Um ex do barulho

30.04.21

Ex-diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello segue protagonizando cenas controversas em sua nova carreira de advogado. Sócio de uma das maiores bancas do país, ele atua hoje na defesa da JBS em uma disputa comercial bilionária que foi parar na delegacia depois de um diretor da companhia se dizer ameaçado de morte a mando de empresários rivais. Já se sabia que Daiello assinou um parecer anexado aos autos usando sua expertise de policial. Agora, surgiu a informação de que ele agiu, pessoalmente, para colocar uma testemunha do caso a bordo de um jatinho dos irmãos Joesley e Wesley Batista e levá-la do Espírito Santo até São Paulo, para prestar depoimento a favor de seus interesses. O relato foi feito pela própria testemunha, em um livro sobre a rumorosa pendenga comercial. Não é a primeira vez que o ex-diretor da PF aparece atuando de forma exótica, digamos assim, em investigações de interesse de seus clientes. Tempos atrás, ele trabalhou a favor de um empresário que teria sido extorquido por policiais civis paulistas, também a mando de um rival. Como nos velhos tempos de delegado, Daiello saiu a campo para negociar uma solução para o caso e, junto com um colega, ameaçou de prisão o homem acusado de tentar tomar dinheiro do executivo que o contratara.

Fernando Frazão/Agência BrasilFernando Frazão/Agência BrasilLeandro Daiello, ex-diretor da PF, agora atua como advogado

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Sinceramente? Não captei o verdadeiro objetivo dessa notícia. Ou seria um recado pra alguém? Vê se dá pra explicar melhor, meu chapa. apscosta/df

    1. Você tem razão, Álvaro. Notícia sem pé nem cabeça. Qual o problema de mandar um jatinho privado buscar uma testemunha para depor em favor do seu cliente?! Haverá problema se ela for instruída pelo advogado para mentir. Quanto ao outro caso, se alguém estava extorquindo o cliente do ex-delegado e hoje advogado também não vi problema algum em sua conduta de convocar a polícia e ameçar de prisão quem estava extorquindo. É cada uma...!!

    1. Marly, vc está certa. Se ele hoje é advogado seu trabalho é defender o cliente inclusive orientando o depoimento do cliente e suas testemunhas. Que matéria mais idiota.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO