Reprodução/redes sociaisManifestantes em Santiago: com redes sociais, custo de manifestações caiu, e o mundo ficou mais instável

Turbulências no modelo chileno

Protestos são decorrência do crescimento da classe média, que quer serviços de primeiro mundo e alívio econômico
25.10.19

Ao longo da última semana, os chilenos acordaram sem saber como seria a própria rotina. Todos os dias, o Exército anuncia qual é o horário do toque de recolher, cidade por cidade. Escolas e universidades suspenderam as aulas. Das sete linhas de metrô, apenas uma seguia funcionando após os atos de vandalismo e os protestos. Em muitos escritórios da capital Santiago, o expediente começa perto das 11 horas, com a chegada dos primeiros funcionários, para terminar no início da tarde, com as manifestações ganhando corpo. Ao toque de recolher, que pode variar entre 20 e 22 horas, todos já estão em suas casas. É quando policiais e soldados das Forças Armadas passam a patrulhar as ruas e a deter os que desafiam a ordem. Os saques a lojas e supermercados ocorrem durante a noite. Dos dezoito mortos contados nos últimos dias, a maior parte foi carbonizada dentro desses estabelecimentos.

As manifestações tiveram início com estudantes secundaristas protestando contra um aumento de 17 centavos nas tarifas do metrô. No início de outubro, eles organizaram as primeiras “evasões massivas”. Jovens se concentravam do lado de fora de uma estação e entravam todos juntos, pulando as catracas. “Evadir, não pagar. Outra forma de lutar”, gritavam. Com o tempo, grupos anarquistas e comunistas se juntaram e os protestos se tornaram violentos.

De uma hora para outra, muitos latino-americanos, incluindo vários brasileiros, passaram a ver na crise do Chile a confirmação de suas desconfianças com o modelo adotado pelo país. Pelos olhos deles, as políticas que impulsionaram o crescimento econômico – responsável por um PIB per capita que é quase o dobro do brasileiro – seriam na realidade as explicações para a insatisfação demonstrada nas cidades chilenas. Entre os motivos estaria a previdência chilena. Em artigo no jornal Folha de S.Paulo, o cientista político Fernando Schüler ironizou o argumento: “O sujeito tem 18 anos, sente que terá um problema aos 60 e decide saquear o Walmart ou ir à rua com um coquetel molotov, para explodir o metrô de Santiago”.

Reprodução/redes sociaisReprodução/redes sociaisÔnibus queimados nos protestos: manifestações sem liderança organizada
Como não há uma agenda comum de pedidos ou uma liderança organizada, sobram interpretações. Paralelos foram traçados com os protestos que ocorreram no Brasil, em 2013, após o anúncio de aumento no preço das passagens de ônibus em São Paulo. Nas tais “Jornadas de Junho”, também não havia um grupo organizado ou uma pauta estruturada. Os brasileiros pediam educação e saúde com “Padrão Fifa” e o combate à corrupção. A Lava Jato prosperou, mas das outras demandas pouco se ouviu depois. Aqui, como no Chile, as redes sociais facilitaram a mobilização dos cidadãos. É um desafio dos tempos modernos. O custo de organização de manifestações caiu para quase zero, o que tornou o mundo um lugar mais instável e aumentou a pressão sobre todos os governantes. Países democráticos passaram a ser acometidos, de tempos em tempos, por protestos massivos, sem relação com as estruturas políticas tradicionais e sem um objetivo aparente.

Antes de realizar comparações entre países, contudo, é preciso levar em conta a natureza distinta do Chile. Para começar, trata-se de uma nação com as finanças em ordem. A dívida pública está em torno de 25% do PIB. É bem menos que a do Brasil, em torno dos 80%. Não há qualquer necessidade de pedir socorro ao FMI e a sua receita extrema de austeridade, como fizeram Argentina e Equador, causando indignação entre a população. Se as Forças Armadas estão patrulhando as avenidas do Chile, isso tem sido feito dentro da Constituição, em um processo que em nada se compara à atroz ditadura militar de Nicolás Maduro, na Venezuela. O presidente chileno, Sebastián Piñera, não tem qualquer pretensão de atropelar o Legislativo e o Judiciário para perpetuar-se no poder, como faz o boliviano Evo Morales. Diferentemente do Peru, em que a corrupção generalizada fez com que a população aplaudisse a dissolução do Congresso, o Chile é um dos países menos corruptos do continente e tem partidos que funcionam.

Em alguma medida, os problemas que o país enfrenta hoje são consequências de seu sucesso. Desde 2000, a pobreza caiu de 35% para 10%. Essa nova classe média, contudo, precisou pagar para ter serviços de boa qualidade. Escolas e hospitais são privados, assim como os planos de aposentadoria. “Muitos chilenos tiveram de se endividar para ter uma vida digna. Este é um sistema que exige muito esforços dos cidadãos, que não têm uma válvula de escape, como a possibilidade de trabalhar na informalidade e pagar menos impostos”, diz o cientista político peruano Carlos Meléndez, professor da Universidade Diego Portales, no Chile.

Por essa ótica, as manifestações poderiam ser entendidas como pedido por um alívio na situação econômica da classe média, que hoje representa 65% da população. Em linhas gerais, os manifestantes querem mais estado. Nesse ponto, os jovens chilenos se parecem com os de países desenvolvidos que, desde as crises de 2007, nos Estados Unidos, e 2011, na Europa, organizaram pelas redes sociais mobilizações pedindo serviços gratuitos (como se houvesse almoço de graça) e de boa qualidade.

ReproduçãoReproduçãoO presidente Sebastián Piñera: pacote para aliviar a situação da classe média
A questão é que, se mesmo para países desenvolvidos a manutenção de um sistema de bem-estar tem sido insustentável, para o Chile ela é uma miragem. “O Chile vive o desafio de estar em um meio-termo. Apesar de estar melhor que outros países da região, sua renda per capita é intermediária, não chega ao nível dos países do primeiro mundo”, diz a economista Patricia Krause. “O país não tem condições de oferecer serviços como os dos países desenvolvidos, mas é cobrado por isso.”

Após reagir de maneira abrupta, declarando estar em uma guerra, o presidente  Sebastián Piñera pediu perdão e anunciou um pacote de medidas. Entre as propostas, que ainda terão de ser aprovadas pelo Congresso, está um aumento de 20% na aposentadoria mínima solidária, para pessoas sem planos privados. Também deve ser estabelecido um teto de gastos familiares com saúde. Se os custos ultrapassarem o valor, o estado poderia ajudar a arcar com eles. Tarifas de eletricidade serão congeladas.

As medidas foram combinadas com os líderes dos principais partidos que, embora não tenham organizado as manifestações, articularam-se para encontrar uma solução. Apenas alguns partidos menores de esquerda, que enalteceram os protestos, recusaram-se a se reunir com os representantes do governo. “O Chile não é um oásis em que tudo dá certo, mas também não perdeu sua democracia”, diz o sociólogo chileno Aldo Mascareño, do Centro de Estudos Públicos. “Este é o momento para os partidos e o governo canalizarem as questões que foram colocadas nas ruas. Se isso acontecer, distúrbios poderão diminuir”. Na última sexta-feira, 1,2 milhão de chilenos tomaram o centro de Santiago. Um número espantoso, ainda mais quando se leva em conta que a população do país não alcança 19 milhões de pessoas.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Completamente desinformação. Como se todo este movimente fosse desarticulado do que está acontecendo no Continente.

  1. Parabens Crusoe' por se manter isenta ao dar a informacao. Estas manifestacoes estao ocorrendo com frequencia no mundo todo. Acho q qdo a indignacao passa dos limites, o caldo ta entornando com maior facilidade. Aqui ta faltando pouco. La os partidos se reuniram com o governo e definiram medidas para dar fim 'as manifestacoes, exceto a esquerda retrograda q obedece a maxima do Quanto pior, melhor.

  2. Assinei a Crusoe depois de desistir de toda mídia comunista que tínhamos até então !! Mas pelo visto a tendência desta revista também é pelo lado marxista!!! O que se viu no Chile foi a mais pura forma de atuar dos esquerdopatas !! Nem uma linha aqui na Crusoe informando a verdade ! Uma lástima !

    1. exatamente. Os leitores estão mais informados que os jornalistas. .....que nào enganam mais.

  3. "Turbulências"? "Manifestações"? Não. São atos terroristas. Ô Crusoé, turminha ae. Eu assinei a Crusoé foi pra não ter de me irritar com enganosos eufemismos esquerdistas. Vamos chamar as coisas pelo nome? Se eu quisesse continuar desinformado teria assinado a "Falha de São Paulo". Obrigado, de nada.

    1. Pelo visto meu amigo a crusoe tbem entrou no jogo da esquerda marxista! Falar a verdade jamais , informar somente aquilo que interessa.

  4. Todos que achavam que o Foro de São Paulo era um simples punhado de socialistas estão vendo que é o maior cancer da America Latina. Lamentavelmente os países que acabaram de eleger os novos Presidentes de esquerda, meus pêsames. Acabaram de enfiar a cabeça em um pântano e vai falir definitivamente. É uma lição para o Brasil que ainda corre perigo !!!!!!!

    1. OS PARASITAS e ESQUERDOPATAS que promovem essas aberrações não se trata de gente de BEM e sim degeracoes de moral. também não venham dizer que é insatisfação da classe média...É a mediocridade de uns insanos que transformaram o Chile em uma praça de guerra sem falar na imoralidade praticada nas ruas parecendo uma Sodoma e Gomorra do séc. XXI.

  5. Como educar uma geração oriunda de politicas sociais protecionistas? O sistema de meritocracia é um dos mais justos mas de difícil ajuste e pode descambar para sensações de injustiça social. Como ajustar isso? Será difícil, considerando as forças de esquerda atuando contra o processo. Na verdade, um dia poderemos estar aí, espero, e deveremos encontrar um equilíbrio para saltar essa passagem,

  6. So houve concentracao de pessoas ou teve show.Vi algumas imagens,nao sei se procede,de mulheres e homens nus,tipico da esquerda comunista,feita para desestabilizar governo,que na verdade mostra o tamanho do desprezo a sociedade

  7. A esquerdalha fomenta a desordem como forma de voltar ao poder. Aqui os Black blocks tentaram fazer o mesmo incentivados pelo PT, PSOL e outros, não deu certo. Quando a turma honesta percebeu virou o jogo e nos livramos desses parasitas. Se cuidem chilenos, para não compactuar com a bandalheira.

  8. A esquerdalha fomenta a desordem como forma de voltar ao poder. Aqui , os Black block, tentaram o mesmo incentivados pelo PT, PSOL e outros. Deu errado, quando a turma honesta percebeu virou o jogo.

  9. Li alguns comentários e percebi que não houve quem mencionasse a última reunião do Foro de São Paulo em Puebla no México. O Maduro declarou"estamos cumprindo o que foi decidido no foro de são Paulo e está tudo dando certo." Em qualquer população sempre há uns insatisfeitos, mesmo num país em que a situação econômica das pessoas tenha melhorado, daí é só infiltrar especialistas em rebelião e pronto, a balbúrdia está feita com ataques que nenhum trabalhador ou cidadão comum teria sequer ousado.

    1. Deus te ouça. Dobro do PIB per capita, um terço da dívida pública e da pobreza, 65% da população na classe média, corrupção quase inexistente, partidos políticos se entendendo...seria um sonho.

    1. Concordo e muitos outros devem concordar. Deveriam ter aprendido com Macron que capitulou diante da violência e agora o número de assaltos está progredindo de forma exponencial na França devido ao custo de se controlar as manifestações semanais com o efetivo policial. Os bandidos agradecem aos manifestantes como nós deveríamos agradecer aos caminhoneiros pelo fracasso econômico de 2018.

  10. Os protestos são válidos, mas com certeza, venezuelanos e cubanos que vivem sobre a máxima proteção do estado se pudessem, imediatamente, deixariam seus países e iriam morar no Chile. Simples assim.

  11. Uma forma bonitinha de dizer que o modelo “liberal” chileno sobrecarregou e penalizou a população, gerando elitização de poucos privilegiados em detrimento dos demais.

    1. Marco, vc não leu ou não entendeu. O que aumentou foi a classe média, não a pobreza!! A pobreza diminui. Agora 65% é elite privilegiada, como vc disse!

    2. As pessoas deveriam que pensam assim deveriam fazer uma viagem ao Chile passando pelo Maranhão, Venezuela e Bolívia para depois escreverem como o Chile está decadente.

    3. Isso não foi dito. O que vc diz é apenas o que voce desejaria que fosse verdade.

  12. Discussão de um país que tirou o pé da lama esquerdista e agora, em nível mais alto, enfrenta o problema dos limites da geração de riqueza, que lá, como cá, ainda é muito baseado na produção de bens primários. Dinheiro não dá em árvores e não é o Estado que tem condição de provê-lo. Para aumentar a geração de riqueza precisa dar um salto na produtividade, que é um passo difícil, pois exige um upgrade em quase tudo, principalmente na mente dos acostumados a viver da riqueza gerada pelos outros.

    1. Interessante. Estive na Suiça em uma ocasião em que havia um plebiscito para saber se diminuiriam a jornada de 48 horas semanais para 44 e o povo votou majoritariamente contra porque vários economistas haviam alertado sobre os efeitos da medida sobre a produtividade e o poder de compra. Vejamos: quantos manifestantes suíços temos visto protestando contra o governo?

    2. Exatamente, estive no Chile por várias vezes à trabalho, e sinceramente trabalhar com produtividade não é o ponto forte deles, aliás,comparando eles conosco, Argentinos, Colombianos e Peruanos estão longe de trabalharem com afinco, a maioria inicia as 10 horas e terminam as 16 horas, são péssimos no trabalho

  13. Não adianta desconversar. Estes protestos representam a falência das políticas neoliberais, as mesmas que o nosso ilustre ministro da economia ( o "genio" tupiniquim que nunca escreveu um livro ou um ensaio, pois estava muito ocupado em especular no mercado financeiro e vilipendiar fundos de pensão) quer implantar no Brasil com 30 anos de atraso, sem considerar nossas imensas e insanas fragilidades sociais, algo que o próprio Milton Friedman não recomendava.

    1. O Governo não deve gerar empregos, mas funções/atividades que sustentam e atendem a necessidade da população que os sustenta. Gerar empregos é função da iniciativa individual e submetida ao mercado valorizada pela produtividade. É da empresa e das iniciativas individuais que se obtém os bens para manutenção do estado. O estado deve ser servil à sociedade e não seu condutor. Os problemas não se restringem à esquerda e à direita, mas o que sustenta os sistemas. E a produção é sua base.

    2. Seria difícil uma pessoa fazer doutorado e até mestrado sem escrever um artigo. No mais, a quantidade de artigos não é medida de competência. A maior parte do que se escreve é um amontoado de besteiras. Senão o Paulo Coelho seria o melhor ministro do mundo.

    3. Convenhamos Leao, isso não funciona em nenhum lugar do mundo. Como que pessoas com esse pensamento ainda existem, passados mais de 100 anos de experiências falidas na antiga URSS, Albânia, Mongólia, Cuba, ..., sem falar nos casos típicos de Coreia e Alemanha - divididas após guerras - inicialmente em igualdade de condições - e que passados algumas décadas mostraram a discrepância dos modelos adotados por estruturas liberais e estatizantes. Acorda para a realidade: “não há almoço grátis”!

    4. Isabel, você deve ser a típica cidadã que financia o apartamento em 30 anos e compra o carro no consórcio de 60 meses, e já se sente pertencente a uma "elite" e no direito de tratar como esquerdista ou comunista , qualquer pessoa que não concorde inteiramente com o receituário da direita.

    5. Marina, seja sincera: Você ja tinha ouvido falar do "gênio" Paulo Guedes antes de 2018? Por onde andava esse homem, após ter colaborado com a ditadura chilena?

    6. Plagiando o gênio tupiniquim do jornalismo da band? Se não tiver escrito um livro...

    7. Se bem entendi desse texto, o correto é manter um estado empresário no qual o lucro é um pecado e o prejuízo é normal e aceitável. Incrível, que em pleno século XXI, no qual a China se tornou definitivamente um país capitalista sob a égide de um PC, existam pessoas que acreditam que o socialismo seja a solução para a nossa economia, com essa ideia o país não crescerá nunca!

  14. Deixem o Chile se transformar em uma Venezuela e talvez, assim, daqui algum tempo os ouviremos dizendo aquela velha frase “Erramos felizes e não sabíamos”.

    1. Não adianta, tem gente que não sabe analisar e comparar o passado x presente! O Chile está melhor que todos os sul Americanos por que tem feito lição de casa!! Quer moleza? Sente no pudim!!! Quer um país decente, trabalhe, acabe com a corrupção e com as benécies e privilegiados. Isto dói! Vemos o que vem ocorrendo aqui, políticos, judiciário, funcionários públicos tentando manter o “status quo”. É uma guerra diária!!! Quem sabe um dia chegaremos no patamar do Chile!!

  15. Estudantes e a esquerda partiram para o confronto e iniciaram um quebra-quebra... Velho filme... Aí, o Presidente Pinera errou 2 vezes: Foi arrogante, autoritário e violento na primeira, tipo muito “macho”!!! MAS, ao criar uma reação contrária ao abuso de força, nas famílias da “nova classe média”... AMARELOU! E nesta segunda vez, fez pior; se acovardando, todo arrependido e se ajoelhando, pusilanimemente; dando mais um enorme gaz para os anarquistas mais radicais tacarem fogo no país...

  16. Pelo amor de deus, alguém fala pro Chile não congelar tarifa!!!!! Pelo que entendi, a eletricidade ainda é um monopólio estatal. Pois bem, abra concorrência. E o transporte público tambem: abra concorrência!

  17. congelar tarifa??? mais estado???? será o maior retrocesso no Chile desde a democratização. já vi esse filme antes e o resultado é péssimo.

  18. Se a população não souber o porquê de o Liberalismo gerar riqueza para todos, o Estado tenderá à esquerda e à pobreza, e na maioria das vezes esse movimento é persistente e irreversível.

    1. No mundo nada é irreversível, amigo. Não há exemplo disso na história da humanidade. Se algo é ruim para a maioria, seja de esquerda, de centro ou de direita, os homens procuram a mudança. Sistemas de governo, quaisquer que sejam, são construções humanas e como tal são imperfeitas e não destinadas à perpetuidade.

  19. É óbvio que o clima revolucionário não é consequência do aumento da classe média, aquela reacionária odiada pela pseudofilósofa da "SP. Na verdade, o que deflagra esses movimentos é um crescimento da mentalidade parasitária. E isso é Cultura, vem antes da Política e a condiciona, como vem alertando há anos Olavo de Carvalho, gostem ou não dele, ele está certo nisso. Não conheço o Chile e os chilenos, mas sei que funcionou como um ninho esquerdista. Tiveram a sorte de um ditador direitista, e só.

  20. Matéria ridícula do "jornalista" ex-veja. A classe média é trabalhadora e ordeira, muito diferente dos terroristas do Foro de São Paulo que estão em ação articulada no Chile e em outros países da América Latina. 🇧🇷

  21. Quase todos os comentários estão excelentes. Parabéns assinantes! Gostei muito desse trecho da matéria: , o cientista político Fernando Schüler ironizou o argumento: “O sujeito tem 18 anos, sente que terá um problema aos 60 e decide saquear o Walmart ou ir à rua com um coquetel molotov, para explodir o metrô de Santiago". Só ironizando mesmo esses teóricos esquerdistas, são uns quadrúpedes de duas patas! Pessoal, recomendo muito a leitura do excelente A Revolta de Atlas, da Ayn Rand.

  22. Classe media forte é fonte de equilíbrio, não de instabilidade. Aí tem mão de grupelhos esquerdistas cubano/bolivariano incitando os jovens mimados e os que tem a baderna blackbloqueana nas veias.

  23. Alguém que não contribui com nada realmente tem direito de reclamar do que recebe? No máximo deveriam ser aqueles que produzem quem deveriam reclamar de terem que pagar a conta por outros que em nada ajudam, sejam capitalistas gananciosos ou jovens egoístas. A intolerância de qq sociedade minimamente decente deveria ser exatamente com quem tira mais do que dá em troca, quando a sociedade investe em um cidadão, o mínimo que ele deveria fazer é retribuir o investimento.

  24. O bolso é a parte mais sensível do corpo do ser humano, ele só não sentirá a dor de perder dinheiro se não for egoísta. Mas se for assim, só se revoltará diante da injustiça e muito provavelmente não terá motivo para destruir patrimônio público, pois sabe que está inflingindo dano a si mesmo. Claro que no meio da turba tem um monte de miolo mole que está lá pelo calor do momento, além disto, quem disse que as multas não podem ser convertidas em trabalhos comunitários ou perdoadas depois.

  25. O mesmo vale para patrimônio privado, mas aí cabe à iniciativa privada buscar os ressarcimentos pelos prejuízos. Fora isto, indivíduos mascarados deveriam ser multados com ou sem prejuízo, pois já está implícito que a intenção deles é evitar a responsabilização. É óbvio que tal tipo de tática só surtirá efeito em sociedades prósperas e desenvolvidas onde o indivíduo tem algo a perder. Na Venezuela ninguém daria nem bola para tal medida, eles não têm nem o que comer.

  26. Mas dentro de um critério de transparência e accountability, o mínimo que o presidente chileno deveria fazer é se concentrar menos em reprimir os manifestantes e mais em identificar os vândalos que depredam patrimônio público, levando-os à justiça para cobrar pelos prejuízos. Um sujeito que for obrigado a pagar uma multa ou realizar trabalho comunitário para compensar um prejuízo que causou à sociedade não irá pensar duas vezes na próxima oportunidade.

  27. Desde que o mundo é mundo, a pilhagem é uma atividade humana, reinos, nações foram construídas assim. É óbvio que é mais fácil roubar do que produzir com suas próprias mãos, até os animais instintivamente sabem disto, afinal, pq chacais são denominados chacais? Não será que receberam seus nome inspirado em seus pares humanos? Em um sistema transparente, cada um sabe o que contribuiu, claro que diante de toda a complexidade e desenvolvimento tecnológico, isto é uma tarefa ingrata.

  28. Se não for o Estado para acabar com o capitalismo malvado, então eles um dia acabarão sendo obrigados a trabalhar. Curioso que trabalhar pro capitalista malvado é exploração, mas trabalhar compulsoriamente para um regime socialista é liberdade. Onde há direitos profusos e deveres difusos não há como se saber com quanto cada indivíduo contribui e o quanto consome, o que é uma porta aberta para que sejam exatamente aqueles que menos contribuem e mais consomem se insurjam.

  29. Se uma empresa gananciosa lucra horrores no mercado malvado, isto não significa que não há espaço para que alguém com ESPÍRITO PÚBLICO E COLETIVO monte uma iniciativa colaborativa para oferecer o mesmo produto que a empresa gananciosa oferece, só que mais barato ou a preço de custo, pq não o lucro não é objetivo. Mas claro, o que permite aos capitalistas malvados ter seu lucro é a propriedade dos meios de produção, restando somente o Estado para impedir a exploração dos pobres VAGABUNDOS.

  30. Os protestos no Chile são coisas de VAGABUNDOs EGOÍSTAS E MIMADOS, de gente que até hj consumiu mais do que deu à sociedade e assim querem continuar. Quem quer que o Estado proveja mais serviços por menos depreda patrimônio público? Quem quer ajudar o próximo precisa do Estado para fazer isto? A energia que eles estão gastando não podia ser utilizada para imaginar, criar e construir algo que efetivamente melhore a vida das pessoas?

  31. Não seria esta exatamente uma das razões de somente Deus ser realmente bom, pq se tudo Dele provém, então ninguém pode lhe dar em troca mais do que ele dá? Como se vê, este conceito de bondade é algo completamente distante de qq princípio de cunho humanista. O humanismo é antes de mais nada fundado no egoísmo, pois se o indivíduo está no centro de algo, então é pq tal coisa é fundado no egoísmo, EU antes de mais nada, depois os outros.

  32. Por isto que o mercado é cruel e o Estado é perfeito, em um vigora a lei da selva, seu esforço não é garantia de nada, alguém pode te passar a perna ou então vc mesmo gastar suas energias em algo que não tem utilidade para ninguém, ficando de mãos vazias. Do outro lado há o Estado, direitos profusos, deveres difusos, todos querem seus direitos para ontem, mas na hora de cumprir com os deveres, não, é exploração. Um indivíduo bom não seria aquele que aceita menos do que ele dá em troca?

  33. Seus pais começaram a trabalhar aos 20 e se aposentaram aos 60? Enquanto isto, se eles tiverem que começar a trabalhar aos 25 e parar aos 60, é exploração. Aposentadoria? Algum deles quer realmente saber se o que eles contribuirão para a previdência é suficiente para depois custear suas aposentadorias? Claro que não, em um sistema justo cada um teria direito a exatamente o que produziu, nem mais nem menos, bondoso seria todo indivíduo que abre mão do que lhe é de direito em prol de outrem.

  34. Eles tanto representam uma pressão constante sobre as despesas públicas, tendo-se vista o aumento do tempo médio de estudo, ou seja, o sujeito entra mais tarde no mercado de trabalho, passando a contribuir mais tarde e passando mais tempo consumindo recursos do Estado. Como se sabe, gratidão não é uma das qualidades dos jovens modernos, são mesquinhos e egoístas, sobretudo a geração que cresceu diante das conversas moles e ideias fáceis do marxismo.

    1. Um certo contorcionismo argumentativo para dizer que o aumento da classe média e o sucesso econômico do Chile são responsáveis pelo caos. Não confere.

  35. Dentro das sociedades modernas e nos países desenvolvidos, qual é a classe de indivíduos mais inútil e SANGUESSUGA? Jovens e adolescentes, se não trabalham, portanto, em nada contribuem, só consomem, são legítimos PARASITAS, a não ser por uma exceção, eles representam a força potencial para manutenção, desenvolvimento e progresso de uma sociedade. Mas tirando isto, enquanto não entram no mercado de trabalho, estes indivíduos só servem para reduzir o nível de bem-estar social.

  36. Protestos sem liderança coisa nenhuma. Os marxistas estão mais vivos do que nunca na América Latrina. Respeite a inteligência do leitor.

  37. Olhe os indicadores econômicos do Chile. Olhe a carga tributária, compare com o Brasil. Não há justificativa para a "população" chilena matar mais de 10 pessoas. A Venezuela não tem ess S violência toda.

    1. Lins: também, com blindados atropelando manifestante que são presos aos montes, difícil uma manifestação prosperar.

  38. Uma análise capenga e facciosa. Afirmar que os protestos não têm relação com a estrutura das políticas tradicionais, nem motivo aparente é fazer pouco da nossa inteligência. Se a presença excessiva do Estado é perniciosa, o neoliberalismo selvagem também não é a solução para a realidade sul-americana: é caolho, imperfeito e excludente. Que os erros dos Chicago’s oldmen sirvam de lição para nós.

    1. Como de costume a esquerda preguiçosa querendo usufruir do trabalho e da prosperidade alheia

    2. Como de costume a esquerda preguiçosa culpa aqueles q prosperam

    3. palhaçada. isso é para tirar o Piñera é colocar a esquerda castrista no poder.

  39. a "nova classe media chilena" quer ter serviços de qualidade custeados pelos impostos pagos pela antiga classe media , via ESTADO !!!. Como aqui no Brasil onde a "pretensa nova classe media da dilmanta" quer serviços de saude de qualidade para familias com 5 filhos por mulher e geraçoes que duram 13 anos!, vi bisavós de 51 anos.TUDO custeado pelo IMPOSTOS pagos pela antiga classe media , que ainda tem que custear TUDO para os 2 filhos que tem e cujas geraçoes duram 25 anos ou mais !!!!

    1. verdade, já fiz BPC de dez indivíduos. casal com oito filhos sem a menor condição. imagina o custo pra estado?

    1. Eu não achei o texto dedecepcionante. É um equilíbrio para com outras reportagens.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO