Reprodução

Em apuros para as eleições, governo argentino congela preços de 1.247 produtos

14.10.21 17:52

O secretário de Comércio da Argentina, Roberto Feletti (foto), anunciou nesta quarta, 13, o congelamento de preços de 1.247 produtos de “consumo massivo“. Os valores não poderão ser reajustados até o dia 7 de janeiro — prazo que abarca as eleições legislativas de 14 novembro.

O objetivo é conter a inflação, que segundo as previsões do governo ficará em 45% este ano. Mas o congelamento de preços nunca se mostrou eficiente nesse ponto. Geralmente propagandeados como sendo um “acordo” com empresas e supermercados, a medida sempre acabou com prateleiras vazias ou produtos vendidos com ágio.

A dúvida é se o congelamento poderá melhorar o desempenho dos candidatos oficialistas na eleição legislativa. Nas primárias, que ocorreram em setembro, os governistas só conseguiram 32% dos votos, enquanto a oposição ficou com 41%.

Para o consultor argentino Cristian Solmoirago, o congelamento não apenas não beneficiará o governo, como poderá ter o efeito inverno. “O congelamento de preços nunca teve um efeito eleitoral na Argentina. Mais do que isso, essa pode ser uma medida contraproducente. Se o eleitor for ao supermercado achando que os preços estão mesmo congelados, ele poderá ficar desapontado ao notar um aumento nas gôndolas“, diz Solmoirago.

O pesquisador Gustavo Córdoba, da consultoria Zuban Córdoba, também acha que o impacto não será grande. “É muito difícil que o congelamento tenha uma repercussão imediata. O desencanto generalizado entre os argentinos tem a ver com a economia, mas está mais ligado à falta de liderança e de credibilidade do presidente Alberto Fernández“, diz Córdoba. “É possível até que a diferença a favor da oposição aumente.”

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Isso deu muito certo no Brasil. Foi um sucesso. Vão acabar de ferrar os argentinos. Os pobres né. Porque os ricos ja se mandaram. Agora chegou a vez de matar de fome os eleitores burros dos comunista ladroes

  2. Teorias de formação de preços vicejam por aí. Adam smith pensou ver no mercado o poder solucionador da mão invisível. Marx enxergou na mais-valia (o lucro apropriado pelo capitalista) o grande diferencial da formação de preços e de injustiças; outros, apontam a baixa produtividade como a questão a ser resolvida; sei lá, entende?!?! Tabelar é quase sempre um tiro no pé. Um perigo para as relações de troca. O fator “China compra tudo” e desequilibra muito...

    1. Grato pela atenção Amaury. Se fato, precisamos de boa educação. Parece que a Coréia do Sul investiu pesado nesse setor, e os frutos vieram.

    2. beleza Ferreira é ousar juntar Smith e Marx sim . o mercado motivado produz mas a mais valia estúpida se torna o trabalhador refém do patrão propicia baixa produtividade pela semi escravidão que temos aqui . este o nó da questão que medíocres não enxergam e em vez de parceiros viram inimigo s .. no fundo é falta de boa educação.

  3. Vai dar "certo"! Vai fundo, hermano! Essas tranqueiras populistas são uma praga na América Latrina, tem para todo o gosto!

    1. pois é Paulo de político se pode esperar qualquer coisa . lembre que há cinquenta anos a Argentina era Suíça da América e a Venezuela o quinto país mais rico do mundo . o que deu errado?

    2. Gera câmbio negro e falta de produtos.Nem dá para acreditar que ainda fazem isto.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO