval para a primeira etapa: antes de tudo, era preciso ter as pessoas certas nos lugares certos. Os líderes tinham que, explicitamente, dar sua permissão. O processo, de acordo com as investigações, corria com pleno conhecimento da cúpula do governo. Documentos obtidos por Crusoé mostram que o Palácio do Planalto se encarregava de fazer a triagem e de averiguar o aval dos padrinhos de quem era indicado para os cargos de interesse da quadrilha. Desde que houvesse a chancela da “seita”, pouco importava o currículo do indicado.

Valter Campanato/Agência BrasilValter Campanato/Agência BrasilO deputado Jovair Arantes, do PTB de Goiás, também era líder da “seita”
Um exemplo ilustrativo de como isso funcionava está em uma mensagem de WhatsApp, datada de 25 de junho passado, que foi encontrada no celular de Helton Yomura, então ministro do Trabalho. Os tempos já estavam desfavoráveis para os políticos e seus apadrinhados que povoavam a pasta. No mês anterior, a Polícia Federal havia feito buscas nos endereços de caciques do PTB. Yomura, sem reservas, queria emplacar seu número dois no ministério. Nessa altura, ele envia uma mensagem para Carlos Henrique Sobral, número dois da Secretaria de Governo, aquela do ministro Carlos Marun. Sobral tem por missão gerenciar os nomes indicados por aliados para ocupar cargos no governo Temer. Chapa do notório Eduardo Cunha, ele está na função há algum tempo. Chegou com Geddel Vieira e lá ficou com Marun. Após receber a consulta de Yomura, Sobral é direto na pergunta: “Padrinhos?”. “Jovair Arantes”, responde o ministro.

Líder do PTB na Câmara, o goiano Jovair Arantes já tinha sido alvo da PF, mas isso não era motivo suficiente para criar qualquer embaraço. Muito pelo contrário. Um dos “sócios” do PTB ao lado de Roberto Jefferson, o deputado era um dos que mandavam e desmandavam no ministério. Seu aval, como “padrinho”, era um belíssimo cartão de visitas. Das quatro fases da Operação Registro Espúrio, três se concentraram no partido da dupla Jefferson-Jovair. Alvejado pelo mensalão, condenado e preso, Roberto Jefferson manda no partido e, em troca de apoio a Temer no Congresso, ganhou o direito de escolher o ministro. Primeiro, indicou a própria filha, a deputada Cristiane Brasil, cujo nome acabou vetado pela Justiça em uma longa e tensa novela. Depois, decidiu colocar no cargo o próprio Yomura. O ex-ministro logo passaria a figurar entre os suspeitos de atuar no balcão que vendia registros sindicais no ministério – o esquema, segundo a polícia, rendia 4 milhões em propinas a cada registro negociado.

Com o desenrolar das investigações, a PF avançou sobre outro partido que dividia com o PTB os cargos importantes do Ministério do Trabalho: o Solidariedade, do também notório Paulinho da Força. Na mais nova etapa da operação, deflagrada na terça-feira, os policiais pediram a prisão do advogado Tiago Cedraz, filho de Aroldo Cedraz, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido, mas autorizou que os policiais prendessem temporariamente um sócio do advogado e também o chefe de gabinete de Paulinho, Marcelo de Lima Cavalcanti. De acordo com a investigação, o grupo se dedicava à exploração de outro esquema, que também desviava milhões. O alvo era a Conta Especial Emprego e Salário, que é administrada pela pasta e custeia benefícios aos trabalhadores. Segundo a Polícia Federal, funcionários do ministério e advogados atuavam em conluio para, a partir de processos fraudados, sacar cifras vultosas da conta em nome de entidades sindicais. Estima-se que ao menos 9 milhões de reais tenham sido desviados.

José Cruz/Agência BrasilJosé Cruz/Agência BrasilPaulinho da Força, “dono” do Solidariedade: o partido atuava nas duas pontas do esquema
Uma das operações fraudulentas envolve a desconhecida Fetthebasa, a Federação dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade dos Estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Amapá. Na prática, a entidade era controlada por Paulinho da Força — seu presidente é, oficialmente, membro do conselho fiscal do Solidariedade. No total, a federação recebeu 3,8 milhões de reais irregularmente, sob a fajuta justificativa de que queria o ressarcimento de valores recolhidos a mais. Os homens de Paulinho, ao fim e ao cabo, atuavam nas duas pontas: em uma, pediam o dinheiro em nome da entidade e, em outra, autorizavam no ministério que o pagamento fosse realizado. Como a pasta estava dominada, não havia nem sequer o cuidado de disfarçar a esperteza. Em um dos casos detalhados pela polícia, o despacho no ministério ocorre antes mesmo de o pedido, em nome da entidade, ser protocolado. Em outro deslize da quadrilha, a rapidez com que tudo aconteceu foi o que chamou a atenção. Seria um recorde na burocracia federal se não fosse uma fraude. Houve quatro despachos no processo em um mesmo dia. Um em Brasília, outro em Goiânia e, depois, mais dois em Brasília. Detalhe: a entidade beneficiária do pagamento irregular é da Bahia.

Na “seita religiosa” montada para desviar dinheiro no Ministério do Trabalho existiam até gradações de liderança. Na parte que cabia ao PTB, havia “líder maior” e “líder”, expressões que o próprio grupo utilizava em mensagens de celular para se referir aos manda-chuvas. O título mais nobre, de líder maior, era de Roberto Jefferson. Abaixo dele, estava o deputado Jovair Arantes. As entranhas do caso foram expostas por Renato Araújo, que chefiava a área de registro sindical do ministério e foi preso em maio deste ano. Delator, ele tentou justificar sua própria participação no esquema. Disse que se não obedecesse às ordens dos políticos seria demitido imediatamente. No balcão de venda de registros sindicais, ele contou, o modus operandi da seita tinha etapas a serem seguidas de acordo com as orientações dos caciques do PTB. Se tecnicamente o pedido fosse inviável, tudo era feito e refeito de modo a atender as ordens. Sempre mediante o pagamento da propina, que em última instância era destinada aos chefes.

Ao Palácio do Planalto não cabia apenas o papel de avalizar os nomes que os partidos acomodavam no ministério para fazer o esquema funcionar. Em pelo menos um caso, um assessor do presidente Michel Temer também aparece como “cliente” do balcão. Renato Araújo, o delator, contou que em maio do ano passado foi chamado ao palácio por Tadeu Filippelli, então assessor especial do presidente, que queria aprovar o registro de um sindicato. O pedido não foi adiante por uma razão prosaica. Na semana seguinte ao encontro, Filippelli seria preso. Não por isso, mas por suspeitas de desvio de dinheiro público nos tempos que ele era vice-governador do Distrito Federal.

Quando efetivou Helton Yomura como ministro, em abril deste ano, o presidente Michel Temer discursou com pompa no Planalto: “A prioridade número um do nosso governo, o Helton já sabe disso, é a criação de empregos. E nisso eu tenho a absoluta convicção, Helton, que você estará empenhado dia e noite. Quando digo dia e noite, é para terminar meia-noite”. A missão, como é possível perceber, não foi cumprida como o presidente anunciou diante das câmeras. A seita tinha outras prioridades. E o Planalto, do exigente Temer, sabia bem disso.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O grande culpado e incentivador dessa MÁFIA chama-se GILMAR MENDES (vulgo "LAXANTE"). Protetor de corruptos e gigolô da corja de advogados defensores, LAXANTE está sempre pronto para negociar a venda de habeas corpus livrando da cadeia qualquer bandido em tempo recorde. Por que diabos alguém deveria ter medo do xadrez diante do "garantismo" intocável do LAXANTE??!! Enquanto a "justiça" desse país estiver nas mãos de delinqüentes institucionais (vitalícios) como LAXANTE, a corrupção não acaba!

  2. Depois dizem que não se pode criminalizar a política. Até têm razão os que dizem isso porque não se pode criminalizar o que já é criminoso. O pior de tudo é que, aparentemente, serão eleitos os mesmos criminosos políticos que estão, inclusive aqueles que ainda não são criminosos políticos, mas já atuam na área. Grande parte dos eleitores brasileiros estão emburrecidos pelo voto inútil, digo, útil. É esse tipo de voto que leva tudo a ficar como está para ver como é que fica. E fica péssimo.

  3. Esse Roberto Jefferson precisa ir pra cadeia de novo. Será que desta vez ele também vai se curar de uma cancer de pâncreas???? caso raro na medicina .... mas para corruptos , nada é obstáculo e sempre tem alguém disposto a vender diagnóstico...

  4. Lendo percebo que será muito difícil se conseguir continuar a limpeza geral da nação, são muitos os envolvidos! Infelizmente as noticias de conchavos para parar a lava jato tem indícios fortes de veracidade... eles não entregarão seus podres poderes facilmente e as eleições pouco contribuirão se o embate Bolsonaro x Haddad e concretizar e os demais eleitos contarem com os mesmos que lá estão... depressível!

  5. Quando tudo isso acabará?meu Deus,para todo lado que se olha há esquemas de corrupção.Editores da Crusoé, façam uma reportagem sobre o esquema chamado "maus caminhos" que ocorreu aqui no Amazonas, é estarrecedor.

  6. Esses Zé manes entram na política, fundam partidos só para explorar o povo!!! Não estão nem aí com a moral, o negócio deles é roubar, querem se dar bem! O povo que se exploda!!! Uns FDP E esse velhote Roberto Jeferson já foi preso, e não aprendeu nada! Cafajeste, sempre cafajeste!

  7. O Brasil tem que ter um exército de Moros, Deltans, Ancelmos, e outros brilhantes, e uma Lavajato em cada cidade, porque não é só em Brasilia, é em tudo, tem que limpar tudo, não reeleger os corruptos, por "menores" que sejam.

  8. Helton Kawasaky, Javaisair Antes, Paul of Force, Thomas Jeferson, Chris Brasil's, Roy Rogers , Brad Pitt, Shakira, Hoppalong Cassidy, que porrrra é essa Roussoff?

  9. E a minha ex- empregada nao conseguiu nem receber auxilio desemprego. Ou sacada o FGTS ou " escolhia" o auxilio- desemprego!!! E com os pagamentos todos em dia!!! Vergonha total!!!

  10. E tem otário que chama o cretino do Jefferson de "herói" e ainda o safado é ovacionado pelo povo trouxa. Dedurou o Lula e seu Mensalão e em troca se apossou de parte do Estado. Ele e o escroto nojento do Paulinho. Olha o tipo de gente que está no controle do Estado. Brasil não tem jeito. O destino é ser mais uma merda na América Latina. O povão quer isso.

  11. Leiam o livro: Por que o Brasil é um país atrasado? (Luís Phelippe de Orleans e Bragança ). Ali está a resposta pra essa desgraça. Mas que dá vontade de pegar um trabuco, isso dá, e eliminar esses FDP!

  12. O Brasil tem jeito sim! Nós pessoas do bem, nos escondemos em nossas desculpas e deixamos os bandidos tomarem de assalto o Brasil, aí está. Não teremos um governo militar. Teremos um governo de militares, com resgate da ordem, disciplina, respeito e responsabilidade. Com minha experiência, honestidade, disposição, vontade e civismo, quero ajudar a RECONSTRUIR esse grande BRASIL. "... ou ficar a Pátria livre, ou morrer pelo BRASIL. BRASIL ACIMA DE TUDO E DEUS ACIMA DE TODOS.

    1. DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA & LIBERDADE! Nossa Bandeira é Verde e Amarela Não permitiremos a Venezuelização do Brasil!

    2. Um país sem leis, como pode acontecer isso ? Onde estão auditores, controladoria de verbas ? Revoltante e ninguém é punido .

  13. Aqui no RJ tem gente do MT que vende a emissão da carteira de trabalho. Um absurdo. O cidadão não consegue agendar por telefone, e tem que se sujeitar a isso. Bolsonaro Presidente!!

  14. É por isso que estão com medo do Bolsonaro: isso é MEDO, quando PT, PSDB, MDB, centrão querem uma "frente democrática" ( FHC ???) para enfrentar os riscos de uma ruptura nacional. Já pararam pra pensar o que vai acontecer com esses políticos, com esses esquemas, com esses ministérios? Eu não ia votar no Bolsonaro, mas a cada matéria, a cada reportagem e.mentiras forjadas na grande"mídia nacional", não tem como não pensar em mudar essa situação.

  15. 17 mil sindicatos no Brasil. Ficamos indignados com estas informações e com outras milhares que nos chegam. Do sofá de casa, não dá para esperar que alguém faça alguma coisa, nem elegendo 1000 Bolsonaros. Temos que voltar às ruas e ir para cima desta canalha. Nosso país está infestado de canalhas em toda máquina pública federal, estadual e municipal. Não se acaba com 200 anos de corrupção da noite para o dia. Vide o presidiário mandando e desmandando na cara de todas as autoridades judiciárias.

  16. o Brasil precisa mesmo de algo "novo". O país precisa romper com "o pior da raça humana" encastelada há décadas nas teias do poder. É gente suja, imoral, que sempre praticará e promoverá a desonestidade. Essa gente só pensa em roubar a coisa pública, acorda e deita maquinando o malfeito. E ainda treinam herdeiros de sangue para perpetuar a maldade. De pai para filho(a), submetem o Brasil à sina maldita do vilipêndio, da humilhação, do atraso, da pobreza, da... Até quando suportaremos isso?

  17. Eles, os políticos criam os esquemas, e quem for contra ou atrapalhar, o PCC e o Cv, ou outras gangues eliminam. Simples assim. A certeza da impunidade faz tudo. Que certeza é essa? Gilmares, Lewandowskis, Tófollis da vida....

  18. Desfaçatez, assim como falta de vergonha na cara, é a melhor definição para tudo isso. E só prospera, porque o Judiciário é lerdo, relativista e relutante em agir com o rigor da lei. É como adubo em terras repletas de ervas daninhas.

  19. Temer é tao bandido quanto seus aliados petralhas.E os idiotas dos trabalhadores pagando com um dia de trabalho anual o esquema azeitado por estes ladrões. Estes sindicatos de ladrões precisam acabar , mesmo.

  20. O sindicalismo é um câncer social, os sindicalistas não valem o que defecam. Quanto mais investigarem maior será a podridão a ser mostrada. O drácula é conivente com tudo o que não presta na política.

  21. Previsíveis todo o tempo. Só pensam em roubar. Povo sem graça....revista sem graça, sempre a mesma coisa! Nada mais entediante!

  22. A Lava Jato, O Antagonista, e agora a Crusoé, formam uma frente na justiça e no jornalismo sério contra a esquerda corrupta! Com Bolsonaro na política o comunismo no Brasil sofrerá o seu golpe mortal definitivo! Parece que nem tudo está perdido no país!

    1. Exatamente Luiz. Vide a entrevista do Deltan nessa edição. O problema não está em partidos específicos, seja de direita ou esquerda, mas nos políticos corruptos. E eles estão em todos os lados, PT, MDB, PP, PTB, PSB, etc, etc. Simplista e perigosa é a noção de que a esquerda é corrupta, porque deixa a ideia de que somente a esquerda é corrupta.

    2. Eu não gosto da esquerda. Sou liberal mas temos que tomar cuidado em ficar rotulando tudo de esquerda. Vai parecer que quem não se diz de esquerda é honesto. E sabemos que os bandidos de colarinho branco não estão nem aí para a ideologia. Vão seguir a ideologia que deixa roubar.

  23. Depois das trabalhadas de Dilma, o pior aconteceu ao Brasil: Michel Temer. O ladrao de casaca! TOSCO! Um verdadeiro mordomo de filme de terror. Quem mata com mais frequência em Ágatha Christie, Sherlock Holmes, etc. Foi o pior a acontecer pro meu país!

  24. Cleptocratas nos 3 poderes! Desculpe...nos 4 poderes. A Mídia! Exceto poucos como O Antagonista e agora Crusoé, a mídia brasileira recebe bilhões para manter esse esquema podre e corrupto.

Mais notícias
Assine
TOPO