FelipeMoura Brasil

O bolsotrumpismo mortífero

15.01.21

No artigo de John Bolton citado nesta coluna em 4 de dezembro, o republicano alertava contra o prosseguimento do partido “no modo Trump, minando ainda mais a integridade e a legitimidade de nossas instituições”; e defendia o antagonismo conservador a “políticas de esquerda, sem despojar as bases do florescimento da América”.

O alerta, claro, não adiantou.

A invasão do Capitólio por trumpistas em janeiro resultou em cinco mortes e na aprovação do segundo impeachment de Donald Trump pela Câmara, com unanimidade democrata e dez votos republicanos a favor da medida, justamente porque o presidente, segundo o pedido, “pôs gravemente em risco a segurança dos Estados Unidos e suas instituições de governo, ameaçou a integridade do sistema democrático, interferiu na transição pacífica de poder e colocou em perigo um dos três poderes coiguais”.

Bolton também alertava para a necessidade de sair do “modo Trump” na campanha pelas duas últimas cadeiras no Senado:

Precisamos começar agora, a tempo do segundo turno crucial da Geórgia em 5 de janeiro. A vitória dos titulares David Perdue e Kelly Loeffler produzirá uma maioria de 52 votos republicanos no Senado, um grande obstáculo contra os excessos do governo Biden. Deixar desolados os apoiadores de Trump é supostamente a razão para não falar a verdade sobre a sua derrota, mas a dura lógica política aponta na direção oposta. Ao perseguir seus interesses pessoais, Trump complicou enormemente as chances de vencer os dois segundos turnos. Por nenhuma outra razão além do ego, ele induziu Perdue e Loeffler a exigir a renúncia do republicano Brad Raffensperger, secretário de Estado da Geórgia. (…) Obviamente, manter a maioria do Partido Republicano no Senado é a prioridade eleitoral imediata, o que ressalta precisamente por que permanecer em silêncio sobre as teorias da conspiração de Trump é tão prejudicial. Sua iminente visita de campanha à Geórgia pode causar mais danos. Os eleitores republicanos aceitarão a verdade se explicada racionalmente por líderes partidários responsáveis.”

O alerta, claro, tampouco adiantou.

Como escreveu o colunista Ed Kilgore em seu artigo “Trump retribui seus bajuladores com traição desnecessária”, publicado na New York Magazine em 7 de janeiro:

A determinação de Trump de não deixar nenhum amigo sem traição foi mais evidente em seu comportamento em relação ao Partido Republicano, que estava desesperado para manter sua base de poder no Senado na disputa de suas duas últimas cadeiras. A mensagem vencedora óbvia era a necessidade de conter quaisquer excessos que o Partido Democrata pudesse nutrir se assegurasse uma trifeta governamental [Casa Branca, Senado e Câmara]. Em vez disso, o presidente insistiu em destruir a unidade do partido com ataques ruidosos e incessantes a autoridades republicanas na Geórgia que não cooperaram com seus esforços para reverter os resultados das eleições presidenciais, forçando os senadores Kelly Loeffler e David Perdue a tornar suas próprias campanhas um complemento de sua cruzada pós-eleitoral. Como tantos outros aliados de Trump, Loeffler e Perdue foram punidos pela lealdade conspícua a ele, perdendo o que se tornara um referendo sobre suas queixas e teorias da conspiração.”

Em 20 de março de 2020, quando a pandemia despontava no Brasil, publiquei no site O Antagonista o artigo “A calamidade moral”, que já tratava do “modo Bolsonaro” de lidar com a crise sanitária, chamando “de fantasia, histeria, neurose ou pânico a prudência diante dos riscos de uma doença que agora já matou mais de 10 mil pessoas no mundo” (quase 2 milhões, em número atualizado).

Bolsonaro ainda encerrou sua videoconferência desta quinta-feira, 20 de março de 2020, dizendo que, ‘depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar’. Isso mesmo: ‘gripezinha’. Foi com esse diminutivo em sentido pejorativo que Bolsonaro se referiu à doença que, naquele momento, já tinha matado 11 brasileiros [206 mil, em número atualizado], de acordo com os registros oficiais, sendo que mais de 900 já haviam sido registrados como infectados [hoje, 8,25 milhões].

Enquanto filhos, pais e avós se isolam e refugiam em casa, ou trabalham para manter o abastecimento e a saúde alheia, preocupados com um inimigo invisível, ou sofrem nos hospitais e até nas unidades de terapia intensiva, ou, pior ainda, choram pela perda de uma pessoa querida, o presidente posa de valente, de homem mais forte do que as vítimas que morrem com o coronavírus, desdenhando mais uma vez da doença.

Enquanto a chanceler alemã Angela Merkel dá um banho em Bolsonaro na TV, dizendo que o caso é sério, pedindo que a população leve a sério também, explicando a necessidade de sacrifícios e solidariedade para evitar perdas humanas, a claque bolsonarista tenta reforçar uma atrás da outra as acusações diversionistas da família do presidente contra os espantalhos da vez, para encobrir tamanhas irresponsabilidades. (…)

A calamidade moral bolsonarista agrava a calamidade pública do país.”

O alerta, claro, tampouco adiantou.

O governo Bolsonaro ignorou a proposta da Pfizer em 15 de agosto para fazer, nas palavras da empresa, “uma possível aquisição de 70 milhões de doses de sua vacina”, que começariam a ser entregues “a partir de dezembro”; o Ministério da Saúde ignorou um parecer interno que recomendava a compra de seringas com entrega por frete aéreo, o que já poderia ter rendido 20 milhões delas também em dezembro; e o Brasil continua sem vacina disponível para a sua população.

No fim de 2020, Eduardo Bolsonaro, Bia Kicis, Carla Zambelli, Daniel Silveira e Osmar Terra, além de ativistas bolsonaristas com microfone, ainda festejaram nas redes sociais a reabertura do comércio em Manaus, embora nenhum deles seja amazonense. Menos de 20 dias depois, o sistema de saúde manauara entrou em colapso, faltou oxigênio, médicos passaram a escolher quem salvar, pacientes morreram de asfixia e o governador Wilson Lima teve de anunciar um toque de recolher.

As realidades americana e brasileira mostram que nenhum alerta contém, muito menos apruma, a perversidade de sabotadores e que a cumplicidade com seus atos perversos, por ação ou omissão, turbina o número de cadáveres. Contra o bolsotrumpismo mortífero, o impeachment sai até barato.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Até que o paspalho do felipe moura brasil, ex-discípulo fiel do guru Olavo de Carvalho, está se esforçando para malhar o melhor presidente de todos os tempos. Continue firme paspalho, caso contrário o paspalho mor mainardi te coloca no olho da rua, ... kkkk!!

  2. Você ficou sabendo oque aconteceu com Bilhões enviados para o Amazonas ? por causa de seus comentários e seus companheiros, deixei de assinar essa revista.

  3. O impeachment sai baratíssimo. É urgente que Bolsonaro seja afastado, antes que tenhamos apenas ruínas - econômica, social, sanitária etc.

  4. Temos de tratar o bolsonarismo como religião, assim como foi o lulismo. Não importa o quanto se mostre e fale das aberrações que ele pratica, muitas das pessoas vão continuar tendo FÉ nele, como tiveram pelo Lula por muito tempo.

  5. A crítica, como um todo, tem fundamento, MAS, para ser justa, precisaria ser filtrada para que se retirasse o “exagero“ contido (pressupostos questionáveis, relações causais inferidas frágeis, literalidade inexata, descontextualização, etc.).

  6. Fico revoltada de assistir tudo isso e ainda ter que engolir essas deputadas cretinas e ignorantes!? E a turma de “jornalistas da jovem pan? Deviam mudar o nome para Bolsonaro Pan!? Vc tem razão! Impeachment é pouco!

  7. "A invasão do Capitólio resultou em cinco mortes". Cinco, apenas um número para a máquina. Quem eram essas cinco pessoas que morreram, infelizmente? Provavelmente, não tinham grande expressão, caso contrário, não seriam "mortes", mas, o fulano de tal. Fica assim, então.

  8. Pois é, no Brasil que está enxovalhado por uma elite política e jurídica com baixíssima moral quase impossível prosperar um impeachment do pangaré irresponsável, mentiroso e incompetente.

  9. Tudo muito bom, tudo muito bonito, mas gostaria de uma indicação de um cara menos ruim que o Bolso para poder votar nele. Quando se olha são os mesmos de sempre e que ficaram no poder por quase 20 anos e nos levou à situação de eleger o Bolso para nos livrar deles. Tá complicado.

    1. Quando chegar os dias da eleição em 2022, pergunte de novo. Por enquanto não há candidatos declarados, a não ser Dória, em quem eu não voto. Mas, se quer saber, até Dória é menos ruim que o Cloroquinaro.

  10. Se a realidade não bate com nossas teorias, pensam os bolsonaristas, há algo de errado com a realidade. Teimosia. A realidade é obstinadamente teimosa.

    1. Parabéns, Ney, pela síntese irretocável do "modo bolsonarista de ser".

    1. Até onde sei, ninguém é obrigado a sair de casa. Então peça demissão, exoneração ou falência e viva de luz. Estará a salvo do Covid-19.

  11. Bem. Nenhuma novidade. Qualquer pessoa decente sabia que o Bozo seria o pior presidente da história do Brasil. Votaram no genocida no primeiro turno porque quiseram. Todo erro tem um preço. É o preço que pagaremos não será nem um pouco barato. Pobre Brasil!

    1. Naquele momento outra alternativa não restava.Votar na continuidade? Em ladrões que levaram o País ao desespero a ponto de votarmos em Bolsonaro? Fico imaginando o que seria o Brasil hoje caso o PT & Cia Ltda tivessem vencido, estávamos a caminho da venezuelização, lembram? Lavajato e Bolsonaro (cada um a seu modo) deixarão sua marca na história do Brasil. Cabe à sociedade civil, às forças do bem a correção de rumo necessária. Apesar da nossa elite política, razão de todos os males.

    1. O importante é temos em Manaus um lindo estádio de futebol. O legado da copa, que custa 1 milhão por mês, é sinônimo de orgulho para todo brasileiro.

  12. Bravo ! Como sempre disse tudo ! Porém o “impeachment barato”, no caso Trup será só a punição política . Ele não escapará da responsabilidade civil e criminal . Enquanto aqui , alguns impeachments nem politicamente cumprem o mandamus constitucional . Sempre haverá um ministro para , à seu talante abranda-lo ,como no caso da última presidente a sofrer impedimento . Responsabilidade civil e criminal nem pensar .

  13. Felipe, tomo a liberdade de indicar uma leitura que fiz agora e que me parece importantíssima para compreender os acontecimentos do século XXI. Trata-se de um ensaio escrito por africano de Camarões, Achille Mbembe, intitulado NECROPOLÍTICA. Professor visitante em Berkeley, Columbia e Yale e professor de História e Ciências Políticas na Universidade de Johanesburgo. Parte da biopolítica de Foucault e chega ao que denomina de necropolítica.

  14. Lá nos EUA existem dois partidos. Portanto, o processo de impeachment é binário. Aqui, o centrão comanda o espetáculo. E vence quem paga mais pelo ingresso: povo nas ruas ou cargos e emendas do governo.

    1. Concordo. Mas o pensamento liberal e conservador não desonesto tem que se manifestar e combater o Bolsonaro e sua legião de irresponsabilidade.

  15. Felipe, assisto TODOS os dias o Papo Antagonista, Parabéns, e Parabéns por ter saído dos 'passadores de pano'. Muito Sucesso prá vc e Grata pela Verdade.

  16. BOLSONARO e seus MILITARES VASSALOS CRIMINOSAMENTE BOICOTAM AS VACINAS para EVITAR MANIFESTAÇÕES de RUA CONTRA o GOVERNO! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos!

  17. Colega, vou criar aqui, sob licença de ninguém, um neologismo: a chatice "parafrasética", qdo o articulista traz à tona, ou à baila, escritos, livros ou teses de terceiros, pra lastrear suas posições. O produto desse processo vira uma chatice generalizada. Evidencia uma certa pobreza de raciocínio próprio, e em vez de sinalizar pesquisa e erudição, sinaliza uma mal-disfarçada preguica do autor em emitir uma opinião. Não me convence seu estilo, partindo dessas premissas. Sorry. -apscosta/df

    1. Alvaro, acho que você pede por algo mais direto. Não se consegue identificar sua posição quanto ao Bolsonaro. Eu tenho uma análise diametralmente oposta à sua quanto ao texto. Acredito que seja por uma questão de perspectiva. Recorrer a outros para embasamento é algo normal. Já que pede uma posição do colunista, como leitor, eu também peço uma posição sua. Se for recorrer a alguma autor ou se vai ser somente um raciocio próprio, uma coisa é certa. Se for defender o Bolsonaro, vou me contrapor.

  18. bolsonaro JUDAS e pazuelo leão-marinho um dia deveriam responder em corte internacional . imagino que o sargento garcia pazuelo diria como em nurenberg "apenas cumpri ordens.

  19. Excelente raio x; tal qual o lulopetismo, o bolsonarismo é blindado por uma barreira na imprensa alugada, subserviente e ideológica. Nosso 1º desafio é romper essa blindagem.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO