Adriano Machado/Crusoé

Fianças fraudulentas apresentadas ao Ministério da Saúde somam R$ 500 milhões

28.10.21 10:58

A Operação Imprecisão, deflagrada pela Polícia Federal contra a Precisa Medicamentos nesta quinta-feira, 28, tem entre os objetivos aprofundar as investigações sobre a fiança concedida pelo FIB Bank ao Ministério da Saúde, para garantir a negociação de 1,6 bilhão de reais para o fornecimento da Covaxin. Segundo a Controladoria-Geral da União, já foram identificadas mais de 500 milhões de reais em cartas de fiança inidôneas apresentadas à pasta.

“A emissão de garantias inidôneas podem gerar prejuízo aos órgãos públicos e às empresas que aceitaram as garantias das empresas envolvidas, caso os compromissos não sejam honrados por quem as apresentou”, argumenta a Controladoria-Geral da União.

A operação desta quinta-feira é a quarta deflagrada pela PF contra a Precisa Medicamentos. Diante de denúncias de fraudes no contrato, o governo cancelou a negociação. A Precisa é uma das duas empresas que foram alvos de pedido de indiciamento pela CPI da Covid. A comissão parlamentar de inquérito investigou as ligações entre o sócio da empresa, Francisco Maximiano, e políticos de Brasília, como o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, do Progressistas.

A FIB Bank, instituição que concedeu a garantia para o negócio da Precisa, foi investigada pela CPI da Covid. Os senadores do colegiado acreditam que o empresário Marcos Tolentino seria o sócio oculto da FIB. Ele é ligado ao deputado Ricardo Barros.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Evoluímos muito pois enquanto anos atrás ladrões acolitados à pior politicalha e quadrilhas travestidas de partidos assaltavam como queriam o erário hoje o controle impede a fraude que ainda tentam .. esta a diferença que semeia o ódio dos cúmplices saudosos da roubalheira . esta a dura verdade . estou mentindo?

    1. Que controle? A POLÍCIA FEDERAL está investigando o que CPI apurou…Toda a roubalheira passa pelos queridinhos…

  2. SE FOSSE NUM PAÍS EM QUE EXISTISSE JUSTIÇA DE FATO, TODOS ESSES CANALHAS JÁ ESTARIAM PRESOS. AQUI NADA VAI ACONTECER COM ELES.

  3. Só a Gadolandia para acreditar que os 500 milhões de carta de fiança “concretizado”, não estavam acontecendo no governo do Bozobosta, isto que me deixa abismado, ou esta gente é burra ou mal intencionado em seguir estes políticos Bozogenocidas,imagina mais 4 anos desta roubalheira!!!Abre a boca Bob Jef!!!!

  4. É claro que essas fianças contavam com possíveis esquemas de corrupção a concretizarem-se, como não, a pretensão de falcatrua derreteu. BOLSONARO 2022, para o Brasil continuar crescendo.

    1. Francisco, vamos restabelecer a verdade. BOLSONARO SABIA DO ESQUEMA DA COVAXIN, tanto é, que não titubeou em apontar o seu líder na Câmara, Ricardo Barros como o cabeça. O ESQUEMA NÃO FOI CONCRETIZADO graças aos irmãos Miranda. Alguém cai nessas lorotas de vcs bolsonaristas? Vcs são muito fraquinhos. Mor🇧🇷 Presidente.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO