RuyGoiaba

Aberta a temporada de caça

23.04.21

Faltam um ano e meio e sabe-se lá quantas centenas de milhares de mortos por Covid até as eleições de 2022 — se é que o Brasil vai sobreviver nesse longuíssimo prazo —, mas as patrulhas já estão nas ruas das redes sociais. O objetivo delas, por enquanto, não é bater nos seus rivais diretos, mas eliminar a concorrência em seus próprios campos até que não sobre nada além de Jair Bolsonaro e Lula na paisagem devastada. Quase fiz uma piada sobre o Comando de Caça aos Centristas, mas percebi que há também um Comando de Caça DOS Centristas, e só falta eles pegarem o primeiro incauto que passar na rua: “Ei, você! Venha aqui ser o candidato da terceira via!” (levar a sério a viabilidade de Tasso Jereissati como “Biden brasileiro” já está mais ou menos próximo disso).

Podem reparar: enquanto os bolsominions se dedicam a bater muito mais em João Doria do que em Lula, os lulaminions hoje estão menos empenhados em atacar Bolsonaro do que em detonar Ciro Gomes e outras ameaças ao seu “público” — como em 2014, quando caíram em cima de Marina Silva e ajudaram Aécio Neves a ir ao segundo turno contra Dilma Rousseff. Vão continuar dizendo que, sim, apoiam a CPI da Covid e o impeachment do Imbecil Lombrosiano, mas só para não ficar feio: de vez em quando, até aparece algum petista sincero demais nas redes ou em cloacas como o Brasil 171 para admitir que tirar já Bolsonaro do poder não lhes interessa. E, sobretudo, vão continuar patrulhando o jornalismo que ouse ser qualquer coisa menos que reverente a Sua Lulidade.

Na semana passada, o caso de Pedro Bial, que cobriu a queda do Muro de Berlim e sobreviveu a inúmeros BBBs, ofereceu um ótimo exemplo do que as patrulhas fazem com quem pisar fora da linha. Bial contou ao Manhattan Connection que Lula só aceitava dar entrevista para seu talk show se fosse ao vivo, por não confiar na edição do programa, e ironizou: “Ao vivo, só com polígrafo”. É o tipo de comentário de que todo mundo riria se fosse sobre um Paulo Maluf; como foi sobre o Deus-Sol, o mundo caiu. E não foi só o “credo, que grosseria”: pipocaram nas redes sociais um vídeo com Bial falando bem do glorioso Olavo de Carvalho (mas que cortava os elogios a Jean Wyllys na mesma sentença) e até acusações de violência doméstica, que são “baixaria” apenas quando vêm de rivais.

O entrevistador respondeu em um artigo na Folha e disse ter chamado Lula de mentiroso não como apelo ao clichê “políticos mentem”, mas por um episódio específico: o relato completamente distorcido que a alma mais honesta do Brasil fez de sua entrevista logo após estourar o mensalão, no final de 2005. Aquela mesma em que Lula, dramático, disse ter levado uma “facada nas costas”, que o PT tinha errado e ainda precisaria “sangrar muito” etc. Exibida no Fantástico no início de 2006, a entrevista marcou o início da recuperação do petista, que se reelegeria presidente naquele ano — mas, em 2014, já estava sendo usada por Sua Lulidade como caso de “agressividade” e “falta de educação” da mídia má.

E qual foi a reação depois que Bial publicou seu texto na Folha? Claro: voltou a ser acusado de falta de profissionalismo (“quanto rancor com um episódio de anos atrás!”), como já tinha sido antes por causa da “grosseria”. Supõe-se que “profissionalismo” nesse caso equivalha a reverência absoluta: o Deus-Sol pode tudo, desde impor entrevista ao vivo por “não confiar na edição” — aliás, Lula também exige poder de veto sobre entrevistadores em programas como o Roda Viva; Bolsonaro está longe de ser o único que prefere lidar só com a mídia amiga — até mentir descaradamente sobre uma conversa facílima de achar na internet. Qualquer resposta a ele diferente de SIM, SENHOR é chutar a santa. Ou pior: ser fascista, colaboracionista, bolsominion — acusação que só funciona contra os Simpáticos à Causa do Bem, com efeito zero nos reais vendidos ao bolsonarismo.

Enfim, a temporada de caça foi aberta, e é bom para o leitor ficar sabendo desde já que não é de bom-tom querer nada diferente de um ringue com Bolsonaro e Lula em 2022: nem mesmo ejetar o primeiro do poder AGORA, se possível para ontem (a dica é fingir que quer o impeachment, mas sem se esforçar muito). É como disseram no Twitter sobre o atual governo, mas vale para o Brasil: temos de reconhecer que hoje estamos muito melhores do que na semana que vem.

***

A GOIABICE DA SEMANA

Desta vez não teve para ninguém: só deu a primeira-família no meu ranking semanal de cretinices. Eu pensava que nada poderia superar o Evangelho Segundo Jair Bolsonaro: “Tem uma passagem bíblica, se não me engano, quando Jesus dividiu o pão. Depois ele deu uma desaparecidinha, né? Daí o povo foi atrás. Foi atrás de Jesus pra quê? Pra mais benefícios pessoais. Fizeram a ligação com o PT dando bolsa isso, bolsa aquilo?”. Deve ter sido a primeiríssima vez que um rival político comparou o PT a Jesus: o vídeo da campanha já está prontinho.

Mas aí aparece o inacreditável Carlos Bolsonaro e supera o papai: em uma discussão na Câmara Municipal do Rio, Carluxo conseguiu ver “ideologia de gênero” em um trecho da Lei Geral de Proteção de Dados que fala em “autodeterminação informativa” (e que não tem NADA a ver com alguém se autodenominar homem, mulher, tigre, jacaré etc., como entendeu o vereador federal: é o direito de a pessoa exercer controle sobre o uso dos seus dados pessoais). Como resumiu O Antagonista, Carluxo confundiu LGPD com LGBT: o filho 02 de Jair Bolsonaro, como aliás seus tuítes demonstram, é a versão 2.0 da Dona Bela da Escolinha do Professor Raimundo. Só pensa… naquilo.

Reprodução/TV GloboReprodução/TV GloboZezé Macedo, a Dona Bela da Escolinha, interpretando Carluxo na Câmara do Rio

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vale a campanha: "Eu não acredito em quem acredita no Lula. " O Brasil precisa urgente de algum candidato que não seja ladrão nem doido babão.

  2. Pela dificuldade de fazer grandes coisas, melhor comparar ações medíocres com outras piores. Por isso, melhor tentar apagar aquelas possivelmente melhores. Provavelmente, os únicos bons concorrentes dos dois pilantras são eles mesmos.

  3. Bom texto, mas uma observação: se fosse o Bolso (ou o Olavo ou qq outro q a “intelligentsia” não gosta) que ficasse chamando adversários de “imbecis lombrosianos” , já seria tachado de nazista, preconceituoso e ignorante (por acreditar em teorias mais do q ultrapassadas), etc e tal. Não adiantaria Bolso, Olavo ou qq outro dizer q foi ironia, expressão para satirizar o adversário, etc; esta citação seria a prova eterna de q que o sujeito é nazista, preconceituoso, etc.

  4. THE BRAZIL TRASH - manchetes da semana: Incendiário promete apagar fogo Corruptos suspeitam de juízes Farsante rouba marqueteiro de ladrão

  5. Pô Ruy, vou dar uma força pra vc aqui, mas peço para fazer jus na próxima edição pq essa edição de CRUSOÉ foi a mais "goiaba" de todas e comentar como conseguiram esse feito!!! É só vcs avaliarem a qtde de comentários por matéria após 15 hs da publicação, pífio ! Até o "buteco" do "seu não sei quem" , mesmo teoricamente fechado, deve ter servido um n° de doses de "mé" superior o n° de comentários aqui. Os leitores de CRUSOÉ não são "goiabas" para se iludirem com indução política. Acordem, espero

  6. Goiaba, hoje eu comecei por você porque não sofrer. De todas a do Carluxo foi a melhor 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  7. Aliás, essa coluna se superou hoje! Lula, o Deus-Sol. Acho que não é necessária eleição. Podemos fazer uma aclamação e então seremos governados pela alma mais honesta de Banania.

  8. Goiaba, a goiabice da semana é que os comentários estão quase tão engraçados quanto o seu texto. Ô gente danada, a tal gente brasileira.

  9. Goiaba No programa Direto ao ponto, o filho 03 dessa linhagem de mamíferos não catalogados, referiu-se a Vargas Llosa como Vagner Llosa.

  10. Um Goiaba diferente desta vez, com pouca diversão. Mas sincero, e temo que profético, acerca das nulas opções para 2022. Faço eco ao Mainardi: seguimox todos rumo ao fim-da-picada.

  11. De 4 em 4 anos, tornamo-nos mais pobres, mais ignorantes, menos industrializados, menos qualificados, mais párias internacionais, mais apáticos, mais egotistas, menos importantes, etc etc. Nossa "democracia" faz mal...

    1. Aliás, pegando carona no seu comentário, alguém acha, como eu, que a história não julgará nossa versão da democracia com bons olhos?

  12. Adorei a foto da Zezé Macedo, a recordista brasileira em participações em filmes. Grande homenagem, mas não comparem ao carluxo.

    1. Entendi. Não atentei para o segundo sujeito (centenas de milhares de mortes). O verbo antecipado também pode concordar só com o primeiro sujeito. As duas construções estão corretas.

    2. Seria correto se faltasse somente um ano e meio. Contudo, falta também centenas de milhares de mortes ... assim faltam.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO