Pedro Ladeira/Folhapress

Ele não

Prestes a ser confirmado como relator da CPI da Covid, Renan Calheiros volta a exercer protagonismo no pior momento do governo Bolsonaro. A história ensina que não convém tê-lo como adversário
23.04.21

Renan Calheiros dispensa grandes apresentações. Quatro vezes presidente do Senado, o cacique alagoano tornou-se um exímio conhecedor dos atalhos e códigos particulares de Brasília. Por isso, é sempre melhor não tê-lo como adversário político. Escaldados, todos os governos desde a redemocratização o tiveram como aliado. De Fernando Collor, passando por FHC, Lula e até Dilma, a quem Renan abandonou às vésperas do impeachment. Na juventude, o senador chegou a atuar como lateral-direito do Guarani de Maceió, mas nunca deixou de ser amador. No poder, virou um profissional da política: jamais se importou com direita, esquerda ou centro, desde que estivesse próximo das benesses oficiais. No atual governo, porém, se viu escanteado.

Bolsonaro não só preteriu Renan como possível interlocutor no Congresso como feriu seus brios logo no primeiro ano de mandato, ao avalizar o apoio público de Flávio Bolsonaro, seu filho 01, a Davi Alcolumbre na disputa pela presidência do Senado. Àquela altura, Renan ensaiava uma aproximação com o Planalto e ambicionava conquistar “o penta” no comando da casa. Agora, dois anos depois, o senador pode se tornar algoz do governo. Se virar alvo de uma CPI já é um cenário tétrico para Bolsonaro, com Renan na condução dos trabalhos o quadro pode ser ainda mais aterrador – o posto estratégico de relator deve ser confirmado nesta terça-feira, 27, com a instalação oficial da CPI.

A interlocutores, nos últimos dias, Renan tem usado um tom irônico ao se referir à investigação. “Por que o governo deve ter medo?”, questiona, com um sorriso de canto da boca. Não se sabe ainda se Renan irá preparar um arsenal contra o governo. Uma munição, no entanto, já é conhecida: um ofício no qual o Ministério da Saúde orienta a Fiocruz a divulgar e indicar a prescrição de cloroquina ou hidroxicloroquina no tratamento contra a Covid-19. O documento poderá ser usado eventualmente como prova para imputar crimes a Bolsonaro e a sua equipe na gestão da pandemia. “Solicito a ampla divulgação desse tratamento (de uso da cloroquina ou hidroxicloroquina contra Covid-19), considerando que ele integra a estratégia do Ministério da Saúde para reduzir o número de casos que cheguem a necessitar de internação hospitalar para tratamento de síndromes de pior prognóstico, inclusive com suporte ventilatório pulmonar e cuidados intensivos”, diz trecho do ofício encaminhado pelo coronel Luiz Otavio Franco Duarte, do Ministério da Saúde, à Fiocruz.

Agência SenadoAgência SenadoOmar Aziz deve ser oficializado presidente da CPI
Em um movimento previsível, o presidente da República adotou o procedimento padrão para situações de alta pressão: inflamou sua militância, que, coordenada pelo chamado Gabinete do Ódio, lançou uma campanha contra o senador alagoano. A deputada bolsonarista Carla Zambelli, do PSL, chegou a ajuizar uma ação na Justiça Federal para questionar a escolha do emedebista para a relatoria da comissão. A parlamentar alega que Renan seria suspeito para ocupar o posto porque é pai do governador de Alagoas, Renan Filho. Ela também aponta a suposta ofensa ao princípio da moralidade administrativa pelo fato de o senador ser alvo de inquéritos no Supremo. Mas, como o STF tem entendimento de que réus podem até presidir o Congresso, a simples existência das investigações não seria empecilho para que o parlamentar seja relator da CPI.

Também nesta semana, o ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, denunciado por envolvimento no laranjal do PSL, ressurgiu das cinzas para pedir à Procuradoria-Geral da República que aja contra a escolha do emedebista. No Senado, no entanto, já há acordo para que o senador Omar Aziz, do PSD, assuma o comando da comissão e Renan, a relatoria. O próprio presidente do PSD, Gilberto Kassab, que está cada vez mais distante do governo federal, rechaçou qualquer possibilidade de troca para atender ao Planalto. 

Como viu que a campanha de sua claque nas redes não logrou êxito, Bolsonaro mudou de estratégia: passou a tentar uma aproximação com Renan. Na manhã de quarta-feira, 21, ligou para o filho do senador, o governador de Alagoas, para colocar o governo federal à disposição do estado no combate ao coronavírus. “É evidente que o presidente tem uma relação com o governador de Alagoas, mas é uma questão administrativa. Eles conversam sempre por telefone. Do ponto de vista da CPI, o nosso propósito é fazer uma investigação profunda, criteriosa, absolutamente isenta em busca da verdade para darmos as respostas que a sociedade toda cobra. De modo que não haverá nenhuma dificuldade de conversar com ninguém”, disse Renan em entrevista à GloboNews. “Conversarei com qualquer um, sobretudo com o presidente da República, se ele entender que é o caso”, prosseguiu.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéRenan está em permanente contato com Lula: conversas sobre como fazer Bolsonaro sangrar até a eleição
De fato, como as intenções de Renan, em geral, não são revestidas de republicanismo, convém sempre ficar de olho em seu comportamento. O político joga combinado com o ex-presidente Lula, que não quer o impeachment de Jair Bolsonaro, mas apenas vê-lo “sangrar”, a fim de enfrentar um cambaleante candidato à reeleição em 2022. Embora nunca tenha recebido uma ligação de Bolsonaro, no último dia 7, o telefone do senador Renan vibrou. Do outro lado da linha estava Lula. O petista quer atrair o MDB velho de guerra para a sua aliança e conta com o apoio e os préstimos do cacique alagoano. Na conversa, o futuro relator da CPI prometeu jogar afinado com o ex-presidente. Desde então, ambos têm combinado cada passo. Nas últimas semanas, o senador voltou a se dedicar a um de seus passatempos prediletos: os ataques à força-tarefa da Lava Jato. Ao comemorar a decisão que livrou Lula das condenações, ele aproveitou para defender a prisão do procurador Deltan Dallagnol – o ódio à Lava Jato e ao ex-juiz Sergio Moro, aliás, é outro ponto de convergência entre Renan e Lula.

Para além da parceria com o petista, a ambição de Renan em voltar aos holofotes tem motivações paroquiais e também jurídicas. O cacique alagoano quer manter o controle sobre o estado após a saída de Renan Filho do governo – o herdeiro do senador vai terminar o segundo mandato e não poderá se candidatar à reeleição. Renanzinho, como é conhecido, ainda não tem um sucessor, mas, seja quem for o escolhido, os Calheiros querem se certificar de que vão conservar o domínio. Na relatoria da CPI, o parlamentar do MDB terá mais espaço para se contrapor ao presidente da Câmara, Arthur Lira, do Progressistas. O aliado de Jair Bolsonaro, potencial candidato ao governo alagoano, é hoje o maior adversário político de Renan no cenário local. Voltar a exercer um papel de destaque também é importante para que Renan mantenha sua trajetória de vitórias na Justiça. Ainda que fervilhem provas e acusações de envolvimento do senador em escândalos de corrupção e lavagem de dinheiro revelados nas últimas décadas, o Supremo tem sido benevolente com o emedebista. A corte garantiu o arquivamento de uma série de inquéritos, relacionados principalmente às operações Lava Jato e Zelotes. De um total de 18 investigações, ele conseguiu se livrar de onze. Em alguns dos sete processos que ainda tramitam no STF, Renan conseguiu vitórias recentes. Em fevereiro, o ministro Dias Toffoli pediu que a análise da denúncia sobre o chamado Quadrilhão do MDB fosse retirada do plenário virtual – com isso, o julgamento foi adiado por tempo indeterminado. Segundo o Ministério Público Federal, caciques do partido, entre eles Renan, teriam recebido propinas de mais de 864 milhões de reais, com prejuízos de 5,5 bilhões de reais à Petrobras. Em dezembro de 2019, a Segunda Turma do STF recebeu uma denúncia contra o senador alagoano por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A publicação do acórdão demorou um ano e a defesa do parlamentar apresentou embargos – com isso, o inquérito ainda não virou ação penal.

Em seu histórico de comissões parlamentares de inquérito, Renan atuou muito mais em operações-abafa do que propriamente para incendiá-las. Foi o assim na CPI da Petrobras – durante a instalação da comissão, ele disse que o Congresso tinha “mais o que fazer” –, na CPI dos Bingos e na CPI dos Correios. Mas, para desespero de Bolsonaro, isso não quer dizer que o alagoano jamais tenha agido numa comissão parlamentar de inquérito para implodir o presidente de turno. Em 1992, depois de integrar a tropa de choque de Collor no Congresso, Renan submergiu quando a imagem do ex-presidente começou a se deteriorar e voltou à cena ao depor na CPI que investigava o então presidente. No depoimento mais longo da comissão – foram oito horas –, Renan não só confirmou que Collor sabia do esquema montado pelo operador PC Farias como acusou assessores próximos do presidente de fazer parte da trama. No dia seguinte, Collor cunharia a frase que se tornou um dos símbolos do processo de impeachment: “Não me deixem só, minha gente”. Se Renan é capaz de “deixar sós” ex-diletos aliados, imagine o que ele pode fazer com adversários. Bolsonaro, ao menos na fotografia de hoje, é um deles – e tem o que temer.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Tenho curiosidade em saber quais artimanhas vão usar para tirar do stf a culpa por ter proibido o GF agir nos estados e municípios. Só foi autorizado a distribuir a $$ que sabemos o destino dado por muitos governadores e prefeitos ... Luladrão que espere par ver quem vai sangrar em 22...

  2. Eeeeehhhhhh, a crusoé escolheu seus amigos e lados na política. Hoje até descobre pontos positivos em políticos corruptos. É o fim da publicação.

  3. Renan é mal caráter, mas é inteligente. Nunca pensei q iria torcer por ele, mas estou torcendo. Torço pra q ele demonstre tds as loucuras irresponsáveis desse governo e q td termine num impeachment.

  4. A capitânia hereditária de Alagoas até hoje não foi devolvida ao País. Isso que dá, deixar um povo faminto e esfomeado votar. Local em que se rasga uma nota de 100 reais e dá ao eleitor uma parte, no final do votação se dá a outra se o pretenso candidato corruptor ganhar. Como pode esses Estados tomarem conta do cofre da nação. Vejam a representatividade em proporção. Reforma política já.

    1. Todas acabam em pizza! Não tem como votar direito. As escolhas sempre serão ruins.

  5. Renan Calheiros, não acredito que não tenha alguém mais ético, Decente, Honrado, homem público no teor da palavra no congresso, senhores políticos congressistas decentes peçam para sair

  6. Nada de honroso e ético se espera do canalheiros ( o pangaré sociopata que se lasque ). Nesses últimos dias figuras como o canalheiros, o lularápio, o beiçola nefasto, o ptoffoli, o lewandobolowski, o lira, o pacheco, o aécio, o 01, o 02, 03, o 04, são destaques que empestam o ar e provocam engulhos. A esperança de um país melhor jogada na sarjeta.

  7. Esse e um dos maiores vermes da política brasileira. Não podemos esquecer o Collor, Sarney. A briga ai e grande. Mais o povo de Alagoas, Maranhão. Bem que merece morrer de COVID. Fome, ate de diarreia. Quem vota em verme.

  8. Esse é o político mais habilidoso do Congresso. Não deixa rastros....suas falcatruas nunca são escancaradas. Tem portas abertas em todas as alas da política e do judiciário. O cara é tão liso que teve um filho fora do casamento e a esposa o desculpou....acha que ele foi enganado...rsss

  9. Quantos processos engavetados, precisamos urgente , através do voto, tirar todos os políticos suspeitos de crimes . Renovação 2022

  10. O Mecanismo da Orcrim volta vencedor com todas suas peças Cleptocráticas, para enterrar de vez a Lava Jato e a quem ousou desvendar ou punir os membros e poderes envolvidos. Os criminosos agora dizem-se vítimas e perseguidos amparados pela imunidade parlamentar, leniência judiciária, agentes públicos e etcs. Enfim, o crime neste país compensa com toda certeza.

  11. Só tem bandidos e dilapidadores do dinheiro público, protegidos pela justiça tbém corrupta!!!Ñ podemos esperar nada desta CPI.Logo veremos Bolsonaro,de braços dados com a raposa do Renan!!!São da mesma laia!A diferença q um sabe se expressar o outro é medíocre intelectualmente falando! Um ignorante esse Capetão Jair e precisa ser banido rápido!

    1. É incrível este Brasil: frente a frente, na CPI, renan calheiros, uma das piores criaturas que o País já produziu ao longo de TODA sua História. Do outro lado, bolsonaro, um Napoleão de hospício, QI baixíssimo, que nunca entenderá que é presidente da república! O saldo? 400mil, 500mil, talvez 1.000.000 de inocentes mortos. Quando alguém diz que Deus é brasileiro, EU nao acredito!

  12. Só Jesus na causa! Achar que ter Renan Calheiros na CPI é bom para podermos nos livrar dos desmandos do Minto é o fim! É torcer pelo bandido contra o mais bandido! Eu quero a Mulher Maravilha!

  13. Sujeitinho desclassificado. A figurinha indicada pra pisotear nos cidadãos de bem da nossa sociedade. Já pagamos até conta de amante desse verme.

    1. Por favor, Valderes, não ofenda a classe dos vermes. Ao menos, eles são úteis.

  14. Cadê meu comentário? Outra coisa, não consigo ler o Antagonista + a mensagem diz qua a assinatura está com problemas. Como assim? Já tentei várias vezes regularizar e não consigo. pqp.

  15. Lendo esse texto vejo que o país e governado por pessoas más que só pensam em se manter no poder afundando o país na lama. Somos um povo mal educado,sem tecnologia e saúde. Atualmente passamos fome. E o que essa cambada de ladrões fazem. Combinações para ver quem vai se dar bem. Nós só servimos para pagar dividas e impostos nesse país desgovernado. A PANDEMIA continua e logo mais teremos eleições. O que será de nós ?

  16. Se o sociopata Genocida achou que era o maior de todos os espertalhões, o Capo da FAMILICIA, deu de cara com um concorrente muito mais escroque,mais esperto e culto.

    1. infelizmente o povo não sabe votar, bolsonaro 30 anos como deputado não fez nada um Incompetente e consegui enganar muita gente um verdadeiro charlatão, # impeachment já. lena

    2. Sem dúvida,minha cara ! Bolsonaro deu mal exemplo para os brasileiros subestimando a epidemia e não usando proteção mas, daí ser chamado de genocida e compará-lo a um ladrão contumaz, é muito ódio não é não? Ainda não há provas de que o presidente cometeu roubo quanto ao Calhereiros, só o defende que é da mesma laia.

  17. Não votaria no Bolsonaro, mas com dois ratos Contra ele. Só seremos salvos: se São Jorge, largar a Lua do imaginário infantil e sair do seu cavalo e for um candidato em 2022!!!! Coitado dos Brasileiros honestos, Sérgio Moro, Tasso J. o nosso Biden rsrs. Podemos sonhar????

    1. Antônio , você não votaria no Bolsonaro...mas ( ou mais de adição?)

    2. Antônio sua frase ficou uma icognata totalmente sem sentido .Releia sem vírgula por favor: mas ou mais???

  18. Imagina !!!!! Calheiros e Bolsonaro nas últimas horas já assentaram um encontro presencial ... Enquanto a matéria estava em produção , coisas aconteceram !

    1. De qualquer forma, é ruim para o presidente pateta. Quanto mais acordos o idiota faz, mais a corda aperta o pescoço. Bolsonaro não sabe lidar com isso, não tem capacidade cognitiva suficiente.

  19. Esse indivíduo é uma esfinge egípcia. É o político mais investigado do país, cheio de suspeição de atos ilícitos, dezenas de denúncias contra ele, e nunca, nem sequer foi processado. Ninguém entende tamanho poder. Da mesma laia do Gilmar do stf. Vá saber. Apscosta/df

  20. os EXEMPLOS EXCECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  21. e de novo o Brasil refém de renan calheiros pra rasgar a constituição como fez no impeachment de dilma, sempre na hora esse sociopata vira prá outro lado, ele e bolsonaro e outros sociopatas políticos são idênticos, não acredito mais nessa cpi; teatro a ser exibido

  22. País cleptocrata com população tupiniquim. A LJ, foi a única oportunidade de evolução que o Brasil já teve. A chance de fazer acontecer o mesmo que ocorreu na Itália nós anos 90. Só que não. O Brasil estaria salvo, se os homens de bem, tivessem a mesma ousadia dos canalhas. SM, DD, MB e em geral a13ª Vara de Curitiba, tem o meu respeito. Obrigado pela coragem.

  23. O brasileiro não sabe votar, não é um país sério, infelizmente são as alcunhas que carregamos pelo nosso comportamento, seremos um eterno país do terceiro mundo.

  24. Renan, Gilmar, Lula, Levandowski - essas figuras perderam a credibilidade aos olhos do povo brasileiro. O Brasil estaria bem melhor se não fosse por eles. Infelizmente temos que aguentá-los até que o chamado divino os leve para outro universo.

    1. Sim, mas que os leve para queimar no fogo do inferno ¡

    1. Como renovar políticos se o sistema os preserva ... o tal voto de legenda. É sabido que apenas 30 deputados federais ( dos 513 ) foram eleitos pelos próprios votos. Temos que ter uma grande bandeira - REFORMA DO SISTEMA POLÍTICO - senão ficaremos eternamente com essas mesmas famílias corruptas, inescrupulosas, nos sugando ! Triste !!!

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO