A ameaça do ‘Narcosul’

O que as autoridades do continente estão fazendo para enfrentar a internacionalização do PCC, presente em sete países além do Brasil
24.01.20

A fuga em massa de um presídio de Pedro Juan Caballero, no último domingo, evidenciou a força do Primeiro Comando da Capital, o PCC, no Paraguai. Por lá, a facção brasileira, surgida em cadeias paulistas em 1993 como reação ao Massacre do Carandiru, controla o tráfico de drogas e parte do sistema penitenciário. Os paraguaios, no entanto, não são os únicos vizinhos a sofrer com o crime brasileiro tipo exportação. Presente por aqui em todos os estados, com mais de 30 mil integrantes, o PCC tem células em ao menos outros sete países sul-americanos. Na vizinhança, a facção ganhou até um apelido: Narcosul. A fim de tentar conter a sua expansão, autoridades até têm procurado firmar parcerias, mas os desafios ainda são monumentais devido a problemas atávicos da região: fronteiras desprotegidas, polícias despreparadas para o crime organizado e, claro, instituições carcomidas pela corrupção.

No caso do Paraguai logo após 75 presos fugirem por um túnel, investigadores levantaram a suspeita que o buraco havia sido cavado apenas para disfarçar a compra da fuga. O PCC teria  pagad de 80 mil dólares (mais de 330 mil reais) a funcionários da cadeia. Depois de afastar o diretor do presídio e 30 carcereiros, a ministra da Justiça do país colocou o cargo à disposição, mas o presidente Mario Abdo Benítez não aceitou. Ele anunciou uma intervenção federal no sistema penitenciário, com reforço de militares na segurança de presídios, mas há dúvidas se as medidas serão suficientes ante a força da facção brasileira.

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisMario Abdo Benítez, presidente do Paraguai, interveio no sistema penitenciário
Diante do mais sombrio cenário dos países estrangeiros onde o PCC atua, o governo do Paraguai reconhece que mais de 500 homens da facção atuam em quase duas dezenas de presídios. O país tem sido alvo constante de ações bárbaras do grupo. A primeira delas, em 2016, marcou o início da internacionalização da facção. Ao fuzilar o traficante Jorge Rafaat, conhecido como o Rei da Fronteira, o PCC passou a controlar rotas de maconha, cocaína e pasta-base. Depois disso, vieram outros episódios, como um assalto cinematográfico em Ciudad del Este, vizinha à brasileira Foz do Iguaçu, em que criminosos ligados à facção levaram o equivalente a 120 milhões de reais. Nas cadeias paraguaias, o PCC organiza rebeliões para emparedar o governo e, assim, tentar conquistar benefícios para os presos e ganhar mais adeptos. A estratégia é a mesma que foi usada nos primórdios da facção no Brasil.

Assustado com a escalada de violência, em setembro, o Congresso Nacional do Paraguai sancionou uma lei que declarou situação de emergência em todas as cadeias do país. Como mostrou a fuga de domingo, não adiantou muito. Hoje, os tentáculos do PCC no país vão bem além dos limites das penitenciárias e não se limitam ao tráfico. Na Tríplice Fronteira, a facção também lucra com o mercado do cigarro falsificado. Esse negócio, por sinal, une o PCC ao grupo radical islâmico Hezbollah: segundo as autoridades, os criminosos brasileiros prestam apoio logístico para o envio de drogas e outros produtos ilegais para o Oriente Médio e para a Europa.

Além do Paraguai, o PCC mantém o controle de cadeias e homens fortemente armados agindo livremente no Peru, na Bolívia, na Colômbia, na Argentina, no Chile, na Venezuela e no Suriname. Na Colômbia e no Peru, a presença da facção ainda é tímida, apesar de serem dois dos maiores produtores de cocaína do planeta. “Nesses dois países, o PCC mantém integrantes para suas relações comerciais. Também vale ressaltar que ambos têm cartéis muito fortes, com os quais o PCC não quer conflito. Por enquanto, eles agem como parceiros”, explica o pesquisador Bruno Paes Manso, do Núcleo de Estudos da Violência da USP. Outra razão para a atuação mais comedida na Colômbia e no Peru é que, ao se expor, o grupo se tornaria alvo do DEA, o temido departamento do governo americano de repressão a drogas, que tem atuação nos dois países. Na Bolívia, a presença do PCC já levou as autoridades locais a pedir socorro ao Brasil. Na Argentina, a facção mantém contatos para compra de armas. Integrantes seus participaram de roubos a bancos no país, mas o governo local acredita que a situação ainda está sob controle. O mesmo acontece no Chile. Venezuela e Suriname têm servido como rotas para o escoamento dos carregamentos de droga administrados pelo PCC.

Pedro Ladeira/FolhapressPedro Ladeira/FolhapressO Ministério da Justiça passou a isolar lideranças do PCC em presídios federais
No Brasil, o PCC tem espalhado violência pela Amazônia, em batalhas com facções rivais como o carioca Comando Vermelho e a Família do Norte, o terceiro maior do país e ainda majoritário na região Norte do Brasil, onde é responsável por grandes carregamentos de maconha peruana e cocaína colombiana que chegam a Manaus e seguem para portos de Belém e Fortaleza, até serem embarcados para Europa e Ásia. A disputa levou a matanças entre detentos de penitenciárias do Amazonas e do Pará. O conflito se estendeu pelas ruas das maiores cidades dos dois estados. Em São Paulo, o berço da facção, não há rebeliões nem fugas há mais de uma década, mas a aparente tranquilidade não representa necessariamente o enfraquecimento do grupo. Segundo especialistas, o fato de não haver rebeliões é decorrente da hegemonia que o PCC conseguiu construir nas prisões do estado. O promotor João Santa Terra Júnior, que por dez anos trabalhou em investigações envolvendo membros da facção, discorda. “Essa estabilidade que vivemos hoje é fruto de uma década de ações exitosas, em um trabalho conjunto e permanente do Ministério Público com as polícias Civil e Militar, que resultaram, entre outras coisas, em ações preventivas de fugas”, afirma.

Para tentar refrear a expansão nacional da facção, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, em parceria com governos estaduais, passou a isolar lideranças como Marcola em presídios federais de segurança máxima. O ministro Sergio Moro diz que, em paralelo, outras medidas vêm sendo adotadas para sufocar a quadrilha. “Mudamos a lei para ampliar confisco de produto do crime e introduzimos um dispositivo que desestimula que presos se mantenham associados a facções, pois se assim permanecerem, não obtêm benefícios. Outros exemplos, mas de ações executivas: temos recordes de apreensão de cocaína e destruição de plantações de maconha, além de sequestro de bens de criminosos”, disse o ministro a Crusoé. “Romper a cadeia de comando é um grande desafio que deve ser enfrentado. Ele limita o poder das lideranças e dificulta a comunicação, o que atrapalha os negócios. Com isso, os líderes do PCC pensam duas vezes antes de ordenar uma rebelião no Brasil, pois sabem que serão transferidos e perderão dinheiro”, afirma Paes Manso, da USP.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Apenas um adendo: o Hezbollah não é um "grupo radical islâmico". É uma organização terrorista, como sempre deixa claro, por exemplo, Duda Teixeira na própria Crusoé.

  2. A estratégia imposta por Moro de isolar os líderes funcionou. Porque ninguém fez isso antes? Bolsonaro colhe frutos pela escolha de um ministro que tem a confiança das polícias e dos brasileiros. Vai mexer no time?

  3. O contribuinte não ignora fato relevante: paga tributos de país europeu mas recebe, em contrapartida, bens e serviços públicos moçambicanos. É o tratamento típico de seus políticos, geralmente medíocres, muitos deles inaptos, ineptos ou corruptos. Em nações periféricas, os políticos agem como gafanhotos -- em nuvens e sem jamais respeitar quem os sustenta. Trajando-se de Davi-Eleitor, o contribuinte insistirá em sua tarefa árdua de desinfestar os 'Poderes' da sua inerme e inerte res putrida.

    1. bem Assim, não reagimos para nosso bem e nem para o bem dos nossos filhos e netos.

  4. Isto é o resultado de combater-se o crime com o "afrouxamento" das penas e criação de facilidades. Fica o dúbio "consolo! de saber que pelo menos uma coisa é organizada em nosso país, o crime.

  5. O Davi-Eleitor, sinônimo de contribuinte, não deve aposentar seus seixos e estilingue eleitorais. Nas eleições passadas, conseguiu abater alguns zumbis notórios. Mas há tanto por fazer, não? Escaparam de sua pontaria os vampirões Pandemonium, Nosferatu, Íncubo, Drácula, Chupacabra e Barbiturato (o de orifícios brilhosos). A luta para desratizar o Executivo e o Legislativo não terminou. Tampouco poderão cessar medidas para extirpar a banda podre do Judiciário, fiadora folgazã da impunidade.

  6. O vai e vem das declarações assombradas e as decisões contra as recomendações do Ministro Moro levam a crer que o Jair esqueceu ( por interesse pessoal, de seus amigos enrolados com a justiça e para proteger familiares e a si próprio) a promessa do “BR acima de tudo”. Parabéns Crusoé, por trazer essa matéria que alerta o BR sobre a importância da segurança pública comandada por quem está comprometido com a sociedade brasileira. Em frente Moro!

    1. O presidente e parte da classe política estão fazendo o jogo deles (PCC).

  7. Hoje, Bolsonaro só conta com um adversário capaz de lhe derrotar nas próximas presidenciais: ELE mesmo! Pouco a pouco (ou seria muito a muito?), o Capitão fortalece a candidatura de Moro para presidente do Brasil nas eleições de 2022. MORO PRESIDENTE!

  8. Acho que Bolsonaro com rabo preso pelas ações ilícitas de seu filho, padece e perde o foco. Acho que estamos sem o capitão na torre de comando. Teremos nesse ano retrocessos por falta de liderança de nosso combalido presidente folclórico.

  9. Muito rico !Texto deve ser lido e relido Artigos da Crusoé expandem nossa criatividade , expande nossa crítica pela pesquisa! Gostei muito de ter. sua assinatura recente! Valeu!!!

  10. Romper a cadeia de comando sem o Coaf pra investigar lavagem de dinheiro do tráfico - de armas, inclusive... Bolsonaro se equiparou aos piores corruptos, e boicota a segurança do Brasil e até da América Latina.

    1. Bolsonaro tem de explicar direitinho essa situação de crime e laços do PT com o PCC e CV.

  11. Será só coincidência a fuga no Paraguai, a carta questionando a segurança do DF, o movimento do Botafogo e a fritura do ministro Moro?

  12. Atenção, ministro Moro, para a “fuga” do Marcola “alertada” por secretário “zeloso” e “desinteressado em divisão de ministérios”.

  13. Infelizmente, nós sabemos que essa é uma guerra infindável pois o homem desde q é homem está propenso ao mal nas suas mais variadas formas. Por outro lado, dessa vez, nós podemos nos sentir mais confiantes de que o lado do Bem está está se fortalecendo e combatendo com o que tem de melhor.

  14. O governo do Distrito Federal, envergonha este país, o seu secretário de segurança ainda mais. Uma escancaracão de suas fraquezas às vistas do PCC, que deve estar rindo dos tremores da insegurança confessada.

  15. Bolsonaro é estúpido demais para entender que, ao invés de se juntar a alcoviteiros desocupados e sem caráter para minar o prestígio de Sérgio Moro, se o Ministro tivesse a autonomia e a missão de montar uma força aos moldes do DEA americano para combater o PCC na América do Sul, ele (Bolsonaro) ganharia duplamente - pegando carona no prestígio de Moro e se projetando como liderança regional. Infelizmente Bolsonaro se deixa conduzir pelos expoentes de nulidades bajuladores que o cercam.

    1. Ele é limitado, infelizmente, não tem visão para entender isso; Moro sim se um dia for presidente da república será um grande Estadista!

    2. Bem colocado, Nelson. Mas ele faz o oposto; por causa das crias e de si próprio (milícias)? "Sem" Coaf, sem prisão em segunda instância etc, o PCC comemora.

    3. Um comentário objetivo e esclarecedor. Muito bem!

  16. quem são os fascinoras da câmara e do senado q/estão ganhando muito dinheiro p/colecionar tanta gente podre às custas do povo, números 35:31, êxodo 21:12, levítico 24:21, Gênesis 9:6, Moro presidente em 2022 e só candidatos do partido novo.

  17. O mal que o governo dos petralhas fez ao Brasil, ainda, infelizmente, vai durar um tempo. É muito trabalho para o Moro na segurança pública. Essa herança maldita é fruto do envolvimento petista com a bandidagem. Esta é uma verdade cristalina e nos mostra a extensão desses facínoras, criminosos da mesma laia, assassinos e ladrões.

  18. Um continente pobre e com gente inescrupulosa no poder, só poderia acabar em corrupção e aumento da influência do crime organizado na política. Aqui é em todos os demais países. Veja o que estão querendo fazer com o ministro Moro. Eles querem continuar no crime. Tem que ter luta armada para mudar isso.

    1. Câmara e senado, duas "casas" que abrigam, às suas custas, os inimigos do povo. Enquanto o povo emagrece na miséria, eles engordam, na barriga e no bolso.

    2. Rodrigo Botafogo Maia e Davi Nhonho Alcolumbre querem destruir Moro e perpetuar a corrupção

  19. Todas as pessoas que compram drogas são as culpadas pela violência, pelas mortes de milhares de inocentes tanto no Brasil como no mundo. São elas as patrocinadoras das balas que ceifam tantas vidas mundo afora. Estas pessoas são as mesmas que querem salvar as baleias, a amazônia, as crianças na Etiópia e, para não restarem dúvidas de sua superioridade, só comem o que é orgânico.

    1. Raciocínio excelente!! Podemos dizer que por serem usuários bem informados e com alguma economia, funcionam como “influencers”, arrebanhando consigo jovens pobres, sem assistência social e fora do mercado de trabalho.

    2. Este é um raciocínio lógico, contundente e verdadeiro. parabéns!

    3. Concordo plenamente e por isso sou a favor da criminalização do uso de drogas ilícitas. O financiador viciado deve ser preso.

  20. O Brasil deve criar uma forca policial sulamericana e negociar com os demais paises para agir na regiao. Sao brasileiros que estao criando esta situacao, devem ser brasileiros a resolver.

  21. nós governos PSDB e PT não se combatia o PCC ,SIC faziam acordos,a facção cresceu e expandiu se. agora com Moro o combate começou ,tem levado apreensão máxima de entorpecentes,em contrapartida todos que se beneficiavam com o PCC que demitir Mm oro

  22. Estas facções são super perigosas, articuladas e com milhões $$$ para poderem comprar, inclusive, magistrados das mais altas cortes de Justiça. Outro perigo para a Democracia são os políticos narcoesquerdalhas que são aliados destas facções.

  23. É preciso que as populações dos Países entendam que se trata de guerra. Então começar a matar, ao invés de prender, é mais barato e não há fuga de covas, só de cadeias. Tem que mapear as plantações de maconha e coca e confiscar as terras e matar os antigos donos. Tem que baixar imposto sobre cigarro, porque a atividade criminosa só existe por ser lucrativa demais. Tem que matar os políticos que forem contra as medidas apontadas, especialmente os narcoditadores.

  24. Pena de morte já. Bandido bom e bandido morto. Só que os maiores bandidos, que estão nas câmeras e no senado, não querem. Muitos são financiados pelos PCC, CV do país.

  25. O PR ainda quer tirar o Moro da segurança? Esse tal Alberto Fraga é o amigo que ninguém quer ter. PR para de fazer cagada. Pensa homem, deixa de burrice. Voçê sabe que seus eleitores são os mesmo que apoiam Moro . Mexeu com Moro, seu reinado finda.

  26. É sabido por todos que o PCC é o cão raivoso encoleirado pelo governo para acuar Moro ao menor sinal de abandono de sua pasta ministerial. Moro eliminado pelo PCC é o sonho de Lula, do Congresso Nacional, do STF do mal e de todos os demais bandidos do Brasil.

  27. Não há responsabilidade sem que haja autoridade. O governo Bolsonaro precisa fortalecer Sérgio Moro, não enfraquece-lo. Enfrentar eficazmente o crime organizado não é para qualquer um. Se Moro quer fazer e o faz bem, por que mexer no que está tendo êxito?

  28. A equipe do Ministro Sérgio Moro, está fazendo um ótimo trabalho contra essas facões, e estão programando outras ações. Parabéns!🇧🇷🤙

  29. O que se pode esperar de governos fracos e corruptos, e agora tentam derrubar Sérgio Moro, assim ficará como o governo e o diabo gostam.

  30. Quarta-feira. 31 de agosto de 1993, no pátio do presídio Taubaté, o famoso Piranhão. Geleiao, Mizael, Dá Fé, Bicho Feio, Dudu, Cesinha, Zé Cachorro, Esquisito, entraram no pátio, ficamos em posição e começou a matança com os companheiros na ativa. Com um soco Geleiao estourou a cabeça do Garcia. Os demais colocaram linhas no pescoço do Severo e o enforcaram no meio do pátio. "Aqui neste momento está fundada a facção PCC. Vamos combater os corruptos e os opressores do sistema prisional."  

  31. O desaparelhamento do ESTADO constitue-se, juntamente c medidas extremas p fazer valer o FIM do Foro privilegiado e a PRISÃO em SEGUNDA instância, na prioridade ao enfrentamento dos males q corroem a felicidade, harmonia e prosperidade da NAÇÃO. Diferentemente do q opinou Tofolli em SP ano passado, dando uma de poder executivo, interferindo nos demais poderes, o FIM da LAVAJATO é solução p o desemprego. Balela: sequer se preocupa com isto. ORCRIMS estão mapeadas e o bem vencerá o mal.

  32. O crime organizado existe pq o estado é leniente. É só ver as pocilgas que são o STF e I congresso . Eu não gostaria nunca que a presidência da república não compartilhasse deste espaço.

  33. E os oportunistas, junto com Bolsonaro, querem ficar com os dividendos dos efeitos dos termos propostos por Moro aprovados no pacote anticrime.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO