ReproduçãoAlberto Fernández aplaude Cristina: para 44% dos argentinos, é ela quem decide

Postes latinos

O triste destino de Argentina, Bolívia, Colômbia e Peru, com presidentes que não decidem sozinhos e se curvam aos projetos dos seus criadores, que misturam o público com o privado e ameaçam a alternância de poder
13.08.21

Vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner não tem nenhum pudor em assumir a dianteira do governo na Casa Rosada. Recentemente, ela articulou uma intervenção em uma exportadora de cereais e a criação de um imposto sobre fortunas. Também é ela quem dita boa parte da política externa e impede que os diplomatas argentinos condenem o ditador venezuelano Nicolás Maduro. A vice-presidente ainda apoia uma polêmica reforma do Judiciário e já botou para fora a ministra da Justiça, colocando em seu lugar um deputado kirchnerista. Atualmente, cerca 44% dos argentinos acreditam que é Cristina, e não o presidente Alberto Fernández, quem toma as principais decisões de governo.

A inversão de papéis se repete em várias outras democracias da América Latina. O colombiano Iván Duque é o poste mais antigo do grupo. Presidente desde 2018, ele segue à risca as ordens do ex-presidente Álvaro Uribe. Na Bolívia, o presidente Luis Arce é um fantoche de Evo Morales. O mais novo integrante da turma é o professor de escola rural peruano Pedro Castillo, que assumiu como presidente no dia 28 de julho. Apenas onze dias após o início de seu governo, uma pesquisa do instituto CPI indicou que 58% dos peruanos atribuíam as principais decisões do novo governo a Vladimir Cerrón, o secretário-geral do partido de esquerda Peru Livre.

Cerrón é um médico que viveu mais de dez anos em Cuba. Declara-se marxista e defende as ditaduras da ilha comunista e da Venezuela. Como governador de Junín, ele foi investigado e condenado por corrupção em obras de saneamento e de um hospital. Sem poder se candidatar ou ocupar cargos públicos, ele pinçou Pedro Castillo para concorrer às eleições e redigiu seu programa de governo. O documento propõe o controle da imprensa, o fim dos planos privados de previdência e a estatização de recursos naturais — ideias que Castillo tem confirmado em seus primeiros anúncios.

O fato de o presidente peruano não ter nenhuma experiência na política permite que Cerrón exerça seu poder com enorme liberdade nas coxias. Foi Cerrón quem escolheu os membros do novo gabinete, por exemplo. Na semana passada, ele caminhou por corredores de um hospital acompanhado de uma comitiva, como se fosse uma autoridade. Nas redes sociais, ele publica diversas mensagens que comemoram decisões do governo, como a retirada do Grupo de Lima, e sinalizam ações futuras, como a instalação de uma embaixada peruana na Coreia do Norte.

ReproduçãoReproduçãoPedro Castillo (esq.) com Vladimir Cerrón: no caminho de Cuba
O uso de postes políticos não é algo novo e nem está restrito à América Latina. O russo Vladimir Putin já usou Dmitri Medvedev como preposto quando não pôde ser presidente em um terceiro mandato consecutivo, entre 2008 e 2012. No Brasil, Lula escolheu Dilma Rousseff para as eleições de 2010. Oito anos depois, impedido de concorrer na eleição, tentou emplacar Fernando Haddad. O que torna o momento atual tão chamativo é a proliferação dos postes em vários países da região. Até a ditadura cubana hoje tem o poste Miguel Díaz-Canel, que segue as ordens de Raúl Castro.

A disseminação dessa prática pode trazer vários problemas. Para a democracia, o mais óbvio deles é ignorar o desejo da população que foi manifestado nas urnas. Os peruanos, afinal, não votaram em Vladimir Cerrón, que é rejeitado por 85% da população. “A maioria dos peruanos não é de extrema-esquerda. Eles votaram em Pedro Castillo, principalmente para evitar um governo de Keiko Fujimori. Para cerca de 70% deles, o melhor seria que o presidente adotasse uma postura de esquerda moderada”, diz Omar Castro, gerente-geral do instituto de pesquisas CPI, em Lima.

Os bolivianos também não votaram em Evo Morales. Em plebiscito realizado em 2016, a maioria recusou a possibilidade de um quarto mandato consecutivo para o então presidente. Os argentinos não votaram em Cristina Kirchner para presidente. Quase 60% deles hoje têm uma imagem negativa dela. Cristina só foi eleita porque entrou como vice na chapa de Alberto Fernández, a quem coube reunir as várias alas do peronismo em sua campanha eleitoral.

O estelionato eleitoral pode acabar em desastre, principalmente quando o poste demonstra inaptidão para o cargo. Dilma Rousseff sofreu impeachment, em 2016, após cometer uma fraude fiscal e empurrar o Brasil para uma crise econômica. Na Colômbia, Iván Duque é aprovado por apenas 20% da população. É um índice bem mais baixo dos 70% que teve Álvaro Uribe quando ele governou o país em dois mandatos. “Ao longo dos seus três anos de governo, a imagem que as pessoas têm de Duque não mudou e gerou uma explosão de memes, caricaturas e mensagens nas redes sociais, onde ele é tratado como fantoche ou vice-presidente. Essa sensação é acentuada por sua inexperiência, falta de formação como estadista e, em geral, pela estreiteza de espírito que o caracteriza”, diz o sociólogo colombiano Ricardo Vargas Meza.

ReproduçãoReproduçãoÁlvaro Uribe com Iván Duque: o poste tem apenas 20% de aprovação
Outro problema é que os mandachuvas que ungiram seus prepostos podem fazer uso de sua condição para obter benefícios pessoais. Na mesma toada de Lula e Cristina Kirchner, Evo Morales se livrou das acusações a que respondia na Justiça. Um decreto do presidente Luis Arce anulou todas as investigações, incluindo aquela em que Morales foi flagrado ligando para um narcotraficante e ordenando um cerco a La Paz. Nas últimas semanas, o ex-presidente, que não tem cargo oficial, tem viajado em aviões da Força Aérea Boliviana para diversas cidades do país. Também tem usado o Judiciário para perseguir seus rivais políticos. O oponente Carlos Mesa e a ex-presidente Jeanine Añez estão sendo acusados de tentar aplicar um golpe de estado. Jeanine, que assumiu a presidência interinamente depois que Morales abandonou o país em 2019, está presa. “Morales está preparando o seu retorno ao poder. Para isso, está eliminando todos os possíveis adversários para as eleições de 2025”, diz o cientista político boliviano Carlos Cordero.

Os postes, como mostra o caso boliviano, também podem ser um expediente para impedir a alternância de poder. Era esse o objetivo inicial do ex-presidente argentino Néstor Kirchner, quando colocou a própria Cristina, que hoje tem um poste para chamar de seu, para concorrer nas eleições de 2007. Os dois pretendiam se alternar na Casa Rosada indefinidamente. Em Cuba, Raúl Castro nomeou Díaz Canel para garantir a sobrevivência do regime e dos parentes e militares alocados em cargos-chave do poder.

O projeto de poder do casal presidencial kirchnerista foi interrompido com a morte de Néstor, em 2010. Nas outras democracias governadas por vassalos, a possibilidade de alternância de poder depende principalmente da capacidade de resistência das instituições. Na Bolívia, será grande a tentação de fraudar a eleição de 2025, assim como se fez em 2019. Nesta semana, um relatório da Organização dos Estados Americanos, a OEA, confirmou que ocorreram irregularidades no pleito, como a inclusão de dados de forma clandestina no sistema de apuração.

Na Colômbia, nenhuma medida foi tomada para manipular eleições, e o recurso do preposto saiu pela culatra. O desempenho de Iván Duque como presidente é tão fraco que o segundo turno da eleição do ano que vem deverá ter dois candidatos de esquerda. Será a primeira vez que isso acontece na história do país, tradicionalmente governado por políticos de direita. No Peru, a alternância dependerá do sucesso do atual governo em cumprir com suas metas. A rota traçada por Cerrón é levar o seu país na direção da ditadura cubana. Para isso, ele precisaria redigir uma nova Constituição, assim como ocorreu na Venezuela de Hugo Chávez e na Bolívia de Evo Morales. Em julho, o submisso Castillo deu sinal verde para a ideia. Os postes latinos têm se mostrado extremamente obedientes aos seus donos — para o azar dos eleitores que um dia acreditaram que eles poderiam ter luz própria.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. "Nós não podemos ter paixões e nem ódios por políticos, por pessoas, temos que ter amor pelo nosso país, pela nossa Constituição e pela lei." (Thaméa Danelon - Procuradora da República)

  2. Elegeram/apoiaram a esquerda, agora irão pagar um preço alto. Bem feito! Os argentinos já estão completamente lascados. Eu não fico compadecido dos Venezuelanos que hoje não tem nem o que comer, pois quando o governo estava tomando, expropriando, estatizando estavam todos aplaudindo.

  3. Boa matéria. Esclarece, em suma, que todos têm em comum se perpetuar no poder (e com isso realizar o objetivo que une o totalitarismo em uma só via: poder e enriquecimento próprio que inclui a compra de aliados mais as táticas de eliminação de quem se colocar como obstáculo ou ameaça. O Brasil tinha um agora tem dois nomes que perseguem esse objetivo. Além de outros tantos que querem se aliar a um ou outro.

  4. No Brasil não estamos diferentes. Lula, libertado por bolsonaro, teve seu poste Dilma e o secessor de Temer "cérebro" da corrupção, mentiu descaradamente para levar as eleições. agora tenta acusar as urnas, mesmo tendo ganho eleições por 30 anos e seu filhos tbm e implantar voto impresso. já não bastam a milícia e gangsters fardados. todo cuidado é pouco.

  5. Eleição não se ganha, se toma. Quando um povo se curva ao discurso da promiscuidade, facilidades que a esquerda prega,como igualdade social sem trabalho duro. Quando se abre mão do estudo, do debate político ficamos fragilizados, sem saber como oi o que questionar. Dessa forma milhares de judeus perderam suas vidas num modelo econômico que matou muito, muito menos que o comunismo. Acorda Brasil!!! O Comunismo distribui miséria e mata. Da mesma forma que Trotsky matou, com seu exército vermelho.

  6. A consequência é que vários países como o nosso se afunda no atraso e na corrupção, com ratos de esgoto cada vaz mais poderosos e ricos enquanto a poreza graça sobre a população.

    1. Lula de novo no poder vai fazer o que ele mais entende: corromper todo mundo! E essa imprensa brasileira vai voltar de receber os bilhões através das verbas publicitárias vindas das empresas estatais! Por isso a grande imprensa brasileira sempre foi contra as privatizações!!!

  7. E só o Luladrao ou outro verme comunista ganhar as eleições roubadas aqui, vai sobrar dinheiro nosso pra todos esses países de merda.

  8. O mau voto custa muito caro. Porém, como votar"certo" quando as opções são pífias e os candidatos são profissionais no engodo? Quanto aos postes, tendo todos sido democraticamente eleitos, resta apenas lamentar e suportar o dano na esperança de revertê-lo ao fim de 4 anos.

  9. Bolso.22 tá avisando a muito tempo! Visionário o camarada! Gente acorda , senão seus filhos não vai o q comer em pouco tempo

  10. Não vejo saída dessa roda-viva que a América Latina se encontra desde a independência de cada um dos países que a compõe! Um misto de arremedo de democracia com busca de modelos fracassados na história da humanidade e o despreparo da população dadas as limitações econômicas que a deixam a mercê de mal-intencionados interna e externamente. Digladiam sobre temas elementares e casuísticos de momento, nunca saem desse plano para uma visualização mais ampla, deixando de construir um futuro promissor.

  11. Enquanto isso ninguém sabe quem está visitando a Micheque no Planalto. Deve existe postes por lá, postes altivos, eretos, verdes, brancos e azuis, desde cabos a brigadeiros. Só saberemos daqui a 100 anos.!!!

  12. A América latrina é totalmente irrelevante, um punhado de repúblicas Bananeiras que escondem de fato colônias de exploração.

    1. É isso. América Latrina. qual a diferença de um país para outro? Nenhum. O que importa é o poder, regalias. O povo é o meio para atingir o propósito. Em pensar que poderíamos estar entre as 5 maiores potências mundiais, não fosse a política dos interesses individuais. Triste...

    1. Puxa como vc é inteligente, do jeito que está indo vai ser seu próximo presidente.

    2. Bem, a matéria é sobre postes q estão no poder... Parece q na sua cabeça ele nunca saiu do poder, né... puxa.. isso é q idolatria mal disfarçada. Por isso acabaram apaixonados por um igualzinho... Indisfarçável.

    1. Lacradores como os nossos recentes ministros da Educação, Relações Exteriores e Meio Ambiente, felizmente todos já fora, que ao invés de administrar queriam jogar para seu mestre, atiçando a plateia raivosa ideológica e borrando o que podia ser um governo da direita?

  13. A América do sul é pródiga em caudilhos de direita ou de esquerda. Só a educação pode mitigar essa tendência ao populismo

  14. Segundo as pesquisas, Lula deverá ganhar as eleições. Para piorar o quadro dos países hoje governados por marxistas e seus postes. Mas, não com meu voto! Voto até no Bolsonaro para tentar impedir isso!

    1. Cê só escreveu pra fazer uma propagandazinha pró bolsoescroto... Não engana ninguém. Quadro dos países já é piorado pelo br.. q tem q apagá incêndio, todo dia, do bananero e sua troupe. Pior de tudo é qdo o pessoal da aftosa pensa q descobriu um jeito inteligente de fazer propaganda assustando com eleição de lulllll kkkkkkk Única coisa q fazem é MARKETING GRÁTIS pra lullllll Cruzes. E não aprendem.. Povo "inteligente" !!!

  15. 🎵🎵 "Adelaide, minha anã paraguaia /Adelaide, minha anã.. "🎵🎵 quer dizer perulana.. ah..tanto faz.. brigada aí, seo inimigos do rei.

    1. O problema dos latinos americanos é que a gente emprenha pelo ouvido.

Mais notícias
Assine 50% off
TOPO