Sob Bolsonaro, Golbery & Darcy

23.04.21

Está em vias de sair do papel o plano do general Eduardo Villas Bôas de lançar uma coleção de 200 livros que ajudam a compreender a formação do Brasil e do povo brasileiro. O projeto foi desenvolvido antes mesmo do início do governo Bolsonaro por um grupo de intelectuais e militares que trabalharam na equipe de transição. A ideia, desde a partida, era contar com financiamento do Ministério da Educação. Na gestão de Abraham Weintraub, o plano ficou escanteado. Só foi retomado a partir da posse de Milton Ribeiro. Agora, os livros serão lançados pelo Instituto Villas Bôas, a entidade que o ex-comandante do Exército fundou depois que foi para a reserva. O MEC bancará uma parte do projeto e outra será custeada pela iniciativa privada. Os livros serão distribuídos para escolas públicas de todo o país. A equipe que editará a coleção já está formada e, a quem questiona se não se trataria de um projeto para difundir o ideário bolsonarista e militar, tem a resposta na ponta da língua. Diz que se trata, sim, de um projeto de cunho político, mas não ideológico, porque trará ideias diversas sobre o país. Se de um lado a lista inclui Golbery do Couto e Silva, homem forte da ditadura, de outro também terá as de Darcy Ribeiro e Gilberto Freyre, por exemplo.

Agência SenadoAgência SenadoGeneral Villas Bôas: livros irão para escolas públicas de todo o país

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Marcio, se.vc não entendeu a ironia do Roberto, isso significa que o o Lullla venceu mesmo!!!!!!!

  1. Hummm!!! Parte bancada pelo MEC ? Com objetivo de ser distribuída nas escolas? Tudo pela cultura . Mas se a obra tem cunho político , ainda que não ideológico , seria preferível deixar as escolas fora !! Melhor aprofundar em livros didáticos de história, escrito por historiadores e gente da área pedagógica ...

    1. Infelizmente, historiadores e pedagogos também são frequentemente ideológicos.

  2. Ainda bem que veio antes desse desgoverno. Livros são ótimos. Nem o mandrião que nos desgoverna nem o corrupto endeusado da lingua presa lêem livros. Isso ajuda a explicar a mediocridade de ambos.

  3. Como professora,A última coisa que eu desejo ler ou recomendar é QUALQUER livro que venha deste governo Bolsonaro.O maior destruidor da já fraquíssimo educação brasileira.Rejeito. .

    1. voces como professoras são os responsaveis por esta educação horrorosa do brasil. fraquissimo são suas ideias e são uns preguissosos( greve, licença medida, aposentadoria precoce). aaa vai te catar!!

    2. Se for vendido ao público em geral, comprarei, quero ver o contraditório e suas várias visões de mundo.

    3. Professora, mas não devia ser! É só uma ignorante q está doutrinando crianças, adolescentes ou universitários. Por causa de pessoas como vc estamos onde estamos. A coleção tem diversos autores de várias linhas políticas e MESMO q fosse só da linha contrária à sua, deveria, como professora, se abrir ao contraditório e ler autores c/ os quais descorda. Como professora, deveria procurar a verdade e dispor a seus estudantes várias visões de mundo. Como doutrinadora e doutrinada prefere a ignorância.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO