O dedo de Bolsonaro

22.05.20

Ex-superintendente da Polícia Federal no Rio e recém-alçado ao posto de número dois da instituição, o delegado Carlos Henrique Oliveira de Sousa pediu para prestar novo depoimento no inquérito que investiga o presidente Jair Bolsonaro para evitar um embaraço que policiais conhecem bem. No primeiro depoimento, no último dia 13, ele não mencionou que, ainda em 2019, fora levado ao Planalto pelo então diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, para uma conversa com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto. A omissão poderia ser mal interpretada ou, em último caso, até ser considerada como falso testemunho. Alertado para o risco, ele pediu para ser ouvido novamente e, seis dias depois, revelou a existência do encontro. Àquela altura, o nome de Carlos Henrique estava no meio da queda de braço entre Bolsonaro e Sergio Moro. O presidente já havia anunciado que pretendia trocar o comando da superintendência do Rio. Moro e Maurício Valeixo, então diretor-geral da PF, diziam que até topavam a troca, desde que o nome do novo superintendente fosse indicado pela própria corporação. Os dois apresentaram, então, o nome de Carlos Henrique. Bolsonaro quis conhecer o delegado. E, na presença de Ramagem, homem da sua confiança e uma espécie de fiador naquele ato, aproveitou para dizer pessoalmente quais eram as suas queixas em relação à superintendência do Rio. Após a audiência, o nome de Carlos Henrique recebeu finalmente o aval do presidente e a nomeação foi oficializada. Resumo da ópera: antes mesmo da saída de Moro do governo, Jair Bolsonaro já tinha participado diretamente do processo de escolha do chefe da PF em seu estado. Ao prestar o novo depoimento, Carlos Henrique traz à luz a existência da audiência, mas em nenhum momento detalha o que ouviu do presidente. Ele nem sequer é instado a falar mais sobre isso, aliás. O delegado se limita a dizer que Bolsonaro fez “uma explanação geral da trajetória que havia percorrido até sua eleição e dos desafios que enfrentou”.

Assembleia Legislativa de Pernambuco/DivulgaçãoAssembleia Legislativa de Pernambuco/DivulgaçãoCarlos Henrique: segundo depoimento para evitar risco de falso testemunho

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Pelo andar da carruagem é possível perceber que a inclinação tendenciosa das melhores formas de se obter informações no Brasil terão em breve #antagolixo e #crusoestrume..Será só uma questão de tempo.

  2. Antagonista e Crusoé encomendaram uma replica da estatueda do Oscar para o ator do ano Sergio Moro. Mas a "película" foi para Bolsonaro. O PSDB não se seiu bem. O STF jamais poderia deixar que assuntos não pertencentes ao processo fossem divulgados. O STF agiu como sempre: "tudo é válido quando. O objetivo é trazer discordia e instabilidade para o Brasil".

  3. Como assim, Moro e Valeixo ATÉ TOPAVAM SE?. O Presidente da República tem q se dobrar a um ministro e Diretor, seus auxiliares, nomeados por ele (Presidente)? Que aburdo! Bem dado realmente aquele chega pra lá que Bolsonaro deu no Moro, lá na reunião com os ministros.

    1. Jenisvaldo, me tire uma dúvida,. Sua mãe chamava Jeni e seu pai chamava Osvaldo??

  4. Fiz uma denúncia junto ao PROCON Goiás, pois inadmissível a tal renovação automática, criminoso isso. Continuar pagando para ler tanta asneira. Quero o estorno

  5. Uma coisa não foi alterada, e pelo que conhecemos do Dr. Moro, tende a se confirmar indefinidamente: o ex-ministro não mentiu, é uma pessoa de bem. E tem como se fazer respeitar.

  6. Notícia tendenciosa e contraditória! Se os próprios membros da PF (Valeixo e Corporação) apresentaram o nome de Carlos Eduardo, como concluir que a escolha ou exigência foi do Presidente? O leitor não é burro,né? Crusoé caindo na vala da Folha? Lamentável...

  7. O maior problema hoje, para a mambembe democracia de nosso assaltado e vilipendiado País, está sendo justamente o DEDO do PR... Quando o APONTA, com maldade, para os inimigos; já apontou para alguns ex-amigos e como o USA para o vem cá de volta a ex-inimigos e alguns, muitos, novos amigos entre velhos companheiros de caserna (e seus ‘amigos’). Um DEDO que vem cutucando pouco a pouco as FAA, na tentativa, cada dia mais atrevida, de cooptá-las a seu projeto megalomaníaco de Poder. O povo? E DAÍ?

    1. Concordo e sei onde ele deveria enfiar este dedo. Bem fundo e a seco.

  8. Um show: Adorei. O que mais me encantou foi a elegância do nosso PR Bolsonaro; a finesse cultural da fala do Ministro da ‘Educação’ e da devoção da Damares (ela “viu” sim a Santa Cloroquina fazer milagres)! Lembrou-me o letrado Lula, Ex PR honestíssimo e sua Damares, a Dilma, com seu linguajar castiço e seu inquestionável domínio da Língua Portuguesa. Apesar de ter adorado, achei que o Bolsonaro exagerou ao priorizar a calamidade da Covid-19, mesmo sabendo ser ela uma coisa atoa, uma gripinha...

  9. Ainda bem que Moro deixou esse que diz ser líder e prova a cada dia que não é líder . Ainda bem que Moro deixou o “jogo” sujo de Bolsonaro . Parabéns MORO . MORO em 2022 Presidente do Brasil!

  10. Tudo já vinha sendo costurado desde agosto/2019. Sergio Moro até que aguentou demais... Saiu tarde, pois já deveria ter se afastado quando JB não vetou o Juiz das Garantias... mais uma vergonha desse legislativo e judiciário que aí está... Não dá para trabalhar com quem vive te sabotando... Até 2022....

  11. Crusoe, ”uma ilha no jornalismo”. A ilha poderia ser Alcatraz ou Ilha do Diabo, afinal estou preso nessa revista por mais um ano, por um esquecimento de cinco dias (renovou automático). Já o jornalismo é um show de parcialidade, perseguição e outras mazelas que a esquerda instalou no Brasil. Mas, tudo tem fim.

    1. Que falta de imaginação hem chapinha.. cont C cont V.. praquê?

  12. Só Sérgio Moro em 2022 p Presidente , só os eleitores também renovarem os políticos do senado e câmera para que Brasil realmente saia de todas as crises que assolam o povo .

    1. Sérgio Moro foi um excelente juiz no combate á corrupção e medíocre como ministro, sempre em segundo plano. Ele poderia tentar voltar a ser juiz, pois certamente seria um péssimo presidente, isto é, se conseguir se eleger, pois o rótulo de traíra não vai abandoná-lo nunca.

  13. Ao poucos os aliados das tentativas de interferência de Bolsonaro na PF vão surgindo. A prova de que o judas não é Sergio Moro, mas sim o presidente que enganou toda a nação brasileira dizendo que seria à favor do combate à corrupção. Mentiroso!!!

  14. A Crusoé está para um veículo de informação assim como as revistas Caras, Tititi, Capricho! Sem chances de renovar a assinatura.

  15. Cada dia que passa essa coisa da PF fica com jeito de sujeira e imoralidades (mais uma) dos Bolsonaros. Pena que ela envolve, também, alguns integrantes da própria PF. Moro fez muito bem que sair fora.

  16. Não entendi. É pra eu atacar esse cara aí e dizer que ele é ruim que nem o Aras e só faz bolsonarismos ou defender ele e dizer que graças ao que disse vai rolar impeachment?

Mais notícias
Assine
TOPO