RuyGoiaba

Notas do front eleitoral do meu sofá

06.11.20

Rapaz, como diria Kim Jong-un, que complicada é essa coisa de fazer eleição com mais de um candidato. Esse hábito exótico das democracias ocidentais só dificulta tudo —fora a chatice que é não poder fuzilar os discordantes nem ganhar com 137% dos votos. Fica todo mundo (ou pelo menos os cracudos de eleição, entre os quais infelizmente me incluo) acordado de madrugada sem saber se Joe Biden reduziu a diferença em Pirituba, se Donald Trump vai virar na Vila Nova Cachoeirinha com 86% dos votos apurados, quem vai ser agraciado com o troféu Estandarte de Ouro e participar do desfile das campeãs.

Quando esta coluna for publicada, provavelmente o vencedor da votação nos EUA já estará definido. OU NÃO —o que nos dará ainda mais tempo para admirar a capacidade de enrolação dos caras da CNN sempre que a notícia que eles têm para dar é exatamente zero (“breaking news! Alerta de disputa-chave! Nada mudou nas últimas 72 horas de apuração, mas algo de muito importante vai acontecer em breve! Stay tuned!”). Sou obrigado a concordar com um amigo que diz que o sistema eleitoral americano é mais zoneado que o regulamento do Campeonato Carioca: tem a vantagem de o Flamengo não ganhar no final, mas se a gente procurar bem deve achar uns votos no Zico perdidos ali no meio.

Seja como for, essa zona funciona e elege presidentes, deputados e senadores regularmente há quase dois séculos e meio. Talvez continue assim não só por causa da tal “autonomia dos estados para decidir sobre a votação”, mas pelo puro valor de entretenimento da bagunça. Nada dessa coisa maçante de ter tudo centralizadinho num TSE e urnas eletrônicas com resultado final em questão de horas: isso é coisa de país que quer mostrar que é subdesenvolvido, porém limpinho. Americano gosta é de drama, de misturar plebiscitos nada-a-ver com a votação principal, de pesquisas que erram (muito) e comida que engorda (idem).

No entanto, apesar dessas diferenças entre Brasil e EUA que a sociologia freestyle e meus rigorosos métodos de chutometria apontam, admito que Donald Trump é o mais brasileiro dos presidentes americanos. Ele é brasileiríssimo como um Eurico Miranda, ou como os advogados do Fluminense recorrendo ao tapetão para não deixar o time rebaixado na bola jogar a Série B. No momento em que escrevo, tem trumpista gritando “parem a contagem!” (inclusive o próprio presidente) nos estados em que há perspectiva de derrota e “contem os votos!” nos lugares que eles acham que vão ganhar —AO MESMO TEMPO. Gritar “façam qualquer coisa para me impedir de perder!” seria mais honesto, e posso apostar que neste momento Trump está sentindo uma inveja danada do amigão Kim Jong-un e das suas “eleições” de um candidato só.

Quanto ao picolé de chuchu Joe Biden, se a eleição dele for confirmada, será um experimento curioso e talvez inédito nos EUA: levar à Casa Branca alguém notório pela absoluta falta de carisma. Já escrevi aqui contra o carisma na política, mas é inegável que o tal entertainment value vai diminuir em relação ao reality show permanente do Orange Guy. Espero que Biden cometa umas gafes legais para animar a galera de vez em quando. Se não se eleger, poderá vender vídeos dos seus discursos como terapia contra insônia: são melhores que Stilnox.

***

A GOIABICE DA SEMANA

Uma piada antiga no meio jornalístico é aquela do editorial do Estadão que dizia “há muito tempo vínhamos alertando a Casa Branca” —nunca aconteceu, mas já foi bastante verossímil. O bolsonarismo, ao que parece, resolveu transformar mais essa piada em realidade: Jair Bolsonaro foi a Piranhas, Alagoas, dizer que “o mundo está de olho em nós”, e um blogueiro bolsominion notório pela produção de fake news mandou um ATENÇÃO, FBI no meio de um tuíte em que —de seu buraco no Paraná ou sei lá onde— alertava para a “fraude” em curso nos EUA.

Como também já escrevi por aqui, faz muito tempo que o problema do brasileiro não é mais o “complexo de vira-lata”. É o excesso de autoestima.

Foto: Alan Santos/PRFoto: Alan Santos/PREm Piranhas, Bolsonaro discursa para o mundo, que não está nem aí para nós

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A CNN me tranquiliza. Toda vez que assisto parece que o tempo parou e aconteceram uma ou duas coisas no mundo nos últimos dias. E se trocar de canal posso confirmar facilmente que isso é verdade. Talvez um gol de diferença e nada mais. Mundo tranquilo.

  2. Para mim, o impagável é ver a nova mania do Biden de correr para demonstrar jovialidade e energia. O homem agora perdeu o jeito de andar e só corre. Fico com o coração na mão quando penso no preço de uma 'consertada' de um fêmur quebrado nos USA. Jisuiz!

    1. Pior que a CNN foi a Globo News. Os mesmos jornalistas repetindo, repetindo. A CNN fez muitas entrevistas interessantes. O bate-papo com Leandro Karnal foi ótimo. Ele explicou muitos aspectos do povo e da economia dos USA. Pena que as quatro mulheres não entendiam e continuavam a fazer perguntas "prontas", ignorando o que o entrevistado já tinha explicado.

  3. Bolsonaro advertiu: nem Trump é o ser mais poderoso do mundo, nem ele próprio é o mais poderoso do Brasil. Acima deles há Deus. Ainda bem. Isso nos deixa mais reconfortados. Às vezes tenho a impressão de que não consigo sair da porta do hospício.

  4. jair OLD FART vai escalar o genio ricardo barros (aquele) para reconhcer a vitoria bidem , que assoviando enquanto fala vai pronunciar presidente bizzinidem

  5. Ao invés de perdermos nosso precioso tempo em frente à tv para acompanhar o complexo processo eleitoral americano por mais de 50 horas seguidas, deveríamos estar nos preparando para as nossas próprias eleições de prefeito e vereador, cujos resultados nos impactam particularmente! A 8 dias da votação e não há um só candidato digno do nosso voto. Vamos fechar o nariz e apertar o botão para confirmar mais 4 anos de corrupção, roubalheira e descaso com a população e a coisa pública.

    1. Lucia, a depender da cidade onde você mora, existem excelentes candidatos nas fileiras do Partido Novo! Faça uma "visita" ao site "novo.org.br", coloque o nome do seu Estado e conheça nossos candidatos fichas-limpas aprovados no processo seletivo! Depois, pesquise à vontade nas redes e escute suas entrevistas, etc. pra escolher aqueles que defendem seus mesmos valores. Depois, é só anotar os números e votar! E não se esqueça de compartilhar! O Brasil precisa eleger gente honesta e competente!

  6. Kkkk... Por aqui também tem muito candidato pedindo a Deus uma eleição a la Coreia Do Norte prá chamar de sua agora e em 2022 principalmente! Inclusive já questionando o futuro resultado...😂😂

  7. Então, Goiaba, engoliu também a pecha do "tapetão"? Em todas suas ironias vejo justiça, mas como milhares de (des)informados, há um pisão na bola aí.

  8. O advogado do Fluminense vai contratar o advogado do Fluminense para que essa piada sobre o advogado do Fluminense caia imediatamente. Não... espera aí!

    1. Quarenta anos chamando Flu de "tapetão" e o pessoal sequer precisa de um exemplo concreto que não seja contestável...

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO