Pedro Ladeira/Folhapress

Lava Jato denuncia ataque de hackers

09.06.19 21:13

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba informou neste domingo, 9, que os seus integrantes sofreram ataques de hackers. Segundo o Ministério Público Federal no Paraná, foram invadidos telefones e aplicativos de procuradores, e há a possibilidade de terem sido copiados documentos e dados de estratégias e investigações em andamento.

O comunicado da força-tarefa alerta para a possibilidade de que “a atividade criminosa continue e avance para deturpar fatos, apresentar fatos retirados de contexto, falsificar integral ou parcialmente informações e disseminar ‘fake news'”.

De acordo com a nota, um grupo de trabalho com diversos procuradores da República foi constituído para investigar o ataque e “buscar as melhores medidas de prevenção a novas investidas criminosas”.

O posicionamento foi divulgado depois de o site The Intercept Brasil publicar reportagens com o conteúdo de conversas privadas  de integrantes da força-tarefa da Lava Jato, como o coordenador Deltan Dallagnol (foto), com o então juiz federal Sergio Moro, hoje ministro da Justiça.

Na semana passada, Moro e o relator das ações da Lava Jato no Tribunal Regional da 2ª Região, Abel Gomes, também sofreram ataques de hackers.

Abaixo, a íntegra do comunicado:

A força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal do Paraná (MPF/PR) vem a público informar que seus membros foram vítimas de ação criminosa de um hacker que praticou os mais graves ataques à atividade do Ministério Público, à vida privada e à segurança de seus integrantes. 

A ação vil do hacker invadiu telefones e aplicativos de procuradores da Lava Jato usados para comunicação privada e no interesse do trabalho, tendo havido ainda a subtração de identidade de alguns de seus integrantes. Não se sabe exatamente ainda a extensão da invasão, mas se sabe que foram obtidas cópias de mensagens e arquivos trocados em relações privadas e de trabalho. 

Dentre as informações ilegalmente copiadas, possivelmente estão documentos e dados sobre estratégias e investigações em andamento e sobre rotinas pessoais e de segurança dos integrantes da força-tarefa e de suas famílias.

Há a tranquilidade de que os dados eventualmente obtidos refletem uma atividade desenvolvida com pleno respeito à legalidade e de forma técnica e imparcial, em mais de cinco anos de Operação.

Contudo, há três preocupações. Primeiro, os avanços contra a corrupção promovidos pela Lava Jato foram seguidos, em diversas oportunidades, por fortes reações de pessoas que defendiam os interesses de corruptos, não raro de modo oculto e dissimulado.

A violação criminosa das comunicações de autoridades constituídas é uma grave e ilícita afronta ao Estado e se coaduna com o objetivo de obstar a continuidade da Operação, expondo a vida dos seus membros e famílias a riscos pessoais. Ninguém deve ter sua intimidade – seja física, seja moral – devassada ou divulgada contra a sua vontade. Além disso, na medida em que expõe rotinas e detalhes da vida pessoal, a ação ilegal cria enormes riscos à intimidade e à segurança dos integrantes da força-tarefa, de seus familiares e amigos.

Em segundo lugar, uma vez ultrapassados todos os limites de respeito às instituições e às autoridades constituídas na República, é de se esperar que a atividade criminosa continue e avance para deturpar fatos, apresentar fatos retirados de contexto, falsificar integral ou parcialmente informações e disseminar “fake news”.

Entretanto, os procuradores da Lava Jato não vão se dobrar à invasão imoral e ilegal, à extorsão ou à tentativa de expor e deturpar suas vidas pessoais e profissionais. A atuação sórdida daqueles que vierem a se aproveitar da ação do “hacker” para deturpar fatos, apresentar fatos retirados de contexto e falsificar integral ou parcialmente informações atende interesses inconfessáveis de criminosos atingidos pela Lava Jato.

Por fim, os procuradores da Lava Jato em Curitiba mantiveram, ao longo dos últimos cinco anos, discussões em grupos de mensagens, sobre diversos temas, alguns complexos, em paralelo a reuniões pessoais que lhes dão contexto. Vários dos integrantes da força-tarefa de procuradores são amigos próximos e, nesse ambiente, são comuns desabafos e brincadeiras. Muitas conversas, sem o devido contexto, podem dar margem para interpretações equivocadas. A força-tarefa lamenta profundamente pelo desconforto daqueles que eventualmente tenham se sentido atingidos.

Diante disso, em paralelo à necessária continuidade de seu trabalho em favor da sociedade, a força-tarefa da Lava Jato estará à disposição para prestar esclarecimentos sobre fatos e procedimentos de sua responsabilidade, com o objetivo de manter a confiança pública na plena licitude e legitimidade de sua atuação, assim como de prestar contas de seu trabalho à sociedade.

Contudo, nenhum pedido de esclarecimento ocorreu antes das publicações, o que surpreende e contraria as melhores práticas jornalísticas. Esclarecimentos posteriores, evidentemente, podem não ser vistos pelo mesmo público que leu as matérias originais, o que também fere um critério de justiça. Além disso, é digno de nota o viés tendencioso do conteúdo até o momento divulgado, o que é um indicativo que pode confirmar o objetivo original do hacker de, efetivamente, atacar a operação Lava Jato.

De todo modo, eventuais críticas feitas pela opinião pública sobre as mensagens trocadas por seus integrantes serão recebidas como uma oportunidade para a reflexão e o aperfeiçoamento dos trabalhos da força-tarefa.

Em paralelo à necessária reflexão e prestação de contas à sociedade, é importante dar continuidade ao trabalho. Apenas neste ano, dezenas de pessoas foram acusadas por corrupção e mais de 750 milhões de reais foram recuperados para os cofres públicos. Apenas dois dos acordos em negociação poderão resultar para a sociedade brasileira na recuperação de mais de R$ 1 bilhão em meados deste ano. No total, em Curitiba, mais de 400 pessoas já foram acusadas e 13 bilhões de reais vêm sendo recuperados, representando um avanço contra a criminalidade sem precedentes. Além disso, a força-tarefa garantiu que ficassem no Brasil cerca de 2,5 bilhões de reais que seriam destinados aos Estados Unidos.

Em face da agressão cibernética, foram adotadas medidas para aprimorar a segurança das comunicações dos integrantes do Ministério Público Federal, assim como para responsabilizar os envolvidos no ataque hacker, que não se confunde com a atuação da imprensa. Desde o primeiro momento em que percebidas as tentativas de ataques, a força-tarefa comunicou a Procuradoria-Geral da República para que medidas de segurança pudessem ser adotadas em relação a todos os membros do MPF. Na mesma direção, um grupo de trabalho envolvendo diversos procuradores da República foi constituído para, em auxílio à Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação da PGR, aprofundar as investigações e buscar as melhores medidas de prevenção a novas investidas criminosas.

Em conclusão, os membros do Ministério Público Federal que integram a força-tarefa da operação Lava Jato renovam publicamente o compromisso de avançar o trabalho técnico, imparcial e apartidário e informam que estão sendo adotadas medidas para esclarecer a sociedade sobre eventuais dúvidas sobre as mensagens trocadas, para a apuração rigorosa dos crimes sob o necessário sigilo e para minorar os riscos à segurança dos procuradores atacados e de suas famílias. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • A Coluna Exclusiva de Sergio Moro
  • Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Será que o O tal Glenn, do Intercept que divulgou as conversas do ministro Moro, teria algum parentesco com o advogado Greenhalg que ficou multimilionário defendendo corruptos na Mensalão ...

  2. As forças que tentam arduamente transformar o país ainda são muito ingênuas. Subestimam a maldade das forças corruptas desse país. É urgente protegerem seus trabalhos e suas ações tecnologicamente e também se protegerem humana e pessoalmente!

  3. A Equipe da Lava Jato sabem muito bem do que esses bandidos são capazes de fazer. Se matam até ex-aliados, imaginem adversários. Vejam o que fizeram com Bolsonaro. Não pensem que eles esquecem..

  4. Ataques provocados por "hackers" da ORCRIM LuloPTista, existentes em todos os òrgãos Públicos brasileiros......recebem milhões de reais para cometer esses crimes,,,,,,,,,proveniente de dinheiro público roubado nos 16 anos de comando desses bandidos da ORCRIM LuloPTista......que faliram e quebraram o Brasil.

  5. NÃO PASSARÃO!!!! NÃO TERÃO CRÉDITO!!!! MARGINAIS NÃO TERÃO A CONFIANÇA DO POVO BRASILEIRO!!!! FORÇA MINISTRO SÉRGIO MORO, FORÇA DR. DELTAN DALAGNOL, FORÇA ASES DA LAVAJATO!!! OS SENHORES SÃO O ORGULHO DO BRASIL!!!!

  6. Isso é coisa dos amiguinhos russos ou chineses do PT. O problema desse tipo de interceptação é que não tem como depois saber o que de fato foi conversado no telegram ou no Whatsapp, pois o hacker pode editar os textos, suprimindo o que não lhe interessa ou até acrescentando coisas.

  7. É mais do que certo que os hackers são pessoas que tem interesse em desmontar a Lava-Jato e desmoralizar os juízes e promotores, que trabalharam por anos, com dedicação e afinco, para prender criminosos e desbaratar quadrilhas. Os hackers estão à mando de um mecanismo maior, que o cidadão de bem já aprendeu a identificar com clareza. Quem acompanhou o Mensalão e o Petrolão sabe a quem interessa destruir a respeitabilidade de Moro, Dellagnol e seus colegas de trabalho.

  8. Era de se esperar um ataque nesses moldes a Lava Jato e a outros órgãos do governo federal que estão trabalhando para passar o Brasil a limpo e os que estão tomando as iniciativas corretas para fazer o país voltar a crescer e propiciar emprego aos mais de 13.000.000 de desempregados e aos outros mais de 20.000.000 de brasileiros que vivem de "bico", sem emprego certo com remuneração condizente. São muitos e poderosos os interessados em desestabilizar o País.

  9. O cães de guarda do PT , não medem esforços para escapar do inevitável, isso só é munição para os que ladram lula livre . Mas podem espernear, rosnar, morder o pé da cadeira que a situação do larápio criminoso Lula não vai mudar.

  10. O Pt e em particular José Dirceu propagou a "vassoura de bruxa" nos pés de cacau no sul da Bahia, isso foi assumido por ele, foi uma praga com que até hoje lutam os que aquela planta cultivam. Esse partido que já devia ter sido extinto não sabe fazer oposição sem causar um grande mal ao país.

  11. Crusoé, é muito importante que a revista dê divulgação constante sobre o andamento das apurações e que os autores sejam aqueles da operação em si, bem como os responsáveis intelectuais pela invasão venham a ser descobertos e sejam denunciados e processados pelo crime cometido. Todo o apoio à força tarefa e demais envolvidos na Operação Lava Jato!

  12. Pra cima dos hackers com toda inteligência e força ostensiva. A interceptação das informações das instituições constituídas do Ministério Público e da Justiça Federal é caso que põe em risco a segurança nacional. Esse mal, que, certamente, tem origem em organizações criminosas devem ser combatido com pleno rigor.

  13. Agora que a Lava a Jato chegou no Bradesco, Itaú-Unibanco e o Governo Federal parou com a sangria do Banco do Brasil, Caixa e BNDES... O poder da lavagem de dinheiro entra em cena ... Brasil está ficando sério, mais ataques virão e serão combatidos #LAVAaJATOehMAIOR #maisLAVAaJATO

  14. Tem que ir alem de saber quem foi o hacker, isso ai tem cheirinho de "TOGA SUPREMA" precisa saber quem foi o MANDANTE desse ataque hacker.

  15. Enquanto um certo ParTido for extinto em definitivo, levando junto suas outras ramificações como PSOL, PCdoB, etc. esse tipo de crime e chantagem sempre continuará existindo.

  16. Depois dessa, já nem sei se acredito na história do Edward Snowden que foi publicada pelo mesmo jornalista. Pensar 2x antes de dar créditos a esse petistinha...

  17. The Intercepter,O Hacker,Os Condenados, Os Corruptos: alguma dúvida de que são ligados umbilicalmente??? A organização criminosa indo pro tudo ou nada, escancarando seu modos operandis.

  18. O atual STF terá 2 vagas neste mandato presidencial, ao que parece o ministro MORO ocupará a primeira. O trabalho dele como ministro será interrompido. Sugiro que a primeira seja oferecida ao procurador Deltan Dallagnol, que certamente participará no intuito de punir bandidos, ao contrário do que vemos hoje, e o ministro continuaria seu brilhante trabalho e ocuparia a segunda vaga. Bandidos precisam é de cacete!!

  19. Considero apenas a gravidade dos fatos do ataque de rakhers a procuradoria da Lava Jato. Tenho a convicção do trabalho realizado que muito contribuiu e vem contribuindo para o combate a corrupção em nosso país. Jamais algo nesse sentido aconteceu com tanta eficácia e determinação. O povo tem que continuar apoiando o trabalho da Lava Jato e defender uma investigação que possa colocar na cadeia os responsáveis pelo ataque criminoso, irresponsável.

  20. Quem forneceu a matéria publicada no site The Intercept Brazil conhece sua procedência. O texto não caiu do Céu. É evidente que foi fornecido pelo próprio " hacker" ou por alguém muito próximo dele. Trata-se de crime grave que precisa ser devidamente apurado e punido com rigor.

  21. As quadrilhas de corruptos que saquearam o Brasil, o governo e as estatais tem ramificações internacionais. Agora começam a aparecer quando o combate à impunidade cada vez mais se aprofunda. Tiraram a máscara, junto a seus aliados, politicos e outros agentes nacionais. Aprofundam o ataque no sentido de impedir a "sangria", conforme enfatizou um conhecido político ligado a seus desígnios.

Mais notícias
Assine 7 dias grátis
TOPO