O calvário de Parente

13.07.18

Pedro Parente terá de se explicar mais uma vez à Comissão de Ética da Presidência da República. Desta vez, por ter anunciado sua demissão da presidência da Petrobras com a Bolsa de Valores em pleno funcionamento. O timing do anúncio causou estranheza entre os integrantes do colegiado. Eles querem entender melhor por que Parente não esperou o fechamento do mercado. O baque foi forte: no dia da demissão, a Petrobras perdeu 40,5 bilhões de reais em valor de mercado, chegou a ter queda de 20% na bolsa e os papéis da empresa tiveram negociação suspensa. A próxima reunião da comissão será no próximo dia 30, quando os conselheiros se debruçarão também sobre a defesa apresentada por Parente e pela própria Petrobras no processo, aberto a partir de reportagens publicadas por Crusoé, que esmiuça as sociedades do executivo com empresas interessadas em contratos com a estatal.

José Cruz/Agência BrasilJosé Cruz/Agência BrasilO ex-presidente da Petrobras tem contas a prestar em Brasília

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

Só R$ 1,90* no primeiro mês

Edição nova toda Sexta-Feira. Leia com Exclusividade!

Assine a Crusoé

*depois, 11 x R$ 14,90

Deixar para mais tarde

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A pressão foi muito forte e sem o devido apoio todo o mercado já tinha antecipado a saída do Parente ! O mercado reagiu no dia, da mesma forma ou pior , no dia seguinte .

  2. Basta acompanhar os ganhadores no mercado depois da demissão. Se encontrarem amigos e amigos dos amigos aí será um bom indício.

Mais notícias
Assine
TOPO