Adriano Machado/Crusoé

PDT dá o troco e critica PT por apoio à PEC dos Precatórios no Senado

02.12.21 15:48

O PDT esteve no olho do furacão em 4 de novembro, quando deputados do partido garantiram os votos que levaram à aprovação da proposta de Emenda à Constituição que limita o pagamento de precatórios, deixando a quitação de parte das dívidas reconhecidas judicialmente para os próximos anos, e reformula o cálculo do teto de gastos.

À época, em um dos pontos mais polêmicos, o texto estabelecia a vigência do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, que será custeado com o espaço fiscal proveniente da PEC, somente até o final de 2022, quando Jair Bolsonaro disputará a reeleição. O mal-estar foi tamanho que Ciro Gomes suspendeu a pré-candidatura ao Planalto e a legenda teve de realizar uma reunião às pressas para mudar o jogo e garantir os votos contrários da bancada ao projeto no segundo turno.

Passado um mês, a PEC foi submetida ao crivo do plenário do Senado nesta quinta-feira, 2, numa versão distinta. Apesar das substanciais mudanças, o PDT, ainda atordoado pelo tiroteio de novembro, marcou posição contrária à proposta — no final das contas, no entanto, a matéria acabou aprovada. Principais líderes da sigla, Ciro e Carlos Lupi fizeram questão de divulgar os votos pedetistas e “dar o troco” no PT.

Ciro chamou a PEC de “aberração” e parabenizou os colegas pela posição “firme e acertada“. “Já o PT todo votou a favor. O que eles falam no almoço, não serve para o jantar“, disparou. Lupi, por sua vez, não citou nominalmente o partido de Luiz Inácio Lula da Silva, mas, numa crítica a “outro partido progressista“, disse não ter visto “nenhum escândalo na internet“.

Petistas veem as declarações como “infundadas“. Em geral, a avaliação no Senado é que, embora longe do ideal, a PEC corrigiu problemas grotescos chancelados pela Câmara. Nas negociações do Salão Azul, o relator, Fernando Bezerra, aceitou, por exemplo, incluir no texto um trecho que torna o Auxílio Brasil um programa social permanente — o receio, antes, era de que famílias em situação de vulnerabilidade social ficassem desassistidas após as eleições, dado que o benefício teria fim em dezembro.

Além disso, a PEC avalizada pelo Senado prevê a integral vinculação do espaço de 106,1 bilhões de reais a ser aberto pelo texto em programas de combate à extrema pobreza, saúde, previdência e assistência social. A modificação foi exigida por senadores diante de promessas do presidente de Jair Bolsonaro de usar parte do dinheiro para a concessão de reajustes a funcionários públicos.

O governo ainda cedeu à pressão e aceitou deixar fora do teto de gastos os precatórios ligados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, Fundef. Com a medida, há a previsão de que todas essas despesas sejam honradas.

O texto, agora, retorna à Câmara. O presidente da casa, Arthur Lira, ainda não anunciou a data da votação.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. esculhambado é pouco, é uma suruba esculachada, do mais baixo nível de depravação...

  1. só uma perguntinha ao iluminado prof. dr. Ciro . estes precatórios são da IRRESPONSABILIDADE de quais desgovernos? quantos de Bolsonaro? por que não foram pagos antes no governo ladrão do qual o senhor Ciro fez parte como ministro mais de uma vez? só idiotas ou ignorantes desmemoriados dão ouvidos a este oportunista ridículo biquirroto . é isto a salvação deste pobre país? se for .. foRdemo-nos do primeiro ao quinto . coitado do Brasil.

    1. PAULO comento o dou opiniões com perfil cidadão NÃO COMO VOCê um criminosos SOB PERFIL FALSO que a cada comentários comete crime que fique certo por eles será punido pois os esquizofrênicos não tem percepção de perigo e avançam a c ada ataque se imaginando inatingíveis .. tua batata está assando e sua hora está chegando canalha . aí veremos a sua arrogância prepotência e cinismo na cadeia vagabundo . seu problema repito é falta de testosterona no reverso . o Nyco diz que é excesso.

    2. Chiquinho Cariri, o cearense justo. 😂😂😂😂😂😂😂. Vc é ridículo Cariri. Como é q o Ciro Gomes paga o cartão de crédito? Até onde sei, o trabalho dele é ser candidato. Então, o cearense Ciro fez parte de um governo corrupto, mas segundo o FRANCISQUINHO, saiu como uma freira. Cariri, o Ciro disse q denunciou p/ o Lula os esquemas de corrupção. PARA O LULA! Ele é ingênuo ou um gde canalha? O Brasil sendo pilhado por uma quadrilha, e ele avisa o chefe da quadrilha dos roubos. Moro 🇧🇷

    3. para bom entendimento Ciro foi ministro sim de governos corruptos E NAO É UM DELES e os muitos processos contra si são por crimes contra a honra contra outrem não por corrupção e por justo isto tem de ser dito.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO