MarioSabino

Tuiteiro não é jornalista

15.01.21

O bolsonarismo criou a figura do comentarista que se considera jornalista sem nunca o ter sido. Fico surpreso com a quantidade deles. O sujeito passa o dia inteiro no Twitter e um belo dia (pode ser também feioso) lá está ele no rádio e na televisão, armado de um microfone coloridão, dando palpites sobre qualquer assunto que lhe despenque pela frente, e sempre com ares de sapiência, o que está longe de ser atributo de um jornalista. É curioso que sob o bolsonarismo tenham surgido tantos comentaristas que se acham profissionais da imprensa. Ao mesmo tempo, é explicável pelo desprezo que o bolsonarismo nutre por jornalistas. Trata-se de substituí-los por “gente nossa”. E quando a “gente nossa” se arrepende das fidelidades prestadas, ela recebe dos bolsonaristas o atestado de integrante da “extrema imprensa”. Ou seja, o comentarista criado por eles se torna ainda mais jornalista aos olhos de si próprio e do seu novo público.

Não é preciso ser jornalista para ser comentarista, mas — surpresa, surpresa — é preciso ser jornalista para ser jornalista. Nada a ver com carteirinha de imprensa, que qualquer energúmeno pode tirar. Jornalista é quem apura e escreve reportagens, além de fazer entrevistas para ganhar a vida (não, não basta ligar uma câmera e bater papo com um amiguinho ou brigar com o inimiguinho). É quem se considera ignorante em todos os assuntos e, por isso mesmo, não tem vergonha de perguntar o tempo inteiro e se dedica a acumular dados e histórias que podem embasar as próximas reportagens e conversas. Jornalista erra e não tem vergonha de corrigir-se. Jornalista é aquele que, na condição de repórter, submete-se à tirania de editores mais experientes na tarefa diária e quase sempre aborrecida de reportar os fatos — e dá uma banana ao emprego quando acredita que os editores nada podem ensiná-lo. Ele também pode tornar-se tirano da geração sucessiva, se esse for o seu perfil. Se você não fez nada disso, não é jornalista.

Há jornalistas bons e ruins, o que inclui ser honesto ou desonesto, mas não há como evitar o seu histórico profissional para que mereçam ser elogiados ou xingados como gente do ramo — ou seja, que tenham gastado sola de sapato e se esfalfado numa redação, em fechamentos quase sempre extenuantes. O PT lançou mão de jornalistas desonestos para lançar blogs sujos financiados por Lula; o bolsonarismo fez o mesmo, mas é dele a invenção dos comentaristas que se consideram jornalistas. O êxito da estratégia é um dos subprodutos da ampliação das redes sociais. E, assim, cá estamos nós cheios de comentaristas bancando os profissionais da imprensa e fazendo crer que opinião é fato, um belo insumo para a indústria das fake news. Tanto é que os leitores nunca confundiram tanto artigo com reportagem. Muitas vezes sou criticado ou elogiado aqui pela minha “reportagem”. Reportagem é o que os repórteres da Crusoé publicam. Aqui, sou um mero escrevinhador de artigos.

O jornalismo sempre contou com colunistas que podem falar com propriedade sobre assuntos nos quais são especialistas ou cuja abordagem serve para revelar lados eclipsados pela obviedade. Nesse caso, é uma vantagem que não sejam jornalistas, por ter capacidade de análise mais profunda e, em alguns casos, inteligência privilegiada, como é o caso de Machado de Assis e suas crônicas políticas. Num antes relativamente recente, coisa aí de dez anos, para um jornalista ganhar coluna, era preciso que ele tivesse ralado nas editorias por que passou e adquirido o que vou chamar de notório saber sobre esse ou aquele tema. Fora da Folha de S.Paulo, não era coisa para muita gente. Como a opinião vem se sobrepondo ao fato, por uma questão mercadológica os jornais passaram a dar voz própria não apenas a tuiteiros como a repórteres imaturos que, com pouco tempo de profissão ou sem nenhum talento outro que o de jogar para a galera, tornam-se articulistas de uma semana para outra. O resultado é o empobrecimento geral do tal do debate e, por tabela, um estímulo à divulgação pantagruélica de mentiras, em meio à balbúrdia opinativa amplificada também pela própria imprensa. O colunismo é uma doença infantil do jornalismo, só que agora em caráter epidêmico.

Ler sobre a minha profissão é uma chatice, assim como escrever sobre ela. Mas colunista que se preza tem de encarar alguns desertos que julga importante atravessar e não fica preocupado com a quantidade de comentários que recebe, sejam eles favoráveis ou não, embora seja um prazer receber os do primeiro tipo. Devo estar me repetindo em algum pedaço, peço desculpas. Campeonato de popularidade não é comigo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Nunca houve motivos racionais para o diploma de Jornalismo ter caído no Brasil. Nenhum argumento apresentado à época me convenceu. Oportunismo daquele governo. Para completar, vivemos uma transição profunda para uma racionalidade tecnológica cada vez mais pragmática, esvaziada de sentido. Nós professores não sabemos mais se somos youtubers, tuiteiros, se faremos pod cast, lives, hangahouts. É meu caro, não está fácil para ninguém! O dilema é geral, rende pano pra manga e longas histórias...

    1. Em tempo: "Pode ser também feioso" foi demais...rsrsrs!

  2. Na mosca, Sabino. A propósito, outro dia tive a pachorra de contar quantos colunistas e blogueiros escrevem na Folha digital, sem importar a periodicidade. Parei quando cheguei em 100. É muita opinião e pouca substância (com as exceções de praxe, claro).

  3. E dai Mario ? O que ganhamos e temos hoje com os "profissionais" da informação ? A imprensa mais ideologicamente comprometida e, como consequência, menos confiável possível ...

  4. infelizmente, para os senhores repórteres, essa profissão não pode ser regulamentada para que continuamos viver em uma democracia. Vocês estão sofrendo do excesso de concorrência que está assolando muitas profissões, mas os melhores sempre prevaleceram, apesar da estrada tornar-se um pouco mais turbulenta.

  5. Por mais críticas que se tenha em relação ao atual governo, não jogue na conta (só) dele as opiniões rasas desses comentaristas que proliferam na imprensa em geral. São sim, profissionais despreparados, superficiais e medíocres em suas abordagens, militantes à esquerda e à direita movidos em sua maioria por uma militância nojenta. O que nós, leitores e telespectadores enfadados, temos feito: cada vez mais seletivos, cancelado assinaturas e/ou usado o bom e velho controle remoto.

    1. Concordo, essa é a realidade. Para o bem ou não, as redes sociais deram acesso a todos, inclusive para os que acham que entendem de futebol e política. Isso tudo vai amadurecer, refinar e melhorar. O importante é que a informação é livre e democrática. Cabe a cada um aprender a utilizar filtros.

  6. É bem isto Mario e creio que o conselho dos jornalistas é tão ruim como os outros. Estes a quem se referes são torcedores e não profissionais

  7. Temos hoje veículos de imprensa que tem mais de 60 articulistas. Pra quê tudo isso? Jornalista e Veículo de Imprensa não é só aquele que não mente, mas aquele que não omite também! Parabéns pelo seu texto lúcido!

  8. Jornalistas tem nome e sobrenome. O que publicam deve ser checado e re-checado. E o artigo é revisado por um editor. Pagam pelos seus erros com o seu emprego, credibilidade e, às vezes, com processos judiciais. Esses jornalistas de araque das redes sociais, não tem nada disso. Às vezes, até o nome é falso. Jornalistas ocasionalmente são chatos, arrogantes e ignorantes. Mas são absolutamente fundamentais.

  9. Rapaz! Mas...faz tempo que vocês são os perfeitos tuiteiros. Quer um exemplo? Dizer que tem Bolsomaristas na fila da vacina Coronavac. Isso é jornalismo? Não. É tuiteiro. Jornalismo é isento, informa, não tem lado. A opinião é do leitor. Atualmente só tem editorial.

    1. Nunca existiu jornalista nem veículos de informação sem ideais. Quem tem ideais, assume o que pensa. Até jornais foram fundados para tentar influenciar politicamente. Todo mundo sabe que a Folha de São Paulo, Estadão, Organizações Globo têm seu lado ideológico e fazem campanhas abertas para eleger seu preferido ou desconstruir seu inimigo principal. Lembro-me da eleição de Collor de Mello, escolhido da Globo, não porque fosse o melhor candidato. O propósito era desconstruir Brizola.

  10. Agora precisamos separar bons e imparciais jornalistas de apoiadores que vivem as custas de suas ideias. Discernimento é o básico; ter capacidade de separar o joio do trigo.

    1. Seguidores do Bolsonaro e ele mesmo são na verdadeiros analfabetos funcionais. Simples assim.

  11. O jornalismo antigo até podia ser como o retratado, MAS hj não. Jornalistas atualmente se julgam verdadeiros oráculos! Ai de quem discordar.. Tb é importante lembrar q foram jornalistas q começaram “empoderar” (sub) celebridades ignorantes cujas opiniões são consideradas o supra sumo da inteligência e da verdade (e ai de quem discordasse).. No mais, a diferença entre fato e opinião é muito tênue.. nenhum “fato” é passível de ser descrito em sua completa totalidade (e pela metade é quase opinião)

    1. Muito bem, jornalista da nota. Quem deveria emitir opinião são os especialistas. Hoje jornalistas opinam sobre o que não conhecem, opinam o que acham justo ou não, é opinam como são pagos para fazê-lo, ou pelo jornal, patrocinador ou como os que recebiam chequinhos dos doleiros. Há também os que só entrevistam especialistas que têm a mesma opinião que eles ou unicamente os político$ amigo$. A maioria dos jornalistas são tão honestos quanto os políticos, se completam.

  12. Pelos comentários aqui postados, esse peseudojornalista Mário Sabino (sabe nada!) deve ter um s#@$% de elefante. Só há baba aqui ovos disputando em qual testículo vai dar uma mamadinha.

  13. Pego o gancho para explicitar a minha decepção com o Jornalista e Comentarista Alexandre Garcia. Confesso minha ingenuidade e ignorância em estabelecer juízo de valor jornalístico. Pergunto: O que aconteceu com o outrora brilhante Jornalista e Comentarista?

  14. 👏🏼👏🏼👏🏼👌🏼 Bem vindo de volta! Continuem na linha em que estão. Está ótimo. Parafraseando o Mestre: Alienados, sempre tereis convosco.

  15. BOM DIA!!! Mario, vocês deixaram de ouvir os dois lados faz muito tempo, eu aqui sentado no sofá, me pergunto, será que tem algum acordo com algum candidato? suas matérias estão muito tendenciosas, acredito que vocês ainda vão refazer o rumo, ou sucumbir.

    1. E o que isto tem a ver com o assunto? Escolher um lado não significa publicar mentiras para provar sua opção. Ele está falando do "achismo" da maioria dos blogueiros e tuiteiros, que confundem opinião com fatos. A maioria pega uma reportagem que é resultado de ralação, apuração e sola de sapatos e fica opinando como se fosse autoridade no assunto. Quero ver a maioria gastar um centavo com viagens, hospedagem e entrevistas com os envolvidos nos fatos que passam os dias a discutir.

  16. O Twitter suspendeu minha conta porque falei do cabelão de uma jornalista que podia transmitir Covid. Barba também pode. Minha única diversão no Twitter era xingar político. Twitter não faz falta nenhuma. Kkkk

  17. Mário, eu q não sou do ramo,apenas leitora,percebi q programas resolveram colocar no mínimo dois comentaristas de lados opostos e pronto tá feita a rinha....consumi isso por um tempo qnd não entendia q isso não acrescenta e nem informa, é o novo entretenimento aos q acham q isso é se interessar por política. Tenho família em Manaus,uma parente lá morreu,uma colega entubada, e os poderosos descarados como nunca,o povo manipulado como sempre. Cansada.

    1. Falou bem, descobriram que conseguem público dos dois lados e jogam com isso.Kiporra de jornalismo é esse? Criticar é mole, mostrem os dois lados com isenção, logo tb são tuiteiros.

  18. A pandemia escancarou a incompetência da imprensa na divulgação e análise de pesquisas científicas. A esmagadora maioria dos jornalistas não sabe a diferença entre conhecimento e Método Científico. Fiquei com a impressão que acham que a roda, a escrita, a trepanação e o controle do fogo foram criados num laboratório de Oxford, quiçá USP. Padrão ouro na pesquisa científica do COVID ? No começo era necessário. Não teriamos vacinas, mas surgiram várias, muito seguras e eficazes. Socorro!!!!

  19. Parabéns Mário!!! Há tempos questiono os efeitos colaterais da internet. O principal talvez seja dar voz aos imbecis e aproveitadores, realidade bem irritante. Porém, continuo a moda antiga, lendo textos de pessoas inteligentes como vc Mário, nossa salvação, nossa ilha de pensamento inteligente, honesto e sem amarras. Isso nos da otimismo, saber que ainda existem jornalistas com estes atributos. Agradeço por dividir conosco sua clareza!!!

    1. Edmar, concordo com você plenamente, exatamente como escreveu o Mário!

  20. Vou me repetir: Você é ótimo! Honesto e competente. Sempre coloco esses elogios porque não há palavras para descrever o quanto admiro os verdadeiros jornalistas, que vocês do Antagonista e da Crusoe são. Obrigada.

  21. Você é ótimo. Excelente. Gosto de seus artigos. Assim como os do Diogo. Maneiras diferentes mas que tentam trazer um pouco de luz a esse momento de trevas pelo qual o país está passando. Não seja tímido. Você é maravilhoso.

    1. .. ' Ironia fina é uma forma superior de inteligência ' --- de certo Cronista tupiniquim .

  22. Os tuiteiros nos divertem e nos ajudam a passar o tempo. Não se comparam a jornalistas cultos e experientes como você, que nos inspiram (e até nos fazem sonhar). Adorei. Vou guardar na minha coleçãozinha particular, junto a outra bonita crônica que você escreveu no ano passado.

  23. Parabéns Mário! É preciso por os pingos nos is de vez em quando, para a turma nova buscar o rumo. Os novos e velhos não tem solução.

  24. Bravo! Como sempre dá o tom certo! Não aguento mais opinião de despreparados que não acrescentam nada e só desinformam.

  25. Estamos voltando ao passado, na época do "prático" sem diploma. Conheci um dentista "prático"! Meu bisavô, por exemplo, foi um jornalista e advogado prático, brilhante nas duas esferas, pelo que se sabe, mas isso foi no inicio do século XX quando contava-se nos dedos as universidades e faculdades no país! Temo que essa campanha de retrocesso ,especialmente defendida por quem teve preguiça de correr atrás de um diploma acabe gerando engenheiros e médicos "práticos".....

    1. Houve um erro na postagem , mesmo assim você publicou, parabéns, infelizmente não é o que acontece em outras colunas, onde meus comentários escritos corretamente em bom português e com educação são bloqueados. Um dia ainda vou saber o motivo disso!

  26. O que eu via na groubo era uma enxurrada de opiniões fantasiadas de notícias... e não é de hoje não, quem conhece a história das Organizações sabe quanta sujeira há debaixo do tapete persa. “Manipulação, a gente vê por aqui”. O caso mais recente é o da decisão da Ford em sair do país, uma clara chantagem da montadora que não deu certo; mas quantos tiveram a dignidade de colocar o dedo na ferida? Eu só vi Boris Feldman, que, salvo engano, não é jornalista, em um programa da BandNews.

    1. Vc gosta da Record e do SBT, com o bispo Macedo e o jornalismo chapa branca do SS? Ok, cada um com seu gosto.

  27. Você é uma piada. É só olhar para os teus pseudo jornalistas que escrevem aqui. Horas, seja honesto. Veja a tranqueira do Mainardi, é jornalista?? Ahhh, vocês são uma piada.

  28. Gostaria muito de ver uma conversa/debate de você com Ana Paula Henkel , Augusto Nunes, Rodrigo Constantino. Só pra começar .

    1. .. Mario já foi Chefe do Augusto Nunes - um que eu admirava. ... Mas debater com Rodrigo Constantino é algo que nunca acontecerá.

    2. Não falem bobagens. Se vcs só conheram o Antagonista depois do Bolso, aí é com vcs. Este site foi implacável nas denúncias contra o PT, Lula e Dilma. E estes que vcs viram são bons, mas tb têm lado definido. Fui assinante da Revista Oeste, saí por não pensar como eles, mas não acho que estão errados porque tem um lado. Um editor de qualquer jornal escolhe, todo dia, o que vai ou não vai publicar. Isto já é uma tendência e ocorre em qualquer mídia.

    3. Falou bem. Esse blog de tendências se acham os maiorais mas esquecem que tiveram start na campanha do Bozo, aproveitaram a onda, e agora se acham o que não são. Jornalistas são isentos, coisas que vcs não são, descobriram como muitos que existem público de ambos os lados e aproveitam a onda. Tem que trabalhar e ganhar o pão, não tem jeito. Sejam críticos mas sem extremismos pois grosseiramente gado ou asno, em algum momento tem seu lado positivo. O jornalista de verdade consegue ver e falar.

    4. Olha as figuras. Ana Paula cópia e cola. Quando escrevia aqui, mostrei que ela copiava trechos inteiros da Wikipédia para enganar os trouxas. Augusto Nunes, o cão raivoso, não consegue debater de forma civilizada por um minuto antes de querer morder o oponente. Constantino, quem é esse? Ah, já sei. Não é aquele pedido-intelectual que foi demolido em um debate com o Ciro e que, transtornado, ofereceu a própria filha para qualquer um?

  29. Os colunistas bolsonaristas são insuportáveis. Os youtubers de esquerda em um dia jogam minecraft e no outro acham que sabem tudo sobre política internacional e doenças contagiosas. A mídia tradicional, com seus jornalistas formados fazem artigos inteiros que não informam nada, mas deixam clara sua opinião política. É insuportável. Atualmente, queremos informações, mas 90% do conteúdo dos jornais tem viés político e busca de alguma forma derrubar um certo político e enaltecer seus opositores.

  30. Ridícula a dor de cotovelo de jornalistas. Por que se julgam os únicos a poder se comunicar com a população- só porque tem um diploma? Que qualidade especial isso lhes confere? O mundo da comunicação mudou, felizmente, e muito. Bem-vindos sejam mais e mais comunicadores livres das amarras das patotas.

    1. Não entendi como bronca, mas como defesa da profissão, que exige preparo, conhecimento e esforço. Hoje é comum todo mundo achar que pode ser qualquer coisa, basta querer. Não é verdade, tudo exige esforço e estudo. Senão, caímos na superficialidade de hoje, em que ouvimos barbaridades ditas na maior cara dura e gente que acredita piamente.

  31. Como sou antiga, tenho 69 anos, lia quando muito adolescente os editoriais do Estadão. Lia Júlio de Mesquita Neto. Primeiro porque o português era correto, e antes da opinião apresentava um quadro geral da História, da geopolítica para entender o porquê da opinião. Deixei recentemente de ser assinante da Folha de São Paulo pois qualquer pode ter uma coluna por lá. Opinam sobre qualquer coisa e não se atreva o pobre assinante que tem mais informações sobre o assunto a dirigir qualquer reparo.

  32. Legal a coluna. Uma coisa é certa, o brasileiro gosta e sempre gostou muito de colunistas dispostos a "revelar lados eclipsados pela obviedade" (ao menos eu sempre gostei). Na minha infância existiam o Veríssimo, Jabor, Francis, Lessa, José Nêumanne Pinto, etc. Nem todos eram jornalistas. Hoje realmente percebo essa diferença entre eles, e vejo que o Paulo Francis e o Ivan Lessa eram os menos "domesticados" pelos jornais e políticos do Brasil.

  33. Marião parabéns! Um dias desses tive o desprazer de ver um tal Paulo Figueiredo na JPanos,atacando os jornalistas como um todo e em certo momento falou de um”blog”que recebia informações privilégio da LJato e hj tem ex membros como colunistas!Claro que isso foi discurso dos PTistas mas hj é usado e orquestrado pelo filho lokinho do PRES TRAIDOR! Estamos perdidos!

  34. Concordo que tuiteiros podem não parecer jornalistas, mas ao serem lidos por milhões , ainda que esporadicamente, o que eles seriam? Se o tuiteiro for culto, articulado e souber escrever, e parece jornalista, será que seria obrigado a passar pelas agruras das redações, com focas, revisores e editores para se-lo? Esclareço que tenho 74 anos, não sou jornalista nem tuiteiro. Acho, porem, que jornais e, jornalistas estão em extinção. Que venham os tuiteiros competentes.

  35. Parabéns!!! Seus artigos são maravilhosos! Voce e seu colegas têm nos brindado com análises inteligentes e com um toque de humor muito necessário, que ajuda na leitura dos temas tão duros impostos pela nossa realidade

  36. Tantas coisas mais importantes para tu ires nas entranhas e tu vai falar de jornalista e pseudo jornalista. Espero mais de ti Sabino. Vamos cortar as asas desses vagabundos dos políticos de todas as ideologias. Esses bandidos de sonhos, vamos parar de dar voz para esses bandidos e lembrar de cada mal feito que eles fizeram e continuam fazendo. Vamos parar de reproduzir bandidos passados como colunistas. Delfin Neto, Temer, Lula, Bolsonaro, Maia. Estas personalidades deveriam estar na cadeia.

  37. Não confio mais em opinião de jornalistas. A maioria é militante e defendem narrativas sobre fatos. Fui assinante da Folha por décadas e atualmente não leio mais. Procuro ver os fatos e fazer meu próprio julgamento.

  38. Este seu artigo deve ser motivado pela polêmica sobre a classificação de Oswaldo Eustáquio, que a grande mídia insiste em chamar de blogueiro. Se for no Linkedin dele pode verificar que ele é jornalista da TVCI - Gazeta do Povo, inclusive premiado. Quanto a ser bom ou mau jornalista são os leitores que devem julgar, mas caberia aos seus colegas o defenderem de uma prisão sem acusação formal, coisa que nos países desenvolvidos jamais ocorreria.

    1. teimoso o Eustáquio né? uns dias protegido fará bem.

  39. Muito bom! Jornalista não tem mesmo que participar de campeonato de popularidade, até porque até uma pessoa vil como Bolsonaro e outros imbecis por aí possuem popularidade. O importante é mesmo a credibilidade!!!

  40. Parabéns Mário, pelo artigo. Esclarecedor e acima de tudo honesto. Sem intenção nenhuma, senão esclarecer, com cultura, história e conhecimento, como analisar essa miríade de informação que recebemos diariamente.

  41. “A ignorância sempre foi muito atrevida, sabe-se. Também sempre foi muito deslumbrada consigo própria.” Da página do amigo Tomas Gonçalves.

  42. Prezado Mário, boa tarde! Parabéns pelo excelente jornalismo do antagonista/Crusoé ! Considere por favor chamar, para abrir o leque do debate econômico, o Prof. André Lara Rezende! Segue algumas das palestras dele: https://youtu.be/zagShN872dY https://youtu.be/rizARHGUyJg

  43. O texto de hoje do Mainardi é a prova de que bons jornalistas também cometem impropriedades. Até os honestos e bem intencionados. O fígado não deveria falar pelo cérebro, né não? A gente entende e até perdoa, mas todo engano carece de um mea culpa, uma retratação. Errar é humano. O que pega é a pessoa não reconhecer e repetir o erro. Aí já não é erro, é intenção suspeita.

    1. Concordo contigo. O Diogo hoje não se saiu bem, exagerou da dose e perdeu o ponto da crítica. Mais a gente perdoa e continua leitor assíduo porque vale a pena.

  44. A ignorância é universal, como dizia Nelson Rodrigues. Brasileiro precisa saber filtrar suas fontes de informação. Eu, por exemplo, leio só ESTADÃO, FOLHA , CRUZOÉ E VEJA.

  45. Mário, parabéns pela coragem de continuar no jornalismo, nestes tempos de informações rápidas os jornalistas tem se tornado uma profissão de risco. Quer um palpite de graça? kkkk palpite nos comentários poder né... então considero este negócio de fake jornalismo um tipo de sintoma psiquiátrico, são delírios coletivos forjados por várias razões (sociais, emocionais, políticas), mas a cura de todo delírio é sempre a realidade. Deixemos que o fogo da realidade queimará todas as opiniões infundadas.

  46. A imprensa está sendo pautada pelas redes sociais. Cabe a ela separar o joio do trigo e denunciar os absurdos como fez Bonner ontem

  47. C. Alguém já disse que um dos efeitos das redes sociais é dar voz aos cretinos. O efeito positivo desse fenômeno é a constatação do elevado nível de cretinice que assola o país.

  48. Lascou na cara de impostores, MUITO BEM, MÁRIO, Parabéns sempre a O Antagonista e a Crusoé, e ao Papo Antagonista, que assisto TODOS os dias. Grata sempre pelo Jornalismo de vocês.

  49. Prezado Mário. É sempre um grande prazer ler suas colunas. Uma ilha de sensatez em um mar de ódio e ignorância! Anelo um 2021 de muita saúde para você!

  50. Como jornalista há mais de 40 anos (hoje só escrevo artigos...) parabenizo-o, mais uma vez, por um certeiro artigo. Nossa profissão nunca foi tão frequentada por gente sem noção. Ainda bem que temos a Crusoé e O Antagonista.

  51. Boa Mário! O conteúdo sempre será mais relevante do que o próprio autor. Que bom que voltou... vamos respirando... abraço!

  52. Concordo. Deveriam dar mais importância a jornalistas verdadeiros como o Átila Iamarino e Felipe Neto. Sugiro que a Crusoé os contrate.

  53. Nada como simplicidade e clareza para desenhar o cenário atual do tipo de comunicação de que fala o texto, talvez os resistentes entendam. O publico nao precisa concordar 100% com um jornalista mas o respeito nos faz apoia-los 100% no exercício de sua legítima profissão. Que bom que voce voltou, já dá p perceber que as férias te fizeram bem.

  54. ... Claudio Dantas é um suprassumo da espécie ... Jornalista investigativo brilhante. ... Conquistou o pódio - por Mérito!! - junto a certo editor-chefe exigente de outras paragens. ... Completou a brilhante ideia de você e do Diogo. ... Temos 3 fisionomias que representam o espírito de luta estampadas como Logo d'O Antagonista. ... Era flagrante, durante os episódios do #Gabinete de Crise, o quão exausto o mesmo estava para nos trazer Jornalismo.. Parabéns, Claudio !!!

  55. Sou Eng de software formado em 99 e esse assunto deveria ser debatido mais amplamente. Com a tecnlogia nao faz o menor sentido deixar ao jornalista a funcao de zelar pela fonte e sua identidade. Blockchain it. Valide a fonte tecnologicamente como se valida bitcoin. Os mentirosos e as mentiras ficarao evidentes. De outra forma o jornalismo nao sobrevivera da forma como conhecemos. Nem a engenharia de sistemas.

    1. Dr. Sergio Moro não é 'jornalista'. ... Graduado, Mestre e Doutor em Direito. ... Mas pode escrever sobre qualquer assunto com propriedade. ... Não fará se não tiver conhecimento, por ser honeste e sempre fazer a Coisa Certa. ... Drs. Sergio Moro e Carlos Fernando dos Santos Lima nos brindam com intelecto e honestidade intelectual. ... É preciso ser jornalista, ou mesmo ser encaixado em "categoria" ??? ... Vá se danar !!!

    2. Esse é um dos principais problemas do gado: incapacidade de leitura, entendimento e interpretação. Aliás, para ser gado é uma competência.

    3. Basta reler o texto, está lá: “colunista que pode falar com propriedade sobre assuntos nos quais é especialista ou cuja abordagem serve para revelar lados eclipsados pela obviedade. Nesse caso, é uma vantagem que não sejam jornalistas, por ter capacidade de análise mais profunda e, em alguns casos, inteligência privilegiada (...)”.

  56. Quantos desses articulistas-comentaristas da era bolsonarista, devem estar sendo patrocinados pelo Palácio do Planalto, pois vemos um lançamento de livro aqui, outro ali ..., um estúdio novo aqui e um programinha ali.... todos funcionando como barreiras para esse governo, que ainda conta com gente da era da liga de vólei.

    1. Irenice, ela pode ser brilhante no esporte, mas está fazendo um papel deplorável em "Os Panos nos Is"! Um dia desses, ela estava metendo o pau no STF porque havia proibido Bolsonaro de confiscar seringas e insumos de SP! Que papelão ela faz, viu? Um dia, ela ainda vai se envergonhar disso.

    2. Maldosa, você hem? Eu acho a pessoa em questão,brilhante .

    3. Sabino, considero você um primor do jornalismo! Que bom que voltou das férias! Estava com saudade .

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO