FelipeMoura Brasil

Gladiadores x gângsteres

11.09.20

[Este artigo contém spoilers.]

1) “Em meio a toda fofoca e especulação que permeia a vida das pessoas, ainda acho que elas sabem a diferença entre notícia e mentira. E ficam felizes de ver alguém que se importa o bastante para publicar a verdade.”

A declaração é do repórter investigativo Cal McCaffrey, personagem interpretado pelo ator Russel Crowe no filme Intrigas de Estado, respondendo ao apelo hostil de um amigo deputado para que não publicasse sua ligação com um crime de comoção nacional.

McCaffrey se impõe e publica.

A cena retrata a intransigência moral necessária a um jornalista.

2) “Eu agi certo”, diz o detetive Richie Roberts no filme O gângster, baseado em fatos reais. Na cena, Roberts, outro personagem interpretado por Russel Crowe, responde a provocações do mafioso preso Frank Lucas (Denzel Washington). Roberts devolveu uma mala apreendida com 1 milhão de dólares, mas outros policiais, corruptos, depois “pegaram”.

O mafioso Lucas explora o episódio antigo para questionar se Roberts faria isso de novo. Com isso, tenta induzir o detetive a aceitar um suborno para libertá-lo.

“Me dá o endereço, eu mando o carro pra lá e o dinheiro vai estar na mala”, diz.

“Não, obrigado”, recusa Roberts, sentado à mesa de interrogatório, diante do mafioso.

“Você acha mesmo que me colocar atrás das grades vai mudar alguma coisa nas ruas? Os viciados vão tomar pico, vão roubar pela droga, vão morrer pela droga. Se eu estiver lá ou não, não vai mudar nada.”

“É assim que é.”

Sem sucesso, Lucas diz que Roberts tem pouco contra ele, mas o detetive mostra que tem um monte de provas contra o mafioso, incluindo “testemunhas de assassinato a sangue frio”; “imóveis, negócios, contas bancárias no exterior, tudo com dinheiro da heroína”; “e centenas de pais de jovens mortos, viciados que tiveram overdose com seu produto”.

“É a minha história para o júri, é assim que vou convencê-los: ‘Esse homem matou milhares de pessoas, fez isso sorrindo e dirigindo um carrão’. Fora isso, não tem com o que se preocupar”, ironiza Roberts.

Frank Lucas não vê razões para levar o caso ao tribunal e, afetando superioridade, diz também contar com testemunhas: “Celebridades, esportistas famosos, eu tenho o Harlem; eu cuidei do Harlem e o Harlem vai cuidar de mim!”.

Mas o detetive afirma ter mais: “Eu tenho uma fila de gente que dá a volta no quarteirão”.

Sem saída, Frank se faz de vítima de violência policial contra sua família na infância, como quem tenta legitimar sua carreira sanguinária no crime e o desprezo pela polícia, até que sobe o tom, ameaçando Richie Roberts de morte: “Não vai significar nada pra mim se você aparecer amanhã com os miolos estourados”.

“Ora, Frank, entra na fila. Essa também dá a volta no quarteirão.”

“Então tá. Quer saber o quê?”

“Você sabe o que tem que fazer.”

“Quer que eu dedure? Sei que você não quer que eu entregue os policiais. Quer os gângsteres? Pode escolher. Judeus, irlandeses, italianos… Fica com eles.”

“Fico com eles também.”

Frank Lucas ri, impotente e surpreso: “Quer polícia, é? Quer os seus?”.

“Eles não são meus”, rebate Roberts, distinguindo-se dos corruptos. “Se fazem negócio com você, não são como eu. Assim como os italianos não são como você.”

“Tá… O que você pode me prometer?”

“Posso prometer que, se você omitir algum nome, não sai mais da prisão. Se mentir sobre 1 dólar da conta do exterior, nunca mais sai da prisão. Pode viver na riqueza, na cadeia, pelo resto dos seus dias, ou pobre fora dela por um tempo. É o que posso prometer”, impõe-se o detetive Roberts, colocando a questão nos devidos termos.

Frank Lucas então começa a delatar os policiais corruptos e todos os demais bandidos.

A cena retrata a intransigência moral necessária a um agente da lei.

3) No Brasil, apesar da complacência da própria legislação, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e o então juiz Sergio Moro conseguiram se impor diante de outros tipos de criminosos poderosos, como no caso de executivos da Odebrecht cuja colaboração premiada atingiu a alta cúpula da política nacional, incluindo petistas, tucanos, caciques do Centrão e, como se vê nesta edição de Crusoé, o ministro do STF Dias Toffoli.

Um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro, a operação Furna da Onça, ainda alcançou, entre outros 26 então deputados estaduais, Flávio Bolsonaro, o filho 01 do hoje presidente da República – também ele beneficiário de depósitos do operador Fabrício Queiroz e da mulher dele, Márcia Aguiar, na conta da atual primeira-dama, Michelle. Jair Bolsonaro então nomeou para a PGR um detrator do “lavajatismo” (Augusto Aras) e interferiu na Polícia Federal para não “esperar foder minha família e amigo meu”.

O apelo hostil das autoridades contra a publicação de suas ligações com supostos crimes foi se transformando em diversos atos de censura a veículos de comunicação e procuradores, como nos casos em que o ministro Alexandre de Moraes censurou Crusoé “atendendo a um pedido feito por Dias Toffoli por meio de uma mensagem de texto”; a juíza Cristina Serra Feijó censurou a Globo, proibindo a emissora de divulgar qualquer documento da apuração sobre desvios de dinheiro público no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro, a pedido do atual senador; e o CNMP censurou o agora ex-coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, a pedido de Renan Calheiros.

“Em muitos momentos, quando o chefe do Executivo procurou o STF, por muitas vezes em decisões monocráticas Vossa Excelência muito bem nos atendeu”, disse ainda Jair Bolsonaro a Toffoli na última sessão do ministro como presidente do Supremo, pouco depois de semelhante troca de afagos de parlamentares com o homenageado.

De fato, durante plantão em recesso judiciário de 2019, Toffoli segurou sozinho a investigação sobre Flávio — e, enquanto a mantinha suspensa, a família Bolsonaro fez campanha contra a CPI da Lava Toga que investigaria o ministro, conseguindo barrá-la.

Agora, com o telhado de vidro de cada um à mostra, graças a forças-tarefa e jornalistas independentes, as razões e manobras de blindagem mútua e coletiva do establishment se tornam ainda mais claras. Toffoli tenta retornar à Segunda Turma do STF, para formar maioria com Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski a favor da impunidade de Lula, Flávio e outros caciques; os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, tentam se reeleger garantindo não pautar impeachment de ministro do STF nem de Bolsonaro; e, apesar dos 400 inquéritos em andamento, Aras já encurtou somente até janeiro de 2021 a prorrogação da Lava Jato, que felizmente cai atirando.

Considerando que grandes filmes são capazes de iluminar o senso moral dos indivíduos, resta a cada brasileiro decidir se é como o jornalista Cal McCaffrey e o detetive Richie Roberts, ou se topa varrer a sujeira para baixo do tapete por conivência, corporativismo e dinheiro.

Como dizia o general Maximus Decimus Meridius, outro personagem interpretado por Russel Crowe, em Gladiador: “O que fazemos em vida ecoa pela eternidade”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vejo algumas pessoas colocando que Bolsonaro era a única opção. Concordo, mas isso não significa que temos que concordar com tudo que ele faz. Mas lutar pelo fim da impunidade ajuda a todos os brasileiros honestos e trabalhadores, dessa e das gerações futuras. Nesse contexto, Bolsonaro faz parte do problema e não da solução. Está muito claro que a família Bolsonaro esteve envolvida com desvio de dinheiro, nosso dinheiro. Se fosse uma pessoa arrependida, aceitaria as consequências dos seus atos.

  2. A arte imita a vida, a vida imita a arte ou ambas? Uma é o espelho da outra... Muito obrigada por mais um excelente artigo. Parabéns por manter-se firme a seus princípios e valores, honesto, íntegro e combativo na luta contra os maus governantes. Receba um sopro de luz de sua fã incondicional, Sonia Martha

  3. Se o Tóffoli assumir a 2ª Turma, fazendo maioria com Gilmerda e Lewadowisky, será o fim triste da Lava Jato. E pode piorar, pois mesmo que Tóffoli vá para a 1ª Turma, em dezembro o Bolsonarolixo vai nomear outro pau-mandado, como o ARAS, se não o próprio, nomeado para agradar o presidente e contra a Lava Jato.

  4. Parabéns Felipe! Mais um artigo brilhante de sua lavra, fazendo a conexão entre o mundo do faz de conta, com a realidade da política, do judiciário e da criminalidade nacionais. Que saudades de sua participação no programa “Os Pingos nos Is”. Foi uma época em que você fazia o contra ponto sobre as opiniões dos comentaristas, que atualmente são, todos, chapa branca. Atualmente todas as opiniões são convergentes. Que tristeza!

  5. ".... ecoa pela eternidade." Verdade. Eleger lula duas vezes e dilma duas vezes... Isso ecoa e vai continuar ecoando por pelo menos uns 20 anos no Brasil. Nem o analfabetismo eles conseguiram combater. O povo votou...e o que fizeram "ecoa e ecoará....por muitos anos"

  6. Muito bom. Assisti a todos os filmes e acompanhei toda os episódios da politicagem nacional. Articular uns com a outra, muito bom!

  7. Excelente artigo, excelente conexão entre a arte e a realidade, coroando o texto com as magníficas atuações de Russel Crowe, um dos melhores atores de todos os tempos!

  8. Oh Felipe! Que prazer ler esse texto lúcido e corajoso, retratando com fidelidade a nossa atual e infeliz realidade. Você nos propõe reflexões decisivas pra termos em mãos o nosso próprio destino. Parabéns! Continue e acredite, juntos chegaremos a bom rumo. Temos que acreditar!!E são profissionais competentes como vc que nos dão o norte.

  9. o que fazemos em vida ecoa pela eternidade = " digo-vos que dali não sairás enquanto não tiveres pago até o último ceitio."

  10. Parabéns Felipe! Amarrou tão bem a lógica e coerência das informações entre a ficção e a realidade que nenhum gado bozista retardado se atreveu a vir defender o clã bozó.

  11. votei nesse Lazarento , Bozo O Falso messias , acreditei que ia fortalecer a Lava-jato. Esse desgraçado , maledeto colocou o filho acima de tudo . Bozo energúmeno Bozo alma gêmea do Lula . Iguais nos trejeitos , nas falas chulas e na corrupção Malditos sejam Sarney+ Collor, + Lula+ DilmaTemer +Bozo + FHC + Aecio + Serra+Alckmin+ Aluizio Nunes e toda quadrilha Petista , Pmdb , Tucanos . Corrupção tem ser Crime Hediondo .O certo mesmo é a FORCA .

    1. Juarez, permita-me fazer minhas as suas palavras— exceto a parte da forca. A meu ver, um melhor castigo seria a humilhação e a execração pública. Pegar um corrupto de alto posto na administração pública, despi-lo, dar-lhe um banho de mel quente, cobri-lo com penas de urubu e fazê-lo desfilar pelas ruas, protegido por um cordão policial a caminho da cadeia, onde cumpriria prisão PERPÉTUA.

  12. Grande Moura Brasil!! A Crusoé, é Antagonista, estão prestando primoroso serviço à nação. Isso é patriotismo. Excelênte texto Felipe.

  13. Excelente texto. Cinéfilo e grande jornalista. Para ficar nesse terreno, lembre- se de Ozark. ‘Tudo são opções e consequências.’ O Brasil vive consequências de opções ou ausência delas. Parabéns!!

  14. Parabéns Felipe. O importante é não desistir nunca apesar de todos os reveses. Quanto tempo demorou para que o brasileiro honesto acreditasse que o Lula era o ladrão que é!!!

  15. Excelente! Já que o mote é Russel Crowe, você esqueceu o filme "O informante". Lowell Bergman (Al Pacino) jornalista do programa 60 Minutes da rede de TV CBS descobre que Jeffrey Wigand (Crowe), doutor em bioquímica, trabalhou para uma das 7 grandes do Tabaco. Bergman é o típico exemplo de como ser um bom jornalista: checa os mínimos detalhes do fato e consegue uma grande matéria. Assim, a despeito de uma cláusula de confidencialidade, Wigand revela ao público efeitos aditivos do tabaco.

  16. Esses poderosos, Felipe, não estão preocupados em como aparecerão nos livros de história; querem só usufruir a vida fácil cheia de privilégios que a corrupção, o compadrio, o poder a qualquer preço, lhes garantem agora. Honra? Ética? Isso são coisas para filósofos!

    1. Compartilho sua opinião. Me consola saber que um dia vão morrer. E nada levarão .Oxalá o terno. Se não morrerem queimados.

    1. parabéns, Felipe! infelizmente os bandidos estão em todas as áreas desse país

  17. Fantástico... exemplos da tela que deveriam ser seguidos.... Mas esses escroques do poder, não possuem e nunca possuirão minimamente, o tamanho, a dignidade e a postura dos personagens citados.

  18. Perfeito. Resta aos brasileiros se acomodarem e justificarem os crimes cometidos nos três poderes ou lutar a favor do combate à corrupção. A corrupção mata, traz fome aos brasileiros, prejudica o sistema de saúde e até a economia de um país. É o dinheiro do povo brasileiro indo para o esgoto dos ratos corruptos.

  19. Isso,Felipe, Parabéns! Muito triste ver jornalistas e comentaristas que tinha como sérios,legitimando a roubalheira desde que seja de poucos milhões.????

  20. Excelente, Felipe. As mudanças desejadas começam pela escolha feita entre as opções que você colocou. A minha escolha está decidida faz tempo.

  21. Ótimo Felipe! A situação do momento é revoltante!!! O povo brasileiro até enxergou uma luz no fim do túnel com os sucessos da Lava Jato, eu dizia que o Brasil mudaria!!! Triste engano, um presidente mentiroso(mais uma coleção de adjetivos) se uniu a um togado corrupto e escolheu um petista patife para PGR, pronto, lá se vai Brasil ladeira abaixo.

  22. Frank teve a infelicidade de topar com um sistema judicial que funciona. Ele precisava ter conhecido como as coisas andariam bem mais ao sul, mais exatamente no Trópico da Mediocridade, onde a justiça realiza o sonho de muitos “homens de negócios”.

    1. Isso não é sentimento, é a realidade dos fatos! Somos governados por gângster que as vezes brigam entre si pelo poder, mas sabem se unir e se proteger muito bem quando lhes convém

  23. Apesar do poder dos bandidos unidos tenho certeza que a verdade está sendo ouvida pelos brasileiros ..força lava jato...ARAS você não é a Procuradoria...você é vergonhosamente pequeno.

  24. Boa Felipe! um artigo sóbrio e equilibrado, que mostra o mundo disrópico que vivemos no Brasil hj. Ai da acho que há esperança.

  25. Parabéns pelo jornalismo correto e corajoso que vem exercendo. No Brasil está sendo difícil mas os bons vencerão os maus. Para mim não foi spoiler. Também vi esses filmes.

  26. Ontem eu estava assistindo o final de Tropa de Elite 2 e pensando que, assim como Capitão Nascimento que percebeu que o Sistema é a organização criminosa e segue de maneira obstinada tentando resolver do jeito que dá, assim também ocorre nos filmes e na vida real: Há muitos McCaffrey´s, Roberts, Moros e jornalistas que tem que derrubar paredões todos os dias dentro de um Sistema que está corrompido em todas as suas instâncias. Não desanimem! Vocês são as luzes de clareza que farão a diferença!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO