Reprodução/Twitter

Os rolos da sra. Witzel

A descoberta de novos negócios suspeitos do escritório da primeira-dama agrava ainda mais a situação do governador do Rio de Janeiro
19.06.20

Em 20 de maio, seis dias após a Polícia Federal prender o empresário Mário Peixoto por desvios na área de saúde e encontrar um contrato de uma das empresas de seu grupo com o escritório de advocacia da primeira-dama do Rio de Janeiro, Helena Witzel, o governador Wilson Witzel exonerou o subsecretário executivo de Educação, João Marcos Borges Mattos. A decisão chamou atenção por um fato curioso: a pasta não era alvo principal da Operação Favorito.

A resposta começou a aparecer quando o contrato da mulher de Witzel levou o Superior Tribunal de Justiça, o STJ, a autorizar buscas na residência oficial do governador e em endereços de seus principais aliados, como o advogado Lucas Tristão, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico. Batizada de Operação Placebo, a ação encontrou na impressora de Tristão uma minuta de rescisão de um contrato entre a primeira-dama e outra empresa, a Quali Clínica, cujo sócio é ninguém menos que Borges Mattos, o subsecretário demitido — sim, ele era subsecretário de Educação, mas tinha uma empresa na área de saúde.

PF faz operação da residência oficial do governador: risco de impeachment
Um relatório da Polícia Civil do Rio de Janeiro, produzido no âmbito da Operação Catarata e ao qual Crusoé teve acesso, mostra como a relação contratual da primeira-dama com o ex-subsecretário de Educação ainda pode causar muitas dores de cabeça ao casal Witzel. Deflagrada em julho de 2019, a Catarata avançou sobre fraudes em licitações de ao menos 66 milhões da Fundação Leão XIII, ligada ao governo do Rio, cometidas por um grupo de empresas que se ajustavam previamente para ganhar licitações.

Assim como nos desvios da saúde, essas empresas prestam serviços para o governo desde a época de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão e fecharam novos contratos na gestão Witzel. Embora os negócios investigados sejam todos do governo de Pezão, segundo a polícia, o governo Witzel já assinou ao menos dois contratos, sem licitação, com uma das entidades suspeitas, o Instituto Brasileiro de Ações, Pesquisas e Estudos Sociais, o Ibrapes. O objeto das contratações é a prestação de serviços relacionados ao atendimento de estudantes com algum tipo de deficiência na rede pública. Os dois contratos, no valor de 16 milhões de reais, segundo o relatório da polícia, foram firmados, justamente, com a Secretaria de Educação de Borges Mattos no mesmo ano de 2019, quando a primeira-dama fez negócio com a Quali Clínica.

Reprodução/FacebookReprodução/FacebookImpressora de Tristão tinha minuta de um contrato com a primeira-dama
Embora não aborde a atuação de Borges Mattos em contratos da gestão Witzel, o relatório analisa conversas e anotações encontradas com um dos empresários envolvidos no esquema: Marcus Vinicius Azevedo da Silva. Além de ser sócio da Riomix, que participou das licitações investigadas, Silva foi assessor do vice-governador, Cláudio Castro, do PSC, na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Esteve no gabinete entre março e agosto de 2017. Nessa época, diálogos encontrados em seu WhatsApp sugerem a entrega de valores a agentes públicos por meio de outro integrante do grupo. Já nas anotações, em parte replicadas no relatório da polícia, são vistos valores atrelados a siglas e empresas. Em algumas delas, destacadas no documento, há repasses para JM, que seria João Marcos Borges Mattos. Antes de ser subsecretário no governo Witzel, ele foi diretor de Administração e Finanças da Leão XIII e integrou os quadros da pasta de Assistência Social.

Helena Witzel acumula com mais esse contrato, cujo valor ainda é desconhecido, ao menos três relações profissionais no mínimo estranhas. O primeiro contratante é o PSC, partido do governador e do vice. O outro contrato, com a empresa ligada a Mario Peixoto, rendeu a busca e apreensão na residência oficial. Desconhecida de todos os principais advogados do Rio, a advogada foi contratada por 540 mil reais, mas nunca atuou nos processos. Os valores são considerados muito acima da média para uma neófita. A ex-aluna do governador, que virou sua mulher e se tornou uma promissora dona de banca advocatícia, fazia apenas consultoria por telefone, as chamadas “consultorias verbais”. No caso do contrato com a empresa do ex-subsecretário de Educação, a previsão era também de atuação “extrajudicial”, sem que haja processos específicos.

O terceiro contrato, para investigadores ouvidos por Crusoé, reforça a tese que aponta para a utilização do escritório de advocacia de Helena Witzel como ponto de recebimento de valores indevidos relacionados a negócios com o governo do Rio. O mesmo estratagema foi adotado em outros tempos por outra primeira-dama do Rio, Adriana Ancelmo, ex-mulher de Sérgio Cabral. Com um detalhe: embora sejam casados desde 2004, o atual governador e Helena Witzel passaram para o regime de comunhão universal de bens somente no dia 3 de setembro de 2019. A data é próxima à do início de um contrato suspeito encontrado pela Polícia Federal, entre o escritório de advocacia da primeira-dama e uma empresa investigada. Na prática, isso permitiu que todos os bens do casal  passassem a ser parte de um patrimônio só. Em nota enviada a Crusoé, os advogados da primeira-dama informaram que o escritório dela “não presta mais serviços para a referida empresa” e que “demais informações a esse respeito serão prestadas em juízo”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Será que entre os milhões de cidadãos domiciliados no Estado do Rio de Janeiro, possam não existir 2 ou 3 com alguma qualidade boa, suficientemente decentes, hábeis, honestos e competentes, em condições de gerir este Estado?

  2. Eu quero novidade. Mas, nesse caso demora a chegar a palmatória. Se fosse um bagrinho... Meu Deus só se fala em roubo, roubo e roubo. Que vergonha me dá!!!!

  3. O SIstema de sáude do Rio de Janeiro, está bichado desde a intervençao do Lula, no Estado com apoio do Cabral, la colocaram a sua tropa de corruptos e nunca mais o sistema funcionou, tornou-se uma caixa preta com a sua estrutura corrupta.Sr. Witzel, gosto do sistema e entro fundo no Grupo, ele ja trocou três Secretario de Saúde no RJ e a bagunça na para. Por quê? Aquilo lá é um monte Witzel!.

  4. Enquanto for esse, o extrato de JUSTIÇA do meu PAÍS, gerações vão se perdendo. Se tem fumaça na própria justiça!!!Esse Witzel já ñ fora juiz?Somente a PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado resgatarão nossa Pátria do peculato sistêmico em todas as capitanias e Distrito Federal. A n prestação de contas sempre será direta c os nossos Eleitos. O POVO ñ politizado, foi cooptado p essa imprensa de "cabresto" como Crusoé, focando o STF. Ignorância conduzida por esse jornal imundo!

  5. estamos novamente,nas mãos sujas,idênticas a do Cabral ex mulher de Cabral?estamos sendo roubados escandalosamente,sem que nada seja feito! isto merece prisão e impeachment do governador!

    1. isto ocorre porque todos estão convictos da impunidade! nossos salários congelados,como se os servidores pobres pagam a conta ! e a saúde mau remunerada, tratados como insignificantes atores que estão morrendo na profissão,dando o sangue e a vida!

  6. Os crimes de corrupção no Brasil continuam pq ministros do supremo são lenientes com os corruptos graúdos, normalmente os crimes prescrevem.

  7. Para juiz no Brasil não tem cadeia quando se prova que eu um bandido mas para governador tem. Esperamos que à justiça seja feita .

  8. é lamentável um juiz uma aluna hoje casados, o estado meu voto válido. decepção, desnecessário se faz corruptos lógicos assassinos, vamos assistir o final desas imundície

    1. Observem como a incidência de casamentos professor velho com alunas novas é 1 constante, p parte desses esquerdopatas esquizofrênico, q formaram nos porões fetidos das universidades onde o gramscismo e Paulo Freire ditam as regras. Calhordas!!!

  9. A leitura que faço do político brasileiro é que, para ser um de “mão cheia”, necessário habilidade, muita habilidade e astúcia para o mal, a improbidade é a palavra chave.

    1. Já refiz minha Assinatura e estou no aguardo da liberação do site Crusoé por parte da Revista Digital

  10. “Helena acumula três relações comerciais no mínimo estranhas”. Interessante como apesar das provas, dão a essa senhora o benefício da dúvida. Como naturalmente tem que ser feito até que a justiça se manifeste. Imagine se fosse a esposa de Bolsonaro com esses contratos. Após publicar algum comentário exdrúxulo do Merval Pereira, o veículo já estaria prevendo até a data para a prisão. Fica a pergunta: por que dois pesos e duas medidas?

  11. É aquela piada: No Rio a transmissão de governo não se faz com a passagem da faixa, mas com a da tornozeleira eletrônica!

    1. Perfeito. Isso é tragicômico. É impressionante a falta de pudor desses genocidas.

    1. O Rio, outrora “Brasilia” eh o retrato escancarado de nosso Brasil........

  12. Há 2 grandes negócios no "País-Potência sem complexo de vira-lata". O primeiro é organizar um grupo de interesse travestido de partido político. O segundo é abrir uma igreja, dessas que vendem água benta às seis da tarde, além de contar com damas charmosas, encarregadas da gestão do gordo portfólio divino. Se não existisse o voto obrigatório, o Brasil logo teria mais "partidos políticos" que eleitores. E mais candidatos que contribuintes, em cuja fenda glútea se cravam as faturas do desgoverno.

    1. Mas, me adverte o meu primo Roderigo, que previu o tsunami eleitoral bolsonarista, não se deve relegar o voleibol executivo, ou judiciário, o qual, juntamente com as onipresentes rachadinhas legislativas, enriquece os políticos, inclusive os togados. A jogada tem sido relativamente simples. Cônjuge, filho ou qualquer outro parente levanta a bola. Fingindo contrição, o político desfere, então, a cortada infalível, que se traduz em mais uma fatura destinada à derrière do contribuinte distraído.

  13. No fundo a máfia é uma só, um grande molusco esponjoso que absorve criaturas abjetas e sem ética! Como acabar com essa máfia é um trabalho insano, para um grupo de pessoas extremamente idôneas, com tempo de sobra para destruir os tentáculos da organização, um a um! Quem faria isso? O povo assiste atônito esses corruptos andando livremente pela cidade, frequentando shoppings com a família, vivendo uma vida de cidadãos de bem, ricos e bem sucedidos!! É revoltante e vergonhoso!

  14. Tudo pilantra! Se pesquisarem bem, é capaz de descobrirem que todos os políticos originários do Rio fazem parte de uma máfia só!

    1. Pelo menos lá no Rio se prende. Aqui em Minas, tudo na encolha, ninguém fala nada. Tudo “minerim”. Aécio ainda está solto? Por que Pimentel não está preso?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO