RuyGoiaba

Mitos e lendas da esquerda brasileira

21.08.20

Minha coluna da semana passada, “Disque M para Salim Mattar”, mencionava meio en passant esse novíssimo personagem do folclore que é o liberal à brasileira: aquele sujeito de camisa polo, sapatênis e gel no cabelo dizendo “deixa que o mercado cuida”. A verdade é que o Bananão tem hoje um elenco muito mais rico de seres fantásticos sem existência comprovada —e isso em todo o espectro ideológico. É fácil encontrar à direita, por exemplo, além dos tradicionalíssimos Curupira e Mula sem Cabeça, A Cloroquina Mágica e o Mito Muito Macho Mesmo (nas redes sociais; fora delas, não paga nem flexão direito).

Este texto, porém, será dedicado aos animais fantásticos que habitam a outra ponta da ferradura: os seres e ideias que são os gnomos e duendes preferidos daquela esquerda esclarecida que acha cafona acreditar em duendes e gnomos. E não é só a autonomeada “alma mais honesta do Brasil”, não: a fauna é variada e, dependendo do crente, resiste a overdoses de realidade. Vamos às lendas:

– O Nordeste que resiste

Só para deixar claro de saída: sudestino não tem moral NENHUMA para apontar o dedo para as más escolhas dos outros, e a geleia geral do Bananão é a mesma em toda parte. Dito isso, volta e meia a esquerda brasileira joga uma região muito diversa no balaio de uma espécie de “preconceito positivo”: é o “Nordeste que resiste”, a última trincheira da luta contra o neofascismo, um misto de filhos de Lampião com habitantes de Bacurau na defesa do verdadeiro Brasil. (Nem parece que a turma votava na Arena até, sei lá, anteontem —nem que legou ao país luminares do progressismo como Sarney, ACM e Renan Calheiros.)

Deve ter sido bem chato para esse pessoal ler a pesquisa Datafolha divulgada na semana passada e constatar que, no Nordeste, a aprovação da Encarnação do Mal subiu nada menos que 13 pontos percentuais. E, no entanto, nada mais esperado como efeito do coronavoucher de 600 reais: o que se acreditava ser crença no Luiz Inácio Redentor dos Pobres era só fidelidade ao populista de ontem, em aparente processo de substituição pela fé no populista de hoje.

– O pobre burro de direita

Atribuem a Tim Maia aquela frase sobre o Brasil ser o único país em que “prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita”. Sempre achei essa uma opinião de quem nunca, em toda a sua vida, parou para conversar com um pobre de verdade, além de talvez não conhecer muito bem as outras categorias profissionais citadas —o que certamente não era o caso de Tim. Pois bem, a BBC Brasil ouviu a cientista social Esther Solano sobre o aumento da popularidade de Jair Bolsonaro na referida pesquisa Datafolha e ela disse o que deveria ser óbvio: o discurso de que pobre de direita é burro “é claramente arrogante, preconceituoso e uma falta de entendimento e de empatia com uma situação dramática que grande parte da população passa”.

“Para quem tem fome, a ideologia está muito longe”, acrescentou Esther. Se você não tem o que comer e alguém lhe dá comida, você não pergunta se é “de esquerda” ou “de direita” antes de engolir —é uma verdade básica de que o próprio Lula tinha conhecimento, mas parece escapar a certa esquerda que faz três refeições todo dia. Claro que há todo um debate sobre o populismo (que eu mesmo mencionei ali em cima) e o clientelismo. Mas não há nada de “burro”, em si, no voto definido pelo bolso ou pelo estômago: é apenas sobrevivência.

– O povo progressista

Essa lenda é irmã siamesa da anterior e uma fantasia razoavelmente comum na classe média dita ilustrada. E, como as outras, não resiste aos fatos: qualquer pesquisa de comportamento no Brasil, como as várias que o Datafolha fez ao longo dos anos, vai mostrar que posições associadas ao conservadorismo, como apoio à pena de morte e rejeição a casamento de homossexuais, predominam nos estratos de menor renda e escolaridade —e diminuem à medida que se sobe na pirâmide. O povo é majoritariamente “de direita” e fortemente religioso: vê-lo como “progressista” é, de novo, coisa de quem prefere acreditar no pobre idealizado dos discursos da esquerda bem nutrida a lidar com pobres reais. (Lembre-se, a esse propósito, o mal-estar que Mano Brown provocou entre petistas com seu discurso no final da campanha de Fernando Haddad, em 2018. “Se não está falando a língua do povo, vai perder mesmo, certo?” E perdeu.)

– A superioridade moral da esquerda

Esse é talvez o mais indestrutível dos mitos —ainda que os recordes de grotesco batidos pela direita no Bananão todo dia ajudem. Não importam as ditaduras, nem os fracassos econômicos e políticos, muito menos o roubo de bilhões: ser de esquerda é se conceder uma licença irrevogável para julgar os vivos e os mortos de um ponto de vista ainda mais privilegiado que o de Jesus Cristo (ninguém mandou Ele se sentar à DIREITA de Deus pai todo-poderoso, afinal). Tudo fracassou, mas o nosso ideal não morre, a luta continua: no pasarán.

Acho bonito esse lance dos ideais que não morrem e tal e coisa, mas meio desagradável que esse alinhamento convicto com o lado do Bem justifique qualquer coisa. Qualquer mesmo: já vi, ao vivo e em redes sociais, pessoas sendo racistas, sexistas, misóginas, homofóbicas e crendo sinceramente que a carteirinha de “progressista” lhes dá passe livre para não apenas ser assim como apontar o dedo para os outros. Sem falar no autoritarismo que transformou coisas como “lugar de fala” de simples constatação sensata —é óbvio, por exemplo, que uma pessoa negra vai ter mais elementos para falar de discriminação racial que uma branca— em ferramenta de interdição do debate.

Falta ao Brasil um Câmara Cascudo que atualize o Dicionário do Folclore Brasileiro com todas essas novas lendas. Se bem que ele talvez dê graças a Deus de já estar morto e não precisar se dedicar a essa empreitada interminável.

*

A GOIABICE DA SEMANA

Nesta semana, o foco da goiabice não é Jair Bolsonaro praticando levantamento de anão em Sergipe, e sim os veículos noticiando que o presidente “se enganou” —achou que estava erguendo uma criança. É claro que ele sabia que era um anão: fez, inclusive, a mesmíssima coisa na Bahia no ano passado. A esta altura, não entendo qual é a surpresa em ver Bolsonaro usar a Presidência para brincar mais uma vez de Pânico na TV. Elect a clown, expect a circus.

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisPelo menos Bolsonaro não ofereceu cloroquina para o anão, só para as emas

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Uma pena e esforço envergonhado do autor tentando ser discreto no pagamento de um pedagiozinho à esquerda, para exercer a crítica correta que exerceu.

  2. Ruy, parece que as pessoas que nunca conversaram com gente simples, e não sabem o que elas pensam, não gostaram do seu artigo. Pena. Achei ele bem contextualizado...

    1. Isso não é uma reportagem. Vi que minha filha que está na 6a série está aprendendo a distinguir os diferentes tipos de texto. Você já cursou o Fundamental II ou abandonou antes?

    1. Também gostei ! Achei ilario é muito apropriado como crítica social a todos nós!

  3. Rui, você com esse talento e uma sinceridade cristalina, dá de dez a zero em filósofo bacana dando uma de diferentão na imprensa brasileira/tradicional/esquerda/conservadora.

  4. Paraibano que vive em Recife há mais de vinte anos, sou testemunha ocular, "desde que me entendo por gente", dessa conversa de que o "Nordeste resiste", repetida ad nauseum até o coronavoucher chegar e subir a popularidade do hómi por aqui. De fato, já legamos ao Brasil figuras tão ou mais abjetas do que as que você cita do espectro direitista; com a esquerda, idem. Por outro lado, a "inteligência" que vem do estômago roncando é legítima e autêntica, e decide o jogo sempre. Perfeito, Ruy!

  5. Gostei da comparação "do outro lado da ferradura", eu vejo que, tanto os extremistas de esquerda e direita são pessoas frustradas, fracassadas e que tentam justificar sua condição às impossibilidades do utopismo que ele tem certeza que nunca verá.

  6. Estamos assistindo um idiota ladrão de galinhas versus um esperto ladrão de bancos!! Infelizmente nós os pagadores de impostos estamos no meio dessa bandalheira!! De fato ninguém está preocupado com o futuro do País e de sua população!!!

  7. O brasil é mesmo uma fábula... a se levar a sério todo o exposto acima, não posso rir do ridículo de feministas substituírem o termo “seminário” por “ovulário” (sim, porque sêmen-ario é coisa desses machos opressores); se eu rir da extravagância, corro o risco de ser rotulado como misógino. Mas... o Goiaba, que nos apresentou esta ode ao burlesco - e faz duas semanas, não foi misógino, ele é só um comediante... é mesmo de morrer de rir!! Menos histeria, por favor.

  8. Texto muito bom!! No país das bananeiras, uma bananada a mais ou a menos não faz a menor diferença, já devíamos estar acostumados... Haja estômago pra tanta banana!

  9. Essa goiabice do presidente fazendo levantamento de anão em Sergipe, não tem preço. Ela vale por si. Desnudando a personalidade daquele em quem a maioria dos eleitores brasileiros se enganou um dia, ao ficar entre o diabo e o coisa ruim.

  10. Lula e Bolso são dois bananas na bananeira que pende paro o lado do dinheiro, não importa se o vento vem da esquerda ou da direita. Tampouco se importam os gambás do centro - se agarram nos cachos mais polpudos, de lá ou de cá.

  11. “Bananão” foi uma grande sacada de Ivan Lessa. Não, não estou dizendo que é plágio seu, só quero dizer que soa como música. Cao

    1. Concordo 100%! Tem semanas que a coisa tá tão pesada ou chata, que vou direto no Goiaba.

  12. Pois é my friend Goiaba, concordo e provoco: o problema é do bananao ou das bananeiras (tropicais e passageiras)? Amplexos!

  13. Duas questões muito simples: Bolsonaro é de direita?? E Lula é mesmo de esquerda?? Será? Tenho cá tantas dúvidas... acho o folclore mesmo é a história de que existe conflito político ou ideológico... Política depende de um mínimo de ética e ideologias depende da existência de ideias... So...

    1. O conflito pode até haver em alguns seguidores bobões que precisam de uma ideologia pra viver e na falta de alguma, simplesmente partem para a cegueira total. Entre políticos, só a disputa pela esperteza e má fé.

  14. Ressaltar a fala do Mano Brown para a derrota do Huinddad é um absurdo. O atual presidente não foi eleito por falar ao "povo" o que o "povo" queira. Foi transmitir pelas redes sociais por meio de robôs e bots as chamadas fake news. dizer o que não era. Só disse que não nasceu para ser presidente quando já estava eleito. E os seus adoradores já se esqueceram disso, mas o seu (des)governo está demonstrando que não nasceu mesmo para isso. Por que não recupera o Nordeste em vez de só dar dinheiro?

    1. Porque, pra canalhada, o nordeste tem que ficar dependente dela pela eternidade.

  15. Excelente. Tanto da direita como da esquerda, precisamos nos livrar dessas crendices e mitos. Talvez o Brasil fosse melhor se usasse ciência nas decisões!

  16. A goiabice desta semana foi pífia. Não sei por que motivo Bolsonaro é o assunto de todos os meios de comunicação. Até quando faz algo que não tem a menor importância. Que falta de assunto!

    1. Lendo seu comentário, até parece que ele faz algo que preste.

  17. Hamilton Mourao em discurso no ano passado, nos Estados Unidos disse que Jair Bolsonaro governava para as próximas gerações; não, para as próximas eleições. Enganou -se? Acreditava mesmo nisso? Bolsonaro dá aula de populismo. Aqui políticos compram o eleitor e o eleitor se vende aos políticos.

  18. Tem que ser "grande" para relatar e criticar direita e esquerda. Ousei colocar cartaz do Mario Covas no meu carro e o pessoal da UFMG reagiu: surpresas por eu não votar no PT. Tornei-me elitista, analfabeta política, etc. Agora, que já me aposentei, a briga é familiar. A "partizinha" PeTralha insulta. O tantão Bolsonarista se tornou ANTI. Reconheço a decepção. Mas: o Mandetta foi péssimo, há médicos a favor da cloroquina, é difícil pagar o auxílio a milhões de pessoas. Eles não debatem. Brigam.

  19. Levantamento de anão KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  20. Goiaba, vc escreve com o mesmo swing que Charlie Parker tocava seu sax alto. Crusoé é boa por inteiro mas a tua coluna deveria abrir as edições. Assim, continuaríamos a leitura das demais matérias com o humor melhorado. Sou Roberto Bruzadin, teu fã de longo tempo.

    1. Adora Ruy Goiba no fim da edição porque fica com gostinho de sobremesa. Depois de tanta amargura, vem o doce!

    1. Goiaba e suas dicas "entrelinhas" faz dele um poeta similar a L.V de Camões, dá um no cravo e outra na ferradura. Se alguém quer atirar, e só pegar os nomes nas "entrelinhas" e puxar o gatilho. Cuidado com stf, Alexandre pode mandar prendê-lo. Estou aprendendo com as goabice de Goiba👏👏👏

    2. Delicia de texto Ruy! Sim, você é a sobremesa da Crusoé e nos diverte em meio a tantos desatinos...rir é a melhor vingança!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO