Arquivo pessoal

A necessidade da redescoberta

01.01.21
Gustavo Nogy

Os editores da Crusoé me convidaram para falar de cultura. Ou das expectativas para a cultura brasileira no ano que vem – presumindo que exista um ano que vem, e que antes não sejamos (merecidamente) consumidos pelas chamas amazônicas, dizimados pela Covid-19, enlouquecidos pelo Bolsonaro-17, extinguidos por qualquer outra desgraça de proporções bíblicas que esteja a caminho.

Fico tentado a responder, como o Barão de Itararé, que de onde nada se espera, daí é que não sai nada mesmo. Essa é a resposta curta para o leitor apressado: nada. Mas vou explicar isso melhor em 8 mil caracteres.

Depois dos muitos anos em que a esquerda privatizou o erário, oficializou a inspiração e confundiu cultura com sinecura, o eleitor resolveu que seria uma ótima ideia, uma excelente escolha, uma auspiciosa promessa eleger para a presidência da República um sujeito no segundo estágio do desenvolvimento psicossexual da teoria de Freud. Basta uma rápida averiguação nas propostas de políticas públicas deste governo para constatar que viveremos mais dois anos (talvez outros quatro) numa intransponível Sibéria de ideias.

Seja como for, cada coisa a seu tempo: antes de recordar o futuro convém prever o passado. O futuro tem história, bem sabia o padre Antônio Vieira.

Presumo que se trate de cultura com inicial maiúscula, o que de notável fizeram escritores, músicos, poetas, artistas e sábios mundo afora, indumentária feita sob medida para gregos e alemães, franceses e italianos, mas que em brasileiro cai tão bem quanto nariz postiço. Por falta de prática, não levamos muito jeito pra coisa. Ultimamente temos produzido ficção que parece documentário ruim, como Bacurau, e documentário que parece ficção ainda pior, como Democracia em Vertigem.

Também é verdade, reconheço, que tivemos bons momentos.

Wilson Martins fez o inventário desse espólio. Conseguiu a proeza de publicar sete grossos volumes sobre a inteligência brasileira. Obra imaginativa das mais espantosas, cheia de personagens mitológicos, entidades folclóricas, filisteus bem-intencionados, membros de academia de letras jurídicas e toda uma variada fauna de “gênios para si mesmos sonhando”, o que me leva a crer que seus dotes ficcionais talvez fossem maiores que sua acurácia crítica. Um Balzac desperdiçado.

Eu, menos crédulo e mais cínico que o curitibano, achei a enciclopédia um pouquinho generosa. Tem gente sobrando ali, viu? Uma edição atenta poderia reduzir a biografia da inteligência nacional a dois suficientes volumes, trezentas páginas cada, contando capa, contracapa e índice remissivo, de resto apropriados para comercialização em papel barato e citação ligeira, leitura de vestibular ou palestra de loja maçônica, e ficaria de bom tamanho. Mas cabe ao leitor a última palavra.

Um tanto mais comedidos, reconheçamos que o valor universal das nossas façanhas (os textos, filmes e canções que traduzidos, exportados, expatriados, interessariam a um cossaco ou a um piemontês, a um colombiano ou a um senegalês) vai da publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (agora redescoberto em novas traduções nos EUA) até, mais ou menos, a morte do Tom Jobim (com não muitas – embora honrosas – exceções antes; e bem poucas – menos honrosas – exceções depois).

Foram aproximadamente oito décadas de atividade relevante e criativa, considerando que somos 200 milhões, nos movemos num imenso matagal descoberto há quinhentos anos, escravizado mais da metade disso, urbanizado e industrializado há pouco, de alfabetização até hoje precária e vida mais sociológica que intelectual, mais anedótica que moral.

Por um breve momento o Brasil trocou as calças curtas pelas compridas, esticou a vista para longe das fronteiras do próprio umbigo, aprendeu a se lavar sozinho e a ter modos à mesa da civilização. Espremidos entre golpes e contragolpes, entre Estados Novos e cruzados velhos, ocorreram a Semana de 22, as artes plásticas, o samba, o samba-enredo, a Bossa Nova, a Tropicália, o Cinema Novo, o teatro de Nelson Rodrigues, a eficiência de Pelé, a invenção de Garrincha, a literatura de tantos, a poesia de muitos, a tradução dos irmãos Campos, a publicidade esperta, a sociologia de Gilberto Freyre, a construção de Brasília (não, a construção de Brasília não, deixa pra lá), o jornalismo do Pasquim… até que, de repente, às vésperas da reabertura política, em 1978, José Sarney comete Marimbondos de Fogo, a carruagem vira abóbora e o sonho de um Brasil sonhável começa a gorar. Sim, a culpa é todinha dele.

Desde então, nesta selva selvaggia cartorial e úmida, desigual e perdulária, já faz tempo que a cultura só tem merecido a inicial minúscula. Não julgo, constato. O que se faz, o que se tem feito, o que se espera fazer em 2021 e além, visto daqui, deste subjetivo, emburrado e pouco confiável posto de observação que vos escreve, inspira menos que algumas notas de rodapé. A história da inteligência brasileira está esgotada, esperando nova edição. Consideremos o seguinte.

José Guilherme Merquior, detestado pela esquerda e ignorado pela direita, defendeu que há pelo menos dois sentidos abrangentes para o que chamamos de “cultura”. Um deles é o sentido pedagógico, formativo, perfectivo, ou seja, o homem culto é o homem cultivado, educado, aperfeiçoado; é aquele que aprende, apreende, compreende; absorve, melhora, civiliza-se. Outro sentido para a cultura é o antropológico, performativo, cumulativo, isto é, a cultura é o objeto, o conjunto, o registro do que se faz numa sociedade; cultura é o acervo, a tradição, a herança.

Cultura é uma coisa e nem por isso deixa de ser a outra. É aperfeiçoamento individual e é memória coletiva. Os significados não se contradizem; completam-se. Cultura é o poema feito pelo gênio e o idioma no qual foi escrito, usado por toda gente. O problema é que, dos sentidos possíveis, nenhum deles nos tem soado familiar. Não entendemos um e pouco compreendemos o outro. Em termos políticos, direita e esquerda, ou suas versões muito brasileiras, têm responsabilidades. Daí meu pessimismo. Quero estar errado e quero que este prognóstico envelheça mal. Quanto às perspectivas, tenho dúvidas. Minto: tenho certezas.

Espero que a cultura aconteça, esteja acontecendo, fora do radar do oficialismo, das leis de incentivo, das autocongratulações de grupo. Ou isso (que não se vê) ou nada (do que se vê). Porque se depender do reacionário bolsonariano, haverá protestos contra a vacina e a esfericidade da Terra, produção industrial de mentiras, publicação de panfletos dizendo que o nazismo era de esquerda, distribuição de títulos nobiliárquicos imperiais. Caso dependa do progressista identitário, haverá protestos contra as inconveniências gramaticais, inexauríveis discussões acerca das dívidas históricas e apropriações destes para com aqueles, publicação de panfletos dizendo que o stalinismo era de direita, distribuição de títulos nobiliárquicos tribais.

Michel de Montaigne conta (ou inventa) nos Ensaios que numa comitiva da corte de Carlos IX encontrou tupinambás brasileiros. Com ajuda de um intérprete, conheceu os costumes dos índios do Novo Mundo. Não que fossem uns santinhos (eram brasileiros). Eles viviam de caça e pesca, trabalhavam pouco, bebiam muito, fumavam, dançavam, cantavam, andavam nus, adoravam deuses, guerreavam e, de vez em quando, almoçavam os inimigos capturados. Porém, ao contrário dos demais curiosos, um Montaigne com tino de antropólogo lhes dá atenção, ouve o que têm a dizer sobre a própria França e nota que não se sabe ao certo de quem são os hábitos mais bárbaros: dos observados ou dos observadores?

Comparo o Brasil de agora com a França de então, os selvagens tupinambás com o domesticado brasileiro e, que ninguém me leia, nem me leve muito a sério, mas sou tentado a concluir – antes fôssemos tão razoáveis quanto aqueles canibais.

Gustavo Nogy é escritor.
Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O crítico Sábato Magaldi escreveu que o teatro de Jorge Andrade é “o mais orgânico e talvez único ciclo dramático, na acepção do termo, que o teatro brasileiro produziu até agora”, e você fala apenas em teatro de Nelson Rodrigues? Viva a ironia, mas não reduza o nosso real legado Cultural, a titulo de pose ou lacração.

  2. Excelente análise!!! Mas... nazismo e fascismo = social democracia totalitária (basta ver as políticas sociais e econômicas destes); e social democracia = esquerda (uma das “correntes”, é claro), logo...

  3. Gustavo Nogy, sujeito asqueroso, nojento e antipático. Sua mensagem canhestra se percebe o quão nojento são os comunistas, demonstra a antipática esquerda, querendo roubar o pouco que nos restou. Toma vergonha na cara camarada jornalista de meia tijela.

  4. ou seja, ninguém tem lado! Mas todos atribuem um lado, direta, esquerda, e ou adjetivos belo, feio. O que evolui e nos desenvolve? As perguntas, ou as respostas?

  5. Texto muito bem escrito. Ainda que os textos do Diogo e do Mario a tenham como pano de fundo, sinto falta de comentários sobre cultura nas edições semanais da Crusoé

  6. pena q só teve 8000 caracteres pq podia trazer mais sutilezas dessa dita humanidade q bem declarava Abujhanra no seu Provocações: humanidade é uma experiência q não deu certo. parabéns

  7. Imperdível o artigo de Gustavo Nogy. Crusoé ai está um ótimo colaborador para figurar no staf dos bons jornalistas da revista. Por favor pensem nisto.Obrigado.

  8. você deixou de comentar o movimento do rapper Emicida muito bem definido no vídeo Amarelo. novo movimento cultural expressivo que está crescendo dentro de nossa sociedade

  9. Saudades dos textos do Nogy. Gosto e me identifico com essa forma de pensar meio pessimista. Que possamos lê-lo mais por aqui.

  10. Valeu. Sem querer comparar as intenções e sentidos do discurso, algumas passagens lembram textos do Goiaba. Trazer o entendimento sobre cultura do Melquior enriqueceu.

  11. "Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado.” Como esse interregno trágico será contado? Hoje os brasileiros não são mais divididos entre direita e esquerda. Tem os que fogem da vacina da Pfizer com medo de virar jacaré, e os que querem qualquer vacina para não virar bolsa de jacaré E os que fogem da vacina da Pfizer, correm para a farmácia para comprarem o Viagra da própria Pfizer, esperando se transformar num Tigrão.

    1. E antropologicamente voltamos ao Animismo. Nosso presidente quer que adoramos uma vaquinha sagrada chamada CLOROQUINA.

  12. Ótimo diagnóstico situacional da nossa condição precária. É evidente que não termos como se elevar do lamaçal de ignomínia que estamos enfiados até o limiar da nossa cognição.

    1. Se não achar textos de Olavo de Carvalho beba metanol. O efeito sobre os neurônios é igual

    2. Vai ler um pouquinho de Olavo de Carvalho madame. Com espírito desarmado. Você vai aprender muito. Feliz ano novo

    1. Concordo. Esquerdistas quando perdem suas "boquinhas" ficam mais perdidos do peido em bombacha.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO