Reprodução

‘Precisamos baixar as armas’

O empresário bolsonarista Luciano Hang prega a pacificação com o Supremo e afirma que da quebra de seu sigilo bancário não sairá nada capaz de prejudicar o mandato de Jair Bolsonaro
26.06.20

Desde o momento em que resolveu romper a barreira dos negócios e enveredar pela política, no início de 2018, o empresário Luciano Hang protagoniza uma série de polêmicas com os adversários de Jair Bolsonaro, que ele apoiou na eleição e a quem permanece fiel até hoje. Uma delas, contudo, vai muito além da troca de farpas nas redes sociais e tem potencial para derrubar o presidente da República: Hang é suspeito de financiar ilegalmente o envio em massa de mensagens de WhatsApp, para favorecer Bolsonaro na corrida presidencial.

A ação que pede a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão por causa das mensagens estava adormecida no Tribunal Superior Eleitoral, mas ganhou força em maio, depois que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou a quebra do sigilo bancário do dono da rede de lojas Havan no inquérito que investiga supostas ameaças, ofensas e notícias falsas contra os membros da corte. A devassa nas contas de Hang se estende ao período eleitoral e eventuais provas de financiamento ilícito poderão ser usadas na ação do TSE. Há quem acredite que sairá dali a bala de prata contra Bolsonaro.

A Crusoé, o empresário rebate as suspeitas e afirma que a investigação não encontrará em seus extratos bancários nada que possa ser usado contra Bolsonaro. Aos 57 anos, o catarinense diz que Alexandre de Moraes foi “induzido ao erro” ao incluí-lo no inquérito do fim do mundo. “Jamais atentei contra o STF. Pelo contrário, quem tem um pouco de cabeça e de cérebro sabe que não pode se meter com alguém que não possa vencer”, afirma. Em meio ao agravamento da tensão entre a rede bolsonarista e as instituições, o “Véio da Havan”, apelido que ele resolveu adotar, prega paz. “Nós precisamos baixar as armas e subir bandeira branca. Eleição para presidente é em 2022”. Eis os principais trechos da entrevista.

Tanto no inquérito do STF quanto nas ações do TSE, o sr. é apontado como financiador da estrutura que dissemina notícias falsas e ofensas contra ministros do Supremo e contra adversários de Bolsonaro. O sr. financiou o impulsionamento dessas mensagens?
Jamais. Em janeiro de 2018, eu me propus a ser um ativista político, acreditando que poderia ajudar na abertura da cabeça do brasileiro comum para que ele escolhesse melhor seu candidato nas eleições. Eu só fui escolher meu candidato no dia 17 de agosto, quando fiz uma live e disse que iria apoiar a chapa do Bolsonaro. Essa live, eu impulsionei, por completo desconhecimento, porque não sabia que não podia. O PSDB entrou com uma ação contra mim, tirou a live do ar e eu paguei 10 mil reais de multa. A partir daquele momento, nós nos cuidamos para não cometer nenhum erro e assim foi até acabar as eleições. Faltando dez dias para o segundo turno, veio aquela matéria da Folha de S.Paulo, que diz que eu tinha impulsionado WhatsApp, falando de valores estratosféricos, 12 milhões por empresário que ajudou a impulsionar fake news através do WhatsApp. Nem sabia que dava para impulsionar WhatsApp naquela época. E daí eu te pergunto: por que o ativista político Luciano gastaria 12 milhões para apoiar um candidato, se eu não vendo para o governo, não compro do governo, não faço empréstimos com o governo? Eu me mantenho à margem disso para não dizerem que eu me meti na política para conseguir vantagens com o governo.

No inquérito do STF, o ministro Alexandre de Moraes fala que há indícios de que um grupo de empresários do qual o sr. faria parte financia a rede que dissemina fake news contra o Supremo. O sr. financiou, ainda que indiretamente, por meio de vaquinha, essas campanhas?
Jamais. Eu tenho minhas redes sociais e me comunico por elas. A quebra do meu sigilo vai mostrar muito bem isso. Aliás, eu sou cobrado nas minhas redes sociais porque eu não patrocino os canais conservadores. Recentemente, o Olavo de Carvalho me criticou dizendo que eu fui lá e disse que iria ajudá-lo, que arrumaria um programa de televisão em que ele pudesse falar e que nem nisso eu o ajudei. Não fiz durante a campanha e nem depois da campanha. Fui duas vezes na Paulista, mas jamais atentei contra o STF. Pelo contrário, quem tem um pouco de cabeça e de cérebro sabe que não pode se meter com alguém que não possa vencer. Jamais me meteria contra o STF. Lá atrás já declarei que, de repente, você participa de algum grupo que fala mal de alguém. Eu falo por mim, ninguém é meu representante. Sou tido como alguém que fala a verdade e fala o que quer. Então, tem que ver o que eu falei, e o que eu falei está nas minhas redes sociais. Fui convidado a participar de um ato na Paulista, em março. Não fui e publiquei que não iria porque era momento de cuidar da saúde, cuidar da economia e que não tivéssemos uma crise política. Pedi naquele momento a união dos três poderes. Logo depois coloquei bandeira branca nas minhas lojas, pedindo a paz e a harmonia para que o Brasil pudesse ultrapassar este momento.

Na sua opinião, por que o sr. virou o alvo do inquérito do Alexandre de Moraes?
Eu tive acesso aos autos e vi que um deputado do Rio Grande do Sul disse que talvez, supostamente, o dono da Havan fosse um dos patrocinadores disso. Ele também não disse que viu. Eu tenho uma manifestação muito forte nas minhas redes sociais, mas eu não patrocino ninguém para falar por mim. De todo aquele pessoal que está no inquérito das fake news, particularmente, eu conheço um, de quando fui para Brasília na posse do Bolsonaro. De todo aquele pessoal que tem sites, nós não patrocinamos e nem conhecemos pessoalmente.

Segundo o ministro Alexandre, os empresários acusados de financiar essa suposta estrutura de fake news participavam de um grupo de WhatsApp. O sr. participa de um grupo com eles?
Em janeiro de 2018, eu estive em uma feira de varejo em Nova York, quando o Flávio Rocha apresentou o Brasil 200, que era um grupo de empresários visando também ser ativistas políticos para mudar o nosso país. O que pregava naquela época: conservadorismo nos costumes e liberalismo econômico. Baseado nisso, o Flávio me ligou pedindo para assinar como membro do Brasil 200. Participei na época da apresentação do Flávio e sou amigo pessoal dele, nada mais do que isso. Eu não participo da reunião do Brasil 200.

Nem do grupo do WhatsApp?
Não me lembro de participar. Como ativista político durante a campanha, você não imagina a quantidade de grupos de WhatsApp de que participei, é uma loucura. Às vezes, a gente é adicionado. Mas o que estão imputando é suposto financiamento de fake news ou que eu tenha influenciado as eleições através do meu poder econômico, impulsionando WhatsApp na campanha de 2018. É zero. A tranquilidade que eu tenho é a de quem não fez nada de errado.

O que irão encontrar, então, com a quebra do seu sigilo bancário?
Muitas doações. Pessoas que ajudo financeiramente. Meus parentes, pessoas deficientes, que precisam de cadeira de rodas, atletas. Nada que vá levar a nenhum financiamento de ato político na Paulista, nem em Brasília, e a nenhuma dessas pessoas que foram indicadas no processo.

O sr. tem dito que estão querendo usá-lo para cassar o presidente Jair Bolsonaro. Quem estaria por trás desse plano?
Isso é coisa da oposição, que perdeu as eleições nas urnas e quer ganhar as eleições no tapetão. Foi o PT que entrou com essa ação. A próxima eleição é em 2022. Temos que deixar o Brasil andar. Nenhum brasileiro em sã consciência pode querer neste momento um impeachment, uma cassação. Nós precisamos de paz. Eu ando todos os dias na rua. O maior temor do brasileiro é o desemprego, não é o coronavírus. As pessoas estão apavoradas com a perda dos seus empregos. Qualquer disrupção, seja de qual lado vier, vai afetar frontalmente a economia e, automaticamente, prejudicar o país.

Se o sr. não financiou a rede de ataques contra o STF, por que o ministro Alexandre tomou uma medida rigorosa como essa, quebrando seu sigilo?
Acho que ele foi induzido ao erro.

Quem teria induzido o ministro a erro, na sua opinião?
Me parece que o inquérito é tão grande que você pode cometer erro e não ser induzido a nada. Sou uma pessoa que acredita nas outras pessoas. Quero crer que todas as pessoas são do bem e querem fazer o bem. Estou muito tranquilo do que eu fiz na campanha eleitoral. Eu fazia todos os dias vídeos e despachava esses vídeos através da minha lista de transmissão, 30, 40 mil nomes que eu tenho, mais alguns grupos que iam sendo criados dos bolsonaristas. Como qualquer outro partido deve ter feito assim. Quando gravava um vídeo, soltava no WhatsApp, nas minhas redes sociais. Eram sempre muito lúdicos. Me vestia de palhaço, me vestia de capitão, que viralizava com muito facilidade. Você sabe como um bom vídeo vira um rastro de pólvora. Você não precisa colocar nenhum centavo nele. Agora, não entendo até hoje esse protagonismo que acabei tendo nas eleições. Também não entendo que eu continue apanhando da velha mídia porque eu defendo o liberalismo econômico. Quando a gente acertar a economia no Brasil, tudo muda. Acabam as ideologias furadas, as coisas que falam de besteira. Nada melhor do que a ciência exata para expurgar todos esses males de que sofre o país.

Muita gente acredita que o presidente Bolsonaro é conservador nos costumes, mas em sua essência não é liberal.
Acho que cada pessoa vai evoluindo com o decorrer do tempo. Só o fato de o Bolsonaro ter colocado o Paulo Guedes como ministro da Economia mostra o quão liberal ele é. E ele vai evoluindo. Tenho certeza que o Bolsonaro neste último ano, convivendo com o Paulo Guedes, hoje acredita que o Brasil só vai sair do buraco quando reduzir a máquina pública e deixar os empreendedores e empresários fazerem o que eles mais sabem, que é empreender, ganhar dinheiro e investir no país. Minha maior luta neste país é contra a burocracia. Hoje, por exemplo, eu tenho 70 terrenos para abrir lojas, e só tenho 15 licenças. Tem licença que demora cinco anos. Isso é o fim do mundo. Nós teríamos pleno emprego se não tivéssemos uma máquina estatal tão inchada.

DivulgaçãoDivulgação“De todo aquele pessoal que está no inquérito das fake news, eu conheço um”
Há um embate dentro do próprio governo, entre a equipe econômica e a ala militar, em relação à agenda de privatizações?
Zero. É muita desinformação. Eu costumo dizer o seguinte: lá no Planalto, é paz e amor; fora, é guerra e terror. Na realidade as coisas não batem entre o que se pensa lá dentro com o que se explica aqui fora. Eu sou a favor de vender todas as empresas estatais. Elas vivem para sustentar a máquina política, não vivem para a população brasileira. Tem de vender tudo, o Brasil não precisa de empresas estatais. Sou adepto do estado enxuto. É através da iniciativa privada que nós vamos ter o Brasil que sonhamos.

O sr. disse que estendeu a bandeira branca, mas o próprio presidente provoca um tensionamento com outros poderes. Isso já aconteceu inúmeras vezes. Não é uma contradição?
Eu acho que o presidente só se defende. Tenho certeza de que o presidente Bolsonaro quer paz e harmonia. Falei para ele: ‘Presidente, senta no colo, beija na boca, abraça’. É só com união que teremos o Brasil que nós queremos. Não podemos continuar numa guerra sem fim, uma guerra de informações.

Estou falando das declarações públicas do presidente. O sr. não acha que ele trata adversário político como inimigo?
Isso você tem que perguntar para ele. Eu sempre o vejo no sentido de querer acertar, fazer o melhor para o país. Sempre prego que nós precisamos unir os três poderes. Eu falo por mim e, às vezes, sou criticado pelas pessoas que estão do lado do governo. Mas eu tenho de fazer aquilo que eu acho certo para o país. Eu sou coerente.

Na campanha e no início do governo, os bolsonaristas criticavam a velha política, a prática do toma lá dá cá. A distribuição de cargos à ala fisiológica do Congresso agora não é a repetição do erro cometido pelos governos do PT, que levou a escândalos como o mensalão e o petrolão?
Acho que tudo o que for republicano tem que ser feito. Acho que se você precisa aprovar determinadas leis no Congresso, se você puder se unir com parlamentares e partidos que pensam de forma republicana, você pode arranjar verbas para determinados políticos, desde que corretamente. Jamais fazer como fizeram os outros governos, onde o dinheiro ia para corrupção. Nem todo mundo do Centrão é gente ruim, como nem todo mundo que está na oposição é gente boa. O presidente está negociando com aquelas pessoas que ele acredita que são do bem e que querem o bem para o país. Conseguir verbas parlamentares para o político levar para sua região e ajudar sua comunidade não é ilegal nem corrupção.

O presidente tem explorado que até agora no governo dele não surgiu nenhum grande caso de corrupção. Mas o filho mais velho dele, Flávio Bolsonaro, é apontado como líder de organização criminosa no caso do rachid na Assembleia do Rio.
Eu tenho três filhos, sou responsável por mim. Já imaginou eu ser responsável por aquilo que cada filho meu faz? Quero crer que, se o Flávio fez alguma coisa de errado, ele vai responder pelo que fez de errado. Se ele não fez, é inocente. Agora, querer jogar no colo do presidente problemas do filho dele é errado. Porque passaram outros presidentes, que os filhos tinham problema, e eu nunca vi a mídia ficar caçando os filhos dos ex-presidentes como caça os filhos do Bolsonaro.

A imprensa noticiou diversas suspeitas envolvendo os filhos do ex-presidente Lula, por exemplo.
Mas é pouco. Teve filho de outros presidentes com problema. Era en passant, não era com essa veemência. Acho que estão usando dois pesos e duas medidas. Se está certo, está certo. Se estiver errado, está errado. Agora, fazer 210 milhões de brasileiros sofrerem, pagarem o pato todos os dias, por possíveis delitos em rachadinha ou coisa assim, é demasiado. Me disseram que isso ocorre por todo o Brasil e, hoje, parece que só o filho do Bolsonaro faz.

Mas, para preservar o país, o presidente não deveria se afastar desse caso? O advogado do Flávio era, até dias atrás, o mesmo advogado dele, uma pessoa com acesso aos palácios do governo.
Acho que ele tenta se manter afastado e a imprensa tenta mantê-lo junto. Querem ligar uma coisa na outra. Culpado ou inocente, quem tem de responder pelos seus atos é o Flávio e não o presidente. O presidente tem de tocar o país.

O sr. foi uma das primeiras vozes do empresariado brasileiro e se manifestar contra o isolamento social. Estudos mostram que teríamos hoje mais do que as 54 mil mortes já registradas, se a quarentena não tivesse sido adotada. Ainda assim, o sr. acha que houve exagero?
Desde o princípio eu disse que temos de cuidar da saúde e da economia. Eu fui contra parar o país em março. Na grande maioria das cidades, 95%, não existiam nem casos de infectados em março. Ainda hoje tem cidades que não têm nenhum caso. O que eu era contra era fazer um lockdown tão precipitado. Queimaram a largada. O problema naquela época era São Paulo, Rio de Janeiro, e depois veio Pernambuco. Mas não poderia, naquele momento, parar 5,5 mil municípios, quando 95% não tinham sequer casos registrados. Eu achei, e isso está se provando agora, que muitos governantes usaram a famosa lei (de calamidade) para comprar sem licitação. Na maior parte dos estados, vemos hoje inquéritos que investigam corrupção nos contratos.

O sr. disse que a Havan até melhorou o faturamento em relação ao ano passado e está inaugurando novas lojas. A empresa não foi impactada pela pandemia?
Todos os setores foram impactados, mas eu sou um eterno otimista. Não demiti ninguém por causa da pandemia. Hoje, o nosso centro de distribuição em Barra Velha (município de Santa Catarina), que ficou parado praticamente um mês, está a pleno vapor.

Muitas pessoas que votaram no Bolsonaro se declararam arrependidas nos últimos meses. A que o sr. atribui essa debandada e por que o sr. continua fiel a ele?
Eu ando nas ruas todos os dias. As ruas mostram um cenário totalmente diferente desse que você está falando. As ruas dão apoio ao presidente. É uma loucura. Temos dois anos para trabalhar. Neste momento, ninguém ganha vendo essa tensão entre os poderes e um brasileiro contra o outro. Falo por mim e por milhões de brasileiros que me seguem. Nós não chegamos ao fundo do poço de graça.

DivulgaçãoDivulgação“Jamais me meteria contra o STF”
Naquela fatídica reunião ministerial de 22 de abril, que precedeu a saída do ex-juiz Sergio Moro do governo, ficou evidente que o presidente estava preocupado em proteger a família e os amigos de possíveis investigações. O sr. considera isso republicano?
Eu não vi nas fitas o presidente pedir proteção. O que ele disse é que ele não quer é que as famílias, que os filhos sejam perseguidos. É diferente, totalmente diferente.

O seu nome foi citado pelo presidente na reunião, sugerindo que interveio no Iphan para liberar a construção de uma loja da Havan no Rio Grande do Sul. O sr. pediu favor para o presidente?
Depois da polêmica, eu perguntei para o presidente se eu havia pedido alguma coisa a ele. Sabe o que ele respondeu? “Claro que não, eu vi a live.” Ou seja, ele viu a live que eu fiz (no Facebook) malhando o Iphan. Em outra live, eu toquei o pau no Ministério da Agricultura, do qual recebi muita reclamação de que também não funciona. Ele também viu e eu soube que ele até chegou a falar com a ministra sobre esse assunto. O presidente me segue, vê as minhas postagens, mas jamais pedi nada a ele. Nem sei quem trabalha no Iphan. Nós lutamos contra a burocracia e se nós não acabarmos com a burocracia não valeu nós termos lutado tanto para trocar de presidente.

O sr. usou a live para tentar destravar o seu problema?
Não. Quando faço as minhas lives, as minhas reclamações, não faço por mim, faço isso por todos. Não é contra mim que o Iphan trabalha, é contra todos os brasileiros que querem fazer um loteamento, construir alguma coisa. Sabe o que tinha naquele terreno? Pedaços de louças de macumba, porque lá era um terreiro antes. A minha obra poderia ficar parada anos por causa de macumbeiro. Eu não ligo para o presidente para pedir nada para mim.

A Havan foi multada em pelo menos 58 milhões de reais por sonegação fiscal. Há uma autuação de 2,5 milhões de reais por não recolhimento de INSS. Como o sr. explica essas ações do Fisco sobre a empresa?
A Havan faturou no ano passado quase 11 bilhões. Nós pagamos, em impostos e benefícios, quase 3 bilhões. Nós, como quase todos os empresários brasileiros, nesse emaranhado de leis, decretos, temos de nos defender e discutir no Carf (o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), que é uma instância em que as pessoas vão discutir se aquilo é o não é legal. Então, se ainda está no Carf, nós estamos discutindo administrativamente. Daí você me fala de uma autuação de 2,5 milhões… Isso representa 30 minutos de faturamento de um dia bom. Cinquenta e oito milhões são coisas que nós ainda estamos discutindo se são ou não legais. Nós temos ainda as esferas judiciais para discutir isso.

O sr. já negou diversas vezes que tenha pretensões político-eleitorais, mas o seu comportamento nas redes sociais sugere o contrário. O sr. descarta essa hipótese?
Eu ainda nem aprendi a ser comerciante, depois de tanto tempo… Para ser político eu tenho que fazer pós-graduação, doutorado, mestrado. Não tenho mais tempo nem vida para isso.

Em nenhuma hipótese?
Neste momento em que estou, a palavra é “não”. Falei para o presidente em outra vez que estive com ele que não gostaria de estar sentado no lugar dele. Venho de um lugar na iniciativa privada onde todo mundo confia em tudo mundo. Com a certeza de que ninguém está atrás de mim com faca, querendo me apunhalar pelas costas. Eu não conseguiria viver num lugar onde todo dia é fofoca, é trairagem, é sacanagem. Que merda de lugar é esse? Acho que ser político é um inferno e eu vivo no céu. Por que eu passaria do céu ao inferno? Por que jogaria minha vida fora?

Alguns dizem que entram na política para poder ajudar as pessoas. Outros têm sede de poder.
Eu ajudo mais aqui. Sem ser político, eu sou atacado todos os dias. Imagine se eu virasse político.

O sr. acha que o presidente Bolsonaro termina o mandato?
Seria muito triste um país viver de impeachment em impeachment. Que negócio é esse? Eu acredito nas instituições, no bom senso. Paz, harmonia e economia. Nós precisamos baixar as armas e subir bandeira branca. Eleição para presidente é em 2022. Vamos torcer pelo Brasil.

Essa recomendação, para baixar as armas, não valeria também para o presidente?
Como ele me segue, ele sabe o que eu penso. Às vezes, quando se está há muito tempo numa guerra, ninguém sabe mais quem tem razão. Vejo Israel e o mundo árabe. Estão guerreando há 60 anos e ninguém sabe quem tem razão. Isso é muito ruim. Quanto mais cedo a gente encontrar a paz, melhor. O povo está no meio do tiroteio. O povo é quem mais perde.

O sr. já incorporou o apelido “Véio da Havan”?
Tem Véio da Havan e agora já mandei fazer uma roupa de Zé Carioca. Logo, logo eu vou estrear. Na realidade, eu sou um marqueteiro. Faço do limão uma limonada. Sou disléxico. Aprendi a ler com doze anos de idade e até hoje tenho dificuldade. Mas tenho uma criatividade muito grande. Quem foi disléxico na vida? O Walt Disney, o Einstein. Todos os loucos são disléxicos. Eu sou um louco, um louco que deu certo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A revista está censurando comentários na grande maioria das matérias. Ao se acionar o botão de enviar o comentário o mesmo não é inserido. Havia entendido que a revista Crusoé e O Antagonista eram contra a censura! Nós, leitores, nos mobilizamos defendendo este grupo e junto c/ milhares de pessoas e instituições conseguimos derrubar o que havia sido decidido pelo STF. Somos vítimas de quem defendemos! Tenho centenas de prints de tela que provam isto.Vamos todos deixar isto passar batido?!

    1. JOSÉ "nenhum comentário meu foi censurado" . Pudera você recebe salário da Crusoé ou é um falso assinante pseudônimo do DIOGO MAIANARDI

    2. Ah sim. Elas foram abolidas meses atrás porque tinha gente fazendo mau uso do espaço. Segundo dizem teve até tentativa de hackeamento pelas hostes Bozistas. Não sei os detalhes. A Odete e o Bozo devem saber. De resto, podemos continuar comentando aqui. Até hoje nunca nenhum comentário meu foi censurado.

    3. José; Vc não leu direito e já emitiu opinião. Meus comentários são as edições diárias (estas estão c/ comentários desabilitados). Não era assim. Tenho o e-mail deles confirmando isto, e foi resultado do meu questionamento. Creio que vc tbm não gostaria de ver seu direito de comentar sendo vedado, correto? Vejo que vc é uma pessoa ativa nestes posts e tem a sua opinião (alinhada ou não com a de alguns, mas é a sua e está valendo). Acho que neste ponto deveríamos estar todos do mesmo lado.

    4. Como está censurando, se você acabou de postar essa mensagem? Confesse...você é mais bozista pago para atacar a revista, né? Quanto o Carluxo está pagando para você? Confesse vai?

  2. A maioria das perguntas foi capciosa, porém, o "Véio da Havan" respondeu com inteligência, moderação e coerência. A Crusoé todo dia me decepciona mais. Infelizmente, minha assinatura só termina em 2021!!!!

    1. Não respondeu absolutamente nada o que foi perguntado. Agiu como se fosse um bozista escondendo algo.

    2. Perguntas valiosas dão oportunidade do entrevistado de esclarecer o que seus adversários tem contra ele. Foi exatamente o que ocorreu: as dúvidas foram tiradas, o esclarecimento de quem nada deve foi absolutamente pleno o para o entrevistado. Você é que precisa pensar antes de criticar!

    3. Kkkkkkk. Inteligência e coerência? Kkkkkkkkkk. Isso não faz parte das qualidades Bozistas. Moderação? Kkkkkkkkk. Você quis dizer medo, não é?

    1. “12/06/2020 13h15 A Receita Federal descobriu uma sonegação no valor corrigido de quase R$ 2,5 milhões em contribuição previdenciária por parte da Havan, loja do empresário Luciano Hang, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A informação foi publicada hoje (12 Junho, 2020) pelo jornal "O Estado de S. Paulo".”

  3. Este José aí embaixo é deplorável...invejoso, recalcado e frustrado porque a mamata acabou... Se vc fosse 1/100 do Luciano Hang vc seria um grande sujeito....

    1. Na falta de argumento contra a realidade, só resta aos Bozistas zurrarem. Como zurram os Bozistas. Zurrem bozistas, zurrem. Vocês são o nível mais baixo que um ser humano (?) pode atingir.

  4. Ele fala de ciência exata, mas apoia o sociopata que nega ciência. Fala dos filhos do presidente, mas não fala que os bozokids apenas herdaram o mecanismo de corrupção criado pelo pai. Mostra-se um racista ao considerar um macumbeiro como ser inferior. Fala das burocracias aos empresários mas não pede, por exemplo, o fim dos subsídios que sustentam o clepto-capitalismo brasileiro que ele faz parte. Em resumo: uma figura perfeita para representar o Bozismo.

    1. Nenhum desses Carlão, nenhum desses. Tua capacidade de generalizar é igual a tua capacidade de pensar: nenhuma!

    2. Com esse discurso, deve pertencer a algum desses perfis: empregado público de alguma estatal, considera o marco regulatório do saneamento básico privatização da água, comissionado de ministério da gestão petista, antiga, considera um absurdo o Bolsonaro ter ido inaugurar a obra da transposição no Ceará, mesmo após os doze anos de duração da obra no governo petista....

  5. Parabéns pela entrevista, pela transparência em colocar as respostas sem distorcer e congratulações ao Véio da Havan pela sinceridade, honestidade e fé no futuro.

  6. Tá querendo tirar o corpo fora. Quando mais investigarmos, mas encontraremos as pegadas deste traste nos movimentos neo-nazistas brasileiros,

  7. Vcs tem a cara de pau de intitular “ atos ante democráticos “ que porra é essa veio . Que ilha de jornalismos é essa . Kd o bom censo ? Diogo mainardi bote ordem no galinheiro

  8. Excelente entrevista de um empreendedor, de um contribuinte, sobretudo de um cidadão patriota que acredita na prosperidade nacional. Além disso, excelentes críticas positivas ao IPHAN bem como ao Ministério da Agricultura.

  9. Sensacional! Perguntas maliciosas. Respostas à altura para jogar por terra qualquer maldade! Longa vida para você LH! Deus o abençoe! 🌷🙏

  10. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  11. Vocês estão dando palanque para este sujeito. Não deveriam. A expansão tão rápida da rede de lojas dele me deixa com vários elefantes atrás da orelha.

    1. Ôh inveja! sua rede de lojas faturou apenas 11 bilhões de reais e gerou três bilhões de Impostos e deu emprego, no mínimo para 40 mil pessoas. Daí estão dando importância prô sujeito, é? De quebra é amigo do Presidente e vez por outra vai em seu Jatinho jantar com o JB. Desculpa, isso tem nome: é inveja.

  12. Parabens "veio da Havan"!!! Nunca vi uma entrevista tão policialesca como essa e nunca vi respostas tão sinceras, corretas e objetivas!!!! Geralmente a pessoaenrrrrrroooollla o repórter e não responde nada!

  13. Gostei! Respondeu com educação e clareza todas questões postas. Li, também os comentários, alguns coerentes outros idiotas tipo "caga raiva", certamente por que rumina o ódio por não ter o protagonismo do "Véio da Havan". E daí? - fala-se de alguns que se arrependeram de ter votado no JB, que são raros; e os milhares que se arrependeram por ter deixado de nele votor ou tenham dado seu precioso voto no "andrade"; encabrestado, a pão com mortadela, pelos esquerdopatas. Perderam. Tentem 2020.

  14. isso mesmo Luciano, seja bom naquilo que vc é e não medíocre no que não é. a propósito, não se persseguem Silvio Santos, comunicador, "palhaço" de palco e p. empresário....tomaram o "veio da Havan pra saco de pancada! mas continue com diplomacia, pq é o único jeito de não deixar que te crucifiquem. é o que o Bolsonaro vai aprender a duras penas....

  15. VER UM SUJEITO DESSE DANDO ENTREVISTA PRA CRUSOÉ PRA LEVANTAR BANDEIRA DA PAZ... FICA NÍTIDO QUE HOUVE MAIS UM ACORDÃO EM BRASÍLIA. SEGUE O JOGO... VERGONHOSO

  16. Quem não estiver satisfeito com a matéria e com a Crusoe, sugiro cancelar a assinatura e ligar a TV para ver SBT, Record. Lá assistam Ratinho, Jornal da Record e o Sikêra Jr. Informações de primeira qualidade. E para quem gosta só You Tube, tem a Jovem Pan, com o Pingo nos Is. Lá tem o que procuram.

    1. Concordo em gênero, número e grau. Que cada um procure seus espelhos.

  17. Ultimamente, vejo que as reportagens desses jornalistas que viraram esquerdopart as, em nada contribuem para paz , mas sim para jogar mais combustível na fogueira..Sao uns verdadeiros incendiários.

  18. Não me lembro da mídia chamar os empresários que apoiavam Lula e o PT, de empresários lulistas ou petistas. Por que todos que desejam um país melhor são chamados de bolsonaristas?

    1. Boa, Luiz! O único objetivo dessa mídia repetitiva, estilo Gramci, é estimular o impeachment, de forma "republicana, após uma semana com vitórias dos brasileiros, como a aprovação do Março do saneamento básico, no Senado, após 150 anos de atraso.

    2. Bem lembrado Luiz, os empresários que apoiaram Lula se enriqueceram às custas dos cofres públicos e das "torneiras" do BNDES, (irmãos Batista, JBS, Eike Batista, etc.etc.)

  19. Eu achei as perguntas totalmente pertinentes! Pq iriam fazer uma entrevista se não fosse para esclarecer temas polêmicos que envolvem o entrevistado??? As vezes fico me perguntando o que os assinantes esperam dos jornalistas?

    1. concordo com vc., só que se percebe nitidamente, uma condução de provocação, onde o entrevistado é direcionado pra vala! é que se trata de um indivíduo esclarecido e lúcido, e age com diplomacia.

  20. Uma vergonha para o Brasil tais inquéritos, assim como a introdução dessa matéria que escancara o viés político das reportagens dessa revista. A forçação de barra e a hipocrisia da Crusoé são claras quando percebemos os pesos e medidas diferentes dados aos inquéritos. Quando Crusoé era a afetada, a abordagem era bem diferente do que temos visto nas atuais eduções. Crusoé é uma decepção, uma vergonha. Perdeu toda a credibilidade. Vale publicar qualquer coisa, desde que atinja Bolsonaro.

    1. Vocês que me mandaram ler Turma da Mônica e assistir outros programas, Parabéns!!!!!!!!!!! Vocês são os chamados “democratas” de araque criados por essa mídia enviezada. Não suportam o contraditório e nos chamam de fascistas. Não suportam aqueles que pensam diferente. Ao menor sinal de um pensamento diferente, querem retirar do seu meio! São como as torcidas organizadas que vão às ruas pedir “democracia”! São o exército de alienados criados pela mídia tradicional!

    2. Vai ver a Jovem Pan o SBT o Ratinho a Recordação e o Sikêra Jr

    3. Parabéns, disse o que deva ser dito. simplesmente a VERDADE.

  21. Após deixar de ser presidente, o Boso poderá fazer uma dupla com o Veio da Havan. Dois palhaços que seriam somente ridículos Porém. nada tem de engraçados quando desrespeitam os outros e não agem com bom senso diante de uma pandemia de ceifou mais de 50 mil vidas. Em última análise, é um palhaço sem graça, que segue o outro palhaço sem graça.

  22. Ativismo político é algo muito bom para nossa democracia e o Luciano colocou isso em um patamar popular sem uma barreira intelectual e esnobe, mas as pautas tem que ser as mesmas que vão melhorar o pais e não podemos passar pano e mudar o caminho o MBL também joga nesse ativismo mais popular e vem funcionando. Como sempre precisamos de novas lideranças pois nesse mar de lama dos políticos profissionais não salva mais ninguém.

    1. Meu caro ..va ler mais para dar suas absurdas tacadas sem nexo.

    2. Ativismo político ou palhaçada circense. Um cretino desses deixa de ser somente uma caricatura e passa a ser alguém nefasto, quando tem voz para influenciar em questões como o isolamento Ativista político travestido de palhaço ou palhaço travestido de ativista é o que nos trouxe até aqui. Trocamos o PT corrupto e inepto por um presidente inepto e sociopata, que errou tudo até agora. Isolamento, cloroquina troca de ministros, mentiras, etc. E ainda gasta seu tempo seguindo idiotas.

    3. Concordo, porém abusos de poder econômico para manipular a opinião pública, produzir e divulgar fake news contra opositores políticos, bem como marcos claros entre liberdade de expressão e manifestações anti-democráticas têm que ser contidas dentro dos limites da lei.

    1. Para quem tem mais de 20000 colaboradores este número é pouco ainda.

  23. Gostei! Aqui em Botucatu tem uma bela loja, inaugurada pouco antes de ser decretada a Pandemia pela OMS. Luciano é digno de admiração.

  24. A esquerdalha se espanta ao ver conservadores ganhar voz. Não estavam acostumados a ver oposição, e o jogo mudou! Felizmente vai demorar pra vermos mídia e esquerdopatas dando as cartas. Antagonizantes habituados a dar rumos encontram resistência e discordância. A verdade está com as pessoas, tentar dirigí-las é papel que dá na cara e tira a credibilidade da mídia.

  25. seria bom que ele se comportasse na vida teal como se comportou nessa entrevista! o problema é que usa a explosão para ganhar dinheiro e marketing gratuito de suas lojas...nunca vai parar de atacar...é só lorota. Uma pena pois o Brasil ganharia muito com a pacificação....mas essa pacificação tem que vir de quem esta no poder...a oposição foi feita pra fazer oposição e é natiral que grite..

  26. Apesar da intenção do jornalista jogar casca de banana no caminho do entrevistado, ele se saiu muito bem, aliás que ilusão de um jornalista, sem nenhuma importância, querer se sobrepor a um empresário como ele é a experiência que tem. Por outro lado, está claro que o STF está perseguindo o empresário, este negócio de bandeira branca com esta gente não serve.

    1. As perguntas não são o problema. Porém, basta atentar para as afirmações do jornalista junto das perguntas para perceber o viés incutido nessa revista. As perguntas podem ser às mais incômodas possíveis. Agora cravar afirmações de forma sútil assim, só faz a máscara de jornalismo independente e isento da Crusoé cair. Só não vê quem não quer!

    2. Sem importância é o seu comentário, Georges ! Mais um minion desesperado !!!

    3. E vc queria que não perguntasse sobre as questões mais incomodas ao Veio Zé Carioca? E ele tem resposta boa para tudo, deve ter um bom advogado criminalista e uma baita assessoria de imprensa. Se não perguntasse, dai um daqueles que vc chama de comunista iria dizer que a entrevista foi paga. Não dá para agradar ninguém mesmo. Tudo se lê com viés.

  27. Tentar juntar no mesmo saco Flávio Bolsonaro e Lulinha é estupidez ou desonestidade, Crusoé não é estúpida. Flávio cometeu crime quando deputado estadual no RJ, muito antes de Bolsonaro ser eleito e sem nenhuma conexão com o mandato presidencial. Lulinha foi alçado à condição de empresário de sucesso mediante investimentos consistentes da OI em sua empresa, durante o mandato presidencial de Lula. A OI, assim como a Odebrecht e tantas outras, era uma das "empresas amigas" do governo Lula e dó PT.

  28. A Crusoé está deixando de ser imprensa independente e se juntando à grande mídia desonesta e manipuladora, lamentável. Juntar na mesma pergunta "grande caso de corrupção no governo Bolsonaro" e "Flávio Bolsonaro líder de organização criminosa pela rachadinha" é vergonhoso. Flávio Bolsonaro cometeu crime quando deputado estadual, muito antes e sem nenhuma conexão com o mandato presidencial da Jair Bolsonaro.

    1. Esse tal Rodrigo deve ter só titica de galinha no cérebro. Só tem uma resposta pra tudo. Decorou isso ou tem anotadinho na palma da mão?

    2. Acho melhor vc seguir os Blogs e Sites bancados pelo Banco do Brasil. Quem sabe lá escutará o que lhe convém.

    3. certíssimo Bruno me arrependi de ter assinado a Crusoé, não precisa defender Bolsonaro é só ser imparcial o que não estão sendo

  29. Parabéns ao mega empresário Sr. Luciano Hang da Havan pela entrevista. O STF através dos Ministros Alexandre e Dias Tófolli o está perseguindo. Ele chamou o LULADRÃO de cachaceiro através de uma propaganda divulgada por um avião "teco-teco" nas praias de Santa Catarina e o "Amigo do amigo do meu pai" não gostou é aí querem pegar ele na "moita".

    1. É isso aí Jorge, agora da pra entender pq o Diogo Mainardi ataca tanto o Presidente Bolsonaro depois do STF ter censurado o Antagonista e a Crusoé e fala manso nas críticas aos Ministros do Supremo. Quem tem, tem medo, essa é a verdade.

    2. Sebastião. Você está corretíssimo. Quem manda no STF é que pediu essa perseguição. Equipe Cruzoė. Quem mandou fechar a revista não foi o Bolsonaro. Porque tanto ódio???

  30. L.H. não deixa de ter razão: precisamos que o Presidente tenha paz para presidir. Convém ele convencer Bolsonaro de que essa paz deve ter como ponto de partida sua própria -de Bolsonaro- adesão.

    1. Sincero, não me pareceu enrolado em maracutaias de campanha, mas se mostra ferrenho adorador do ídolo. Tem carisma e capacidade de suavizar sua imagem, mas é pura insistência e recusa em enxergar os traços do mal caráter do presidente.

  31. O presidentO não quer que os filhos e amigos sejam perseguidos ou investigados ??? Eles estão acima das leis, hein periquito de pirata ???

  32. Pela 1a. e espero última vez, faço uma crítica a esta nossa praia. Dar um ESPAÇO TÃO GRANDE para um palhaço TÃO PRQUENO (a não ser, claro, que tenha sido matéria paga, BEM CARA, rsrs). Basta olhar a foto dele com o papagaio Zé Carioca para ver que o cara, por ser um mega sonegador de impostos, é um baba-ovo$ do Boçalnaro, além de ser um genuíno homeco e reles imitador de palhaço, ridículo e sem graça.

    1. Sou a favor da pluralidade de ideias, oposição e debate mas porque quando a gente lê comentários dessa raça de extrativistas, vagabundos esquerdistas gera tanto ódio? Malditos Petistas comedores de bosta!

    2. palhaço?!?! um empresário do Sul, que emprega milhares de pessoas, brasileiros e estrangeiros!?!? estude mais...leia mais e deixe de ver JN e novela, saiam desse buraco que se meteram...

    3. Com este seu comentário, junte-se aos manifestantes anti-democracia. Oponho-me ao Veio Zé Carioca pela idolatria cega e a-crítica a este Presidente, mas saúdo o espaço dado pela Crusoe e ao escrutínio do jornalista a tudo que envolve o entrevistado pelo exemplo do exercício de uma imprensa profissional e livre num ambiente democrático.

    4. Plagiando em parte a música de Roberto Carlos: Águia me mostra, no teu caminho Como se pousa longe do espinho Como se luta, por esse mundo Como se salva tu nesse ninho

    5. Uma pessoa que dá emprego a milhares de pessoas e recolhe uma cifra abissal de impostos num país que trata muito mal o empreendedor não pode ser boçal. Trata - se de um “self-made man”, como tantos outros, como por exemplo o Silvio Santos. São pessoas que não tiveram instrução superior mas fizeram fortuna às custas de muito trabalho e tino comercial. Por que o sucesso de um brasileiro faz mal aos outros brasileiros? Nos Estados Unidos os bem sucedidos são admirados. Aqui no Brasil são odiados!

    6. Só que o Hang trabalha desde guri, um fato abominável e ofensivo para os PTralhas vadios e preguiçosos.

  33. malandro é malandro, mané é mané. Esse velhinho da Havan é nosso Macunaíma, herói sem nenhum caráter. Suas ideias são sem sustentação é levianas, que só serão capaz de influenciar um incauto como Bolsonaro

  34. Esse senhor é o representante do mau empresário. Deve uma fortuna para a receita, tenta driblar as normas administrativas de todas as cidades onde têm lojas. Não conheço suas lojas, mas pelo que me disseram só vende lixo. É o tipo de patrão que paga pouco, explora até não poder mais é pra receber só na justiça trabalhista. O bom brasileiro não se fantasia de verde amarelo mas está em ordem com seus compromissos, cumpre as leis.

  35. É um guerreiro, baita empreendedor. Emprega muita gente e tem 100% de razão sobre o inferno da burocracia que temos atualmente, mas discordo sobre Bolsonaro. Este é péssimo líder.

    1. Muito bom Claudia, a gente sabe que isso é a verdade. Eu emprego 40.

  36. Crusoé ganhou mais pontos comigo, que me orgulho de ser assinante desde o surgimento da revista, por essa entrevista. Na minha avaliação, o entrevistado fala a verdade. Eu também votei no Bolsonaro no segundo turno (no primeiro fui de Amoêdo) para derrotar o PT. No início, pelas acertadas nomeações do Sergio Moro e Guedes, passei a acreditar que teríamos um bom governo. Com o surgimento do Queiroz e pela atuação dos filhos no governo do pai, fiquei decepcionado. Chegará essa hora também para LH.

    1. Sou assinante e gostei da entrevista. Achava que esse véio era um idiota. Me enganei mais uma razão para apreciar a gestão Bolsonaro

    2. vc descreveu a mesma coisa que fiz, na tentativa de livrar o país do pt, votei em Bolsonaro. Hoje em dia me decepcionei muito e quero acreditar que esse sentimento é da maioria dos eleitores que votaram neste senhor e que seja mesmo uma minoria segue fielmente e cegamente este governo.

  37. Esse sujeito é maluco. Vai se ferrar no final. Votei no Bolsonaro no 2 turno e me decepcionei. Ao invés de governar vive procurando encrenca. Bozo aplaina a estrada para a volta do pt. Sem falar na tal “gripezinha”.

  38. Seu viés anti-Bolsonaro está se igualando ao globolixo, mas lá se entende porque além do time conhecidamente comunista, a Globo perdeu verbas oficiais e está desesperada. A Band já está nas mãos comunistas. E vocês qual o motivo? Não sou bolsonarista, mas é nojenta a postura de malhar todo dia prejudicando o país. Vou deixar de assinar e olha q sempre fui fã do Diogo.

  39. parabéns Luciano pela vida empresarial e pessoal. duro mesmko é aguentar entrevista com jornalista que nem sabe o que perguntar e o tempo todo e algum disse falaram parece que. pergunta direta nada

  40. Parabéns à este empresário de sucesso, num país que é o inferno para fazer negócios. A Luta para o desaparelhamento do Estado pelas esquerdas é de todos, se não estaremos condenados à pobreza eterna.

    1. Naonconheço fabio leite, mas vou ficar de olho nesse (deixa pra lá) Herialdo

    2. Bode expiatório? Explique. O comentário saiu no lugar errado?

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO